top of page

O ESPLENDOR DA ÁFRICA MEDIEVAL

Atualizado: 22 de fev.


Musa retratado segurando um Globo de Ouro Imperial no Atlas Catalão de 1375

Quando abordamos a Idade Média, automaticamente pensamos em Europa como um todo nesse contexto e em suma, isso é frequentemente mal compreendido. Isso porque a era medieval daquelas nações fora da Europa é duplamente ignorada, primeiro por seu período de má reputação (a "Idade das Trevas"), e depois por sua aparente falta de impacto direto na sociedade ocidental moderna.


África na Idade Média


Esse é o caso da África na Idade Média, um campo de estudo fascinante que sofre com o insulto do racismo. Com a exceção inevitável do Egito, a história da África antes da incursão dos europeus foi no passado descartada, erroneamente e às vezes deliberadamente, como irrelevante para o desenvolvimento da sociedade moderna.


Felizmente, alguns estudiosos estão trabalhando para corrigir esse grave erro. O estudo das sociedades medievais africanas tem valor, não só porque podemos aprender com todas as civilizações em todos os tempos, mas porque essas sociedades refletiram e influenciaram uma miríade de culturas que, devido à diáspora que se iniciou no século XVI, se espalharam por todo o o mundo moderno.


O Reino do Mali


Uma dessas sociedades fascinantes e quase esquecidas é o reino medieval do Mali, que prosperou como potência dominante na África Ocidental do século XIII ao século XV. Fundado pelo povo Mandinka de língua Mande, o Mali antigo era governado por um conselho de líderes de casta que escolheram um "Mansa" para governar. Com o tempo, a posição de Mansa evoluiu para um papel mais poderoso, semelhante ao de um rei ou imperador.


Segundo a tradição, o Mali estava sofrendo de uma terrível seca quando um visitante disse ao rei, Mansa Barmandana, que a seca cessaria se ele se convertesse ao islamismo. Ele fez isso e, conforme previsto, a seca acabou.


Outros Mandinkans seguiram o exemplo do rei e também se converteram, mas o Mansa não forçou uma conversão e muitos mantiveram suas crenças Mandinkan. Essa liberdade religiosa permaneceria ao longo dos séculos, à medida que o Mali emergia como um Estado poderoso.


O homem principal responsável pela ascensão de Mali à proeminência é Sundiata Keita. Embora sua vida e feitos tenham assumido proporções lendárias, Sundiata não era um mito, mas um líder militar talentoso. Ele liderou uma rebelião bem-sucedida contra o governo opressor de Sumanguru, o líder Susu que havia assumido o controle do Império Gana .


Após a queda de Susu, Sundiata reivindicou o lucrativo comércio de ouro e sal que havia sido tão significativo para a prosperidade ganense. Como Mansa, ele estabeleceu um sistema de intercâmbio cultural por meio do qual filhos e filhas de líderes proeminentes passavam tempo em tribunais estrangeiros, promovendo assim o entendimento e uma melhor chance de paz entre as nações.


Após a morte de Sundiata em 1255, seu filho, Wali, não só continuou seu trabalho, mas também fez grandes avanços no desenvolvimento agrícola. Sob o governo de Mansa Wali, a competição foi incentivada entre centros comerciais como Timbuktu e Jenne, fortalecendo suas posições econômicas e permitindo que se tornassem importantes centros de cultura.


Mansa Musa


Ao lado de Sundiata, o mais conhecido e possivelmente o maior governante do Mali foi Mansa Musa. Durante seu reinado de 25 anos, Musa dobrou o território do Império do Mali e triplicou seu comércio. Por ser um muçulmano devoto, Musa fez uma peregrinação a Meca em 1324, surpreendendo os povos que visitou com sua riqueza e generosidade. Tanto ouro Musa introduziu em circulação no Oriente Médio que demorou cerca de doze anos para que a economia se recuperasse.


O ouro não era a única forma de riqueza do Mali. A sociedade Mandinka primitiva venerava as artes criativas, e isso não mudou, pois as influências islâmicas ajudaram a moldar o Mali. A educação também foi altamente valorizada; Timbuktu foi um importante centro de aprendizagem com várias escolas de prestígio. Esta mistura intrigante de riqueza econômica, diversidade cultural, esforços artísticos e ensino superior resultou em uma esplêndida sociedade que rivaliza com qualquer nação europeia contemporânea.


A sociedade do Mali tinha suas desvantagens, mas é importante ver esses aspectos em seu cenário histórico. A escravidão era parte integrante da economia em uma época em que a instituição havia declinado (mas ainda existia) na Europa; mas o servo europeu, vinculado por lei à terra, raramente estava em melhor situação do que alguém que era escravizado.


Pelos padrões de hoje, a justiça poderia ser dura na África, mas não mais dura do que as punições medievais europeias. As mulheres tinham muito poucos direitos, mas isso certamente era verdade também na Europa, e as mulheres do Mali, assim como as europeias, às vezes podiam participar dos negócios (fato que perturbou e surpreendeu os cronistas muçulmanos). A guerra não era desconhecida em nenhum dos continentes, assim como hoje.


Após a morte de Mansa Musa, o Reino do Mali entrou em um lento declínio. Por mais um século, sua civilização dominou a África Ocidental, até que Songhay se estabeleceu como uma força dominante em 1400. Os vestígios da grandeza do Mali medieval ainda permanecem, mas esses vestígios estão a desaparecer rapidamente à medida que os inescrupulosos saqueiam os vestígios arqueológicos da riqueza da região.


Mali é apenas uma das muitas sociedades africanas cujo passado merece um olhar mais atento. Esperamos ver mais estudiosos explorando este campo de estudo há muito ignorado, e mais de nós abrir nossos olhos para o esplendor da África medieval.

 

Fonte - Gomez, Michael A. (2018). African Dominion: A New History of Empire in Early and Medieval West Africa.

183 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

댓글


bottom of page