top of page

RICARDO I


Ricardo I Coração de Leão, por Joseph Blondel
Ricardo I Coração de Leão, por Joseph Blondel


Ricardo nasceu em 8 de setembro de 1157, no Palácio de Beaumont, em Oxford, Inglaterra, filho do rei Henrique II da Inglaterra e Leonor da Aquitânia. Ele era um irmão mais novo de Henrique, o Jovem Rei e Matilda, Duquesa da Saxônia. Como filho mais novo do rei Henrique II, não era esperado que ele ascendesse ao trono. Ele também era um irmão mais velho de Godofredo II, Duque da Bretanha ; Rainha Leonor de Castela ; Rainha Joana da Sicília ; e João, Conde de Mortain, que o sucedeu como rei. Ricardo era o meio-irmão materno mais novo de Maria da França, Condessa de Champagne, e Alix, Condessa de Blois. O filho mais velho de Henrique II e Leonor, Guilherme IX, Conde de Poitiers, morreu antes do nascimento de Ricardo. Ricardo é frequentemente descrito como tendo sido o filho favorito de sua mãe. Seu pai era angevino-normando e bisneto de Guilherme, o Conquistador. O historiador contemporâneo Ralph de Diceto traçou a linhagem de sua família através de Matilda da Escócia até os reis anglo-saxões da Inglaterra e Alfredo, o Grande, e daí a lenda os ligava a Noé e Odin. De acordo com a tradição da família angevina, havia até 'sangue infernal' em seus ancestrais, com uma alegada descendência da fada, ou demônio feminino, Melusine.


Enquanto seu pai visitava suas terras da Escócia à França, Ricardo provavelmente passou sua infância na Inglaterra. Sua primeira visita registrada ao continente europeu foi em maio de 1165, quando sua mãe o levou para a Normandia. Sua ama de leite foi Hodierna de St Albans, a quem ele deu uma generosa pensão depois que se tornou rei.


Dizia-se que o jovem príncipe era um sujeito alto, de acordo com Clifford Brewer, ele tinha 6 pés e 5 polegadas (1,96 m), embora isso não seja verificável, pois seus restos mortais foram perdidos desde pelo menos a Revolução Francesa. João, seu irmão mais novo, era conhecido por ter 5 pés e 5 polegadas (1,65 m), além de sua altura era bonito e de olhos azuis, com cabelos loiros avermelhados e já era conhecido por sua coragem. A educação de Ricardo envolveu uma boa dose de literatura medieval de cavalaria graças ao interesse de sua mãe pelo assunto. A poesia era outro passatempo favorito e o rei compôs seus próprios poemas em francês e occitano (um dialeto francês comumente usado em romances)


Desde tenra idade, Ricardo mostrou significativa habilidade política e militar, tornando-se conhecido por seu cavalheirismo e coragem enquanto lutava para controlar os nobres rebeldes de seu próprio território.


As alianças matrimoniais eram comuns entre a realeza medieval: levavam a alianças políticas e tratados de paz e permitiam que as famílias reivindicassem a sucessão nas terras umas das outras. Em março de 1159 foi combinado que Ricardo se casaria com uma das filhas de Ramón Berenguer IV, Conde de Barcelona; no entanto, esses arranjos falharam e o casamento nunca aconteceu. Henrique, o Jovem Rei, casou-se com Margarida, filha de Luís VII da França, em 2 de novembro de 1160. Apesar dessa aliança entre os Plantagenetas e os Capetianos, a dinastia no trono francês, as duas casas às vezes estavam em conflito. Em 1168, a intercessão do Papa Alexandre III era necessário assegurar uma trégua entre eles. Henrique II conquistou a Bretanha e assumiu o controle de Gisors e dos Vexin, que faziam parte do dote de Margarida


No início da década de 1160, houve sugestões de que Ricardo deveria se casar com Alys, condessa dos Vexin, quarta filha de Luís VII; por causa da rivalidade entre os reis da Inglaterra e da França, Luís obstruiu o casamento. Um tratado de paz foi garantido em janeiro de 1169 e o noivado de Ricardo com Alys foi confirmado. Henrique II planejava dividir os territórios dele e de Leonor entre seus três filhos sobreviventes mais velhos: Henrique se tornaria rei da Inglaterra e teria o controle de Anjou, Maine e Normandia; Ricardo herdaria Aquitânia e Poitiers de sua mãe; e Geoffrey se tornaria duque da Bretanha através do casamento com Constance, herdeira presuntiva de Conan IV. Na cerimónia em que foi confirmado o noivado de Ricardo, prestou homenagem ao rei de França pela Aquitânia, assegurando assim os laços de vassalagem entre os dois.


