top of page

RELÓGIOS MECÂNICOS: UMA INOVAÇÃO MEDIEVAL


“Zytglogge” (torre do relógio) em Berna, na Suíça (século XV).
“Zytglogge” (torre do relógio) em Berna, na Suíça (século XV). - (Getty images licença de uso paga)

A necessidade de contar a passagem do tempo remonta às primeiras civilizações, fortemente dependentes dos ciclos agrícolas e das correspondentes estações do ano para precisarem com maior ou menor exatidão as épocas de cultivo e colheita, os tempos de chuva e de estio, de seca ou de humidade. Estas civilizações baseavam-se na observação dos astros - especialmente do Sol e da Lua - para calcular o tempo, acompanhando a periodicidade dos fenómenos astronómicos com recurso a calendários (BRUTON, 2000: p. 11). Os mais antigos instrumentos de medição do tempo até agora encontrados surgiram no Egito faraónico: os relógios de Sol e de água (Universität Basel, 2013), (LIEVEN, 2016: p. 207), mais tarde adoptados sucessivamente pelos Mesopotâmicos (BROWN et al.: 1999, p. 30), Chineses, Gregos e Romanos.


E se foi na China que, entre os séculos VII e XI, se desenvolveram soluções que anunciavam a mecanização dos relógios (TEMPLE: 1988, p. 27), o primeiro dispositivo com múltiplas engrenagens girando no interior de eixos maiores (epicicloidais) foi inventado por Ibn Khalaf al-Muradi, um muçulmano andalusi do século XI que aplicou o método de Arquimedes num mecanismo que movia figuras de hora a hora, como verdadeiros autómatos. Os relógios de água de al-Sa’ati na mesquita de Damasco (século XII); de al-Jazari (1206), que apresentava as figuras do zodíaco e o movimento do Sol e da Lua; e a que se encontrava no pátio da madrassa de Mustansiriya, em Bagdade (1235), também anunciavam as horas das rezas diárias, conforme os preceitos da religião islâmica (HILL, 1997: p. 233-234).


A Importância de Contar o Tempo


Tal como no mundo islâmico, a contagem do tempo revelava-se bastante útil para as necessidades da vida religiosa cristã, especialmente nas comunidades monásticas, regidas por uma disciplina rígida em que era necessário estabelecer horários para as diferentes responsabilidades: o despertar, as orações, as refeições, o trabalho, o recolhimento, etc. O toque dos sinos também assumia um papel importante na vida social das vilas e cidades, pois não só chamavam os fiéis às missas como anunciavam a hora do recolher (CARDOSO, 1998: pp. 35-38); (OLIVEIRA, 2015: pp. 109-111). Paralelamente à sociedade que seguia as horas canónicas, desenvolveu-se a partir dos séculos XI e XII uma vida urbana mais dinâmica, cuja regulação do trabalho comercial (afinal, já naquela época tempo era dinheiro), também exigia novos relógios que indicassem as horas com maior frequência e precisão (PINTO, 2006: p. 285).


O crescimento dessa classe burguesa e mercantil fez com que o tempo passasse a ser considerado de maneira diferente, distanciando-se das necessidades rurais do clima e dos ciclos astronómicos. (MARINHO, 2010: pp. 25-26). Assim, os relógios passaram a ser vistos como objectos de prestígio, fazendo com que, nos séculos finais da Idade Média, se verificasse uma verdadeira “explosão” destes instrumentos nas cidades europeias, instalados nas torres das igrejas, catedrais, ou edifícios públicos, representando um crescente sinal de riqueza e civilização dessas urbes, sendo frequentemente comprados com os impostos cobrados pelas autoridades locais (DIAS: 2006, p. 6).


Quando surgiram os Relógios Mecânicos?


Não sabemos exatamente quando surgiram os primeiros relógios mecânicos. Apesar de Gerbert d’Aurillac, clérigo e mais tarde Papa com o nome de Silvestre II, ser frequentemente citado como o seu inventor por volta do ano 996, as fontes coevas não confirmam essa atribuição (OTISK, 2020: pp. 28-32). Conhecem-se várias referências a relógios de água - chamados “horologium” - desde fins do século XII (1867, p. 388); (CLARKE, 1903: p. 163); eram tão procurados que em 1183 já existia uma guilda de relojoeiros em Colónia, e em 1220 ocupavam uma rua inteira nessa mesma cidade, a “Urlogingasse”. Uma representação na Bíblia de São Luís (1226-1234) mostra um relógio de água funcionando com pesos, o que parece demonstrar que esse tipo de dispositivos terá sido inventado na Europa ocidental algum tempo antes (WHITE, 1978: pp. 120-121).


