top of page

A VIDA NO PALÁCIO ISLÂMICO MEDIEVAL


Alhambra, Granada/Espanha - Licença de uso Canva
Alhambra, Granada/Espanha - Licença de uso Canva

No mundo islâmico era costume que os novos governantes destruíssem os palácios de seus predecessores e construíssem novos edifícios, o que temos para nos dar uma direção de como era a vida em um palácio islâmico medieval são apenas as descrições escritas deixadas. Além disso, o único palácio muçulmano medieval ainda de pé é o famoso Alhambra, construído no século XIV em Granada, na Espanha.


A Arquitetura dos Palácios


Um visitante que chega a um palácio muçulmano entra primeiro em um complexo dentro de um muro alto com portas elaboradas. Lá dentro, ele entrou em um grande pátio, que servia como uma área comum onde os convidados eram recebidos e entretidos. Havia também vários jardins adjacentes que também serviam como espaços de entretenimento ou retiros para a família. Os pátios costumavam ser bastante elaborados, com fontes, jardins e coberturas e treliças que permitiam a entrada de luz, mas forneciam sombra refrescante.


Os palácios eram geralmente feitos de pedra ou tijolo, embora às vezes se usasse madeira, e os interiores eram decorados com os mesmos tipos de azulejos e entalhes que enfeitavam as mesquitas, já que mesmo em suas casas os muçulmanos evitavam imagens esculpidas.


Esse estilo de habitação se originou no sul quente, mais preocupado em capturar brisas refrescantes e sombra, mas foi menos eficaz no norte. Nas terras turcas, que podem ser frias, não havia lareiras. O único aquecimento era um pequeno braseiro que queimava um pouco de carvão. Na Pérsia havia lareiras, mas eram muito estreitas, então a lenha era queimada de pé para salvá-la. No tempo frio, os convidados eram recebidos em quartos adjacentes a um pátio e recebiam cobertores de tecido.


Alojamentos Femininos em Palácios Muçulmanos


Enquanto os convidados se reuniam, não havia mulheres presentes. Devido à estrita segregação, os palácios tinham aposentos femininos separados, chamados haréns, onde apenas mulheres, crianças, familiares e eunucos podiam entrar.


O Alcorão permitia que os homens muçulmanos tivessem quatro esposas, mas os governantes também tinham muitas concubinas, então os palácios tinham grandes áreas dedicadas aos aposentos das mulheres. Enquanto as mulheres eram excluídas da vida pública, elas exerciam habilidades políticas dentro do harém para encaminhar as fortunas de seus filhos.


Áreas de jantar


Quando os visitantes do sexo masculino se reuniam no pátio ou em uma sala adjacente para uma refeição, eles se sentavam em tapetes e almofadas dispostos no chão.


Uma das diferenças significativas na vida diária entre o Ocidente e o resto do mundo é a posição do assento. Na maior parte do mundo, as pessoas não se sentam em cadeiras; em vez disso, agachavam-se ou sentavam-se de pernas cruzadas no chão, uma posição que os europeus achavam difícil. Assim, a mobília que cercava o jantar era escassa, embora os magníficos tapetes de lã às vezes fossem empilhados e as almofadas macias proporcionassem conforto aos convidados.


Às vezes, mesas baixas eram colocadas e grandes bandejas de cobre equilibradas em armações de madeira podiam ser trazidas. A comida era disposta nas bandejas do centro, das quais as pessoas se serviam com as mãos, colheres ou facas.


Comidas e Bebidas


Os muçulmanos tinham restrições alimentares. Sua carne tinha que ser halal – lícita e permissível. A carne tinha que vir de animais que foram abatidos adequadamente sem sangue restante, e a carniça e a carne de porco eram proibidas.


Os muçulmanos podiam comer todos os frutos do mar e desfrutar de uma grande variedade de queijos e iogurtes.


O Alcorão proíbe beber vinho ou outras bebidas intoxicantes, então o vinho não foi servido. Os muçulmanos observadores bebiam uma variedade de quase cervejas e outras bebidas levemente fermentadas, e os estudiosos debatiam o quão levemente uma bebida pode ser fermentada e ainda ser permitida.


Além dessas bebidas, os cozinheiros preparavam sucos de frutas variados, misturando limões, laranjas, maçãs, tamarindos, tâmaras, uvas, romãs e muitos outros.


Só para os Ricos


Como os comerciantes muçulmanos traziam especiarias do comércio do Oceano Índico, muitas especiarias estavam disponíveis nos palácios de Bagdá e além. Os livros de culinária muçulmanos medievais recomendavam o uso de quantidades generosas de pimenta, noz-moscada, canela, almíscar, gengibre e cravo para os paladares sofisticados dos ricos.


Na verdade, se os governantes do Ocidente exibissem sua riqueza e poder com suas roupas da moda, esses governantes poderiam apontar para as iguarias em sua mesa como prova de sua prosperidade.


Um grande deleite para os ricos era a 'água da neve', comprada de vendedores de neve que traziam neve das montanhas e a vendiam por preços exorbitantes. Fazendeiros no sul da Espanha às vezes enchiam seus poços com neve das montanhas para que pudessem vendê-la a seus governantes muçulmanos no verão. Era como um cone de neve com um pouco de suco de frutas ou mel derramado sobre ele.


Assim, mesmo dentro dos quadros religiosos que observavam, os governantes e a nobreza muçulmana desfrutavam de uma grande diversidade de alimentos e bebidas na mesa do palácio.

 

Fonte - Bloom, Jonathan M. (2020). Architecture of the Islamic West: North Africa and the Iberian Peninsula, 700-1800


Hillenbrand, Robert (1999b). Islamic art and architecture.


Nuttgens, Patrick (1997). The Story of Architecture

64 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page