As Revoltas e Henrique II


Este foi um período de relações conturbadas e complexas entre a Inglaterra e a França, e Ricardo, cuja família havia sido a principal causa, estaria envolvido em duas rebeliões contra seu pai. A primeira tentativa de derrubar o rei veio em 1173, quando Ricardo, seus irmãos Henrique e Geoffrey, o conde da Bretanha e Guilherme, o Leão da Escócia, todos conspiraram para unir forças, quase certamente um pacto orquestrado por Leonor da Aquitânia. Ansioso para aumentar seus próprios domínios às custas da coroa inglesa, o assassinato do arcebispo de Canterbury, Thomas Becket, em sua própria catedral em 1170 provou ser um ponto de encontro, dado o suposto envolvimento de Henrique neste crime chocante. Com apenas 15 anos, Ricardo foi nomeado cavaleiro por Luís VII, outra parte interessada em ver a queda de Henrique, e enviado em uma campanha para invadir o leste da Normandia, então sob a coroa inglesa. Os rebeldes não conseguiram expulsar Henrique II graças a seus leais barões e muitos castelos, mas Ricardo foi perdoado depois que jurou fidelidade a seu pai. Leonor, em contraste, foi presa por seus problemas. Este não foi o fim do caso, porém, pois Henrique lutou para manter o controle de seu reino em seus últimos anos.


Ricardo, como príncipe, detinha os títulos de Duque da Aquitânia e Conde de Poitou (ambos na França e arranjados por sua mãe), e cimentou sua crescente reputação como um talentoso comandante de campo e sitiador de castelos ao reprimir uma revolta do barões da Aquitânia. Sua tomada do castelo inexpugnável de Taillebourg em 1179 foi uma pena especialmente esplêndida na coroa de seu príncipe. Menos esplêndidas eram as histórias de seu tratamento implacável de prisioneiros e prostituição forçada de nobres capturadas. Ainda assim, apesar de seus sucessos, Ricardo queria mais. Então, o destino interveio e o principal rival de Ricardo para o trono da Inglaterra, seu irmão mais velho, Henrique, o Jovem Rei (nascido em 1155) morreu em junho de 1183. Henrique II tinha ido tão longe a ponto de fazer seu filho rei designado em 1170, mas o jovem Henrique morrera por conta de uma disenteria, o que arruinou os planos de sucessão do rei que estavam bem organizados. Além disso, seu outro irmão Geoffrey morreu em um acidente em um torneio medieval em 19 de agosto de 1186. Ricardo estava agora em posição privilegiada para se tornar o próximo rei da Inglaterra, mas não estava preparado para simplesmente esperar que a natureza seguisse seu curso.


Ricardo novamente desafiou seu pai em 1188-9 quando ele e seu irmão mais novo João formaram uma aliança com Filipe II, o novo rei da França. A rebelião foi novamente apoiada por Leonor, e a guerra incluiu o lendário episódio em que o famoso cavaleiro medieval Sir William Marshal, lutou contra Ricardo, ele teve o príncipe à sua mercê, mas optou por matar seu cavalo. Apesar de sua rivalidade, ou talvez em gratidão por seu cavalheirismo, Ricardo mais tarde deu a William o Castelo de Chepstow, como havia sido prometido a ele por Henrique II. Perdendo o controle do Maine e da Touraine, Henrique acabou concordando com os termos de paz que reconheciam Ricardo como seu único herdeiro. Quando o rei morreu pouco depois, Ricardo foi coroado seu sucessor na Abadia de Westminster em 2 de setembro de 1189. Também faziam parte de seu reino aquelas terras na França ainda pertencentes à sua família, os Angevinos (também conhecidos como Plantagenetas): Normandia, Maine e Aquitânia. Ricardo recusou-se a dar a João a Aquitânia, como prometera ao pai que faria, e isso apenas acirrou a rivalidade entre os dois irmãos.


