top of page

COMO O TEMPO GOVERNAVA OS VIKINGS?

Atualizado: 23 de mai. de 2022


Fotografia aérea de um barco à vela Viking Row no rio. Reconstituição Medieval (Licença de uso único)
Fotografia aérea de um barco à vela Viking Row no rio. Reconstituição Medieval (Licença de uso único)

Quando o clima determina a maioria dos acontecimentos na vida de uma pessoa, que tipo de mudanças culturais surgem como resultado direto de seu clima específico?


O mundo dos nórdicos na Idade Média expandiu-se rapidamente com o comércio, as invasões e a emigração. É geralmente aceito que a Era Viking começou em 793 com o ataque ao Mosteiro de Lindisfarne na Inglaterra e terminou em 1066 com a conquista normanda da Inglaterra e a perda do rei norueguês Harald Hardrada em Stamford Bridge. O escopo deste trabalho se estende além do final da Era Viking até 1600, a fim de acomodar os movimentos posteriores de pessoas e fontes escritas depois, mas lidando com a Era Viking.


A extensão do fim da Era Viking nesta pesquisa também permite uma visão mais ampla dos efeitos do Período de Aquecimento Medieval, uma das Pequenas Idades do Gelo no final do período medieval, e mudanças na cultura que essas mudanças trouxeram para os escandinavos medievais. Geograficamente, este trabalho abrange uma área bastante grande do mundo. Ele inclui não apenas os limites atuais das pátrias dos nórdicos: Dinamarca, Suécia e Noruega, mas se estende à Islândia, Groenlândia e Europa continental.


As pessoas consideradas neste estudo são nórdicos, escandinavos, islandeses e gronelandeses não-inuítes. Considerados principalmente neste trabalho são os escandinavos e as áreas em que eles viveram e emigraram no período medieval. Os escandinavos medievais frequentemente se viam à mercê da natureza, do clima e das mudanças climáticas. O clima às vezes extremo e os invernos longos no norte da Europa impactaram muito o desenvolvimento cultural dos nórdicos medievais, moldando especialmente seus meios de subsistência, entretenimento e fé.


Meios de Subsistência


As maneiras pelas quais os escandinavos medievais se sustentavam e a suas famílias dependiam muito do clima variável no norte da Europa. As pessoas confiavam principalmente na agricultura como principal fonte de sustento, mas se experimentavam uma estação de colheita ruim ou mau tempo, muitas passavam fome durante os invernos rigorosos e longos. Para muitos nórdicos, a pesca era amplamente praticada e a vida marinha local frequentemente complementava as necessidades alimentares não encontradas nos grãos.


O clima também afetou a navegação e a invasão escandinavos. As tempestades de verão interromperam o movimento dos vikings para novas terras e o gelo marinho do inverno é uma das causas do primeiro inverno para invadir os nórdicos na Europa continental. O clima e os ciclos sazonais no mundo dos nórdicos determinaram sua capacidade de sobrevivência, uma vez que afetava sua agricultura, pesca, navegação marítima e invasão.


Entretenimento


Com longos invernos e muito tempo gasto em locais próximos, era importante que os nórdicos medievais desenvolvessem passatempos para combater a depressão sazonal e combater o frio intenso. Semelhante a outros jogos disputados pelos vikings, os esportes de inverno focavam tanto em habilidade quanto em diversão. A patinação no gelo combinou a forma antiga de viajar no inverno com a competição e tornou-se um esporte popular tanto para quem joga quanto para outros que aplaudem os participantes. Foram concedidos prêmios ao vencedor das corridas para incentivar a competição e a rivalidade.


Para as crianças no inverno, a construção de fortes de neve se tornou não apenas popular, mas também ensinou a eles sobre guerra. Depois de garantir seus fortes, eles se envolviam em brigas de bolas de neve, onde os bravos eram recompensados ​​e os fracos ou tímidos eram deixados para trás. Isso os ajudou a cultivar táticas de guerra e formação de equipes que seriam úteis mais tarde em suas vidas. Em um clima frio e com invernos longos, era necessário desenvolver diferentes formas de entretenimento, como patinação no gelo e lutas com bolas de neve para ajudar a passar o tempo.


O trabalho etnográfico de Olaus Magnus, arcebispo de Uppsala no século XVI, intitulado História dos Povos do Norte, fornece comentários maravilhosos sobre entretenimento de inverno. Ele descreve o esporte espectador de patinação no gelo que envolveu homens “que prendem nas solas dos pés um pedaço de ferro polido e liso, um pé de comprimento, ou os ossos chatos de veados ou bois, os ossos da canela” e com estes eles correm através de um lago por um prêmio. A habilidade de patinar no gelo era necessária para sobreviver e viajar no inverno. Com muitos dos lagos e água congelados nas áreas dos homens do norte, era popular as pessoas patinarem no gelo, e se tornou um esporte de espectador, uma maneira de se divertir no frio.


