top of page

MULHERES NA IDADE MÉDIA

Atualizado: 8 de mar.


Miniatura da Justiça conduzindo as rainhas para a Cidade das Damas no Livro da Cidade das Damas, Harley 4431, f.323. © The British Library Board, Londres
Miniatura da Justiça conduzindo as rainhas para a Cidade das Damas no Livro da Cidade das Damas, Harley 4431, f.323. © The British Library Board, Londres

As mulheres na Idade Média ocupavam vários papéis sociais diferentes. As mulheres ocupavam os cargos de esposa, mãe, camponesa, artesã e freira, além de alguns importantes papéis de liderança, como abadessa ou rainha reinante. O próprio conceito de mulher mudou de várias maneiras durante a Idade Média, e várias forças influenciaram os papéis das mulheres durante seu período.


A vida das mulheres na Idade Média era determinada pela Igreja e pela aristocracia. A Igreja medieval fornecia às pessoas o 'quadro geral' do sentido da vida e do seu lugar nela; a aristocracia assegurava que todos permanecessem em seus respectivos lugares através do sistema feudal de governo que dividia a sociedade em três classes: Clero, Nobreza e Servos.


O lugar das mulheres no clero era restrito ao convento. As posições das mulheres nobres eram ditadas pela quantidade de terra que traziam para o casamento porque a terra era igual ao poder; portanto, a qualidade de vida e as oportunidades de autonomia podem variar significativamente entre a classe alta. As mulheres da classe mais baixa realmente tinham mais liberdade de expressão do que as outras duas porque a vida era uniformemente difícil para os servos – homens ou mulheres – e as mulheres trabalhavam ao lado dos homens nos campos e nas guildas medievais como iguais ou quase iguais.


Os direitos e oportunidades das mulheres na Idade Média não eram uniformes, no entanto, embora os da classe baixa tivessem a menor variação. Diferente como é pré-definido no Brasil, em estudos exteriores os estudiosos dividem a Idade Média em três períodos:


Antiguidade Tardia ou Idade Média Inicial – 476-1000 d.C.

Alta Idade Média – 1000-1300 d.C

Baixa Idade Média - 1300-1500 d.C


Os direitos das mulheres desde os primeiros tempos até os últimos cresceram significativamente devido em grande parte a dois fatores distintos: a crescente popularidade do Culto da Virgem Maria e o desenvolvimento dos conceitos de amor cortês e cavalheirismo. O status e as oportunidades das mulheres também se expandiriam após o surto da pandemia da Peste Negra de 1347-1352, que matou tantas que as mulheres foram autorizadas a assumir a propriedade de uma operação dos negócios de seu falecido marido. Os direitos das mulheres atingiriam seu ápice no final da Idade Média, época em que mais restrições foram implementadas pelo sistema patriarcal principalmente porque as posições sociais das mulheres ameaçavam o status quo.


Mudando as Atitudes em Relação às Mulheres


O Culto da Virgem Maria não era novo na Idade Média. Maria havia sido declarada a Mãe de Deus pela Igreja em 431 d.C no Terceiro Concílio Ecumênico. A alta posição de Maria, no entanto, pouco fez para elevar o status das mulheres na sociedade. A Igreja tanto demonizou quanto elevou as mulheres através da dicotomia do conto bíblico de Eva – que causou a queda da humanidade no Jardim do Éden – e o da Virgem Maria, cujo filho se acreditava ter redimido aquela queda. As mulheres foram simultaneamente consideradas a fonte de todos os males do mundo e os meios de redenção desse mundo através do nascimento de Jesus Cristo.


Assim, as mulheres foram ao mesmo tempo negadas o mesmo status social que os homens, ao mesmo tempo em que eram legalmente reconhecidas como parceiras, companheiras e, sob certas condições, até mesmo iguais do homem. A visão das mulheres como sedutoras do mal ou como deusas virginais não deixou um meio-termo para uma percepção racional da mulher-como-indivíduo. No início da Idade Média, o modelo da mulher como sedutora prevalecia quando o clero enfatizava o papel de Eva na queda do homem. A partir do século XII d.C durante a Alta Idade Média até o fim, o Culto de Maria foi mais popular e assim a percepção das mulheres melhorou.


