top of page

A NOITE ASSUSTADORA DO IMPERADOR

Atualizado: 7 de abr. de 2022


Castelo de Praga - Assinatura Getty Images
Castelo de Praga - Assinatura Getty Images

O imperador Carlos IV revela em sua autobiografia o que aconteceu com ele uma noite no Castelo de Praga, e como ele viu um enorme enxame de gafanhotos.


Carlos IV, Sacro Imperador Romano de 1355 a 1378, é lembrado como um dos melhores governantes do século XIV, em particular pelos tchecos. Foi sob seu governo que os principais marcos históricos de Praga foram construídos, incluindo uma universidade, a Ponte Carlos e o Castelo de Praga. Ele também escreveu uma autobiografia, uma das poucas que foram escritas na Idade Média, na qual ele cobre os eventos de sua juventude e como ele veio para administrar o Reino da Boêmia quando seu pai, João de Luxemburgo, gradualmente perdeu a visão. Este fascinante relato inclui a história de algo muito estranho que aconteceu uma noite no Castelo de Praga:


Chegamos tarde no castelo de Praga, na velha casa da burgrave, onde havíamos vivido vários anos antes da construção do grande palácio. Quando a noite chegou, fomos para a nossa cama, e Busko, do pai de Wilhartitz, estava em outra à nossa frente. Havia uma grande lareira na sala porque era inverno e havia muitas velas acesas. também, de modo que era bastante claro. Todas as portas e janelas estavam fechadas.
Quando acabamos de adormecer, algo se mexeu no quarto e ambos acordamos. Pedimos a Busko que se levantasse para ver o que era. Ele se levantou e deu a volta na sala procurando, mas não viu nada e não foi capaz de encontrar nada. Então ele acendeu o fogo, acendeu mais velas e foi até as taças que estavam cheias de vinho nos bancos, bebeu delas e colocou uma xícara perto de uma das grandes velas acesas. Depois de beber, voltou a deitar-se na cama. Sentamo-nos eretos na cama, cobertos com nosso cobertor, e ouvimos alguém andando, mas não conseguimos ver ninguém.
E enquanto estávamos olhando com Busko as xícaras e as velas, vimos uma xícara jogada. Ele foi jogado - não sabíamos por quem - sobre a cama de Busko de uma extremidade do quarto à parede oposta, quicou e caiu no meio do quarto. Vendo isso, ficaram com muito medo; ainda podíamos ouvir alguém continuando a se mover, mas não vimos ninguém. Depois de fazer o sinal da cruz em nome de Cristo, dormimos até de manhã. Levantando-se pela manhã, encontramos a xícara que havia sido jogada no meio da sala, e mostramos tudo isso aos nossos servos quando eles vieram até nós pela manhã.

Carlos também escreve sobre o que viu em julho de 1338 enquanto estava na Áustria:


Depois disso, quando nosso cunhado nos convidou para o desjejum do dia seguinte, ao nascer do sol um dos soldados nos acordou do sono, dizendo: Senhor, levanta-te, pois os últimos dias estão sobre nós e o mundo inteiro está cheio de gafanhotos! Nós nos levantamos, montamos em um cavalo e saímos galopando rapidamente, querendo ver onde o enxame terminava.
Percorremos todo o caminho até Pulkau. Foi aí que tudo terminou; tinha 11 quilômetros de comprimento e não havia como saber sua largura. Sua voz era como o som de um grande tumulto. Suas asas pareciam ter letras pretas escritas nelas, e eram grossas como uma tempestade de neve, de modo que não era possível ver o sol por causa delas. Um grande fedor subiu deles. Eles se dividiram, alguns indo para a Baviera, alguns para a Francônia, alguns para a Lombardia, outros se espalhando por todo o mundo. Eles se multiplicaram rapidamente, porque em uma noite dois se tornaram vinte e mais. Eles eram pequenos, mas cresceram rapidamente e foram encontrados pelos próximos três anos. 
 

Fonte - Autobiography of Emperor Charles IV and his Legend of Saint Wenceslas, é editado e traduzido por Balazs Nagy e Frank Schaer e publicado pela Central European University Press.

42 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page