top of page

A INDULGÊNCIA E O SEU PAPAEL NA REFORMA PROTESTANTE



Uma 'indulgência' era parte da igreja cristã medieval e um gatilho significativo para a Reforma Protestante. Para entender melhor, basicamente, ao comprar uma indulgência, um indivíduo poderia reduzir a duração e a severidade da punição que o céu exigiria como pagamento por seus pecados, ou assim a igreja afirmava. Compre uma indulgência para um ente querido, e eles irão para o céu e não queimarão no inferno. Compre uma indulgência para si mesmo e não precisa se preocupar com aquele caso desagradável que está tendo.


Se isso soa como dinheiro ou boas ações para menos dor, é exatamente o que era. Para muitos santos, como o frade alemão Martinho Lutero (1483–1546), isso ia contra os ensinamentos do fundador Jesus (4 AEC - 33 EC), contra a ideia da igreja e contra o ponto de buscar perdão e redenção. Na época em que Lutero agiu contra as indulgências, ele não estava sozinho em buscar mudanças. Em poucos anos, o cristianismo europeu se dividiu durante a revolução da "Reforma".


O Desenvolvimento de Indulgências


A igreja cristã ocidental medieval - a igreja ortodoxa oriental seguiu um caminho diferente - incluía dois conceitos-chave que permitiam que as indulgências ocorressem. Em primeiro lugar, os paroquianos sabiam que depois de morrerem seriam punidos pelos pecados que acumularam na vida, e essa punição foi apenas parcialmente apagada por boas obras (como peregrinação, orações ou doações para caridade), perdão divino e absolvição. Quanto mais um indivíduo pecou, ​​maior a punição que o aguardava.


Em segundo lugar, na era medieval, o conceito de purgatório foi desenvolvido. Em vez de ser condenada ao inferno após a morte, a pessoa iria para o purgatório, onde sofreria qualquer punição necessária para lavar a mancha de seus pecados até que fosse libertada. Esse sistema convidou à criação de um método pelo qual os pecadores pudessem reduzir suas punições e, quando a ideia do purgatório surgiu, o papa deu aos bispos o poder de reduzir a penitência dos pecadores enquanto eles ainda estavam vivos, com base na realização de boas ações. Provou ser uma ferramenta muito útil para motivar uma visão de mundo onde a igreja, Deus e o pecado eram centrais.


O sistema de indulgência foi formalizado pelo Papa Urbano II (1035–1099) durante o Concílio de Clermont em 1095. Se um indivíduo realizou boas ações o suficiente para ganhar uma indulgência plena ou 'Plenária' do Papa ou de classes inferiores de clérigos, todos os seus pecados (e punição) seriam apagados. Indulgências parciais cobririam uma quantia menor, e sistemas complexos desenvolvidos nos quais a igreja afirmava que poderia calcular até o dia quanto pecado uma pessoa havia cancelado. Com o tempo, muito do trabalho da igreja foi feito desta maneira: Durante as Cruzadas (instigadas pelo Papa Urbano II), muitas pessoas participaram dessa premissa, acreditando que poderiam ir e lutar (frequentemente) no exterior em troca de seus pecados serem cancelados.


Por Que Eles Deram Errado?


Esse sistema de redução do pecado e da punição funcionou bem para fazer a obra da igreja, mas então foi, aos olhos de muitos reformadores, terrivelmente errado. Pessoas que não participaram ou não puderam participar das cruzadas começaram a se perguntar se alguma outra prática poderia permitir que ganhassem a indulgência. Talvez algo financeiro?


Assim, a indulgência passou a ser associada às pessoas "comprá-los", seja oferecendo-se para doar somas para obras de caridade, seja construindo edifícios para louvar a igreja e todas as outras maneiras pelas quais o dinheiro poderia ser usado. Essa prática começou no século XVIII e foi tão bem-sucedida que logo o governo e a igreja puderam tirar uma porcentagem dos fundos para seu próprio uso. Reclamações sobre a venda de perdão se espalharam. Uma pessoa rica pode até comprar indulgências para seus ancestrais, parentes e amigos que já estão mortos.


A Divisão do Cristianismo


O dinheiro havia infestado o sistema de indulgência e, quando Martinho Lutero escreveu suas 95 teses em 1517, ele o atacou. Quando a igreja o atacou de volta, ele desenvolveu seus pontos de vista, e indulgências estavam diretamente em sua mira. Por que, ele se perguntou, a igreja precisava acumular dinheiro quando o Papa poderia, realmente, simplesmente libertar todo mundo do purgatório sozinho?


A igreja se fragmentou sob o estresse, com muitas novas seitas jogando o sistema de indulgência totalmente fora. Em resposta, e embora não tenha cancelado os fundamentos, o papado proibiu a venda de indulgências em 1567 (mas elas ainda existiam dentro do sistema). As indulgências foram o gatilho para séculos de raiva e confusão reprimidas contra a igreja e permitiram que ela se partisse em pedaços.

 

Fontes - Bandler, Gerhard. "Martinho Lutero: Teologia e Revolução." Trans., Foster Jr., Claude R. New York: Oxford University Press, 1991.


Mandão, John. "Cristianismo no Ocidente 1400-1700." Oxford UK: Oxford University Press, 1985.

Gregory, Brad S. "Salvação em jogo: Martírio Cristão na Europa Moderna." Cambridge MA: Harvard University Press, 2009.


Marius, Richard. "Martinho Lutero: o cristão entre Deus e a morte." Cambridge MA: Harvard University Press, 1999.


Roper, Lyndal. "Martin Luther: Renegade and Prophet." Nova York: Random House, 2016.

33 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page