top of page

MARXISMO E GUERRA MEDIEVAL



Como os marxistas lidam com a geopolítica medieval e, especificamente, com a dinâmica da guerra na Idade Média? Abordarei essa questão abordando o que considero ser o melhor trabalho marxista sobre o tema publicado nas últimas duas décadas: o estudo estendido de Benno Teschke de 2003 sobre a relação entre relações de propriedade social e sistemas geopolíticos - O Mito de 1648: Classe, Geopolítica e a construção de relações internacionais modernas.


Embora o objetivo principal do estudo fosse desmascarar o que Teschke chamou de “o mito de 1648”, vários capítulos foram dedicados à análise das relações geopolíticas medievais. O principal argumento de Teschke nessa conexão era duplo: primeiro, que “a constituição, operação e transformação das ordens geopolíticas são baseadas na mudança de identidades de suas unidades constitutivas”; e, em segundo lugar, que “as relações de propriedade social… definem principalmente a constituição e a identidade dessas unidades políticas”. Nessa visão, as relações geopolíticas medievais eram em grande parte um produto das estratégias contraditórias de reprodução social perseguidas por produtores camponeses escravizados por um lado e uma nobreza exploradora por outro.


Um pouco mais especificamente, Teschke caracteriza a guerra medieval nos seguintes termos. Em primeiro lugar, ele argumenta que a guerra na Idade Média foi uma função de "acumulação política": dada a natureza do modo feudal de exploração, senhores rivais usaram a força armada para adquirir terras geradoras de riqueza e para obrigar os camponeses a trabalhar nessa terra e entregar o que quer que fosse superávits econômicos que gerou. Teschke então analisa o que ele identifica como as duas principais formas de guerra na cristandade latina medieval. A primeira delas foi a “rixa” - uma forma de violência organizada endêmica da cristandade latina medieval.

A segunda maior forma de guerra dirigida por Teschke é a guerra de conquista e colonização. A esse respeito, ele argumenta que a expansão violenta da cristandade latina medieval pós-carolíngia foi uma função do desenvolvimento da primogenitura e do subsequente problema do excesso de cadetes nobres. Contra o pano de fundo da apropriação localizada e uma cultura de guerra, esses desenvolvimentos, ele argumenta, necessariamente levaram os guerreiros sem-terra a buscar fortunas além das fronteiras da cristandade latina. O resultado: quatro ondas de conquistas violentas - a Reconquista espanhola, a Ostsiedlung alemã, as cruzadas e as conquistas normandas - que expandiram muito as fronteiras da Europa católica.


Enquanto Teschke introduziu uma dimensão sócio-política importante para o estudo da geopolítica medieval em grande escala, em última análise, seu trabalho sofre de duas deficiências que enfraquecem fatalmente sua capacidade de iluminar as causas e o caráter da guerra na alta e no final da Idade Média. Para começar, o relato de Teschke falha em fornecer uma explicação convincente para um dos elementos mais distintos e significativos das relações geopolíticas medievais: As “cruzadas”. Teschke explica esse fenômeno geopolítico em termos de uma confluência de dois conjuntos de interesses materiais: os da Igreja e os da nobreza leiga. Os interesses do primeiro, Teschke argumenta, originaram-se da necessidade de proteger a terra e o tesouro eclesiástico do aumento da invasão senhorial no rescaldo da revolução feudal.


Os interesses deste último, derivados dos fundamentos das relações feudais de propriedade social e da intensificação da fome de terra após “a introdução da primogenitura que restringia o acesso dos nobres aos meios políticos de apropriação”, giravam em torno da necessidade de adquirir terras geradoras de riqueza. e camponeses. Como esses dois conjuntos de interesses convergiram no século XI, eles produziram uma série de impulsos geopolíticos expansionistas, um dos quais foram as cruzadas para a Terra Santa. Vistas desta forma, as cruzadas foram pouco mais do que uma apropriação feudal de terras - com um fino “verniz religioso” com certeza - mas uma apropriação de terras da mesma forma.


O problema com esse relato é duplo. No que diz respeito aos motivos da Igreja, a noção de que as cruzadas foram uma etapa posterior na evolução do movimento pela paz - ou seja, foram motivadas pelo desejo dos funcionários eclesiásticos de proteger os interesses materiais da Igreja, redirecionando nobres violência - embora uma vez popular, não goza mais de muito apoio entre os historiadores das cruzadas. A visão padrão hoje é que os motivos da Igreja devem ser buscados nos valores e interesses derivados da religião do papado pós - Gregoriano - e especialmente em sua crença central de que a Igreja "reformada" tinha o dever de intervir ativamente no mundo para promover justiça e difundir a fé cristã. Com respeito ao seu tratamento dos motivos dos cruzados, há pouco apoio na historiografia contemporânea das cruzadas para a afirmação de que as cruzadas foram um artefato da fome de terra, da pressão demográfica ou do desejo de uma “parte dos despojos”. De fato, as últimas duas décadas ou mais de pesquisas especializadas em cruzadas refutaram definitivamente a alegação de que os cruzados eram cadetes nobres famintos por terras ou colonialistas em busca de riqueza, enfatizando, em vez disso, suas motivações religiosas.