Ricardo, o Rei


Ricardo I foi oficialmente investido como duque da Normandia em 20 de julho de 1189 e coroado rei na Abadia de Westminster em 3 de setembro de 1189. A tradição proibia todos os judeus e mulheres da investidura, mas alguns líderes judeus chegaram para presentear o novo rei. De acordo com Ralph de Diceto, os cortesãos de Ricardo despojaram e açoitaram os judeus, depois os expulsaram.


Richard I sendo ungido durante sua coroação na Abadia de Westminster , de uma crônica do século 13
Ricardo I sendo ungido durante sua coroação na Abadia de Westminster, de uma crônica do século 13


Quando se espalhou o boato de que Ricardo havia ordenado que todos os judeus fossem mortos, o povo de Londres atacou a população judaica. Muitos lares judeus foram destruídos por incendiários, e vários judeus foram convertidos à força. Alguns procuraram refúgio na Torre de Londres, e outros conseguiram escapar. Entre os mortos estava Jacob de Orléans, um respeitado erudito judeu. Roger de Howden, em sua Gesta Regis Ricardi, afirmou que os cidadãos invejosos e intolerantes começaram os tumultos, e que Ricardo puniu os perpetradores, permitindo que um judeu convertido à força retornasse à sua religião nativa. Balduíno de Forde, o arcebispo de Canterbury reagiu comentando:


"Se o rei não é homem de Deus, é melhor que seja do diabo".

Ofendido por não estar sendo obedecido e percebendo que os assaltos poderiam desestabilizar seu reino às vésperas de sua partida em cruzada, Ricardo ordenou a execução dos responsáveis ​​pelos mais flagrantes assassinatos e perseguições, incluindo desordeiros que acidentalmente incendiaram lares cristãos. Ele distribuiu um mandado real exigindo que os judeus fossem deixados em paz. No entanto, o decreto foi aplicado apenas de forma frouxa, e no mês de março seguinte ocorreu mais violência, incluindo um massacre em York.


Casamento


Antes de deixar Chipre na cruzada, Ricardo casou-se com Berengária, a filha primogênita do rei Sancho VI de Navarra. Ricardo se aproximou dela pela primeira vez em um torneio realizado em Navarra, sua terra natal. O casamento foi realizado em Limassol em 12 de maio de 1191 na Capela de São Jorge e contou com a presença da irmã de Ricardo, Joana, que ele havia trazido da Sicília. O casamento foi celebrado com grande pompa e esplendor, muitas festas e entretenimentos, e desfiles públicos e celebrações se seguiram comemorando o evento. Quando Ricardo se casou com Berengária, ele ainda estava oficialmente noivo de Alys, e pressionou o casamento para obter o Reino de Navarra como um feudo, como Aquitânia tinha sido para seu pai. Além disso, Leonor defendeu a partida, pois Navarra fazia fronteira com a Aquitânia, garantindo assim a fronteira sul de suas terras ancestrais. Ricardo levou sua nova esposa em uma cruzada com ele brevemente, embora eles voltassem separadamente. Berengária teve quase tanta dificuldade em fazer a viagem para casa quanto seu marido, e ela não viu a Inglaterra até depois de sua morte. Após sua libertação do cativeiro alemão, Ricardo mostrou algum arrependimento por sua conduta anterior, mas não se reuniu com sua esposa. O casamento permaneceu sem filhos.


Ricardo e a Terceira Cruzada


A primeira prioridade de Ricardo, de fato, talvez sua única, era cumprir sua promessa feita em 1187 de 'tomar a cruz' e ajudar a capturar Jerusalém dos muçulmanos. O rei esvaziou os cofres de seu reino para sua missão, chegando a fazer um acordo com Guilherme, o Leão - dando ao rei escocês total autonomia feudal em troca de dinheiro. Para um monarca que passou a maior parte de seu reinado fora da Inglaterra, não falava inglês e gastou imprudentemente a riqueza do reino em guerras estrangeiras, Ricardo tem desfrutado de uma posição notavelmente favorável na imaginação popular inglesa desde então.