Na década de 1270 foi dado um passo decisivo que anunciou a era dos relógios mecânicos: a invenção do mecanismo de escape de “vareta” com pesos (BRUTON, 2000: p. 49). Nos 30 anos seguintes notou-se um aumento de registos da compra de novos relógios, de reparações das peças e da contratação de “horologistas” - relojoeiros - para os manter a funcionar, o que desde logo indiciava que se estava perante um novo dispositivo (LANDES, 1985: pp. 56-57). Entre estas menções contam-se as de 1283 na abadia de Dunstable, onde a sua montagem acima do púlpito sugere que já seria totalmente mecânico (LUARD, 1866: p. 296); em 1292, na catedral de Cantuária foi instalado um “novum orologium magnum” (WOOD, 1866: p. 29), e em 1314 foi a vez da catedral de Caen, em França (BRITTEN, 1904: p. 26). Parte-se do princípio que pelos inícios do século XIV os relógios mecânicos começavam já a substituir os seus antecessores, devido à sua instalação em torres sineiras e ao completo desaparecimento de referências à corrosão das peças ou a fugas de água (LANDES, 1985: p. 57).


Entretanto, as menções documentais iam crescendo com o passar das décadas, surgindo notícias destes novos relógios em Aragão (1332), Castela (1366) (ÁLVAREZ, 2013: pp. 491-492) e Itália - nomeadamente Milão (1336), Pádua (1344), Génova (1353) e Bolonha (1356) - ao mesmo tempo que os relojoeiros ganhavam cada vez mais importância, destacando-se entre eles os italianos Jacopo e Giovanni Dondi dell’Orologio e o alemão Henry de Vick, que montou o primeiro relógio mecânico no palácio real de Paris, em 1368 (BARNETT, 1999: p. 75); (BRITTEN, 1904: p. 27). Estas inovações foram recebidas com grande entusiasmo pois, tal como os computadores actuais, esta era a novidade tecnológica da sua época. Tal foi exemplarmente descrito pelo poeta italiano Dante na sua obra “Divina Comédia” (LANDES, 1985: p. 57) e, meio século mais tarde, o cronista Jean Froissart escreveria até um verdadeiro poema de amor ao novo instrumento na sua obra “L’horloge amoureuse”, de 1369 (Ibid., p. 82).


Com Sinos ou Mostradores?


O aumento da instalação dos relógios mecânicos em espaços públicos - só entre 1371 e 1380 surgiriam em mais de 70 cidades europeias (BRADBURY & COLLETTE, 2009: pp. 353-356) - levou a uma profusão de tipos de mecanismos: engrenagens que faziam bater sinos como o da catedral de Salisbúria, instalado em 1386 e o mais antigo no mundo ainda em funcionamento (“salisburycathedral.org.uk”, n.d.), ou mostradores de 24 e 12 horas, tal como o relógio de Ruão, construído em 1389 por João de Féalins (BRITTEN, 1904: p. 27), ou os de 6 horas, mais comuns em Itália (SEVERINO, 2011: pp. 20-41). Já o relógio da catedral de Wells (1392) ainda possui os dois mostradores originais com figuras que batem sinos e um conjunto de cavaleiros em justa que surgem a cada 15 minutos (COLCHESTER, 1987: pp. 116-120).


Apesar da manutenção custosa causada pela necessidade frequente de substituição das peças, e dos seus problemas de fiabilidade (HEADRICK, 2002: pp. 42-43), na viragem do século XIV para o século XV os relógios mecânicos continuaram a espalhar-se pela Europa: em 1400 foi instalado um relógio de sinos na catedral de Sevilha, e outro semelhante surgiu em Moscovo no ano de 1404. A cidade de Lubeck também já tinha o seu relógio em 1405, bem como Nuremberga, em 1442 (BRITTEN, 1904: p. 28). Um dos mais famosos mecanismos sobreviventes dessa época é o relógio astronómico de Praga, que terá sido instalado em 1410 na torre da casa da Câmara* (HORSKY, 1988).


