top of page

A HISTÓRIA DO BUDA, COMO CONTADA NA EUROPA MEDIEVAL

Atualizado: 23 de out. de 2022


A lenda de Barlaam e Josaphat, França, primeira metade do século XIV. A ilustração mostra Barlaão em preto e Josafá em branco. Biblioteca Britânica, Egerton MS 745 f. 131
A lenda de Barlaam e Josaphat, França, primeira metade do século XIV. A ilustração mostra Barlaão em preto e Josafá em branco. Biblioteca Britânica, Egerton MS 745 f. 131

Muito se tem falado sobre as diferenças entre as várias religiões ao longo do tempo, mas muitas das histórias que associamos a uma certa fé foram influenciadas de uma forma ou de outra por outras pessoas. Um caso curioso de história medieval que ultrapassa as fronteiras religiosas é a vida de Josafat, um santo cristão cujas origens parecem não ser cristãs de forma alguma. A história de sua vida é a história de vida de Buda.


Na introdução à tradução de Peggy McCracken de Barlaam e Josaphat (escrita por Gui de Cambrai no século XII), Donald S. Lopez Jr. demonstra a conexão claramente. A história do Buda, diz ele, tem três momentos importantes que são bastante consistentes. Quando ele nasce, o pai do Príncipe Sidhārtha (que um dia se tornará o Buda) pede aos astrólogos que contem o seu futuro. Os astrólogos preveem que ele se tornará um grande rei ou um santo - apenas um está convencido de que não será rei, mas sim um santo. Desanimado, o rei constrói um palácio para proteger Sidhārtha do mundo, a fim de encorajar seu desejo de ser rei. Em Barlaam e Josafat, acontece o mesmo, com a diferença de que a opção indesejável é que Josafat se tornará cristão. Como Sidhārtha, Josafat está trancado em um palácio de prazeres; nem é saber nada do lado feio da vida.


O segundo ponto em comum é que, apesar dos melhores esforços e súplicas de seus pais reais, os príncipes deixam o palácio e encontram representantes da humanidade que começam a mudar suas visões de vida. Para Sidhārtha, os encontros são com "um homem velho, um homem doente, um homem morto e, finalmente, um monge meditador". Para Josafat, é um cego, um leproso e um idoso.


Finalmente, o último ponto em comum é que quando os príncipes desejam seguir seus próprios caminhos, Sidhartha "ir em busca de um estado além do nascimento e da morte" e Josafat para se tornar um asceta cristão, seus pais tentam usar sua sexualidade para mudar seu mentes, enchendo-os de mulheres. Embora Sidhārtha não se sinta tentado, Josafat chega perto de ceder, em parte porque uma “princesa escrava” promete se converter ao cristianismo se ao menos se casar com ela (ou, na sua falta, apenas dormir com ela uma vez). O anseio de Josafat pela conversão dela (junto com sua beleza e lágrimas) quase o destrói, mas no final ele se recusa, agarrando-se à virgindade. (Sidhārtha, aliás, é um marido e pai no mesmo ponto de sua história.)


Embora esses sejam os únicos lugares para onde as histórias convergem, sua semelhança é próxima demais para ser coincidência. Lopez traça a evolução da história do que provavelmente era um original persa perdido, para o árabe, depois para o georgiano, o grego, o latim e, finalmente (no caso de Gui de Cambrai) o francês. Linguisticamente, Lopez torna a conexão ainda mais clara, de Bodhisattva (sânscrito) a Būdāsaf (árabe), a Iodasaph (georgiano), a Ioasaph (grego), a Josafat (latim). Essa tradução e transmutação da história aconteceu ao longo de muitos séculos, com o Buda realmente tendo vivido no V século a.C, e a história tendo dado o salto do (possivelmente) persa para o árabe por volta do VIII ou IX século d.C, então traduzido para o georgiano pelos monges em Jerusalém no século X e para o grego por volta do ano 1.000 EC.Barlaam e Josafat eram muito queridos: “A história apareceu em latim no século XI e foi posteriormente traduzida para praticamente todas as línguas vernáculas europeias - dez versões apareceram apenas em francês entre os séculos XII e XV”. A versão de Gui de Cambrai surge no século XII.


A história real de Barlaam e Josafat, além de sua origem notável, é relativamente direta em termos de narrativa medieval. Barlaam é um “monge mais sábio e sagrado” que vive como um eremita e é instruído por revelação divina a procurar Josafat. Ele entra furtivamente no palácio e o ensina sobre o cristianismo, eventualmente batizando-o. Depois de algumas dificuldades e provações, Josafat acaba convertendo milhares (incluindo seu pai). O público medieval poderia aprender junto com Josafat com os ensinamentos e parábolas de Barlaam, que não se desviam muito das histórias de santos padrão e das fontes cristãs da época. Então, talvez sejam os elementos que tornaram a história do Buda tão convincente que os cristãos medievais acharam atraente em Barlaam e Josafat.


Curiosamente, as semelhanças entre as duas histórias não passaram despercebidas pelos medievais que foram expostos a ambas. Como observa Lopez, Marco Polo descreve a história do Buda em sua discussão sobre o Ceilão (Sri Lanka) com os mesmos elementos: um príncipe trancado apenas com prazeres e mulheres bonitas e sedutoras, que encontra a humanidade nas ruas e se afasta de seu deveres reais para uma vida de contemplação. (Marco Polo tem um número impressionante de 30.000 mulheres servindo ao príncipe, chamadas Sakyamuni Burqan na tradução de Nigel Cliff.) Lopez aponta que uma nota (anônima) do editor em uma edição de 1446 das Viagens de Marco Polofaz explicitamente a conexão entre Sakyamuni Burqan e Josafat. A nota do editor “Isto é como a vida de São Josafat” não implica que a vida de Josafat tenha derivado da vida de Sakyamuni Burqan; se alguma coisa, ele poderia ter suspeitado que fosse o contrário. Na verdade, como Lopez aponta, um escritor português do início do século XVII declara que a história do Buda (“Budão”) foi baseada na de Josafat.


Embora Barlaam e Josafat de Gui de Cambrai seja uma história bem escrita com alguns apartes divertidos e fascinantes.


"Nosso Deus... seria errado ter pena de nobres elevados - eles são julgados por sua própria conduta injusta para com os pobres"

Talvez o a parte mais significativa dele não é o conto em si, mas a jornada que o formou. Claramente, a história do Buda tem um apelo duradouro que transcende a linguagem e o tempo.

 

Fonte - Conteúdo trazido do portal Medievalists.net de nome The Story of The Buddha, as told in Medieval Europe


A introdução de Donald S. Lopez Jr. é encontrada na tradução de Peggy McCracken chamada Barlaam and Josaphat: A Christian Tale of the Buddha


- Gui de Cambrai, Peggy Mccracken, Barlaam and Josaphat: A Christian Tale of the Buddha


Danièle Cybulskie (twitter.com/5MinMedievalist)


207 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page