Uma pintura do século XIX dC representando Ricardo I (r. 1189-1199 dC) liderando a marcha do exército cruzado para Jerusalém durante a Terceira Cruzada (1189-1192 dC)
Uma pintura do século XIX dC representando Ricardo I (r. 1189-1199 dC) liderando a marcha do exército cruzado para Jerusalém durante a Terceira Cruzada (1189-1192 dC)


A Terceira Cruzada (1189-1192) foi convocada pelo Papa Gregório VIII após a captura de Jerusalém em 1187 por Saladino, o Sultão do Egito e da Síria. Nada menos que três monarcas atenderam ao chamado (uma Cruzada Pedigree): Frederico I Barbarossa (Rei da Alemanha e Sacro Imperador Romano), Filipe II da França e o próprio Ricardo. Sendo estes os três homens mais poderosos da Europa Ocidental, a campanha prometia ser mais favorável do que a Segunda Cruzada de 1147-49. Infelizmente para a cristandade, porém, os cruzados só conseguiram avistar Jerusalém e nenhuma tentativa foi feita para atacar a cidade sagrada.. De fato, todo o projeto estava cheio de problemas, nenhum maior do que Barbarossa se afogando em um rio antes mesmo de chegar à Terra Santa. A morte do Sacro Imperador Romano resultou na maior parte de seu exército marchando de volta para casa em luto, o que deixou apenas os cavaleiros ingleses e franceses, que não eram aliados particularmente afetuosos na melhor das hipóteses.


Ainda assim, apesar do mau começo, houve alguns destaques militares para escrever. Ricardo, que tomou a rota marítima para o Oriente Médio, capturou primeiro Messina na Sicília em 1190 e depois Chipre em maio de 1191. Na última campanha, o autoproclamado governante da ilha, Isaque I Comneno, que havia rompido com o Império Bizantino, foi capturado e os cruzados governariam até que os venezianos assumissem o poder em 1571. No entanto, esses desvios não estavam realmente ajudando o objetivo geral de recapturar Jerusalém, mesmo que Chipre se mostrasse uma base de suprimentos útil.


Os cruzados finalmente chegaram à Terra Santa e conseguiram concluir com sucesso o cerco de Acre (também conhecido como Acra) na costa do Reino de Jerusalém, em 12 de julho de 1191. Iniciado pelo nobre francês Guido de Lusinhão, que atacou do mar, o cerco prolongado finalmente funcionou quando sapadores, oferecidos incentivos em dinheiro por Ricardo, minaram as muralhas da fortificação da cidade do lado da terra. O 'Coração de Leão', como Ricardo era agora conhecido graças à sua coragem e audácia na guerra, havia conseguido em cinco semanas o que Guy não conseguiu fazer em 20. Segundo a lenda, o rei estava doente na época, acometido de escorbuto, embora ele tivesse retentores carregando-o em uma maca para que ele pudesse atirar nas ameias inimigas com sua besta. Ricardo então manchou sua reputação de 'bom rei' quando ordenou que 2.500/3.000 prisioneiros fossem executados. Guido de Lusinhão, entretanto, foi feito o novo rei de Chipre, que havia sido vendido por Ricardo aos Cavaleiros Templários.


Houve também uma famosa vitória do rei inglês sobre o exército de Saladino em Arsuf, em setembro de 1191, mas a vantagem não pôde ser aproveitada. Ricardo marchou para perto de Jerusalém, mas sabia que, mesmo que pudesse invadir a cidade, seu exército reduzido provavelmente não seria capaz de segurá-lo contra um inevitável contra-ataque. De qualquer forma, os assuntos domésticos na França e na Inglaterra exigiram que ambos os reis voltassem para casa e todo o projeto da Cruzada foi efetivamente abandonado. Ricardo salvou algo por todo o esforço e negociou um acordo de paz com Saladino em Jaffa. Uma pequena faixa de terra ao redor do Acre e o futuro tratamento seguro dos peregrinos cristãos à Terra Santa também foram negociados. Não era bem o que se esperava no início, mas sempre poderia haver uma Quarta Cruzada em algum momento no futuro. De fato, Ricardo observou que em qualquer campanha futura contra os árabes poderia ser vantajoso atacar do Egito, o ponto fraco do império árabe. Foi precisamente este plano que os quartos cruzados (1202-1204) adotaram mesmo que novamente se distraíssem, desta vez pela joia do Império Bizantino: Constantinopla.


