top of page

O GRANDE CISMA PAPAL: DOIS LÍDERES CRISTÃOS UM CONTRA O OUTRO


O Cisma Ocidental é uma entrada do códice de eventos em Kingdom Come: Deliverance .
O Cisma Ocidental é uma entrada do códice de eventos em Kingdom Come: Deliverance.

No dia 21 de setembro de 1378, o mundo cristão acordou para uma realidade terrível. O cisma papal significou que a Igreja Ocidental tinha duas cabeças; ambos declararam os outros hereges.


Ao contrário do Grande Cisma de 1054, que as pessoas comuns mal notaram, o cisma papal comoveu os corações. Cada clérigo e príncipe secular, todos tiveram que escolher. Em alguns países, era o rei contra o seu arcebispo e o clero, incluindo simples pastores de aldeia leais a um lado ou a outro. As pessoas estavam com medo. E se o padre que batizou o filho moribundo escolheu o papa errado? E se eles queimassem no inferno pelos seus pecados porque o seu confessor era leal ao arcebispo errado? Juntamente com a peste, a Guerra dos Cem Anos e a turbulência política em muitas partes da Europa, o Cisma Papal trouxe o sentimento de terror. Obviamente, Deus estava irado. E seu vigário na sede papal deveria mitigar a santa ira. Mas qual deles?


Os Anos Anteriores ao Cisma Papal: A Grande Crise da Idade Média


No final do século XIV, uma crise era iminente. Um dos motivos foi a epidemia de peste. Os povos europeus tiveram a sua quota-parte de experiências com a peste bubónica, mas a epidemia que atingiu a Europa no século XIV, a Peste Negra, não teve precedentes. Aldeias inteiras transformaram-se em cemitérios; as muralhas da cidade tornaram-se grades de prisão para aqueles que não conseguiam fugir para o campo. Aqueles que fugiam geralmente carregavam consigo a infecção e morriam de qualquer maneira. Sem nenhum conhecimento de microbiologia, circularam teorias selvagens e as pessoas recorreram a remédios espirituais.

A peste foi a principal causa de terror entre os europeus, mas não foi o único horror. O século chegou ao fim e, a cada cem anos, espalharam-se entre as pessoas profecias de que este ano o mundo certamente acabaria. Depois houve a crise política. A Guerra dos Cem Anos devastou a Europa Ocidental; A França era governada por um delfim, com o rei em cativeiro. A Europa Central acabaria em crise pouco depois da morte do grande imperador do Luxemburgo, e a sua descendência desencadearia uma guerra civil.

E então havia a Igreja.


A Igreja Ocidental no Final do Século XIV


Em 1309 a roda da fortuna girou para o papado. O poder da Igreja que ascendeu ao longo do século XIII atingiu os seus limites. Já se foi o tempo em que os papas obrigavam os imperadores a ajoelhar-se quando os destituíam e interferiam na política europeia. O último grande papa da Idade Média, Bonifácio VIII, superestimou os limites do poder papal e ousou desafiar o rei francês, Filipe IV.


E ele perdeu; num incidente humilhante, ele teve que admitir a derrota e viver os anos restantes em desespero. Seus sucessores governaram de acordo com a vontade do rei francês e mudaram-se para Avignon. O rei francês conduziu o cavalo papal através dos portões, apresentando-se como o humilde servo da Igreja, mas todos sabiam a verdade. Os tempos da política papal independente terminaram e agora a França ditaria as palavras das bulas papais.

Os Papas em Avignon: A Principal Causa do Cisma Papal


Avignon era um enclave livre em território francês e os papas eram livres para ir e vir. Não foi nenhum cativeiro. E a maioria dos papas ficou feliz em Avignon. Ao contrário de Roma, onde a opinião pública e a complacência das famílias romanas ricas tinham de ser consideradas, aqui eles sentiam-se livres. Os franceses enfraqueceram após a morte de Filipe IV e não exerceram muito a sua influência sobre a Igreja. E, ao contrário de Roma, com o seu fedorento Tibre, Avignon podia florescer com a arte do gótico tardio e do início da Renascença.

Os papas em Avinhão viviam vidas seculares com amantes e vinhos requintados, acompanhados por artistas famosos e uma corte luxuosa. Isto não passou despercebido e cresceram as vozes de que a Igreja deveria regressar às suas raízes. John Wycliffe, primeiro, e John Hus, segundo, criticaram os próprios vícios da Igreja que mais tarde levariam os reformadores protestantes a criar a sua própria instituição. Mas isso era inimaginável naquele momento.


O principal ponto de interesse de todos aqueles que apelavam ao regresso da Igreja às origens apontava para a sede de São Pedro. Catarina de Siena, Francisco Petrarca e Dante Alighieri foram apenas alguns desses críticos. Todos apelaram ao papa para que voltasse a Roma, para que deixasse a secular e pródiga Avignon e voltasse ao lugar onde pertence o sucessor de São Pedro.

Mas não foi tão fácil. A França não desistiu tão facilmente e uma batalha diplomática começou com o Sacro Imperador Romano Carlos IV, que finalmente saiu vitorioso. Carlos assumiu como missão vitalícia devolver o papa a Roma. Com Gregório XI, ele conseguiu.

