top of page

CONTO DE DOIS AMANTES: O CONTO ERÓTICO ESCRITO POR UM PAPA

Atualizado: 15 de set. de 2022



Muito antes de 50 shades of gray (50 Tons de Cinza), foi lançado o The Tale of The Two Lovers (O conto de Dois Amantes) ele é um romance erótico, completo com ilustrações sexuais, sobre o amor ardente entre uma mulher casada e seu amante italiano secreto. Isso soa como um romance típico, exceto por uma distinção importante. O romance vigoroso foi escrito por um Papa.


“The Tale of Two Lovers” se tornou um best-seller de sua época, foi escrito em 1444 por Aeneas Sylvius Piccolomini, que mais tarde se tornaria o Papa Pio II. O romance é um dos primeiros exemplos do estilo epistolar, o significado é uma série de cartas ficcionais destinadas a aparecer como se fossem escritas pelos personagens principais.


As primeiras edições impressas de “The Tale of Two Lovers”, publicado por Ulrich Zell de Colônia por volta de 1467, continham várias imagens eróticas em todo o tomo. Era uma maneira de prender a atenção dos leitores.


Aeneas Sylvius Piccolomini era a versão medieval de um "hippie" de espírito livre. Ele deixou a fazenda da família quando completou 18 anos para frequentar uma universidade e depois trabalhou como professor em Florença por um tempo. Ele então serviu como secretário do Bispo de Fermo. O cardeal Albergati o enviou em uma missão clandestina à Escócia em 1435. Ainda não sabemos a natureza dessa missão secreta, mas sabemos que Piccolomini gostou de sua estada na Escócia. Ele teve pelo menos um filho fora do casamento lá! Piccolomini, de fato, teve uma vida amorosa robusta em sua juventude. Certa vez, ele escreveu a um amigo:


“Aquele que nunca sentiu verdadeiramente as chamas do amor é apenas uma pedra”.

Tudo mudou depois que ele completou 40 anos, quando decidiu se tornar um padre celibatário.


“The Tale of Two Lovers”, ambientado em Siena, Itália, segue o caso de amor secreto entre Lucretia, que é casada com um homem mais velho e ciumento, e Euryalus, um homem à espera do duque da Áustria.


Os amantes se encontram pela primeira vez em um funeral, não é um local típico de amor à primeira vista, e trocam olhares de flerte eletrizantes e estimulantes sobre o corpo do falecido. No início, Lucretia e Euryalus não têm certeza se seu amor é correspondido pelo outro, mas assim que o fazem, começa o frenesi acalorado de escrever cartas. A certa altura, Eurílus defende seu caso de amor adúltero com Lucretia, casada, citando Virgílio:


“O amor vence tudo; vamos todos nos render ao amor. ”

Embora Piccolomini afirmasse que “The Tale of Two Lovers” era puramente uma obra de ficção, alguns estudiosos afirmam que a inspiração para Lucretia e Eurylaus eram pessoas reais, um casal envolvido em um caso secreto. Eram Kaspar Schlick, o chanceler de Sigismundo e a bela filha de Mariano Sozzini, que por acaso era professor de direito de Piccolomini na Universidade de Sienna. Seria possível que Piccolomini soubesse do caso adúltero e escrevesse sobre isso, mudando os nomes para proteger os inocentes. Não posso afirmar com total clareza sobre isso, até porque tais fontes mais aprofundadas sobre isso são escassas, mas fica aí a interrogação.


Embora a juventude de Piccolomini fosse caracterizada por suas aventuras despreocupadas e de espírito livre, ele se tornou mais responsável à medida que amadurecia. Ele assumiu cada vez mais funções diplomáticas.


Em 1450, foi enviado a Portugal pelo imperador Frederico III para ajudar a negociar o seu casamento com a princesa portuguesa Eleonore. Alguns anos depois, ele viajou para Roma com Frederico para testemunhar o casamento de Frederico e Eleonore. Grato por seu serviço, Frederico recomendou que Piccolomini fosse feito cardeal. O papa Calixtus III atrasou a sugestão de Frederico, no entanto, e nomeou seus próprios sobrinhos antes de Piccolomini. Quando Calisto III morreu em 1458, os cardeais entraram em um conclave papal para selecionar o próximo papa.


Piccolomini serviu no conclave e, quando o nome de um cardeal francês rico foi nomeado, Piccolomini fez campanha para que seu próprio nome fosse incluído, explicando que ele provou ser adaptável a qualquer situação. Em votação unânime, foi nomeado sucessor de Calisto III. Quando Piccolomini foi coroado papa em 3 de setembro de 1458, ele adotou o nome de Papa Pio II.


O ex-playboy viajante, autor erótico e pai de pelo menos dois filhos fora do casamento ascendeu à posição religiosa mais elevada do mundo. É uma carreira impressionante para o único papa que escreveu um Best-seller de romance adúltero.

 

Fonte - Nicoletta Marcelli, "Favole parabole istorie". Le forme della scrittura novellistica dal Medioevo al Rinascimento (traduzido para português)

536 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page