top of page

TOMÁS DE AQUINO SOBRE A MENTE: SEUS TRÊS ARGUMENTOS MAIS IMPORTANTES



Quais são as faculdades da mente e como funcionam? Este artigo centra-se nas respostas dadas por São Tomás de Aquino a estas mesmas questões. Começa com um breve esboço biográfico, seguido imediatamente por uma discussão do pensamento de Tomás de Aquino. Na última seção, serão explicadas sua teoria da percepção e os vários tipos de percepções que ele identifica. A seguir, desenvolve-se a composição do “pensamento” em Tomás de Aquino, antes de discutir a concepção de conhecimento de Tomás de Aquino e sua relação com sua concepção de ciência.


Quem foi Tomás de Aquino?


Tomás de Aquino nasceu perto de Roma, na Itália, por volta de 1225. Nasceu em uma família aristocrática, e foi decidido que Tomás seguiria seu tio e se tornaria abade, como era convencional na época. De forma menos convencional, na verdade, de uma forma decididamente moderna, Tomás foi educado na Universidade de Nápoles e estudou uma ampla gama de assuntos, incluindo o pensamento de Aristóteles, Ibn Rushd e Maimônides, todos os quais provaram ser grandes influências no pensamento maduro de Tomás.


Contrariando a vontade de seus pais, Tomás decidiu que desejava se tornar um frade dominicano e, ao tentar fazê-lo, foi mantido em cativeiro por sua família por mais de um ano. Eventualmente, apesar dos seus melhores esforços, a família supostamente encorajou Tomás a fugir, em vez de evitar o desprezo público.


Tomás passou algum tempo estudando na Universidade de Paris, em Roma, em Nápoles e em vários outros lugares. Ele serviu como acadêmico na antiga instituição e foi o teólogo papal oficial. Embora sua reputação tenha sofrido imediatamente após sua morte, ele logo foi reconhecido como um dos teólogos cristãos mais importantes, especialmente entre os católicos romanos. Dante o retrata no “Céu do Sol”, junto com outros grandes intelectuais cristãos e amantes da sabedoria religiosa.


Projeto Geral de Tomás de Aquino


Tomás escreveu e ensinou sobre uma ampla variedade de tópicos ao longo de sua vida, mas ainda assim existem algumas características gerais de seu pensamento que vale a pena resumir aqui. Vale ressaltar que Tomás de Aquino, embora seja frequentemente chamado de filósofo e sua obra seja de evidente interesse para os filósofos, ele nunca se referiu a si mesmo como tal. Tomás de Aquino permaneceu crítico de qualquer tentativa de dar sentido às coisas que procedessem de qualquer ponto de partida que não fosse a revelação cristã.


Apesar disso, Tomás de Aquino não pode ser separado da tradição filosófica que o precedeu, nem pode ser considerado simplesmente à luz de antepassados ​​teológicos ou religiosos. Sem dúvida, a maior influência não-cristã sobre Tomás de Aquino veio de Aristóteles, e (como observado acima) tanto Ibn Rushd (um muçulmano) quanto Maimônides (um judeu) provaram influências significativas sobre ele também.


Mas o que Tomás de Aquino realmente pensava? Nos termos mais amplos possíveis, Tomás de Aquino concebeu a teologia como uma ciência, ou pelo menos como uma ciência, no seguinte sentido: a matéria-prima para a compreensão do mundo nos foi dada em revelação, e o que é necessário agora é a aplicação da razão para dar sentido a esse material. Usar a razão para nos dar uma compreensão mais profunda do mundo e, portanto, da verdadeira natureza de Deus e da criação é um quadro pelo qual podemos compreender a obra de Tomás de Aquino como um todo.


I - Que tipos de Percepção Existem?


Podemos começar examinando a teoria da percepção sensorial de Tomás de Aquino. Dentro de sua teoria da percepção, Tomás de Aquino tenta dar sentido aos “cinco sentidos” – tato, paladar, visão, audição e olfato – de uma forma distintamente aristotélica. Isto é, ele tenta dar sentido à percepção em termos das coisas que provocam um certo efeito nos nossos órgãos de percepção, a fim de explicar por que temos um certo tipo de experiência perceptiva.


Esses chamados “sensíveis propriamente ditos”, como seria de esperar, correspondem a cada um desses cinco sentidos. São eles: quente-frio, sabor, cor, som e odor. No entanto, evidentemente, estes não oferecem por si só uma imagem suficientemente completa da percepção sensorial, e assim Tomás de Aquino os combina com o que ele chama de “sensíveis comuns” – tamanho, forma, número, movimento e repouso. Estes são comuns porque, ao contrário dos sensíveis propriamente ditos, podem ser percebidos por meio de múltiplos sentidos – são “comuns” a múltiplas faculdades de percepção sensorial.


