top of page

10 CURIOSIDADES SOBRE A CIDADE PROIBIDA DA CHINA



Abrangendo 72 hectares, a Cidade Proibida na China testemunhou os desenvolvimentos monumentais e, eventualmente, o fim de um dos maiores impérios do mundo. Foi construído no início do século XV e abrigava 980 edifícios e impressionantes 9.000 quartos. Projetada para funcionar como o centro da antiga cidade murada de Pequim, a Cidade Proibida foi protegida por uma Cidade Imperial maior. Bem fortificada e envolta em mistério para os plebeus, a Cidade Proibida esteve no centro das atividades políticas e cerimoniais do governo chinês durante séculos. Quais são alguns dos fatos menos conhecidos sobre este magnífico marco?


I - A Cidade Proibida é o Maior Palácio Imperial do Mundo


Mais de três vezes maior que o Louvre em Paris e o Kremlin em Moscou, a Cidade Proibida é o maior palácio imperial do mundo. No início do século XV, o recém-coroado imperador Chengzu decidiu realocar a capital e seu exército de Nanjing, no sudeste da China, para Pequim, no norte. Em um esforço para solidificar seu poder e se proteger contra os mongóis, o imperador Chengzu começou a construir a Cidade Proibida. Considerada o esforço incansável de mais de 1 milhão de trabalhadores, a Cidade Proibida foi construída entre 1406 e 1420, durante o auge da Dinastia Ming (1368–1644).


A Cidade Proibida é amplamente dividida em três seções: as defesas, o Pátio Externo e o Pátio Interno. O portão principal da Cidade Proibida é o Portão Meridiano de 125 pés de altura, uma superestrutura composta por cinco edifícios, onde o imperador emitiu éditos imperiais. O Pátio Externo era onde os imperadores costumavam participar de grandes cerimônias de estado e funções oficiais, enquanto o Pátio Interno era onde eles trabalhavam e viviam.


II - Uma deslumbrante paisagem perene prospera no Jardim Imperial


Entre suas muitas vistas panorâmicas, a Cidade Proibida era conhecida por seus jardins bem cuidados, projetados para o lazer e relaxamento dos imperadores e suas esposas. O mais conhecido de todos é provavelmente o Jardim Imperial que é preservado hoje e situado atrás do Palácio da Tranquilidade Terrestre no Pátio Interior. Construído no século XV pelo Imperador Yongle, era para ser um lugar tranquilo para relaxar e se conectar com a natureza.


Posteriormente ampliado e agora com 1,2 hectares, o Jardim Imperial representa 1,5% da área total do palácio. Na vasta área de terra, o Jardim abriga um requintado templo taoísta chamado Hall of Imperial Peace, bem como a Piled Elegance Hill, uma pedra artificial alta com caminhos sinuosos de degraus de pedra e dragões esculpidos em pedra. Mais impressionante, mais de 160 árvores antigas podem ser encontradas no Jardim Imperial, incluindo ciprestes e glicínias chinesas, todas com centenas de anos.


III - Apesar da Exuberância do Pátio Interno, o Pátio Externo não tinha Árvores


Indiscutivelmente o centro nervoso político mais importante da China Imperial, o Pátio Externo da Cidade Proibida era onde eram realizadas imponentes cerimônias públicas e importantes funções do imperador. Existem três salões principais no Pátio Externo, a saber, o Salão da Harmonia Suprema, o Salão da Harmonia Central e o Salão da Harmonia Preservada. O maior de todos, o Salão da Suprema Harmonia, era reservado para coroações, investiduras e casamentos reais. O Hall of Central Harmony foi usado para o imperador descansar e se preparar para essas cerimônias, uma função compartilhada pelo Hall of Preservando a Harmonia, que também funcionou como local dos exames imperiais. Apesar da grande área espacial que ocupava, bem como do número de pessoas que se esperava que passasse por ele, o Pátio Externo não tinha uma única árvore plantada em suas dependências.