Quanto aos relógios domésticos, a primeira referência a um exemplar mecânico, de “rodas muito belas/Com seus movimentos constantes”, data de c. 1275 no livro ‘Roman de la Rose’, de Jean de Meung (c.1240 - c.1305). (MATTHES, 2022: p. 153). Estes pequenos relógios passaram a ser um dos itens favoritos da realeza e da alta nobreza europeia: num inventário do rei Carlos V de França há menção a um pequeno relógio de prata com dois contrapesos de chumbo que tinha pertencido ao seu antecessor Filipe IV, o “Belo” (1268-1314), enquanto o camareiro Jean Engilbert comprou um relógio para os aposentos do Papa em Avinhão por onze florins de ouro, em 1336 (Ibidem). Em 1381, Giovanni Dondi apresentou um relógio astronómico portátil para o Duque de Milão, o “Astrarium”, e na década de 1430 o Duque da Borgonha, Filipe o “Bom”, possuía um relógio de mesa, que ainda hoje existe (Ibid, p. 156).


Relógios Mecânicos em Portugal


O primeiro relógio mecânico chegou a Portugal em 1377, mandado instalar pelo rei D. Fernando I numa das torres da Sé de Lisboa (DIAS, 2006: pp. 7-8); (PINTO, 2006: p. 287). Apesar de não ter sobrevivido até aos nossos dias, sabe-se que não tinha mostrador, sendo antes um mecanismo que batia sinos (CASTILHO, 1936: cap. XI, pp. 81-84); (OLIVEIRA, 1887: pp. 280-281), provavelmente do mesmo tipo de Salisbúria. Desconhece-se onde terá sido construído, mas sabe-se que foi feito por um relojoeiro de seu nome “Mestre João Francês”, segundo uma inscrição gravada no próprio sino (DIAS, op. cit., p. 7), e a sua instalação foi comparticipada a meias entre o monarca, o cabido e os homens-bons da cidade, conforme relata a mesma inscrição (Ibid., pp. 7-8); (CASTILHO, op. cit., p. 82).


A cidade do Porto também já possuía um relógio mecânico desde inícios do século XV, conforme as actas de vereação da Câmara, respectivamente datadas de 7 e 28 de janeiro de 1401 e 1402, que confirmam a presença desse mecanismo numa das torres da Sé, do qual ficou Gonçalo Eanes, tesoureiro na dita catedral, encarregue de fazer tanger em troca do pagamento de 6000 libras anuais (MARINHO, 2010: p. 56); (PINTO, 2006: p. 287); (CARDOSO, 1998: p. 38); (cf. “Vereaçoens”, 1980); (PT-CMP-AM/1402.01.28). Em 1417, o rei D. João I tinha mandado retirar um “sino grande” da Porta do Olival para ser colocado na “Torre da Sé para relógio” (PINTO, op. cit., p. 287); (CARDOSO, op. cit., p. 39). Ao longo da centúria de Quatrocentos é conhecida a existência destes mecanismos noutras localidades portuguesas como Coimbra, Guimarães (PT/TT/CSMOG, mç. 43, nº 40), Évora, Santarém e Braga. Dentre eles, chegaram-nos exemplares relativamente bem conservados como o relógio do Mosteiro da Batalha, instalado na torre sineira (torre da “Cegonha”) entre 1460 e 1471 e mantido pelo relojoeiro João Rodrigues Alemão, que também é referido como responsável pelo relógio de Santa Cruz de Coimbra e pelo relógio público de Pombal (REDOL & GOMES, 2015: pp. 18-19 / 99-100); (MONTEIRO, 1997: p. 72).


Outros exemplares que chegaram até nós encontram-se nos Mosteiros do Varatojo, em Torres Vedras, e de Orgens, no concelho de Viseu, este último datado de 1478 quando o frade franciscano João da Comenda é autorizado a construir um “relógio de rodas de ferro” para o dito mosteiro. Tal como os restantes acima descritos, fazia tanger um sino, que entretanto se perdeu (Ibid., p. 18); (MARINHO, 2010: pp. 57-58); (“Estação Chronographica”, 2014). Nos paços régios também se deveriam encontrar relógios domésticos mecânicos, pois existem referências a um mestre relojoeiro na Corte de D. João I em 1402, de seu nome Colim (MH, 1960: p. 287), provavelmente de nacionalidade inglesa (GOMES, 2003: p. 403). Mais tarde, o rei D. Duarte referiria um nocturlábio na obra do “Leal Conselheiro”, louvando a sua utilidade e descrevendo o seu aspecto (MARINHO, op. cit., p. 57); (BARREIRA & SEIXAS, 2014: pp. 40-41); (cf. Lisboa, 1843: pp. 325-326).