Há uma terceira categoria na qual Tomás de Aquino agrupa os objetos dos sentidos, e esses são os “sensíveis acidentais”, que se preocupam exclusivamente com a nossa observação de que algo está vivo. Dada a importância da categoria vida para Aristóteles, e a relação que ela tem com a percepção (o movimento é o padrão básico para algo estar vivo, mas a percepção é o sinal da vida animal e é o componente “animal” da alma), ela faz certo sentido separar essa percepção como uma faculdade singular.


Num movimento que é inteiramente característico de Aristóteles e daqueles inspirados pela sua obra, Tomás de Aquino não limita a sua explicação da percepção sensorial aos sentidos externos, mas enfatiza os sentidos internos como uma categoria separada de percepção sensorial.


Existem quatro desses sentidos no relato de Tomás de Aquino: bom senso, imaginação, nosso poder de estimativa e memória. O bom senso é o que nos permite combinar as percepções dos sentidos em julgamentos holísticos e agregativos sobre os objetos. A imaginação retém imagens, o que é aliás um elemento de grande importância nas filosofias empiristas posteriores, como a de David Hume. Nossos poderes de estimativa percebem intenções ou (em termos mais gerais) implicações diretamente ligadas a certas qualidades sensíveis. A memória é entendida da mesma forma que normalmente é, ou seja, ela preserva todos os outros elementos do pensamento. Isso não quer dizer que a memória seja simples de definir no sentido mais amplo, mas não há muita controvérsia na tentativa geral de Tomás de Aquino de defini-la.


II - Como Explicamos a Complexidade da Cognição?


É um problema característico da filosofia da mente, da epistemologia (o estudo filosófico do conhecimento) e de muitas outras disciplinas que, por um lado, as experiências que temos do mundo não parecem suficientes para explicar toda a cognição, tudo o que pensamos ou somos capazes de pensar. Ao mesmo tempo, descrever a cognição em termos de alguma faculdade interna e indelével não explica suficientemente a variedade de pensamento.


A concepção de pensamento que Tomás de Aquino desenvolve a partir de Aristóteles pode ser vista como uma antecipação de muitas destas dificuldades, ou pelo menos como uma resposta a elas. Aristóteles concebe o intelecto em termos do intelecto possível e do intelecto agente. O intelecto possível, como o nome sugere, não é atualizado – está vazio, pronto para ser preenchido com experiências produtivas. O intelecto do agente, em contraste, é o que nos permite ir “além” das nossas experiências perceptivas e dar sentido a coisas mais abstratas, traçar conexões que não são simplesmente dadas na experiência. É assim que desenvolvemos uma cognição mais rica e sofisticada do que tende a sugerir um modelo baseado em uma folha em branco gradualmente preenchida com experiências.


Tomás de Aquino acrescenta a isso uma análise em três partes dos diferentes estágios da operação intelectual. Existe a parte do intelecto envolvida na formação de conceitos. Depois, há a parte que facilita o julgamento construído a partir e sobre esses conceitos. E, finalmente, há a parte que nos permite transitar entre julgamentos, fazer julgamentos sobre conjuntos de julgamentos, e assim por diante. Mais uma vez, a ênfase aqui pode ser colocada na questão de como uma concepção empirista da mente – uma que enfatiza que os dados básicos do pensamento estão na experiência – pode, no entanto, explicar a complexidade do pensamento.


III - O Que é o Verdadeiro Conhecimento?


O que significa saber algo, compreendê-lo plenamente? Tomás de Aquino está muito interessado na ideia de que saber algo é ter dominado a “ scientia ” (que significa, num sentido bastante amplo, ciência) dessa coisa.


O que é, então, ter uma scientia ? Tomás de Aquino oferece uma variedade de definições. Primeiro, que ter uma scientia sobre uma coisa é compreendê-la “perfeitamente”. Segundo, que ter uma scientia é conhecer a causa daquilo que é objeto de conhecimento. Terceiro, que ter uma scientia é saber com certeza. Quarto, que a scientia pode articular a inevitabilidade da nossa compreensão – o objecto da nossa compreensão “não pode existir de outra forma” (e, implicitamente, de facto permanece). Por último, Tomás de Aquino relaciona-o com a inevitabilidade lógica e, por sua vez, sustenta que mostrar que a scientia é a consequência da inevitabilidade lógica é igualmente mostrar que a scientia atingiu a “natureza universal das coisas”. Este é um quadro extenso e complicado de conhecimento, construído para corresponder às infinitas qualificações às quais Tomás de Aquino submete o conceito de mente.

 

Fonte - Tomás de Aquino, Tomás; Regan, Richard J.; Davies, Brian (2003). Sobre o Mal


Brian Duignan, ed. (2011). “Era dos Escolares”. A História da Filosofia, Filosofia Medieval, de 500 a 1500 d.C


McBride, William Leon (1997). O desenvolvimento e o significado do existencialismo do século XX


Grant, Edward (1996). Os fundamentos da ciência moderna na Idade Média: seus contextos religiosos, institucionais e intelectuais.

117 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page