top of page

COSMOLOGIA NÓRDICA: COMO É O UNIVERSO NA MITOLOGIA NÓRDICA?



Na mitologia nórdica, a estrutura do universo é organizada em nove reinos distintos que são interconectados pelo freixo Yggdrasil. Os nove mundos eram Asgard, Midgard, Jotunheim, Niflheim, Muscenters, Helheim, Alfheim, Svartalfheim e Vanaheim. A história de origem do universo gira em torno da entidade primordial de Niflheim e Muspelheim. A narrativa da criação descreve como o universo foi formado por meio da interação entre essas duas forças opostas. Além disso, a tradição cosmológica nórdica inclui o evento profetizado conhecido como Ragnarök, que prediz o fim do mundo.


Muspelheim e Niflheim: Os Reinos Primitivos de Fogo e Gelo na Cosmologia Nórdica


Na mitologia nórdica, Niflheim e Muspelheim eram dois reinos proeminentes que desempenharam um papel fundamental na gênese do cosmos. Niflheim era considerado um reino primitivo caracterizado por névoa e gelo frígidos, anteriores ao início do universo. Este mundo foi associado à obscuridade, baixas temperaturas e desaparecimento, e foi considerado a origem de todos os rios e córregos que fluíam por todo o universo nórdico. Por outro lado, Muspelheim era um reino de fogo, também existente antes da criação do universo, e representava uma antítese de Niflheim. Era um lugar de calor escaldante e luz radiante, servindo como fonte de todo o fogo do cosmo nórdico.


Segundo a mitologia nórdica, a convergência de Niflheim e Muspelheim marcou a gênese do universo. O calor ardente de Muspelheim derreteu o terreno gelado de Niflheim, iniciando o surgimento da vida, que assumiu a forma da entidade Ymir. Os deuses Odin, Vili e Ve subseqüentemente acabaram com Ymir e usaram seus restos mortais para forjar os reinos. Assim, Niflheim e Muspelheim foram as forças antagônicas que engendraram o cosmos. Além disso, o mito da criação nórdica incluía a formação dos primeiros humanos, Ask e Embla, a partir de duas árvores pelas divindades. Esses humanos receberam vida dos deuses e foram colocados em Midgard para viver.


Midgard: O Mundo Humano


Midgard, localizada no centro do cosmo nórdico, era o reino designado para habitação humana e cercado pelos reinos dos deuses (Asgard) e dos gigantes (Jotunheim). Os deuses moldaram Midgard como um lugar para os humanos viverem e o separaram do restante do universo por um oceano e uma barreira intransponível chamada Serpente de Midgard. Midgard era considerado o mais vulnerável de todos os reinos, continuamente ameaçado pelos gigantes de Jotunheim. No entanto, era considerado um reino de esperança e renascimento, onde os humanos levavam suas vidas diárias, realizavam o trabalho e criavam suas famílias.


Asgard: Reino dos Aesir


Asgard, o belo e radiante reino localizado bem acima de Midgard, era acessível apenas pela ponte do arco-íris, Bifrost. Foi considerado o centro do universo e o lar de numerosos deuses nórdicos proeminentes, incluindo Odin, Thor e Frigg. O reino era um lugar de banquetes, histórias e grandes reuniões, onde os deuses se reuniam para beber, lutar e tomar decisões importantes sobre o destino do universo. Na tradição, era considerado um lugar de imenso poder e prestígio, o centro do universo e o objetivo da jornada heróica. No entanto, apesar de sua imponência e beleza, Asgard não era invulnerável às forças do caos e da destruição, pois também seria o local do Ragnarök, onde os deuses e gigantes se engajariam em uma batalha final que culminaria com a aniquilação do universo.


Valhalla, um salão magnífico, também estava localizado no centro de Asgard, presidido por Odin, o deus da guerra, morte e sabedoria. Os guerreiros que residiam em Valhalla eram considerados os guerreiros mais corajosos e habilidosos, que morreram em batalha e foram escolhidos por Odin para residir em seu salão. Em Valhalla, dizia-se que os guerreiros desfrutavam de uma existência de banquetes, lutas e folia sem fim enquanto se preparavam para a batalha final de Ragnarök. Dizia-se também que os guerreiros estavam equipados com as melhores armas e armaduras, e diziam-se capazes de lutar o dia todo, apenas para ressuscitar dos mortos todas as noites para festejar e beber no salão de Odin.


Jotunheim: Terra dos Gigantes


Jotunheim era um reino escuro e gelado longe dos salões brilhantes de Asgard, dizia-se que tinha montanhas altas, florestas densas e vales profundos. Os gigantes que habitavam Jotunheim eram frequentemente descritos como imensos em tamanho, força e poder sendo forças imprevisíveis da natureza. Apesar de sua natureza caótica, os gigantes eram considerados figuras importantes na mitologia nórdica, pois eram a fonte de inúmeros grandes desafios que os deuses e heróis enfrentavam. Eles também desempenharam um papel central em Ragnarök, o fim do mundo, pois eram vistos como inimigos dos deuses que se envolveriam em uma batalha final que traria o fim do universo.


