top of page

O MOMENTO MAIS DRAMÁTICO DA IDADE MÉDIA

Atualizado: 21 de abr. de 2022


Enrique de Trastámara esfaqueou Pedro I de Castela, imagem de capa da revista «Desperta Ferro Antigua y Medieval nº 44: Pedro I el Cruel». © Radu Oltean/Desperta ferro Edições.
Henrique de Trastámara esfaqueando Pedro I de Castela, imagem de capa da revista «Desperta Ferro Antigua y Medieval nº 44: Pedro I el Cruel». © Radu Oltean/Desperta ferro Edições.


Um rei mau contra um rei bom. Eles são meio-irmãos. É uma luta até a morte. Numa tenda!


A Idade Média teve sua cota de momentos dramáticos – batalhas, assassinatos, até discursos tiveram sua parcela de entusiasmo e importância histórica. No entanto, o que aconteceu em 23 de março de 1369 tem uma qualidade verdadeiramente épica. Os acontecimentos desse dia remontam ao reinado de Afonso XI, rei de Castela (1312-1350). Afonso era um governante forte que expandiu seu reino derrotando os mouros. No entanto, ele tinha uma falha: ele era casado com uma mulher enquanto amava outra. Afonso havia se casado com Maria de Portugal em 1328, mas ao mesmo tempo conheceu uma nobre castelhana chamada Leonor de Guzman. Ele preferia muito Leonor, que segundo todos os relatos era uma senhora capaz, e juntos tiveram 10 filhos. Enquanto isso, uma vez que a rainha Maria lhe deu um filho, Pedro, em 1334, ela e seu filho foram enviados para viver longe da corte real. O escândalo e o exílio deixariam grande amargura tanto em Maria quanto em Pedro.


Afonso XI morreu em 1350, vítima da Peste Negra, e Pedro tornou-se o novo rei de Castela, sob a orientação de sua mãe. Nos anos seguintes, a corte real foi palco de muita intriga, pois o novo rei teve que lidar com Leonor e seus dois filhos gêmeos Henrique e Fadrqiue, que acumularam muita riqueza e poder. Os nobres do reino estavam envolvidos nos jogos políticos e intrigas também.


No centro dessas intrigas estava Pedro. Fisicamente ele era loiro e de olhos azuis, alto, mas magro, e tinha um pequeno problema de fala. Gostava de cavalgar, caçar e participar de justas. No entanto, sua personalidade é a razão pela qual Pedro foi apelidado de 'o Cruel'. L.J. Andrew Villalon resume o rei castelhano desta forma:


“Desde o início do reinado de Pedro, ficou claro para amigos e inimigos que o monarca tinha uma personalidade suspeita e vingativa. Ele empregou engano e crueldade onde quer que encontrasse oposição, real ou imaginária. Sua natureza implacável, combinada com uma memória muito longa, tornava muito perigoso para um oponente tentar a reconciliação com o rei. Repetidamente, a aristocracia assistia a um de seus membros pensar que havia feito as pazes com o rei, apenas para ser executado ou assassinado quando surgia a oportunidade... tendências sádicas.”

Uma das primeiras vítimas de Pedro foi a amante de seu pai, Leonor. Logo depois que ele subiu ao trono Leonor foi presa, e por ordem de sua mãe ela foi executada em 1351. Enquanto isso, a nobreza e até seus principais conselheiros não estavam a salvo da ira de Pedro. Se ele suspeitasse de sua lealdade, ou se eles falhassem com ele de alguma forma, ele seria rápido em enviar os carrascos. Um homem, que era membro do círculo íntimo do rei há dez anos, foi preso e decapitado. Ele foi autorizado a escrever uma carta de volta para Pedro, onde ele diz:


Agora, no momento da morte, dou-lhe meu conselho final - se você não deixar de lado a adaga, se não parar de cometer tais assassinatos, então perderá seu reino e colocará sua pessoa no maior perigo.

Pedro parecia ter herdado outra falha de seu pai – ele amava mais sua amante do que sua esposa. Em 1352, ele conheceu uma nobre castelhana chamada María de Padilla e parece ter se apaixonado instantaneamente por ela. Essa beldade miúda de cabelos escuros foi sua companheira constante e os cronistas a elogiaram como sendo uma influência moderadora sobre Pedro, aconselhando-o a ser misericordioso com seus súditos.