Houve também algumas inovações tecnológicas para o rei inglês. Os bizantinos há muito usavam uma arma temível conhecida como fogo grego - um líquido altamente inflamável disparado de tubos sob pressão - que, embora fosse um segredo de estado por séculos, acabou sendo roubado pelos árabes. Ricardo deve ter adquirido a fórmula de alquimistas árabes com quem entrou em contato na Cruzada, pois a usou com bons resultados na Inglaterra e em suas campanhas posteriores na França.


Antes que o rei Ricardo pudesse voltar para casa, porém, haveria uma picada final da malfadada Cruzada, pois na viagem de volta em 1192 Ricardo naufragou, preso por Leopoldo da Áustria - a quem Ricardo insultado gravemente durante a Cruzada - e levado para Viena. Passado para Henrique VI, o novo imperador do Sacro Império Romano, o rei inglês foi detido para resgate. Ricardo só seria libertado em 1194, e pode-se imaginar a frustração para o rei aventureiro por quase dois anos de cativeiro. O resgate foi de 150.000 marcos (o que equivale a vários milhões hoje), de modo que foi em grande parte por meio de novos impostos na Inglaterra e na Normandia que o dinheiro foi levantado. De fato, a soma era tão alta que nem a tributação poderia arrecadar o suficiente.


Após as Cruzadas


Na ausência de Ricardo, seu irmão João se revoltou com a ajuda de Filipe; entre as conquistas de Filipe no período da prisão de Ricardo estava a Normandia. Ricardo perdoou João quando eles se encontraram novamente e o nomeou como seu herdeiro no lugar de seu sobrinho, Arthur. Em Winchester, em 11 de março de 1194, Ricardo foi coroado pela segunda vez para anular a vergonha de seu cativeiro.


Ricardo começou sua reconquista da Normandia. A queda do Château de Gisors para os franceses em 1193 abriu uma brecha nas defesas normandas. A busca começou por um novo local para um novo castelo para defender o ducado da Normandia e atuar como uma base a partir da qual Ricardo poderia lançar sua campanha para recuperar Vexin do controle francês. Foi identificada uma posição naturalmente defensável, situada bem acima do rio Sena, importante via de transporte, no solar de Andeli. Sob os termos do Tratado de Louviers (dezembro de 1195) entre Ricardo e Filipe II, nenhum rei foi autorizado a fortificar o local; apesar disso, Ricardo pretendia construir o vasto Castelo Gaillard. Ricardo tentou obter a mansão por meio de negociações. Walter de Coutances, arcebispo de Rouen, estava relutante em vender a mansão, pois era uma das mais lucrativas da diocese, e outras terras pertencentes à diocese haviam sido recentemente danificadas pela guerra. Quando Filipe sitiou Aumale na Normandia, Ricardo se cansou de esperar e tomou a mansão, embora o ato tenha sido contestado pela Igreja Católica. O arcebispo emitiu um interditocontra a realização de serviços religiosos no ducado da Normandia; Roger de Howden detalhou "corpos insepultos de mortos nas ruas e praças das cidades da Normandia". O interdito ainda estava em vigor quando começaram os trabalhos no castelo, mas o Papa Celestino III o revogou em abril de 1197, depois que Ricardo fez doações de terras ao arcebispo e à diocese de Rouen, incluindo duas mansões e o próspero porto de Dieppe.


Os gastos reais em castelos diminuíram em relação aos níveis gastos sob Henrique II, atribuídos à concentração de recursos na guerra de Ricardo com o rei da França. No entanto, o trabalho no Château Gaillard foi um dos mais caros de seu tempo e custou cerca de £ 15.000 a £ 20.000 entre 1196 e 1198. Isso foi mais do que o dobro dos gastos de Ricardo em castelos na Inglaterra, uma estimativa £ 7.000. Sem precedentes em sua velocidade de construção, o castelo foi quase concluído em dois anos, quando a maioria das construções em tal escala teria levado quase uma década. De acordo com Guilherme de Newburgh, em maio de 1198, Ricardo e os trabalhadores que trabalhavam no castelo foram encharcados por uma "chuva de sangue". Enquanto alguns de seus conselheiros achavam que a chuva era um mau presságio, Ricardo não se intimidou. Como nenhum mestre-pedreiro é mencionado nos registros detalhados da construção do castelo, o historiador militar Ricardo Allen Brown sugeriu que o próprio Ricardo foi o arquiteto geral; isso é corroborado pelo interesse que Ricardo demonstrou pela obra por meio de sua presença frequente. Em seus últimos anos, o castelo tornou-se a residência favorita de Ricardo, e escrituras e cartas foram escritas no Château Gaillard com "apud Bellum Castrum de Rupe" (no Castelo da Feira da Rocha).