Embora não tenha havido nenhuma explicação oficial para explicar esse fenômeno incomum, os especialistas apresentaram duas explicações possíveis. Primeiro, o Pátio Externo hospedava cerimônias solenes de estado onde os poderes supremos do imperador eram exibidos. Como tal, as árvores eram consideradas uma má ideia, pois ofuscariam a majestade do imperador e da corte imperial. Em segundo lugar, a falta de árvores também foi considerada deliberada, pois dificultaria a ocultação de assassinos no meio.


IV - Seus telhados magníficos não são Exatamente amigos dos Pássaros


Apresentando gloriosos azulejos na cor real do amarelo, os telhados dos edifícios da Cidade Proibida eram uma marca registrada da imponência do império. Eles ostentavam designs e decorações únicos, como estatuetas de animais e beirais duplos que apenas os edifícios imperiais podiam ter. No entanto, esses telhados não foram feitos para os pássaros pousarem, pois os artesãos criaram uma maneira engenhosa de manter a limpeza e a magnificência. Os pássaros não conseguiam pousar nos telhados por causa de seu declive acentuado, o que tornava os espinhos do telhado mais largos do que a largura entre as garras dos pássaros. Os azulejos também criaram uma superfície escorregadia na qual nenhum pássaro poderia pousar.


V - O estilo Arquitetônico do Palácio não se limitava ao Chinês


Apesar da prevalência de motivos chineses, o estilo arquitectónico dos edifícios do Palácio foi influenciado por outras culturas. Aninhado na parte ocidental da Cidade Proibida, há um edifício incomum com um banheiro que demonstra uma forte influência árabe. Chamado Yude Hall ou Hall for Cultivating Virtudes, foi projetado por um arquiteto persa e apresentava uma cúpula arqueada e paredes com azulejos brancos. Além de ser uma casa de banhos durante a dinastia Ming, o Yude Hall foi posteriormente usado para vaporizar o papel usado para a caligrafia dos imperadores Qing.


Outro edifício proeminente no Palácio não construído em estilo tradicional chinês é o Lingzhao Xuan, ou Bower of the Spirit Pool, localizado no famoso Yanxi Palace. Devido à incidência de incêndio no Palácio Yanxi, o Lingzhao Xuan nasceu da necessidade de construir edifícios à prova de fogo. Construído de acordo com os princípios arquitetônicos europeus, deveria apresentar uma piscina no fundo de aço e pedra. No entanto, devido à falta de financiamento e conflitos políticos no final da era Qing, o projeto foi interrompido.


VI - Sua coleção de artefatos premiados evitou por pouco a destruição durante a Segunda Guerra Mundial


Com o colapso do Império Qing em 1912, a Cidade Proibida deixou de ser o centro político do governo chinês. No entanto, o último imperador Puyi foi autorizado a residir no pátio interno do palácio. Depois que Puyi foi expulso do Palácio em 1924, o Museu do Palácio foi estabelecido um ano depois com muitos artefatos premiados colocados em exibição pública. No entanto, a ameaça da invasão japonesa na década de 1930 logo forçou os chineses a evacuar a preciosa coleção para um local seguro. Alguns dos artefatos mais importantes foram enviados e enviados para vários locais, como Guangxi, Shaanxi e Sichuan. Após a guerra, foram recuperados e devolvidos ao Museu do Palácio. Hoje, o Museu do Palácio é conhecido por sua impressionante coleção de cerca de 1,8 milhão de artefatos de grande valor histórico, incluindo pinturas, esculturas e sinetes, entre outros.


VII - O Palácio escapou da Destruição durante a Revolução Cultural


Depois de 1949, a China caiu sob o domínio comunista, o que precipitou reformas drásticas, como o Grande Salto Adiante, um plano econômico de cinco anos destinado a modernizar o setor agrícola. Na década de 1960, a Revolução Cultural foi lançada pelo Partido Comunista Chinês para expurgar os elementos capitalistas e tradicionalistas existentes na sociedade. Em particular, procurou livrar a sociedade chinesa dos Quatro Velhos: velhas ideias, velha cultura, velhos hábitos e velhos costumes. O Museu do Palácio, que sem dúvida simbolizava todos os Quatro Velhos, tornou-se um alvo involuntário de ataque.