O Cisma Papal Começa


Gregório regressou a Roma apenas para anunciar que partiria após as celebrações da Páscoa. Ele achou Roma desagradável e os romanos ameaçadores. Antes que pudesse partir, porém, ele morreu, e um conclave se reuniu em Roma para garantir que desta vez o papa permaneceria. Os Cardeais sentiram-se sob pressão e tinham agendas próprias. Sob nenhuma circunstância o novo papa deveria ser francês, e as famílias romanas recorreram à extorsão e à violência para garantir que ele fosse romano.

Os Cardeais elegeram Urbano VI e poderia ter terminado aí. Infelizmente, Urbano VI revelou-se um homem violento e colérico, com ideias estranhas e perigosamente reformistas. A maioria dos cardeais arrependeu-se do seu voto, mudou-se para Anagni e proclamou que a eleição foi realizada sob pressão, sendo portanto nula e sem efeito.

Alguns permaneceram leais ao papa eleito, que não hesitou em excomungar os rebeldes. Os desertores elegeram Clemente VII, que se mudou para Avinhão. E, claro, excomungou aqueles que permaneceram em Roma com todos os seus sucessores. Assim, a Igreja Ocidental tinha duas cabeças.

O Cisma Papal como um Problema de cada Alma


Os dois papas, um em Avinhão e outro em Roma, não duraram muito, mas quando morreram, a Igreja não voltou a ser uma só. Pelo contrário, surgiram duas linhagens distintas de papas, e a crise perdurou até 1417. Por que isso importava? A Igreja Católica está sobre a rocha de São Pedro, que foi nomeado o primeiro papa pelo próprio Jesus. Pelo menos é isso que a Igreja ensina.


Jesus deu a Pedro autoridade para destrancar as portas do céu. O papa, como sucessor de São Pedro, transfere o poder para os cardeais e arcebispos. Eles abençoam os que estão mais abaixo na hierarquia da igreja com autoridade papal, e assim continua. Cada pastor de aldeia deve ser capaz de rastrear a sua linha de autoridade até ao papa. Se não pudesse, então a bênção que deu, os sacramentos que concedeu, o batismo, a absolvição, a última cerimônia e o casamento, todos eles seriam nulos e sem efeito.

E isso significava que aqueles que aceitavam esse sacramento viviam em pecado. Se o casamento não fosse válido, viviam em adultério. Se o batizado fosse inválido, eles iriam para o inferno. E não havia absolvição dos seus pecados porque se o confessor não tivesse autoridade, a confissão seria inútil. Assim, metade de todos os cristãos iriam para o inferno, e ninguém sabia qual deles, porque o clero e os príncipes escolheram a sede papal de acordo com as suas preferências políticas. E na opinião das pessoas comuns, a crise aprofundou-se.


O Fim do Cisma Papal


Quando um concílio se reuniu em Pisa em 1409, elegeram um novo papa. Isto só aprofundou a crise, uma vez que nenhum dos dois papas restantes aceitou a eleição, o que significa que havia agora três papas. Isso não funcionaria. Como o regresso do papa a Roma em 1377 foi obra do imperador luxemburguês, Carlos IV, a solução para o cisma papal seria um legado do seu filho, Sigismundo.

Depois que Sigismundo saiu vitorioso da guerra com toda a sua família, ele se tornou Sacro Imperador Romano. Ele conseguiu estabilizar a situação da Europa Central e obter a aceitação de toda a Alemanha. Ele convocou um conselho em Constança, uma cidade livre em Bodensee, e garantiu a segurança dos participantes com seus exércitos.


Todas as pessoas importantes vieram para Constança; Sigismundo conseguiu se livrar dos três papas. Com uma combinação inteligente de diplomacia e violência, os três papas foram forçados a aceitar o seu depoimento. Os cardeais brigaram por pequenos detalhes e o concílio teve de ser convocado durante três anos. Mas Sigismundo foi paciente. Ele presidiu todas as sessões do conselho, informando aos cardeais, com sua presença ameaçadora, que eles não partiriam até que resolvessem o Cisma Papal. O novo papa foi eleito sob o nome de Martinho V e além disso jurou reformar a Igreja.

O Legado do Cisma Papal


Com o Concílio de Constança, o Cisma Papal não terminou. O novo papa não pôde cumprir a sua promessa reformista porque o Concílio de Constança criou um precedente perigoso. Para depor os três papas, o concílio teve de proclamar-se acima do papa e, assim, ganhou a capacidade de depor e eleger novos papas por capricho. Assim, o papado mergulhou profundamente na crise conciliatória, que terminou em 1458. Mas essa foi uma luta política fora do alcance das pessoas comuns. Houve um papa em Roma que brigou com os seus cardeais, como sempre fazem os papas. O Cisma Papal acabou e as almas europeias estavam seguras. Pelo menos por alguns anos antes de uma nova crise surgir.


 

Fonte - Logan, F. Donald (2002). Uma História da Igreja na Idade Média


Swanson, Robert (2021). “A igreja e a vida religiosa: O papado”.


Creighton, Mandell (2012). O Grande Cisma. O Concílio de Constança, 1378-1418

73 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page