Mesmo assim, as mulheres ainda eram coletivamente demonizadas mesmo no auge da popularidade do culto por não espelhar a perfeição da Virgem Maria. As mulheres certamente eram vistas sob uma luz melhor do que antes, mas isso não significava que o clero, a aristocracia ou os homens em geral estivessem interessados ​​em vê-las elevadas acima de seu suposto lugar dado por Deus, como fica claro na Bíblia em passagens como I Coríntios 11:3 onde afirma que o homem é a cabeça da mulher ou I Timóteo 2:11-15 que deixa claro que as mulheres são subordinadas aos homens e Eva foi a primeira pecadora. As mulheres estavam, portanto, sempre ligadas a Eva enquanto, ao mesmo tempo, eram elevadas pela associação com Maria. A estudiosa Eileen Power comenta:


Ao considerar as ideias medievais características sobre a mulher, é importante saber não apenas quais eram as ideias em si, mas também quais eram as fontes de onde elas surgiram. A opinião expressa de qualquer idade depende das pessoas e das classes que a articulam; e só por esta razão, muitas vezes representa os pontos de vista de uma minoria pequena, mas vocal. No início da Idade Média, o que se passava por opinião contemporânea vinha de duas fontes – a Igreja e a aristocracia.

Power continua apontando que essas duas fontes – uma celibatária e outra que considera a mulher como um 'bem ornamental' – eram as menos qualificadas para escrever sobre as mulheres. Apesar da visão “oficial” das mulheres como cidadãs de segunda classe encontrada nessas fontes – especialmente sermões e outras obras eclesiásticas – registros domésticos, documentos legais, registros de guildas e outros documentos mostram que as mulheres durante a maior parte da Idade Média vivendo nos mesmos ofícios que os homens, frequentemente assumiam um negócio após a morte do marido e eram valorizados comerciantes, artistas e artesãos.


Direitos das Mulheres


Ao longo da Idade Média, as mulheres de classe baixa eram padeiras, cervejeiras, leiteiras, garçonetes, artesãs, tecelãs e, principalmente, arrendatárias que trabalhavam ao lado de seus maridos e filhos nos campos. O sistema feudal ditava que a terra pertencia ao senhor, que a alugava aos seus arrendatários – os servos – que estavam vinculados àquela terra. O senhor controlava todos os aspectos da vida do servo e isso se estendia à esposa e às filhas de um homem.


O senhor decidia com quem uma menina se casaria, não o pai da menina, porque a filha de um servo era essencialmente propriedade do senhor, assim como seu pai e sua mãe. Uma vez casada, o marido controlava seus interesses e era responsável por seu comportamento e, por isso, as mulheres não são mencionadas com tanta frequência quanto os homens em questões jurídicas na Alta Idade Média. O marido da mulher seria processado se uma mulher transgredisse, não a própria mulher. O trabalho da mulher era cuidar da casa, ajudar o marido no trabalho e ter filhos. Power escreve:


“a grande maioria das mulheres viveu e morreu totalmente sem registro enquanto trabalhava no campo, na fazenda e no lar” (Loyn, 346).

A hierarquia da sociedade medieval era rigidamente mantida, e muito raramente se elevava acima da posição em que se nasceu. Não havia classe média e a única esperança de uma mulher melhorar sua situação, sem se casar, era entrar em um convento. É possível, como alguns estudiosos sugeriram, que houve mulheres que escolheram esse caminho na esperança de educação, mas se assim for, elas ficaram muito desapontadas.


Os padres, em sua maioria, não viam nenhum benefício em freiras alfabetizadas. Mesmo Ende (século X), a famosa iluminadora de manuscritos feminina da Espanha, provavelmente era analfabeta. As freiras aprendiam suas orações e devoções de memória, não de livros, embora se pense que muitas jovens de posses aprenderam a ler no trabalho devocional popular conhecido como Livro de Horas.