Mesmo com o desenvolvimento dos relógios de mola durante o século XV (WHITE, 1978: pp. 126-128), os dispositivos anteriores continuaram a dominar o “mercado”, tanto em Portugal, como na Europa, sendo mantidos com peças novas nos séculos seguintes. Os relógios do Convento de Cristo, em Tomar (MARINHO, op. cit., p. 60), ou o da torre da porta da vila no castelo de Montemor-o-Novo (DGPC – “http://www.monumentos.gov.pt/site”, n.d.); (“https://montemorbase.com/”) são exemplos destes mecanismos quinhentistas. A partir dos séculos XVII e XVIII a era dos relógios de pesos chegou ao fim, substituídos sucessivamente pelos de pêndulo (FRAUSCHI et. al., 2008: p. 297).


*A data da sua construção, bem como o autor do mecanismo, não foram passíveis de serem confirmados devido à indisponibilidade de acesso à fonte referida.

 

Arquivo Nacional da Torre do Tombo, PT/TT/CSMOG, Documentos Particulares, Maço 43, nº 40.


- Arquivo Municipal do Porto, Acta de Vereação de 28 de janeiro de 1402: PT-CMP-AM/PUB/CMPRT/FANT/35/1402.01.28


FONTES BIBLIOGRÁFICAS


- ÁLVAREZ, Victor Pérez (2013). “Mechanical clocks in the medieval Castilian royal court” in Antiquarian Horology, Volume 34, No. 4, pp. 489-502.


- BARNETT, Jo Ellen (1999). “Time’s Pendulum: from sundials to atomic clocks, the fascinating history of timekeeping and how our discoveries changed the world”, Sand Diego: Harcourt Brace.


- BARREIRA, Catarina F. & SEIXAS, Miguel M. (2014). “D. Duarte e a sua época: Arte, Cultura, Poder e Espiritualidade”, Lisboa: IEM – Instituto de Estudos Medievais da UNL, CLEGH – Centro Lusíada de Estudos Genealógicos, Heráldicos e Históricos da ULL.


- BRADBURY, Nancy M. & COLLETTE, Carolyn P. (2009). “Changing Times: The Mechanical Clock in Late Medieval Literature” in The Chaucer Review, Penn State University Press.


- BRITTEN, F. J. (1904). “Old Clocks and Watches & Their Makers”, 2nd Edition, London: B. T. Batsford.


- BROWN, David & FERMOR, John & WALKER, Christopher (1999). “The Water Clock in Mesopotamia”, Archiv für Orientforschung (AfO)/Institut für Orientalistik.


- BRUTON, Eric (2000). “The History of Clocks and Watches”, London: Little, Brown.


- Bulletin de la Société Archéologique de Sens, Tome IX, Imprimerie de Ch. Duchemin, 1867.


- CARDOSO, Isabel Vaz de Freitas B. (1998). “Recolher Obrigatório: Uma Imposição da Noite Medieval” in Conflitos Fronteiriços Hispano-Portugueses nos Finais da Idade Média, Revista Ciências Históricas, Vol. XIII, Universidade Portucalense Infante D. Henrique.


- CASTILHO, Júlio de (1936). “Lisboa Antiga – Bairros Orientais”, 2ª Edição, Volume VI, Lisboa: S. Industriais da C.M.L.


- CLARKE, Sir Ernest (1903). “The Chronicle of Jocelin of Brakelond: A Picture of Monastic Life in the Days of Abbot Samson”, London: Alexander Moring the de la More Press.

- COLCHESTER, L. S. (1987). “Wells Cathedral”, London: Unwin Hyman Publisher.


- DIAS, Eurico José G. (2006). “O Anonymo [1752-1754], a excelência historiográfica de um periódico português nos meados do século XVIII” in artciencia.com. Revista de Arte, Ciência e Comunicação.


- FRAUTSCHI, Steven C. & OLENICK, Richard P. & APOSTOL, Tom M. & GOODSTEIN, David L. (2008). “The Mechanical Universe: Mechanics and Heat, Advanced Edition. Cambridge University Press.


- GOMES, Rita Costa (2003). “The Making of a Court Society - Kings and Nobles in Late Medieval Portugal”, Cambridge University Press.


- HEADRICK, Mark V. (2002). “Origin and Evolution of the Anchor Clock Escapement”, Volume 22, Issue 2, IEEE Control Systems Magazine.


- HILL, Donald R. (1997). “A history of engineering in classical and medieval times”, New York: Barnes & Noble.


- LANDES, David S. (1985). “Revolution in Time: Clocks and the Making of the Modern World”, Belknap Press of Harvard University Press.


- “Leal Conselheiro e Livro da Ensinança de Bem Cavalgar Toda Sella”, Lisboa: na Typographia Rollandiana, 1843.


