top of page

COMO FUGIR DE UM ASSASSINATO NA IDADE MÉDIA

Atualizado: 21 de jun. de 2022



Há um terrível relato de um assassinato do século XIII que ocorreu na Ironmonger Lane, em Londres. Sabemos sobre esse assassinato pois ele foi registrado com todos os detalhes possíveis dos legistas de Londres, mas, por mais detalhes que tenham sido coletados e arquivados na época, o assassino nunca foi levado à justiça, apesar de todos saberem quem era. As circunstâncias do caso mostram como poderia ser "fácil" escapar impune de um assassinato na Idade Média.


Um taberneiro chamado Simon de Winchester empregou um servo chamado Roger de Westminster por quase duas semanas quando, no início de dezembro de 1276, os dois se envolveram em uma “disputa” não especificada que durou pelo menos dois dias. O problema de ter uma briga com um servo - especialmente aquele com quem você dividia um quarto - era que havia momentos em que você poderia ser extremamente vulnerável. Os registros do legista indicam que, uma noite,


assim que este Roger viu que o dito Simon estava dormindo, ele agarrou uma faca e cortou a garganta de Simon de forma que a cabeça foi totalmente separada do corpo. Depois disso, ele arrastou o corpo para fora e o colocou em um certo local secreto, um lugar escuro e estreito entre duas paredes da mesma casa, onde geralmente ficava o carvão.

No dia seguinte, Roger foi trabalhar na taberna, como de costume, dizendo aos vizinhos que Simon “tinha ido para Westminster, para recuperar algumas dívidas”, e fez o mesmo nos dois dias seguintes.


No crepúsculo, porém, no terceiro dia, ele partiu pela porta externa, trancando-a com a chave e levando consigo uma taça de prata, um manto e alguns lençóis que haviam pertencido ao mesmo Simão. Depois disso, ele voltou e jogou a chave na casa de Hamon Cook, um vizinho próximo, dizendo-lhe que iria procurar o dito Simon, seu mestre, e pedindo-lhe que lhe desse a chave se ele voltasse.

Algumas semanas depois, Hamon deu a chave a um homem a quem Simon devia algum dinheiro, pois parecia que nem Simon nem Roger iriam retornar. O homem pegou o que lhe era devido na taverna e saiu. Meses depois, na Páscoa, o proprietário permitiu que um novo inquilino entrasse no prédio, e foi o novo inquilino quem descobriu o corpo sem cabeça de Simon na área de armazenamento de carvão. Sua cabeça, aliás, nunca foi encontrada, nem Roger de Westminster.


As circunstâncias indicariam que Roger foi o culpado e, embora isso não possa ser provado sem uma dúvida razoável, o texto dos autos indica que foi definitivamente isso o que aconteceu - a descrição do assassinato parece o depoimento de uma testemunha, apesar do fato de que não havia nenhum. No século XIII, as pessoas se sentiam muito mais confortáveis ​​em aceitar as evidências circunstanciais como fatos.


Não há mais detalhes forenses registrados, então é impossível saber se Simon foi realmente morto durante o sono ou em pé, embora sinais óbvios de luta, como outros ferimentos de faca, muito provavelmente teriam sido notados se o corpo não tivesse não foi tão decomposto. É provavelmente por isso que o legista concluiu que Simon estava dormindo. No entanto, roupas de cama podem ser valiosas, e é notável que Roger as tenha tirado de casa junto com uma taça de prata e um manto (também fácil de vender por dinheiro rápido) no dia em que saiu. Como nenhum DNA ou tipo de sangue pode ser obtido de roupas de cama ensanguentadas, e Roger não tentou se livrar do corpo de forma mais permanente, ele provavelmente pegou as roupas de cama para vender - não para esconder evidências - nesse caso, é improvável que fossem coberto de sangue (e, portanto, Simon provavelmente não estava neles quando foi assassinado).


Alguns outros elementos desse caso nos fornecem pistas interessantes sobre a vida medieval e o assassinato. O fato de os vizinhos terem notado imediatamente o desaparecimento de Simon mostra a proximidade das comunidades medievais e como, de certa forma, teria sido difícil cometer tal crime e escapar impune. As pessoas conheciam os negócios umas das outras e percebiam desvios. Ao mesmo tempo, com as viagens rotineiramente demorando muito, uma mentira como a de Roger não levantaria suspeitas imediatamente - neste caso, dando-lhe três dias para montar um plano de fuga. O fato de Roger ser um relativo estranho foi a chave para escapar impune do crime: como não estava na Rua dos Ferragens há tempo suficiente para estabelecer amigos ou hábitos, a rede usual de vizinhos e amigos não poderia ser usada para localizá-lo.


A investigação do legista sobre o assassinato de Simon de Winchester também demonstra o trabalho rotineiro de detetive, pelo qual nem sempre podemos dar crédito aos medievais. Os investigadores registraram detalhes, como onde o corpo foi encontrado e a causa da morte; eles anotaram tempos, lugares e detalhes importantes, como a discussão em curso entre os dois homens diretamente antes do assassinato; e eles fizeram perguntas como os detetives fazem hoje: quem teve acesso ao prédio? Quem foi visto nessa época? Algum ruído ou atividade suspeita? Infelizmente, apesar de sua diligência, a transitoriedade de Roger o tornou indetectável no final.

 

Fonte - Emilie Amt, Medieval England, 500-1500: A Reader, Second Edition (Readings in Medieval Civilizations and Cultures) II edição

202 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Commentaires


bottom of page