Situação Jurídica e Econômica


Uma ênfase no comércio durante a Alta Idade Média proporcionou maiores oportunidades para as mulheres. Durante esse período, inicialmente na Espanha e na França, a classe média começou a emergir à medida que os comerciantes acumulavam riqueza suficiente para poder influenciar os assuntos políticos. A guilda medieval teve muito a ver com o surgimento da classe média e também foi responsável pelo aumento dos direitos e responsabilidades das mulheres.


As mulheres da nova burguesia podiam trabalhar com seus maridos e pais em um determinado ofício e frequentemente sucediam o homem como chefe do negócio após sua morte. A mulher-como-trabalho-barato era um conceito já bem estabelecido pelo sistema feudal e foi perpetuado pelo sistema de guildas porque as mulheres eram não-entidades legais e, portanto, podiam receber menos do que um homem. Ao mesmo tempo, muitas mulheres durante este período aparecem em documentos legais como tendo sido multadas por várias transgressões em vez de seus maridos, um afastamento significativo do precedente da Alta Idade Média.


A classe mais baixa dos servos e as mulheres nobres da classe alta continuaram a viver mais ou menos como as mulheres antes deles e ambos estavam ligados à terra de uma forma ou de outra. O poder escreve:


Entre a nobreza, o casamento era um fator crítico na transmissão de terras e feudos e era arranjado pelas famílias com muito cuidado, muitas vezes com pouca consideração pelas preferências das partes envolvidas, uma ou ambas poderiam ser crianças. Somente em períodos e lugares onde as mulheres tinham direitos pessoais sobre a terra é que elas exerciam muita independência. (Loyn, 346)

As mulheres de classe alta tinham mais mobilidade, mas ainda se esperava que permanecessem em seu nicho socialmente aceito e desempenhassem as funções associadas a essa posição. Exceções a esta regra no início da Idade Média são notáveis ​​porque eram tão raras: Aethelflaed, Senhora dos Mércios (r. 911-918 d.C) que liderou a resistência de Mércia contra os ataques vikings e governou seu reino após a morte de seu marido ou o teólogo St. Hilda de Whitby (c. 614-680 d.C) que fundou o famoso mosteiro de Whitby na Nortúmbria. Outras mulheres famosas desta época foram Clotilde (475-545 d.C), esposa de Clovis, rei dos francos que converteu seu marido ao cristianismo; Teodora (497-548 d.C), esposa do imperador Justiniano daImpério Bizantino que era igual ao seu marido em influência, e Brunilda da Austrásia (r. 567-613 d.C) que governou seu país como único monarca.


Representação e Envolvimento na Arte


Na época da Alta Idade Média, quando o Culto da Virgem Maria estava aumentando em popularidade, mais mulheres nobres estavam exercendo poder e algumas a ponto de mudar significativamente a percepção de sua cultura sobre as mulheres. Duas das mulheres mais poderosas desta época foram Eleanor da Aquitânia (lc 1122-1204 d.C) e sua filha Marie de Champagne (l. 1145-1198 d.C). Eleanor foi uma das figuras políticas mais poderosas – homem ou mulher – da Idade Média como um todo. Ela era a esposa de Luís VII da França (r. 1137-1180 d.C) de 1137 d.C até a anulação do casamento em 1152 d.C, quando se casou com Henrique II da Inglaterra (r. 1154-1189 d.C). Eleanor participou da Segunda Cruzadajunto com suas damas de companhia, administrava seus próprios bens e finanças, e era um importante patrono das artes, especialmente da literatura romântica.


Os estudiosos continuam a debater o papel de Eleanor no desenvolvimento do conceito de amor cortês e do código de cavalaria, mas não há dúvida de que muitos dos principais autores franceses das obras mais conhecidas sobre o assunto (como Wace, Andreas Cappelanus, Bernart de Ventadorn) desfrutava de seu patrocínio. Diz-se que sua filha Marie ajudou sua mãe a desenvolver esses conceitos em Poitiers ou se inspirou nos esforços anteriores de sua mãe para estabelecer as chamadas "cortes do amor" em sua propriedade no sul da França.