- LIEVEN, Alexandra von (2016). “The Movement of Time. News from de “Clockmaker” Amenemhet” in Rich and Great – Studies in Honour of Anthony J. Spalinger on the occasion of his 70th Feast of Thoth, Faculty of Arts, Charles University in Prague.


- LUARD, Henry R. (1866). “Annales Monastici.” Vol. III (Annales Prioratus de Dunstaplia [A.D. 1-1297]) (Annales Monasterii de Bermundeseia [A.D. 1042-1432]), London: Longmans, Green, Reader and Dyer.


- MARINHO, Lúcia M. R. (2010). “Guardiães do Tempo: A Arte da Relojoaria na Colecção da Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves”. Tese de Mestrado em Arte, Património e Teoria do Restauro pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa.


- MATTHES, Dietrich (2022). “The Domestic Clock in Europe” in A General History of Horology, Ed: Anthony Turner, Jonathan Betts, James Nye, Oxford University Press, pp. 153-165.


- MONTEIRO, Helena Maria M. (1997). “A Chancelaria Régia e os seus Oficiais (1464-1465)”, Volume II, Faculdade de Letras da Universidade do Porto.


- “Monumenta Henricina”, Volume I, Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, 1960.

- OLIVEIRA, Ana Rodrigues (2015). “O dia-a-dia em Portugal na Idade Média”, 1ª Ed, Lisboa: A Esfera dos Livros.


- OLIVEIRA, Eduardo Freire de (1887). “Elementos para a História do Município de Lisboa”, 1ª Parte, Tomo III, Lisboa: Typographia Universal.


- OTISK, Marek (2020). “Gerbert of Aurillac (Pope Sylvester II) as a Clockmaker” in Theory of Science, Nº XLII, 1, pp. 25-49.


- PINTO, Álvaro R. (2006). “Da Usura ao Desperdício. O Tempo de um Pecado” in HISTÓRIA - Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, III Série, Vol. 7, pp. 285-290.

- REDOL, Pedro & GOMES, Saul António (2015). “Lugares de Oração no Mosteiro da Batalha”, Catálogo: 1ª Edição, DGPC (Direção Geral do Património Cultural).


- SEVERINO, Nicola (2011). “La misteriosa storia degli orologi a sei ore”, Prima edizione, Roccasecca.


- TEMPLE, Robert K. G. (1988). "The Mechanical Clock" in The Chinese Scientific Genius - Discoveries and inventions of an ancient civilization, The UNESCO Courier: a window open on the world, XLI, 10, pp. 26-27.


- “Vereaçoens” Anos de 1401- 1449: o segundo livro de vereações do município do Porto existente no seu arquivo. Transcrição de J. A. Pinto Ferreira, Porto: Câmara Municipal do Porto, Gabinete de História da Cidade, [imp.1980].


- WHITE, Lynn T. (1978). “Medieval Technology and social change”, New York: Oxford University Press.


- WOOD, Edward J. (1866). “Curiosities of Clocks and Watches from the Earliest Times”, London: Richard Bentley.


WEBGRAFIA:


- MORBASE. Serviço de Património Cultural, Divisão Sociocultural, Município de Montemor-o-Novo. Consultado em 03 de Outubro de 2022. Disponível em: https://montemorbase.com/.../torre-do-relogio-e-porta.../...


- Oliveira, Fernando Correia de (2014). “Estação Chronographica”. Consultado em 30 de Setembro de 2022. Disponível em: http://estacaochronographica.blogspot.com/.../ha-dez-anos...


- Prague Astronomical Clock (2020, May 28). “Guide to the oldest working astronomical clock in the world”. Consultado em 01 de Outubro de 2022. Disponível em: https://issuu.com/prague.eu/docs/praha_orloj_uk_issuu


- SIPA: Sistemas de Informação para o Património Arquitectónico – Castelo de Montemor-o-Novo / Castelo e cerca urbana de Montemor-o-Novo. Consultado em 03 de Outubro de 2022. Disponível em: http://www.monumentos.gov.pt/site/APP_PagesUser/SIPA.aspx...


- Site institucional da Catedral de Salisbúria (n.d). Consultado em 01 de Outubro de 2022. Disponível em: https://www.salisburycathedral.org.uk/discover/what-to-see/


- Universität Basel. (2013, March 14). “One of world's oldest sun dial dug up in Kings' Valley, Upper Egypt”. ScienceDaily. Consultado em: 2 de Outubro de 2022. Disponível em: www.sciencedaily.com/releases/2013/03/130314085052.htm

26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page