top of page

SÃO BENTO DE NÚRSIA


São Bento de Núrsia - Vitral
São Bento de Núrsia - Vitral - (http://www.sainttherse.com/)

A única autoridade reconhecida para os fatos da vida de Bento é o livro 2 de Diálogos de São Gregório I, que disse ter obtido suas informações de quatro discípulos de Bento. Embora a obra de Gregório inclua muitos sinais e maravilhas, seu esboço da vida de Bento pode ser aceito como histórico. Ele não dá datas, no entanto. Bento nasceu de boa família.


São Bento de Núrsia, irmão de Santa Escolástica, nasceu por volta de 480 na cidade de Norcia, na Úmbria. Seu pai Eutrópio, filho de Justiniano Probo da gens Anicia, ele era cônsul e capitão-geral dos romanos na região de Norcia, enquanto sua mãe era Abbondanza Claudia de 'Reguardati di Norcia. Quando ela morreu, segundo a tradição, os dois irmãos foram confiados à enfermeira Cirilla. São Gregório Magno e Severino Boécio também pertenciam à gens. Aos 12 anos foi enviado com sua irmã a Roma para completar seus estudos, mas, como relata Gregório o Grande no segundo livro dos Diálogos, chocado com a vida dissoluta da cidade.


"Retirou o pé que acabara de colocar no limiar do mundo para não cair totalmente no imenso precipício. Por isso desprezou os estudos literários, abandonou a casa e os bens do pai e quis fazer parte da vida monástica".

Aos 17 anos, junto com sua enfermeira Cirilla, retirou-se para o vale do Aniene perto de Eufide (atual Affile ), onde, segundo a lenda devocional, numa casa simples e despojada, começa a viver uma vida de oração e de prática das virtudes cristãs, sempre auxiliado pela sua estimada ama. Esta, certo dia, pega emprestado com a vizinha uma vasilha que, antes que pudesse devolver, caiu de suas mãos e quebrou. Estarrecida com o acontecido e com vergonha de ter que devolver a vasilha quebrada, começa a chorar. Bento, ao ver aquela situação de aflição em que estava sua ama, pega os cacos da vasilha em suas mãos, reza, e entrega a vasilha à ama, como se esta não tivesse quebrada. É o primeiro milagre do jovem Bento e também sua primeira grande dor de cabeça. A vasilha é colocada na porta da igreja da aldeia, para que todos vejam. A sua fama espalha-se por toda a região e todos querem conhecê-lo.


Ele então deixou a ama e caminha em direção ao vale do Subiaco, perto dos restos antigos de uma vila neroniana, na qual as águas do rio Aniene alimentavam três lagos (a cidade se ergueu precisamente sob - "sub" - esses lagos). Em Subiaco conheceu Romano, monge de um mosteiro próximo dirigido por um abade chamado Adeodato, que, vestido com roupas monásticas, apontou-lhe uma caverna impermeável no Monte Taleo (atualmente contida no Mosteiro do Sacro Speco), onde Bento viveu como eremita por cerca de três anos, até a Páscoa do ano 500.


Bento amadureceu tanto na mente quanto no caráter, no conhecimento de si mesmo e de seus semelhantes, e ao mesmo tempo não se tornou meramente conhecido, mas garantido o respeito daqueles que o cercam; tanto que com a morte do abade de um mosteiro do bairro (identificado por alguns com Vicovaro), a comunidade veio até ele e implorou que ele se tornasse seu abade. Bento conhecia a vida e a disciplina (ou indisciplina) do mosteiro e sabia que os costumes deles eram diferentes dos dele e, portanto, eles nunca concordavam entre si, Bento optou por regras regidas inicialmente, mas o experimento falhou; os monges tentaram envenená-lo. A lenda diz que eles primeiro tentaram envenenar sua bebida, e durante a refeição ele orou abençoando a bebida e no mesmo instante o cálice quebrou. Assim, ele deixou o grupo e voltou para sua caverna em Subiaco.


Aqui permaneceu durante quase trinta anos, pregando a “Palavra do Senhor” e acolhendo cada vez mais numerosos discípulos, a ponto de criar uma vasta comunidade de treze mosteiros, cada um com doze monges e o seu próprio abade, todos sob a sua orientação espiritual. Nos anos entre 525 e 529, após outra tentativa de assassinato com pão envenenado, Bento decidiu abandonar Subiaco para salvar seus monges. Em seguida, dirigiu-se para Cassino onde, sobre uma colina, fundou o mosteiro de Monte Cassino, construído sobre os restos de templos pagãos e com oratórios em homenagem a São João Batista (sempre considerado um modelo de prática ascética) e de São Martinho de Tours, que havia sido o iniciador da vida monástica na Gália.