Os tribunais do amor teriam sido convocados para discutir assuntos relacionados ao amor romântico e relacionamentos entre homens e mulheres. Entre os temas discutidos e debatidos estava se o amor romântico poderia existir no casamento (foi decidido que não poderia) e o que era pior: perder um amante por morte ou por infidelidade (a infidelidade era considerada pior porque o amante levava não só o futuro, mas também memórias do passado). Maria foi a padroeira de um dos maiores escritores da Idade Média, Chrétien de Troyes, cujos romances arturianos popularizaram o conceito de amor cortês e cavalheirismo.


Anteriormente, uma mulher era posse de um homem e seu inferior; a poesia romântica do século XII inverteu esse paradigma ao incentivar a elevação das mulheres que deveriam ser protegidas e servidas por um cavalheiro refinado e sofisticado – o cavaleiro cavalheiro. Essas obras tiveram um efeito dramático sobre a aristocracia da Europa medieval, como observa o estudioso Norman Cantor:


Ao tornar as qualidades femininas heroicas, os poetas românticos realçavam a dignidade da mulher e a tornavam um ser com qualidades distintas e valiosas. (348)

Eleanor e Maria estavam ambas associadas à heresia religiosa medieval do catarismo, que reverenciava uma deusa da sabedoria (Sophia) e se afastava do catolicismo ortodoxo em vários pontos significativos. Sugeriu-se, portanto, que a poesia romântica do amor cortês foi realmente criada como uma espécie de “escritura” para os adeptos da seita que, de outra forma, seriam perseguidos pela Igreja. A grande dama que aparece nos poemas sob vários nomes é Sofia e o cavaleiro dedicado que a serve é o cátaro. Essa afirmação, embora apoiada por evidências consideráveis, ainda é contestada por muitos estudiosos modernos e está longe de ser universalmente aceita.


Se os poemas eram alegorias religiosas ou simples entretenimento, eles combinavam com o clima econômico e social da Alta Idade Média para dotar as mulheres de classe alta e média com maior respeito e mais igualdade. As mulheres sempre tiveram a responsabilidade de assumir os assuntos financeiros do marido após sua morte ou quando ele foi chamado para realizar alguns negócios ou ir à guerra, mas essa prática se torna mais prevalente durante a Alta Idade Média.

A vida das mulheres no final da Idade Média continuou seguindo as linhas desse mesmo paradigma com, mais uma vez, as classes alta e baixa permanecendo bastante estáveis ​​e a classe média experimentando as mudanças mais dramáticas. Mesmo assim, o novo modelo de mulheres como indivíduos de valor ganhou impulso crescente, o que resultou em mais mulheres da classe alta se expressando em obras literárias e religiosas.


O desvio mais dramático do velho paradigma é exemplificado na grande autora franco-italiana Christine de Pizan (também conhecida como Christine de Pisan, l. 1364-1430 d.C). Nascida em Veneza, Pizan mudou-se para Paris quando seu pai erudito foi nomeado astrólogo na corte de Carlos V (1364-1380 d.C). De acordo com as próprias obras de Pizan, seu pai encorajou seus interesses literários, enquanto sua mãe achava que ela deveria se restringir ao 'trabalho de mulher', como aprender a fiar e tecer. Sem meios de sustentar sua família após a morte de seu pai e marido, Pizan virou-se para a escrita, tornando-se a primeira escritora profissional feminina da história europeia.


Esse paradigma se estendeu à igreja, que havia negado às mulheres o acesso à educação, por meio das vidas e obras de autores notáveis ​​como Julian of Norwich (l. 1342-1416 d.C), Catherine of Sienna (1347-1380 d.C) e St. Teresa d'Avila (l.1515-1582 d.C), entre outros.


Papel na Sociedade


Enquanto as mulheres nas abadias, conventos e na corte no final da Idade Média encontravam nova liberdade de expressão e maior aceitação entre os homens, as mulheres da burguesia enfrentavam novas restrições. As mulheres em guildas no final da Idade Média encontraram cada vez menos trabalho à medida que as guildas começaram a negar-lhes a adesão e os colegas de trabalho masculinos tornaram suas vidas mais difíceis. As mulheres ainda recebiam menos do que os homens e, portanto, era mais lucrativo para uma loja contratar uma mulher em vez de um homem. À medida que essa prática se tornou mais comum, os homens foram ameaçados de perda de trabalho e retaliações; as guildas eram cada vez mais restritas aos homens.


