top of page

COMO RICARDO CORAÇÃO DE LEÃO GANHOU SEU NOME (VERSÃO ÉPICA)

Atualizado: 24 de abr. de 2022




A história do verdadeiro Ricardo é bem conhecida e aventureira por si só. Quarto filho dos voláteis e poderosos pais Henrique II e Eleonor da Aquitânia, Ricardo lutou contra seu pai até sucedê-lo, depois liderou uma das cruzadas mais famosas da história, (Cruzada dos Reis), ou como chamo "Cruzada Pedigree" e foi preso por um rival real (Leopoldo da Áustria) e foi irmão do intrigante, João, seu irmão intrigante, João, antes de morrer de um ferimento de flecha infeccionado no ombro em 1199. No que diz respeito às figuras históricas, a vida de Ricardo tinha tudo que um contador de histórias poderia desejar. E, no entanto, não foi épico o suficiente.


O autor de Ricardo Coeur de Lion evidentemente leu muito romance, e é difícil dizer o quanto ele sabia sobre a vida do verdadeiro Ricardo quando começou a escrever sua própria versão, mas Ricardo Coeur de Lion se torna fantástico desde o início. O pai de Ricardo é, de fato, Henrique II da Inglaterra, mas em vez de sua mãe ser uma das mulheres mais poderosas da Europa, ela é uma figura típica de romance: uma misteriosa princesa em um barco.


Seguindo o conselho de seus conselheiros, Henrique envia navios por toda parte para encontrar a mais bela de todas para ser sua rainha. No meio do oceano, onde os ventos diminuem, seus enviados encontram um navio branco brilhante feito com metais e pedras preciosas no qual o rei de Antioquia do outro mundo e sua bela filha Cassodorien estavam navegando em direção à Inglaterra após uma visão. Henrique imediatamente se casa com Cassodorien e eles têm três filhos (não dez): Ricardo, John e a irmã deles, Topaz. Henrique e Cassodorien são felizes há quinze anos, mas há problemas no paraíso.


Um conde intrometido menciona a Henrique que sua rainha nunca fica para ver o padre “consagrar a hóstia”. Henrique permite que Cassodorien seja contido na igreja e, quando chega o momento, ela agarra Topaz e John e voa pelo telhado. O pobre João cai e quebra a perna, mas nem Cassodorien nem Topázio são vistos novamente. Pouco depois, o perplexo rei morre, deixando Ricardo, com quinze (não trinta e dois) anos, no trono.


Ricardo, é claro, se comporta de maneira brilhante, vencendo torneios disfarçado e vagabundeando com seus amigos, até que um dia ele é capturado disfarçado novamente, desta vez como um peregrino. (Esta pequena pepita é realmente verdadeira: Ricardo estava disfarçado de peregrino quando foi capturado, mas isso estava voltando da Terra Santa.) Ricardo é então preso por um rei não muito brilhante.


O príncipe desta terra ouviu falar de Ricardo e imediatamente dirige-se à sua cela na prisão, pedindo para trocar golpes com ele. O príncipe bate na orelha de Ricardo, o que o deixa furioso a ponto de ele usar truques sem cavalheirismo quando chega sua vez. Quando o príncipe retorna no dia seguinte para ser atingido, Ricardo cobriu sua mão com cera para desferir um golpe muito mais forte. Na verdade, Ricardo quebra a maçã do rosto do príncipe ao meio, matando-o. Isso irrita seu captor, mas o estúpido rei demora a matar Ricardo; algo de que logo se arrependerá.


Como em muitos romances medievais, a morte de um ente querido não é suficiente para diminuir a luxúria insaciável da princesa (Margery), que logo pede a Ricardo que seja levado disfarçado para seu quarto. Ricardo “diverte-se com ela como ele (s)/até o sétimo dia”, quando finalmente é avistado por um cavaleiro, que “discretamente” conta ao pai dela. O rei não sabe como matar outro rei ungido, então ele recebe um conselho: deixe Ricardo em um quarto com um leão que não come há três dias. O leão vai comê-lo, e o rei tecnicamente não terá executado Ricardo, ele mesmo. Este plano infalível é imediatamente posto em ação.


Embora Margery ouve a trama e avisa Ricardo, ele se recusa a fugir porque seria contra a lei. Em vez disso, ele passa a noite nos braços de Margery, depois envolve os braços nos lenços dela para proteção e espera que o leão seja levado para sua cela.


Quando o leão está preso com Ricardo, as coisas ficam épicas:


O rei Ricardo pensou consigo mesmo naquele momento o que era melhor fazer e se dirigiu para (o leão). Ele enfiou o braço na garganta (do leão) e arrancou o coração com a mão, e pulmões, fígado e tudo o que encontrou.
Ele pegou o coração, ainda quente, e o trouxe para o salão, diante do rei e de todos os seus homens. O rei sentou-se para jantar no estrado, Com duques e condes, orgulhoso da companhia. O saleiro estava em cima da mesa. Ricardo espremeu todo o sangue,
E molhou o coração no sal - O Rei e todos os seus homens olharam - Sem pão ele comeu o coração.

O rei, boquiaberto com este espetáculo de outro rei, pingando sangue - e (a meu ver) fazendo contato visual ininterrupto enquanto mergulha um coração quente no sal comum e o come - de alguma forma o mantém unido o suficiente para dizer este “demônio … Pode ser chamado, com razão, / O rei batizado de mais renome, / Strong Richard Coeur de Lion! ”


Melhor história? Talvez. Verdadeiro? Nem um pouco. E a história permanece inacreditável por mais milhares de linhas, jogando em um racismo de revirar o estômago e canibalismo para uma boa medida. Isso apenas mostra que não importa o quão épica seja a história real, alguém sempre tentará melhorá-la.


Para o resto de Richard Coeur de Lion, verifique a tradução de Katherine H. Terrell (da qual todas essas citações foram tiradas), que apresenta não apenas o texto em si, mas apêndices sobre o canibalismo cruzado que são absolutamente fascinantes por si só.

 

Fonte - Katherine H. Terrell, Richard Coeur de Lion (Edições Broadview)

411 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page