Helheim: O Submundo Sombrio


Helheim era considerado o submundo sombrio situado abaixo de Midgard, o mundo dos humanos. Era governado pela deusa Hel, uma deusa meio morta e meio viva que presidia as almas dos que partiram. Segundo a tradição, os que morriam eram destinados a Helheim, exceto os bravos guerreiros que eram escolhidos por Odin para residir no Valhalla ou no domínio da deusa Freya, Folkvangr. Em Helheim, dizia-se que os mortos viviam uma existência sem alegria, separados do mundo dos vivos e condenados a uma existência sombria no submundo. Apesar de sua reputação sombria, Helheim era considerado um domínio significativo na mitologia nórdica, pois era o destino final de muitos dos mortos e frequentemente retratado como um local de julgamento, onde os mortos eram avaliados e atribuídos ao seu destino.


Alfheim e Svartalfheim: Luz e Escuridão


Acreditava-se que Alfheim era o lar dos elfos da luz. Era caracterizada por florestas exuberantes, rios caudalosos e lagos cristalinos, e era considerada um lugar de beleza e harmonia. Os elfos da luz que residiam em Alfheim eram famosos por suas habilidades artísticas e mágicas, e eram conhecidos por sua grande beleza e graça. Muitas vezes eram vistos como criaturas benevolentes que viviam em harmonia com a natureza e uns com os outros, e seu lar era considerado um lugar de refúgio e paz. Apesar de sua beleza e serenidade, Alfheim não era isento de perigos, pois acreditava-se que abrigava entidades e forças poderosas e potencialmente perigosas.


Por outro lado, Svartalfheim era o lar dos elfos negros ou anões, que, ao contrário dos elfos da luz, eram conhecidos por sua astúcia, malícia e ganância. Svartalfheim era um reino sombrio e enigmático caracterizado por túneis cavernosos, minas e rios subterrâneos. Os anões que habitavam Svartalfheim eram conhecidos por seu artesanato excepcional, produzindo objetos intrincados e valiosos, bem como armas e ferramentas poderosas. Apesar de suas habilidades, eles eram frequentemente retratados como astutos e traiçoeiros, e seu reino era considerado um lugar de perigo para os forasteiros.


Vanaheim: Lar dos Vanir


Vanaheim era a terra dos deuses Vanir, que eram vistos como um grupo distinto de divindades dos Aesir. O reino era frequentemente retratado como um lugar de paz e prosperidade, onde os deuses Vanir viviam em harmonia com a natureza e uns com os outros. Foi descrito como uma terra verdejante, repleta de campos exuberantes, florestas e colheitas abundantes. Em contraste com os deuses guerreiros Aesir, os deuses Vanir eram caracterizados como generosos e gentis, e eram frequentemente descritos como promotores de paz e fertilidade. O mais conhecido dos deuses Vanir era Njord, o deus do mar e da pesca, e seus filhos Freyja e Freyr, associados à fertilidade, paz e prosperidade.


Yggdrasil: A Árvore do Mundo


Yggdrasil, ou a “Árvore do Mundo”, era um freixo colossal que servia como o caramanchão central que conectava e mantinha unidos os nove reinos do cosmo nórdico. Esta árvore eterna estava enraizada no submundo, estendendo-se pelos mundos e conectando-os a todos. Yggdrasil serviu como um poderoso símbolo da interconexão de tudo no universo nórdico, representando a natureza cíclica da vida, morte e renascimento. Era reverenciado como um símbolo sagrado do cosmos, e acreditava-se que suas raízes continham o destino do universo e de todos os seus habitantes. Como a Árvore do Mundo, Yggdrasil era central para a cosmologia nórdica, com seus ramos alcançando os diferentes reinos, incluindo Asgard, Midgard e Helheim, entre outros. Seu tronco e galhos eram habitados por diversas criaturas e seres, como dragões, gigantes e até alguns dos próprios deuses.


Ragnarök: Armagedom na Cosmologia Nórdica


Ragnarök, que se traduz como “Destino dos Deuses”, foi um evento significativo que marcou o fim do mundo atual e o início de um novo. Os eventos que levaram ao Ragnarök começaram com um longo período de conflito e caos. Conhecido por sua astúcia e astúcia, diz-se que o deus Loki se libertou de sua prisão e reuniu as forças do mal, incluindo o gigante Surtr e seus exércitos do reino ardente de Muspelheim. Os deuses e seus aliados lutaram ferozmente contra essas forças do mal, mas foram finalmente derrotados e muitos deles pereceram. À medida que a batalha avançava, o mundo mergulhava na escuridão e dizia-se que o céu pegava fogo. A terra tremeu violentamente e os oceanos subiram, engolindo tudo em seu caminho. Por fim, o mundo foi consumido pelo fogo e pela água. Apesar de seus tons sinistros, Ragnarök não foi visto como um evento completamente negativo, mas sim como um passo necessário na natureza cíclica da existência. Depois de Ragnarök, um mundo renovado surgiria e um novo grupo de deuses assumiria o domínio do universo.

 

Fonte - Lindow, John . 2001. Mitologia nórdica: um guia para os deuses, heróis, rituais e crenças.


Dodds, Jeramy . 2014. Trad. A Edda Poética.


Simek, Rudolf . 2007. Angela Hall trad. Dicionário de mitologia do norte.

56 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page