São Bento e suas Regras


Em Monte Cassino São Bento exibiu uma atividade prodigiosa. Ele supervisionou a construção do mosteiro. No outono de 542, enquanto Tótila, rei dos Ostrogodos passava por Cassino a caminho de Nápoles para atacá-lo, ele decidiu testar São Bento porque já tinha ouvido falar de seus dons e carismas. Como consequência, Tótila enviou seu escudeiro vestido de rei para saudar o monge; mas São Bento logo o desmascarou. Quando ele finalmente conheceu Tótila, ele o advertiu com uma previsão terrível:


“Você machucou muitos e continua fazendo isso, agora pare de se comportar mal! Você entrará em Roma, atravessará o vasto mar, reinará por nove anos; porém, no décimo ano, você morrerá.”

E foi exatamente isso que aconteceu. São Bento mostrou a mesma virtude ao chorar amargamente quando confrontado com a visão da primeira destruição de seu mosteiro. Não obstante, recebeu de Deus a graça de salvar todos os monges.



A abadia beneditina no alto do Monte Cassino
A abadia beneditina no alto do Monte Cassino

Estabeleceu uma ordem monástica tomando como exemplo as regras anteriores, em particular as de São João Cassiano e São Basílio, mas também São Pacômio, São Cesário e os Anônimos da Regula Magistri com quem mantinha relações estreitas precisamente no período da elaboração da regra beneditina, ele combinou a.


"insistência na boa disciplina com o respeito pela personalidade humana e as habilidades individuais, com a intenção de fundar uma 'escola do serviço do Senhor, na qual esperamos não ordenar nada duro e rigoroso."

A regra, na qual a vida dos monges é organizada nos mínimos detalhes dentro de uma celebração "coral" do ofício, deu um arranjo novo e autoritário aos preceitos monásticos anteriores complexos, mas muitas vezes vagos e imprecisos. As duas pedras angulares da vida comunitária são o conceito de stabilitas loci (obrigação de residir por toda a vida no mesmo mosteiro contra a então difundida peregrinação de monges mais ou menos "suspeitos") e conversatio, isto é, boa conduta moral, piedade mútua e obediência ao abade, o "pai amoroso" (o nome deriva do abba siríaco, "pai") nunca chamado superior, e pedra angular de uma família bem ordenada que marca o tempo nas várias ocupações do dia em que a oração e o trabalho se alternam no signo do lema ora et labora ("rezar e trabalhar") .


Os mosteiros que seguem a regra de São Bento são chamados beneditinos. Embora cada mosteiro seja autônomo sob a autoridade de um abade, eles são normalmente organizados em confederações monásticas, das quais as mais importantes são a congregação Cassinense e a congregação Subiaco, que se originaram respectivamente em torno da autoridade dos mosteiros beneditinos de Monte Cassino e Subiaco.


Morte de São Bento


Pouco antes de morrer, São Bento viu a alma de sua irmã Santa Escolástica subir ao céu em forma de pomba. Essa visão aconteceu alguns dias depois de sua última conversa juntos no sopé de Monte Cassino. Em uma visão, Bento viu a alma do bispo Germano de Cápua levada por anjos em um globo de fogo. Essas visões, para o Papa São Gregório Magno, mostravam uma estreita união entre Bento e Deus, uma união tão intensa que o Santo recebeu a participação de uma visão ainda mais magnífica, toda a criação reunida em um raio de sol.


No final, uma vida tão nobre foi justificadamente seguida por uma morte muito glorificada. Segundo a tradição, São Bento morreu em 21 de março de 547 d.C. Ele previu sua morte vindoura, informando seus discípulos próximos e distantes que o fim estava próximo. Seis dias antes de morrer, foi aberto o túmulo que compartilharia com sua falecida irmã Santa Escolástica. Então, completamente exausto, pediu para ser levado ao seu oratório onde, depois de ter feito sua última comunhão, morreu sustentado por seus monges.



Claustro da Abadia de Monte Cassino e a morte de São Bento
Claustro da Abadia de Monte Cassino e a morte de São Bento, estátua de entrada. Monte Cassino, Itália

O calendário da Missa Tridentina de Rito Romano, recordam o dies natalis do santo em 21 de março, enquanto o novo calendário de 1969 celebra oficialmente a festa em 11 de julho (na verdade, a data tradicional de seu padroado), desde que o Papa Paulo VI com o curto Pacis nuntius proclamou São Bento de Núrcia padroeiro da Europa em 24 de outubro de 1964 em homenagem à consagração da Basílica de Monte Cassino. A Igreja Ortodoxa celebra seu aniversário em 14 de março.

 

Fonte - "The Order of Saint Benedict". osb.org. (Institutional website of the Order of Saint Benedict)


Gardner, Edmund G, The Dialogues of Saint Gregory the Great


Ildephonse Schuster, Saint Benedict and His Times


Pope Saint Gregory the Great, The Life and Prayers of Saint Benedict

186 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

LUIS IX

bottom of page