Em segundo lugar, Teschke também falha em fornecer um relato convincente das causas e do caráter do que pode ser chamado de “guerras públicas” da cristandade latina medieval - isto é, guerras travadas por “estados” para defender seus direitos e promover seus interesses. Para ser justo, a análise de Teschke da geopolítica medieval é realmente um estudo da alta geopolítica medieval - ele fornece algumas análises do final do período medieval (que ele caracteriza como um período de "anarquia territorial não exclusiva"), mas não realmente investiga a lógica desse sistema da mesma forma que ele faz no período anterior (que ele chama de “anarquia personalizada”). Se o tivesse feito, teria de prestar muito mais atenção à lógica política distinta desse período introduzida pelo renascimento da autoridade pública. Talvez ironicamente, então, embora seu relato seja um marxista político, a política como tal não figura com muito destaque em sua análise das relações internacionais medievais posteriores. Embora Teschke tenha muito a dizer sobre a expansão da cristandade latina durante a alta Idade Média, e reconheça claramente que uma importante transição ocorreu no final da Idade Média, ele tem pouco a dizer sobre a competição política e o conflito dentro da cristandade latina durante o final da Idade Média.


Talvez ironicamente, o relato de Teschke se baseia em uma compreensão problemática de "interesses". Por um lado, embora existam diferenças importantes entre suas variantes clássicas, estruturais e neoclássicas, o realismo é em grande parte baseado na premissa de que os interesses primários dos Estados - sobrevivência, poder, segurança, riqueza - são materiais e objetivos, separáveis ​​analiticamente de ideias subjetivas, normas e instituições. Refletindo isso, os realistas argumentam que, qualquer que seja a retórica dos oficiais da Igreja e dos guerreiros leigos que realmente lutaram, as cruzadas foram realmente motivadas por nada mais do que a busca (atemporal) de poder e riqueza.


Por outro lado, e correndo o risco de elidir diferenças importantes entre várias subtradições, as teorias marxistas também partem do pressuposto de que os interesses centrais são materiais e objetivos - neste caso, derivados não das estruturas da anarquia, mas de uma localização do agente dentro de um modo de produção / exploração. No relato marxista político de Teschke das cruzadas, a cristalização de um novo padrão de relações de propriedade social (senhorio banal) no rescaldo da revolução feudal deu origem a uma classe de nobres predadores cujo interesse principal era maximizar a riqueza através da aquisição de bens produtivos terra. Esta “fome de terra”, juntamente com os esforços egoístas da Igreja para redirecionar a violência senhorial para longe de seus próprios bens materiais, por sua vez, deu origem a uma estratégia de “acumulação política” voltada para a conquista e colonização da Terra Santa. Em comum com o relato realista, em última análise, esta análise dos motivos da Igreja e dos cruzados está enraizada em suposições objetivistas e materialistas.


Novamente, existem pelo menos dois problemas com essas contas. Primeiro, existem sérios desafios empíricos à afirmação de que o desejo de ganho material sustentou as cruzadas. Na verdade, o consenso atual entre historiadores especializados em cruzadas é que nem a Igreja nem o cruzado típico foram motivados principalmente por tais interesses. Isso é apoiado por um trabalho teórico que demonstra que os atores podem ser motivados por uma gama de interesses - morais, axiológicos (normativos), etc. - que não afetam diretamente seu bem-estar material.


Em segundo lugar, e talvez mais importante, existem desafios conceituais significativos para a suposição de que os atores podem de fato ter interesses “objetivos” - isto é, interesses que são independentes do pensamento humano. Os interesses não são analiticamente separáveis ​​das ideias, mas são produtos de processos interpretativos inerentemente sociais - processos que produzem entendimentos específicos e significativos do que constitui tanto os interesses de um ator quanto as ameaças a esses interesses. Nessa visão, os interesses não podem ser meramente presumidos; elas devem ser especificadas por meio de um exame cuidadoso das formas de conhecimento, consciência, “senso comum” e identidade que permitem aos atores sociais compreender - e assim agir no - mundo.


Em conjunto, essas fraquezas apresentam sérios desafios ao argumento materialista histórico de que a guerra na cristandade latina medieval posterior era uma função das relações de propriedade social. Simplificando, um exame atento das guerras religiosas e públicas da época - com base no estado da arte da historiografia contemporânea - sugere fortemente que não é suficiente, como faz Teschke, reduzir um sistema "internacional" variado e complexo como a cristandade latina para um único tipo de unidade e, em seguida, explicar a dinâmica do sistema em termos da lógica constitutiva desse tipo de unidade (relações de propriedade social). Em vez disso, como argumentei em uma coluna anterior, a ordem geopolítica medieval deve ser entendida como compreendendo dois tipos básicos de unidades bélicas, cada qual com uma lógica constitutiva distinta (e interesses e motivos vinculados): a Igreja e o Estado. Ao tentar apreender a lógica de qualquer ordem mundial dada, isso sugere a necessidade de mapear tanto a constelação de tipos de unidades que constituem aquela ordem quanto os interesses socialmente construídos de cada tipo de unidade. As relações de propriedade social podem muito bem fazer parte da equação - na verdade, como John France habilmente demonstrou, compreender a lógica da alta "guerra proprietária" medieval requer atenção precisamente a essas relações - mas simplesmente não constitui uma espécie de variável mestre capaz de explicando a geopolítica da cristandade latina medieval.

 

Fonte - Benno Teschke, The Myth of 1648: Class, Geopolitics, and the Making of Modern International Relations by Benno Teschke (2009-10-13)

58 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page