top of page

SEMANA SANTA NA IDADE MÉDIA

Atualizado: 25 de mar.



A Semana Santa é o período religioso mais importante do calendário medieval. (A igreja ortodoxa ainda calcula os feriados religiosos com base no calendário juliano, então o deles chega um pouco mais tarde.)


A Páscoa tende a ser um evento relativamente menor no mundo moderno em comparação com o Natal, mais uma desculpa para comemorar o Mardi Gras com festas barulhentas, comprar uma roupa nova de primavera e justificar comer caranguejo-real (frutos do mar na Quaresma!) Do que um verdadeiro religioso feriado. Embora na época do Natal algumas pessoas insistem em dizer "Feliz Natal" em vez de "Boas Festas", e algumas estações de rádio só tocam canções de Natal durante um mês, a Páscoa não recebe tanta atenção. Ninguém sai por aí insistindo que todos digam "Feliz Páscoa", nem todos os artistas se sentem compelidos a lançar um álbum de Páscoa e nenhuma estação de rádio toca "Peter Cottontail" por um mês inteiro. E vamos apenas dizer que ovos de chocolate e coelhos não são uma grande característica dos Evangelhos.


Mas a Páscoa foi crucial para o povo medieval, a celebração da ressurreição de Cristo exatamente no momento em que a própria primavera está surgindo dos áridos dias de inverno. Os quarenta dias da Quaresma, o período que antecede a Páscoa, deveriam ser dedicados à oração e ao jejum (desculpe, os frutos do mar caríssimos não conta como jejum). E você realmente não deveria ter uma festa (Mardi Gras) pouco antes do início da Quaresma, para entrar no clima. A Quaresma caiu em um momento em que a recompensa da colheita do outono passado estava começando a se esgotar, o que tornou mais fácil desistir de certas coisas.


Os dias da Semana Santa estavam ligados aos eventos da última semana de vida de Jesus como um mero mortal, conforme descrito na Bíblia. O Domingo de Ramos (que é hoje) relembrou Jesus entrando em Jerusalém, montado em um burro, saudado por uma multidão agitando folhas de palmeira. Ele planejou celebrar a Páscoa lá, e é por isso que a Páscoa se move com a lua, como a Páscoa faz. Na Idade Média, como agora, as igrejas tentaram obter folhas de palmeira para decorar as igrejas do Domingo de Ramos. Obviamente, isso era muito mais fácil para as igrejas mais próximas do Mediterrâneo.


A Segunda e a Terça da Semana Santa não tinham muito a ver com eles, mas a Quarta-feira era (e é) quarta-feira de cinzas, um dia de penitência dolorosa por todas as coisas que você fez de errado durante o ano passado e de confissão de pecados. As cinzas eram esfregadas na testa de uma pessoa como sinal de penitência. Se as folhas das palmeiras do ano passado estivessem disponíveis, elas seriam queimadas para fazer as cinzas (mas qualquer cinza serviria).


A quinta-feira da Semana Santa foi a quinta-feira santa. Na Bíblia, Jesus lavou os pés das pessoas, demonstrando sua humildade e serviço. Lavar os pés com frequência era uma necessidade no antigo Oriente Próximo, onde as pessoas andavam pelas ruas empoeiradas com sandálias abertas. Os mosteiros medievais faziam fila para os pobres entrarem e lavar os pés.


Quinta-feira foi também a Última Ceia da Bíblia, quando Jesus encorajou seus discípulos a comer e beber em sua memória, origem da comunhão. Curiosidade: na catedral de Cusco, no Peru, uma pintura da Última Ceia mostra Jesus e seus discípulos com uma cobaia em uma bandeja, pois a cobaia é um prato comemorativo nos Andes.


Sexta-feira, claro, era Sexta-Feira Santa Por comemorar a crucificação, costumava ser incomodado pelo termo "bom", pensando que "mau" era uma descrição melhor. Mas foi considerado bom porque o sacrifício de Cristo levou os humanos a serem redimidos. Para os teólogos medievais, todo mundo ia para o inferno antes disso, e Jesus passou o tempo que esteve morto reunindo todos os patriarcas do Antigo Testamento e tirando-os do inferno para o céu.


A Páscoa, claro, foi o ponto culminante da Semana Santa, a celebração da Ressurreição. Os mosteiros encenavam uma pequena peça, em que os monges se vestiam como as mulheres que iam ao túmulo de Jesus no domingo de manhã, apenas para ouvir:


"Ele ressuscitou".

O culto de Páscoa era o único culto da igreja por ano que todos deveriam comparecer. No final do Império Romano, todos os batismos ocorriam na Páscoa, embora na Idade Média eles pudessem ocorrer a qualquer momento. A Páscoa também era a hora de voltar a comer grandes refeições depois das privações da Quaresma.

 

Fonte - C. Dale Brittain, Positively Medieval: Life and Society in the Middle Ages

237 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page