top of page

COMO OS ASSASSINOS RECEBERAM SEU NOME?




Como os Nizari Ismailis passaram a ser conhecidos como os Assassinos ainda é assunto de muito debate. A mitologia popular afirma que seu nome sinistro derivou do uso de drogas como ópio e haxixe para induzir um frenesi fanático em seus assassinos. Este mito foi primeiro levado de volta à Europa pelos Cruzados, mas não se tornou amplamente conhecido no Ocidente até ser publicado nos diários de viagem de Marco Polo. Polo discutiu o funcionamento dos Assassinos em seu livro e até afirmou ter visitado Alamut. No entanto, deve ser lembrado que ele escreveu seus diários de viagem no final do século XIII, bem depois do fim do período dos Assassinos.


O Velho das Montanhas


De acordo com Marco Polo, os Assassinos eram liderados por uma figura sombria chamada Velho das Montanhas. O Velho construiu uma área secreta dentro de Alamut que chamou de Jardim do Paraíso. O jardim supostamente estava cheio de comidas exóticas, bebidas e mulheres seminuas. Seus jovens recrutas foram levados para lá e drogados até ficarem estupefatos. Eles acordavam dentro do jardim e ficavam maravilhados com suas delícias. Polo continuou:


“Em certas ocasiões, ele fazia com que ópio fosse administrado a dez ou dúzias de jovens; e quando meio morto de sono, ele os transportou para os vários apartamentos dos palácios no jardim. Ao despertar do estado de letargia, seus sentidos foram atingidos por todos os deliciosos objetos descritos, e cada um se percebeu rodeado de lindas donzelas, cantando, brincando e atraindo seus olhares com as mais fascinantes carícias, servindo-o também com delicadas iguarias e vinhos requintados; até que se embriagou com o excesso de prazer em meio a verdadeiros riachos de leite e vinho, ele acreditou estar seguramente no Paraíso e sentiu uma relutância em abandonar suas delícias."

Depois de pouco tempo, o Velho os retirava do jardim, dava-lhes uma adaga cerimonial e ordenava que matassem um alvo selecionado. Ele prometeu-lhes que, se tivessem sucesso, teriam permissão para voltar ao jardim. Se morressem no cumprimento da sua missão, seriam recompensados ​​com prazeres ainda maiores na vida após a morte.

O padre alemão do século XIV, Brocardus, deixou uma descrição ainda mais arrepiante da seita dos Assassinos. Ao descrever os perigos das viagens no Médio Oriente, Brocardus citou especificamente os Assassinos:


“Eu nomeio os Assassinos, que serão amaldiçoados e fugirão. Eles se vendem, têm sede de sangue humano, matam inocentes por um preço e não se importam nem com a vida nem com a salvação. Como o diabo, eles se transfiguram em anjos de luz, imitando os gestos, as vestimentas, as línguas, os costumes e os atos de diversas nações e povos”.

Uma Caricatura Colorida


As histórias fantasiosas de Polo e Brocardus sobre drogas e assassinato, embora emocionantes, têm pouca base na realidade. Não há evidências que sugiram que os Assassinos usassem drogas em suas cerimônias. Na verdade, o uso de álcool e outros intoxicantes foi proibido pela austera seita islâmica. Apesar de tais proibições, o mito de que os Assassinos eram assassinos enlouquecidos por drogas persistiu até os dias modernos. Parte da confusão decorre dos termos hashishim e hashishiyya, dois nomes comumente usados ​​pelas primeiras fontes muçulmanas para se referir aos ismaelitas nizari. Esses nomes mais tarde se tornariam as raízes da palavra “assassino”. Ambos os termos são traduzidos livremente como “usuários de haxixe”, levando muitos historiadores posteriores a presumir que os Nizaris usavam a droga. No entanto, uma vez que o haxixe era considerado a droga dos imorais e dos desfavorecidos, é mais provável que os nomes fossem considerados de forma depreciativa. Deve ser lembrado que muitos cronistas contemporâneos dos Assassinos eram sunitas e tinham uma forte aversão à seita xiita. Essa antipatia influenciou seus relatos e os levou a rotular os Assassinos com um nome assustador que seria temido e insultado por séculos.

26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

SALADINO

bottom of page