O Château Gaillard estava à frente de seu tempo, apresentando inovações que seriam adotadas na arquitetura do castelo quase um século depois. Allen Brown descreveu o Château Gaillard como "um dos melhores castelos da Europa", e o historiador militar Sir Charles Oman escreveu que era considerado:


"a obra-prima de seu tempo. A reputação de seu construtor, Cœur de Lion, como um grande O engenheiro militar pode manter-se firme nesta estrutura única. Ele não foi um mero copista dos modelos que tinha visto no Oriente, mas introduziu muitos detalhes originais de sua própria invenção na fortaleza".

Determinado a resistir aos desígnios de Filipe em terras angevinas contestadas, como Vexin e Berry, Ricardo despejou toda a sua experiência militar e vastos recursos na guerra contra o rei francês. Ele organizou uma aliança contra Filipe, incluindo Balduíno IX de Flandres, Renaud, Conde de Bolonha e seu sogro, o rei Sancho VI de Navarra, que invadiu as terras de Filipe pelo sul. Mais importante ainda, ele conseguiu garantir a herança Welf na Saxônia para seu sobrinho, o filho de Henrique, o Leão, que foi eleito Otão IV da Alemanha em 1198.


Em parte como resultado dessas e de outras intrigas, Ricardo conquistou várias vitórias sobre Filipe. Em Fréteval, em 1194, logo após o retorno de Ricardo à França do cativeiro e da arrecadação de dinheiro na Inglaterra, Filipe fugiu, deixando todo o seu arquivo de auditorias e documentos financeiros para ser capturado por Ricardo. Na Batalha de Gisors (às vezes chamada de Courcelles) em 1198, Ricardo tomou Dieu et mon Droit - "Deus e meu direito" - como seu lema (ainda usado pela monarquia britânica hoje), ecoando sua jactância anterior ao imperador Henrique de que sua posição não reconheceu nenhum superior senão Deus.


Morte


Em março de 1199, Ricardo estava em Limousin reprimindo uma revolta do Visconde Aimar V de Limoges. Embora fosse Quaresma, ele "devastou a terra do Visconde com fogo e espada". Ele sitiou o pequeno e praticamente desarmado castelo de Châlus-Chabrol. Alguns cronistas afirmaram que isso ocorreu porque um camponês local havia descoberto um tesouro de ouro romano.

Brasão invertido de Ricardo, indicando sua morte, de um manuscrito de Chronica Majora por Matthew Paris
Brasão invertido de Ricardo, indicando sua morte, de um manuscrito de Chronica Majora por Matthew Paris

Em 26 de março de 1199, Ricardo foi atingido no ombro por uma seta de besta, e a ferida ficou gangrenada. Ricardo pediu que o besteiro fosse trazido à sua presença; chamado alternativamente de Pierre (ou Pedro) Basile, João Sabroz, Dudo, e Bertrand de Gourdon (da cidade de Gourdon) pelos cronistas, o homem acabou (segundo algumas fontes, mas não todas) ser um menino. Ele disse que Ricardo havia matado seu pai e dois irmãos, e que ele havia matado Ricardo por vingança. Ele esperava ser executado, mas como um ato final de misericórdia, Ricardo o perdoou, dizendo:


"Viva, e por minha recompensa veja a luz do dia"

Antes de ordenar que o menino fosse libertado e mandado embora com 100 xelins...


Ricardo morreu em 6 de abril de 1199, alguns dados apontam que ele morreu nos braços de sua mãe, mas pode ser tambem que ela apenas estivesse próximo a ele no momento, e como afirma uma fonte:


"Assim encerrou seu dia terreno".

Por causa da natureza da morte de Ricardo, mais tarde foi referido como:


"O Leão pela formiga foi morto".

De acordo com um cronista, o último ato de cavalheirismo de Ricardo se mostrou infrutífero quando o infame capitão mercenário Mercadier mandou esfolar o menino vivo e enforcá -lo assim que Ricardo morreu.