Em 2012, Leszek Gardeła explorou descobertas arqueológicas para responder à pergunta de como os vikings passaram o tempo no norte da Europa. Ele concluiu que não há dúvida de que havia patinação no gelo e que os patins encontrados se assemelham aos descritos por Olaus Magnus. Os nórdicos tinham até um deus chamado Ullr, que estava associado ao esqui, sugerindo o destaque e o uso do skate em suas vidas. Olaus também descreve a construção de castelos de lutas de neve e bolas de neve, incentivando a competição entre crianças e comemorando os jogadores que demonstraram coragem. Ele inclui as várias regras e prêmios concedidos nesses jogos do forte da neve.



Ao empregar fé em seus arredores, os nórdicos tentaram conceituar o tempo e o clima ao seu redor. É notável que certos deuses pagãos estavam associados ao clima e à navegação marítima, especialmente ao Njord. Isso indica que o oceano teve um grande papel em suas vidas. Nas sagas, os homens costumam chamá-lo e Odin durante as viagens e dificuldades ambientais, na esperança de atraí-los para proporcionar um clima mais favorável. As pessoas prestavam atenção aos padrões no céu e alguns fazendeiros experientes praticavam dizendo que tipo de clima poderia advir de suas observações. As pessoas olhavam para os deuses tanto pelo bom tempo quanto por uma maneira de explicar o que estava acontecendo ao seu redor. Colocando fé no poder de Njord e Odin e prestando atenção às ocorrências ao seu redor,


A obra Prosa Edda de Snorri Sturluson detalha fé e ideologia em torno de Njord e Odin. O pessoal tentou apaziguar Njord pela passagem segura sobre o mar e pela abundante pesca. Eles não tinham o amplo conhecimento do conhecimento científico para explicar o que estava acontecendo ao seu redor, e atribuíram tempestades no mar a Njord para ajudar a compreender os acontecimentos naturais. O trabalho de Snorri é fundamental para a compreensão moderna de como os nórdicos perceberam e explicaram os acontecimentos na vida e na morte. A navegação marítima foi usada para comércio, invasão, viagens, exploração, expansão e era parte integrante da sociedade nórdica. É possível que ter um deus para orar na esperança de uma passagem segura os fizesse sentir que tinham algum controle sobre o clima.


John Lindow, estudioso da mitologia nórdica, explica que, como Njord é o encarregado do vento e da calma do mar, ele deve ser procurado quando uma pessoa está navegando ou pescando. Odin, o principal deus nórdico antigo, era visto como o controle do clima e dos movimentos do céu. Snorri também atesta que o poder de Odin se sobrepõe a um pouco do Njord na área do oceano, mas também o clima em geral que afetaria bastante suas fontes de alimentos e viagens. Olaus relata explicações vívidas de como as pessoas tentaram prever o clima no século XVI, observando os padrões do céu. Entre os deuses e as observações, a importância do clima na vida dos vikings é evidente na maneira como eles percebiam o mundo ao seu redor.


Conclusão


O elemento variável do clima no mundo dos nórdicos ajudou a criar uma cultura e sociedade específicas para a Escandinávia. Como grande parte de suas vidas dependia do clima e do clima, era importante se adaptar ao ambiente. Se a grama e o feno não podiam secar durante o inverno por causa de uma estação chuvosa ou colheita ruim, eles podiam usar o peixe para suplementar a nutrição necessária. A navegação também foi deixada à mercê do tempo. Muitos navios foram perdidos em tempestades e as viagens no inverno eram impossíveis por causa do gelo marinho que cercava as terras do norte. Isso levou ao primeiro inverno vikings no continente europeu.


Os escandinavos medievais também criaram maneiras de lidar com o inverno rigoroso que resultou em jogos competitivos, como patinação no gelo e lutas com bolas de neve para as crianças. Essas formas de entretenimento incentivavam a competição e ensinavam às crianças as habilidades de guerra de que precisariam quando crescessem. Os nórdicos também oraram e sacrificaram ao deus Njord por uma navegação segura e a Odin pelo clima geral. Com isso e prestando muita atenção aos padrões do céu, as pessoas sentiram como se tivessem um pouco mais de controle sobre o clima variável. Com tudo isso em consideração, os vastos impactos do clima e do clima nos nórdicos se tornam mais visíveis.

 

Fonte - Gardeła, Leszek. “What did the vikings do for fun? Sports and Pastimes in Medieval Northern Europe.” World Archaeology 44, no. 2 (2012): 234-47.


Magnus, Olaus. Description of the Peoples of the North, Roma 1555 . Editado por Peter Foote. Traduzido por Peter Fisher e Humphery Higgens. Vol. I, Londres: The Hakluyt Society, 1996.


Sturluson, Snorri. A Prosa Edda: Mitologia Nórdica. Traduzido com uma introdução e notas de Jesse L. Byock. Londres: Penguin Books, 2005.

587 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page