Não está claro se mais mulheres entraram em conventos durante este período, mas sabe-se que as freiras estavam iluminando manuscritos já no século X, havia escribas do sexo feminino por pelo menos 1274 d.C, e mais mulheres parecem ter se envolvido na produção de livros em no século XIV do que antes. As ordens religiosas femininas parecem ter permanecido estáveis, mas uma nova ordem, as Beguinas, iniciada no século XIII na França, rapidamente ganhou um número significativo de adeptos.


As beguinas eram todas mulheres dedicadas que viviam vidas de pobreza, boas obras e caridade, mas não eram freiras e podiam deixar o grupo sempre que quisessem. Essas mulheres cuidavam umas das outras e da comunidade envolvente através da fabricação de bens e da prestação de serviços e assim conseguiram contornar as novas restrições das guildas e viver a vida de acordo com seus próprios valores, sem ter que se casar ou ingressar em uma ordem religiosa.


As mulheres casadas da classe média na Alta Idade Média cuidavam rotineiramente das contas comerciais do marido e assumiam após sua morte. Essa prática se tornou mais difundida após a pandemia da Peste Negra de 1347-1352 d.C, quando as mulheres operavam regularmente os negócios de seu falecido marido ou filho, conquistavam títulos de suas terras e tinham maior autonomia do que antes. As mulheres nobres, de quem se esperava que administrassem as propriedades e os vassalos do marido quando ele era chamado a negócios ou à guerra, agora se tornavam as únicas responsáveis ​​pelas operações e transações após a morte de seu marido e filhos.


Conclusão


As mulheres nos tempos medievais não eram vítimas passivas do patriarcado religioso e político, não importa quantas vezes essa afirmação seja repetida. As mulheres frequentemente encontraram maneiras de contornar os obstáculos colocados em seu caminho ou forjaram novos caminhos quando um desafio se mostrou muito grande. Eles assumiram os negócios do marido e os administraram com sucesso, continuaram a trabalhar em guildas ou até mesmo formaram suas próprias guildas, como atestam as guildas têxteis da Itália.


A Igreja, embora defendendo e encorajando o entendimento de que as mulheres têm menos valor do que os homens, fez algumas concessões importantes ao reconhecer o valor das mulheres como os autores mencionados acima e, igualmente importante, determinando que as mulheres eram indivíduos de valor e não apenas um homem posse. Na Dinamarca, no século XII, a igreja decidiu que o estupro era um crime contra a mulher e não – como havia sido anteriormente considerado – um crime apenas contra seu pai ou marido. Mesmo assim, o sucesso e os avanços das mulheres no final da Idade Média não conseguiram derrubar o status quo sustentado pelo patriarcado da Igreja e da aristocracia. Outras restrições foram impostas às mulheres mesmo quando a sociedade entrou na era mais esclarecida do Renascimento.

 

Fonte - Cantor, N. F. The Civilization of the Middle Ages. Harper Collins, 1993.


De Hamel, C. A History of Illuminated Manuscripts. Phaidon Press, 1997.


Gies, F. & J. Women in the Middle Ages. Harper Perennial, 2018.


Julian of Norwich. Revelations of Divine Love. Oxford University Press, 2015.


Loyn, H. R. The Middle Ages: A Concise Encyclopedia. Thames & Hudson, 1991.


Medieval Woman Artist Unmasked by her Teeth by Andrew CurryAccessed 19 Mar 2020.


Nardo, D. Living in the Middle Ages. Thomson/Gale, 2004.


Power, E. Medieval Women. Cambridge University Press, 1996.


Singman, J. L. The Middle Ages: Everyday Life in Medieval Europe. Sterling, 2013.


Staines, D. The Complete Romances of Chretien de Troyes. Indiana University Press, 1991.


Teresa of Avila. The Interior Castle. Riverhead Books, 2004.


The Church Changed the Perception of Rape by Niels EbdrupAccessed 12 Mar 2019.


Trapp, J. B. Medieval English Literature. Oxford University Press, 2002.


Willard, C. C. Christine de Pizan: Her Life and Works. Persea, 1990.


Joshua J. Mark. Women in the Middle Ages


1.861 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page