Com o apoio do presidente Mao Zedong, os Guardas Vermelhos invadiram a Cidade Proibida, determinados a destruir o bastião dos Quatro Velhos. Felizmente, o primeiro-ministro chinês Zhou Enlai enviou um batalhão do exército para proteger o palácio, evitando assim uma lamentável destruição. Todos os portões do palácio foram selados para evitar mais destruição de 1966 a 1971.


VIII - A Cidade Proibida é o lar de muitos Gatos


Contos de haréns imperiais há muito descrevem brigas dramáticas entre as concubinas enquanto clamavam pela atenção do imperador. Mas você sabia que gatos de verdade também moram na Cidade Proibida? Historicamente, as concubinas nas dinastias Ming e Qing eram conhecidas por tê-las como animais de estimação. Como tal, acredita-se que alguns dos gatos de hoje na Cidade Proibida sejam descendentes de felinos reais. No entanto, muitos deles aqui são extraviados que entraram no palácio ou foram abandonados no portão principal. Além de divertir os turistas, os felinos da Cidade Proibida desempenham um papel importante no controle da população de roedores e impedem que os ratos destruam estruturas antigas. Em troca, as autoridades do museu cuidam deles, alimentando-os, vacinando-os e mantendo-os aquecidos durante o inverno.


IX - O Palácio Frio não se refere a um palácio específico


Os fãs de dramas de época chineses estariam familiarizados com o termo Palácio Frio. Frequentemente descritas como instalações remotas e degradadas, sem a opulência típica do harém imperial, essas residências abrigavam concubinas negligenciadas e evitadas por outras no palácio. No entanto, você sabia que não havia nenhum palácio na Cidade Proibida com esse nome específico? Isso porque o termo Palácio Frio simplesmente se referia às residências de concubinas que cometeram erros ou perderam o favor do imperador. Isso significava que poderia ser qualquer concubina a qualquer momento. O ditado chinês comum da ru leng gong (banido para o Palácio Frio), que se refere a alguém que perdeu o favor, origina-se desse cenário histórico.


Embora não houvesse um palácio específico chamado Palácio Frio na Cidade Proibida, o Palácio do Grande Brilho, localizado no lado nordeste do Pátio Interno, era frequentemente associado a ele. Agora lar de ourivesaria e talheres reais, o Palácio do Grande Brilho foi o lugar onde a consorte Gong, uma concubina da dinastia Ming do imperador Wanli, passou seu miserável confinamento de 30 anos. Apesar de dar à luz o futuro imperador Taichang, o consorte Gong foi uma fonte de constrangimento para o imperador Wanli. Isso porque ele se recusou a reconhecer o relacionamento deles devido ao baixo status dela como ex-dama do palácio. Ela não apenas não tinha direito a nenhum privilégio como consorte real, mas também era frequentemente negligenciada e ignorada pelo imperador. Diz-se que ela estava tão infeliz que chorou até ficar cega enquanto estava trancada em sua residência.


X - Dizem que a Cidade Proibida é Assombrada


Decapitação, guerra, caos, política e concubinas negligenciadas confinadas a palácios remotos. A Cidade Proibida teve seu quinhão de miséria e tragédia nas duas dinastias. Como tal, não era totalmente inesperado que o palácio abrigasse toneladas de rumores e lendas, especialmente aquelas relacionadas ao sobrenatural. Durante anos, as histórias de uma mulher chorando de branco vagando pelo palácio à noite intrigaram moradores, turistas e caça-fantasmas. Algumas histórias também contavam como o palácio era assombrado por aqueles que foram mortos ou decapitados pelo imperador.


Um local particularmente impressionante de tais contos era uma passagem estreita chamada dong tong zi jia dao, encontrada no Pátio Interno. Diz a lenda que esta era a passarela usada para transportar cadáveres para fora do palácio na calada da noite. Inúmeros avistamentos fantasmagóricos ao longo da passarela foram relatados ao longo dos anos. As histórias persistentes do sobrenatural, juntamente com o fato de que o palácio está fechado a partir das 17h, alimentaram ainda mais a imaginação popular da Cidade Proibida como um lugar misterioso e mal-assombrado.

 

Fonte - Yu, Zhuoyun (1984). Palácios da Cidade Proibida.




378 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page