No entanto, por insistência de sua mãe, ele foi arranjado para se casar com Blanche de Bourbon, filha do duque de Bourbon – isso solidificaria uma aliança com a França e entregaria a Pedro um enorme dote. O casamento aconteceu com muita pompa e cerimônia em 3 de junho de 1353 – dois dias depois, Pedro abandonou sua nova noiva e voltou para Maria. Isso criou um enorme escândalo em toda a Europa, alienando tanto a França quanto o papado. O rei passaria apenas mais duas noites com sua esposa francesa e, depois de tentar obter a anulação, ele a prendeu e depois assassinou em 1361.


Para aumentar o comportamento tirânico de Pedro em casa estava sua política externa beligerante. Enquanto a maioria de seus antecessores fez Castela direcionar suas energias contra os muçulmanos de Granda, Pedro se aliou a Granada e decidiu invadir seu reino cristão de Aragão. Ele simplesmente queria assumir o controle da Península Ibérica às custas do governante aragonês Pere III. De 1356 a 1366, os dois reinos lutaram entre si, negociando castelos e terras ao longo da fronteira.


Em 1358, Pedro convidou seu meio-irmão Fadrique para jantar com ele em seu palácio em Sevilha. Depois que ele chegou lá, Fadrique descobriu que algo estava errado, mas antes que ele pudesse escapar, os guardas o escoltaram até a mesa de jantar de Rei. Lá Pedro ordenou sua execução, e um homem veio por trás de Fadrique e esmagou seu crânio com uma maça. Pedro então saiu pelo palácio, massacrando membros da comitiva de seu meio-irmão, antes de retornar à sua mesa de jantar. Ao regressar notou que Fadrique ainda estava vivo, e entregou um punhal a um pajem jovem para dar o golpe final. Nas palavras de um cronista:


“depois que isso foi feito, o rei sentou-se para comer onde o mestre estava morto…”

Este ato brutal levou o irmão gêmeo de Fadrique, Henrique, a fazer um acordo com Pere III – o aragonês apoiaria sua tentativa de derrubar Pedro e se tornar o novo rei de Castela. Logo os nobres do país afluíram à bandeira de Henrique. A guerra também se arrastaria na Inglaterra e na França, configurando a Ibéria como mais um teatro na Guerra dos Cem Anos.


Em 1366, Henrique obrigou Pedro a abandonar seu reino, mas o rei castelhano ainda não havia terminado. Ele fez um acordo com Eduardo, o Príncipe Negro, e os ingleses invadiram a Península Ibérica. Em 3 de abril de 1367, um exército inglês de 28.000 homens derrotou uma força castelhana-francesa na Batalha de Najera. Henrique e alguns outros conseguiram escapar, mas muitos de seus companheiros castelhanos foram capturados. No entanto, neste momento de vitória, Pedro não conseguiu conter seu ódio e desejo de vingança – ele viu um de seus ex-seguidores entre os prisioneiros e, em um acesso de raiva, sacou uma faca e o esfaqueou até a morte. Quando o príncipe inglês o repreendeu por sua conduta pouco cavalheiresca e inútil, Pedro respondeu que pagaria o resgate por cada cativo. Eduardo recusou tal ideia, dizendo que “mesmo que Pedro oferecesse mil vezes o valor de cada prisioneiro, ele não entregaria nenhum deles por acreditar que o rei estava pagando para matá-los”.


Em poucos meses a aliança com a Inglaterra acabou – Pedro, que também era notoriamente ganancioso, atrasou em enviar ao Príncipe Negro o ouro que ele havia prometido para ajudá-lo a recuperar o trono. Com a saída dos ingleses, os homens de Castela voltaram para o lado de Henrique. Ele também teve a ajuda de Bertrand du Guesclin, um cavaleiro e comandante militar francês que foi um dos líderes das 'Companhias Livres' de mercenários.


Em 1369 a guerra estava indo mal para Pedro – cidades e castelos estavam caindo para as forças de Henrique. Então, em 13 de março de 1369, Pedro e seu exército foram emboscados e derrotados por Henrique e Guesclin, obrigando o monarca castelhano a buscar segurança no castelo de Montiel. O castelo foi sitiado e em poucos dias as provisões e a água estavam acabando para os defensores.


Pedro logo teve uma ideia para tirá-lo dessa armadilha. Ele enviou um cavaleiro que conhecia Bertrand du Guesclin para o acampamento francês no meio da noite – ele se encontrou com Bertrand e fez-lhe uma oferta: se ele permitisse a fuga de Pedro, o governante castelhano o faria senhor de seis cidades e dê a ele 200.000 dobras de ouro. Ele ainda acrescentou que o cavaleiro francês deveria fazer isso:


“pela honra que você terá em ajudar um rei tão grande, quando o mundo mundial souber que é por suas mãos que ele recuperou sua vida e seu reino”.

