top of page

O INÍCIO DO PERÍODO MODERNO NA EUROPA: COMO TERMINOU A IDADE MÉDIA?



O início do período moderno foi uma mudança drástica em relação à Idade Média. Mas o que causou as mudanças? Não existe uma resposta precisa em preto e branco.


O início do período moderno chegou depois da Idade Média. Mas quando terminou a Idade Média? Alguns dizem que foi quando Maomé II, o Conquistador, conseguiu conquistar Constantinopla, outros dizem que foi quando Cristóvão Colombo pisou em solo americano. Outros ainda podem dizer que foi Martinho Lutero pregou as suas 95 Teses na porta da igreja. Alguns afirmam que foi quando Donatello terminou a sua estátua de Davi. O historiador sábio não diz nada e sorri porque sabe que a resposta não é tão simples. Além disso, é muito mais essencial compreender por que estes acontecimentos ocorreram.


O Início do Período Moderno e a Idade Média: Qual foi a Diferença?


O início do período moderno diferia da Idade Média em muitos aspectos, por isso não podemos traçar uma linha entre as duas eras assim. A Idade Média foi cheia de magia e mistério, enquanto a razão fria insinuou-se com a modernidade no início do período moderno. Na Idade Média, havia uma Igreja no Ocidente, um governante universal coroado pelo papa, e um mundo – o antigo. No início do período moderno, muitas igrejas e muitos príncipes poderosos lutaram pelo poder, e o Novo Mundo enriqueceu o antigo de forma significativa. Não havia mais uma cultura universal. Católicos e protestantes desenvolveram suas próprias culturas e centros culturais. Mas o que trouxe a mudança? Por que as pessoas da Idade Média mudaram a forma como viam o mundo?


Os Dois Mundos do início do Período Moderno


Cristóvão Colombo e outros viajantes descobriram as Américas. Mal podemos imaginar o que isso significava. Havia mapas anteriores a 1492 com espaços em branco. As pessoas sabiam que havia algo nas áreas das Américas, mas ainda não sabiam o quê. Hoje em dia existem terras inexploradas — no fundo dos mares e no coração de algumas selvas. Mas o mapa da nossa Terra está completo.


As terras descobertas pelos exploradores na América do Sul eram completamente diferentes das terras que as pessoas conheciam. Havia tabaco, café e cacau. Havia animais estranhos e pessoas ainda mais estranhas. Os cristãos europeus do século XVI conheciam os muçulmanos e os judeus, mas ambos eram religiões monoteístas. E ainda assim viviam pessoas nas Américas que não tinham ouvido o nome de Jesus Cristo. Seus costumes eram tão diferentes dos da civilização eurasiana que se levantou a questão de saber se eles eram humanos. Cardeais e estudiosos discutiram muito sobre isso. Porque se esses povos estranhos fossem humanos, se possuíssem almas humanas, então caçá-los e escravizá-los seria errado. A civilização europeia teve de lidar com o choque de descobrir que existiam pessoas diferentes dela.


Como o Fim da Reconquista deu Início às Viagens


Por que esses viajantes partiram em primeiro lugar? O que os tirou da relativa segurança dos portos europeus? Os que partiram primeiro foram visionários, pessoas que sonhavam com novas terras. E o progresso tecnológico permitiu-lhes tornar estes sonhos realidade. Mas isso não é tudo. Não é por acaso que os primeiros viajantes vieram da Península Ibérica.


Em 1492 terminou a Reconquista, Granada caiu, e os últimos árabes foram expulsos de Espanha. Depois de dois séculos, finalmente houve paz. Mas o que fazer com os cavaleiros que durante séculos não fizeram nada além de lutar? Esses homens não eram adequados para a paz. Eles não trabalhariam, não lavrariam e não fariam negócios. Toda uma classe social de lutadores orgulhosos, selvagens e fortes ficou subitamente sem emprego. O rei e a rainha da Espanha recém-unidafizeram o melhor para o seu país. Eles transformaram a Reconquista em uma Conquista. Eles colocaram seus cavaleiros em navios e os enviaram ao Novo Mundo para conquistar novas terras para seu rei e sua rainha. Isto salvou a Espanha porque os cavaleiros indisciplinados poderiam ter sido um problema. Por enquanto, o povo das Américas deveria lidar com os cavaleiros. Hernan Cortez e Francisco Pizzaro foram apenas dois desses homens.


Guerra Moderna: Armas e Mercenários


Na Idade Média, os cavaleiros da cavalaria eram a força decisiva em todas as batalhas. Esses cavaleiros não funcionaram; a guerra era seu ofício e o saque era sua fonte de renda. Mas esse tempo já se foi. A pólvora mudou completamente o jogo. Agora a infantaria era o elemento principal da máquina de guerra, armada com armas e canhões.


Mercenários, profissionais especializados, poderiam agora vencer uma guerra. Um mercenário não seguia um código moral estrito. Sua lealdade era para com sua unidade e seus camaradas; ele lutou por seu empregador enquanto fosse pago. Então, ele estava livre para mudar de lado. A guerra parecia totalmente diferente com canhões e armas, e toda uma classe social estava agora desempregada. Rebeliões e convulsões eclodiram em toda a Europa. Apenas a Espanha foi poupada deste problema porque os monarcas espanhóis enviaram os seus cavaleiros para o exterior.


O Nascimento do Leitor Moderno


Outra mudança no século XVI foi o aumento da alfabetização; mais pessoas podiam ler do que nunca. Claro, o motivo era que havia mais livros para ler. Livros mais baratos. Antes da invenção da imprensa em 1450, a criação de um livro poderia levar meses e até anos. Agora era questão de dias e, mais tarde, de horas.