O coração de Ricardo foi enterrado em Rouen, na Normandia, suas entranhas em Châlus (onde morreu) e o resto de seu corpo na Abadia de Fontevraud em Anjou.



Túmulo contendo o coração do Rei Ricardo na Catedral de Rouen
Túmulo contendo o coração do Rei Ricardo na Catedral de Rouen


Túmulo de Ricardo I da Inglaterra na Abadia de Fontevraud
Túmulo de Ricardo I da Inglaterra na Abadia de Fontevraud

Em 2012, os cientistas analisaram os restos do coração de Ricardo e descobriram que ele havia sido embalsamado com várias substâncias, incluindo incenso, uma substância simbolicamente importante porque esteve presente tanto no nascimento quanto no embalsamamento do Cristo.


Henry Sandford, bispo de Rochester (1226–1235), anunciou que teve uma visão de Ricardo ascendendo ao céu em março de 1232 (junto com Stephen Langton, o ex- arcebispo de Canterbury), o rei presumivelmente passou 33 anos no purgatório como expiação por seus pecados.


Ricardo não produziu herdeiros legítimos e reconheceu apenas um filho ilegítimo, Filipe de Cognac. Ele foi sucedido por seu irmão João como rei. Seus territórios franceses, com exceção de Rouen, inicialmente rejeitaram João como sucessor, preferindo seu sobrinho Arthur. A falta de herdeiros diretos de Ricardo foi o primeiro passo na dissolução do Império Angevino.


Legado pós Morte


Como ele não tinha herdeiro, Ricardo I foi sucedido por seu irmão João, que reinaria até 1216. O rei João da Inglaterra (também conhecido como João Sem Terra) conseguiu se tornar um dos reis mais impopulares da história inglesa, e sua opressão e fracassos militares provocaram uma grande revolta de barões que obrigaram o rei a assinar a Magna Carta em 1215, após em que se baseava uma constituição com o poder do monarca reprimido e com os direitos dos barões protegidos.


Ricardo, enquanto isso, ganhou status lendário como um dos grandes cavaleiros e reis medievais graças a seus atos ousados ​​e ao amor e respeito de seus soldados. Após sua morte, os mitos só cresceram, começando com o romance anglo-normando Romance of Richard Cœur de Lion publicado por volta de 1250. Já tendo provado ser corajoso, um inimigo determinado dos sarracenos e um compositor de poesia, Ricardo era o próprio modelo do cavaleiro cavalheiresco e assim sua lenda cresceu nessa linha.


Obras de arte medievais retratavam o rei improvavelmente justa Saladino, a ele foram atribuídos belos discursos sobre como salvar seus homens ou ele não seria digno de sua coroa, e surgiram histórias sobre ele ser um inimigo tão determinado dos árabes que ele cozinhava e comia aqueles que capturava. Ainda hoje, a presença de uma estátua dramática do rei do lado de fora das Casas do Parlamento em Londres é um indicador do lugar especial que Ricardo conquistou e continua ocupando nos corações dos ingleses.


Finalmente, Ricardo deixou um legado duradouro na heráldica medieval. A escolha do rei de três leões dourados (embora originalmente possam ter sido leopardos) em um fundo vermelho em seu escudo eram uma extensão dos dois leões tradicionais de sua família. Os três leões, talvez originalmente criando figuras ('desenfreados' em termos heráldicos), mas posteriormente estabelecidos como caminhando para a frente com as cabeças viradas para o espectador ('passant guardant') tornaram-se não apenas uma parte do brasão real inglês desde então mas também aparecem hoje em muitos outros emblemas, especialmente os esportivos, como as equipes nacionais de futebol e críquete da Inglaterra.

 

Coss, P. Heraldry, Pageantry and Social Display in Medieval England. Boydell Press, 2003.


Ambroise. The History of the Holy War, 2003.


Nelson, Janet L., ed. (1992). Richard Cœur de Lion in History and Myth.


Cannon, John; Hargreaves, Anne (2004) [2001]. Kings and Queens of Britain.


Gillingham, John (2002) [1999], Richard I


Madden, Thomas F. (2005), Crusades: The Illustrated History


Purser, Toby (2004), Medieval England 1042–1228

96 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page