Bertrand estava um tanto duvidoso quanto à oferta, mas concordou em considerá-la. No dia seguinte, Pedro recebeu a notícia de que o negócio foi aceito e, na noite de 23 de março, ele e uma pequena comitiva fugiram de Montiel e foram para o acampamento francês. Pedro foi até a barraca de Bertrand, mas ele queria fugir o mais rápido possível. Bertrand disse a ele:


“Espere um pouco!”

e logo chegou outro visitante: Henrique.


Só então Pedro percebeu que havia sido traído. Bertrand foi até Henrique e lhe contou sobre a oferta. Henrique respondeu dizendo que iria igualar o suborno, mas apenas se o cavaleiro francês concordasse em atrair o rei castelhano para fora do castelo e para as mãos de Henrique. Foi dentro dessa tenda que dois meio-irmãos se conheceram – durante anos eles tramaram e lutaram um contra o outro. Pedro havia assassinado o irmão gêmeo de Henrique e outros membros da família. Agora ele seria capaz de se vingar.


O que aconteceu a seguir difere dependendo de qual crônica você lê. Segundo o escritor castelhano Pero López de Ayala, um membro da comitiva de Bertrand gritou:


“Olhe, pois aqui está o seu inimigo”.

No entanto, fazia muitos anos que Henrique não olhava para Pedro de perto, então ele não o reconheceu. Por fim, o próprio Pedro gritou:


“Sou eu! Sou eu!"

Em outra versão dada pelo cronista Jean Froissart, Henrique entrou na tenda dizendo:


“Onde está o filho de uma prostituta judia que se diz rei de Castela?”

Pedro respondeu:


“Você é filho de uma prostituta, pois eu sou filho do bom rei Afonso!”

Ambos sacaram as armas e atacaram um ao outro. Logo eles estavam lutando no chão, com o destino de Castela na balança. Segundo a maioria dos relatos, parecia que Pedro estava prestes a vencer, mas alguém o tirou de Henrique. Ninguém veio em socorro de Pedro. Finalmente, nas palavras de Froissart:


“Henrique enfiou uma espada na barriga de seu irmão e o matou”.

Terminada a luta, Henrique ordenou aos seus homens que decapitassem Pedro, enquanto o seu corpo era deixado fora da tenda para os próximos dias, onde seria alvo de mais abusos. Henrique II era agora o governante indiscutível de Castela - ele reinaria por mais dez anos. Enquanto o rei aragonês Pere III estava chateado por Henrique não cumprir suas promessas em troca de sua ajuda na conquista do trono, os dois tiveram seus filhos se casando, uma união que acabaria levando à unificação de Aragão e Castela na Espanha. no século XV.


Enquanto isso, Bertrand du Guesclin receberia sua recompensa de seis cidades e 200.000 duplas de ouro, mas não aproveitou por muito tempo. Em 1370, o rei francês o chamou de volta ao seu país, onde fez de Bertrand o comandante de suas forças armadas. Nos dez anos seguintes, ele reconquistaria grande parte da França que estava em mãos inglesas, solidificando seu legado como um dos melhores comandantes militares da Idade Média.


Quanto a Pedro, sua reputação não foi melhorada pelos cronistas de seu tempo. Ele tinha simpatizantes, e em alguns círculos ele atendia pelo apelido de 'o Justo'. No entanto, é provável que ele seja lembrado para sempre como um dos maiores vilões da Idade Média. Eis como sua biógrafa moderna, Clara Estow, resume Pedro, o Cruel:


Ele foi elevado aos dezesseis anos ao posto mais elevado do reino e, nos vinte anos seguintes, não desfrutou mais do que alguns momentos de prazer ou paz. O fato de muitos de seus problemas terem sido criados por ele mesmo só torna sua história mais trágica do que patética.

 

Fonte - Clara Estow, Pedro , o Cruel de Castela, 1350-1369 (Brill, 1995) Mary Hillgarth (trad.) Pere III da Catalunha: Crônica (Instituto Pontifício de Estudos Medievais, 1980) Richard Vernier, A Flor da Cavalaria: Bertrand du Guesclin e a Guerra dos Cem Anos (DS Brewer, 2003) L.J. Andrew Villalon, “Spanish Involvement in the Hundred Years War and the Battle of Najera,” The Hundred Years War: A Wider Focus, eds. L.J. Andrew Villalon and Donald J. Kagay (Brill, 2005) L.J. Andrew Villalon, “Pedro the Cruel: Portrait of a Royal Failure,” Medieval Iberia: Essays on the History and Literature of Medieval Spain, eds. Donald J. Kagay and Joseph T. Snow (Peter Lang, 1997)



382 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page