Os primeiros livros impressos ainda eram caros. Demorou algum tempo até que a impressora fosse eficaz. No início do século XVI, as pessoas ainda copiavam livros e jornais à mão porque era muito mais rápido. Os vendedores de livros escolhiam cuidadosamente qual livro imprimir porque era muito demorado criar os blocos de madeira para imprimir o texto. Mas havia um livro que sempre venderia: a Bíblia. A imprensa trouxe a Bíblia para todos. Antes da primeira Bíblia de Gutenberg ser impressa em 1455, os poucos alfabetizados liam textos bíblicos manuscritos.


A antiga classe alfabetizada geralmente sabia ler latim e não havia necessidade de traduções. Mas agora, quando a Bíblia estava subitamente disponível para todos, as pessoas comuns queriam lê-la e ela tinha de ser traduzida. A imprensa escrita levou ao aumento da alfabetização e também ao desenvolvimento das línguas nacionais na Europa.


Por último, mas não menos importante, quando as próprias pessoas puderam ler a Bíblia, começaram a pensar no texto, em Deus, na sua fé e, mais importante, na Igreja. Eles começaram a perguntar se a igreja no seu estado atual era o que deveria ser.


A Última crise Espiritual do Início do Período Moderno


O estado da Igreja no final da Idade Média não era bom. Ouviram-se vozes de dentro e de fora, clamando por reformas. Durante os mil e quinhentos anos de sua existência, ocorreram muitos lapsos morais na Igreja. As pessoas estavam acostumadas com isso. Mas o mundanismo dos papas da Renascença foi além de tudo o que os cristãos comuns podiam aceitar. Os papas não apenas governaram como príncipes seculares, mas também tiveram amantes e nomearam abertamente seus próprios filhos como governantes. Tornou-se uma nova norma, mas algumas pessoas não aceitaram e apelaram ao papa e aos seus cardeais para se tornarem humildes servos de Deus. O título do papa como servo dos servos de Deus estava mais longe da realidade agora do que nunca.


Em 1500, muitas pessoas esperavam o fim do mundo. Tudo parecia tão claro. O mundo era tão diferente e a Igreja tão corrupta. Certamente o fim chegaria – a humanidade não poderia continuar assim. E 1.500 parecia um número conveniente. Mas, como sempre, o Deus deles não seguiu a convenção e o Apocalipse não veio. E então? Seguiu-se uma profunda crise espiritual. À medida que mais pessoas leem a Bíblia e outros textos religiosos, mais pessoas poderão fazer as perguntas certas e procurar uma resposta.


Além disso, os habitantes da cidade ganharam influência no início do período moderno; os negócios floresceram e eles investiram no futuro de suas almas. A aristocracia doou principalmente dinheiro e terras à igreja na Idade Média para ganhar o favor de Deus. Agora os burgueses começaram a fazer o mesmo. E quando você paga por algo, você zela pelo seu investimento. Assim, mais leigos sentiram que tinham o direito de questionar a moral da igreja.


As Reformas Religiosas do Início do período Moderno


Hoje em dia, a maioria dos historiadores concorda que foi Martinho Lutero quem desencadeou as mudanças que levaram à criação de várias confissões protestantes e à reforma da Igreja Católica. Lutero pertencia à Idade Média; ele não era um humanista do período moderno. Ele foi um estudioso medieval com um pensamento muito original e, mais importante, com apoiadores muito influentes. Ele foi a resposta para a pergunta mais candente na mente de todos. A Igreja Luterana Alemã cortou todos os laços com Roma; depois que surgiram os luteranos, os calvinistas e os zwinglianos. Isto teria sido impensável há cem anos.


A Igreja Católica acordou tarde demais para impedir o cisma, mas acordou mesmo assim. O Concílio de Trento desencadeou a Reforma Católica e a Contra-Reforma. A Igreja Católica livrou-se dos lapsos morais do clero, redefiniu-se e finalmente reagiu às exigências do povo do início da Idade Moderna. O catolicismo moderno, como alguns estudiosos o chamam, não se parecia em nada com a igreja medieval. Era moderno; enfatizou a razão, a autoridade moral do clero e a educação. O conflito inevitável ocorreu no século XVII, quando as igrejas protestantes se estabeleceram e a Igreja Católica se restabeleceu. Assim, o Período Moderno foi uma época de disputas religiosas e até de guerras. Pela primeira vez na história do cristianismo,


A Cultura do Início do Período Moderno


Arte renascentista e a cultura humanista trouxe o homem, o humano, para o centro de tudo. Deus ainda era muito proeminente, não se engane. Mas os humanistas não fizeram perguntas sobre a substância e a existência de Deus; eles olhavam para Deus através de seu povo. A Renascença foi a cultura dos leigos instruídos e, mais importante, dos burgueses instruídos, a cultura das cidades italianas ricas. A riqueza, as mudanças económicas e a ascensão dos empresários provenientes da burguesia criaram condições perfeitas para um novo tipo de artista. O artista renascentista. Devemos muita beleza renascentista aos papas e cardeais corrompidos dos séculos XV e XVI. A ascensão do humanismo estava ligada ao aumento da alfabetização. Os estudiosos humanistas criticaram a velha ordem, a velha ordem universal e, juntamente com a reforma religiosa, provocaram o seu colapso.


Todas estas mudanças, juntamente com uma economia transformada, encerraram a Idade Média e criaram o Período Moderno. Mas restaram lugares onde a diferença era pouco visível. Nas aldeias, as pessoas ainda dependiam dos ciclos naturais e continuariam a fazê-lo até à Revolução Industrial. As mulheres ainda morreriam nas camas de parto até que a medicina moderna mudasse o jogo. Nunca devemos sobrestimar os rótulos que damos aos períodos históricos e nunca esquecer as pessoas que viveram para os ver.

198 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page