top of page

HARA-KIRI: O RITUAL SAMURAI DE SEPPUKU

Atualizado: 22 de fev.


Guerreiro samurai prestes a realizar o seppuku. Xilogravura Ukiyo-e do período Edo (1850–1860)
Guerreiro samurai prestes a realizar o seppuku. Xilogravura Ukiyo-e do período Edo (1850–1860)

Os samurais do Japão acreditavam que a morte era preferível à desonra percebida. Essa crença manifestou-se mais agudamente na conhecida prática do hara-kiri, ou seppuku: suicídio formal por auto-estripação. A palavra se traduz literalmente como “corte de barriga”. Como se pode imaginar, esta é uma maneira agonizante e horrível de morrer. Então, por que os samurais se sujeitaram a isso? E como isso é relevante hoje?


Um equívoco para esclarecer antes de irmos: hara-kiri não é uma palavra 'vulgar' para seppuku. As duas palavras são escritas com o mesmo kanji. A leitura japonesa nativa é hara-kiri, usada na linguagem falada. A leitura chinesa clássica é seppuku, usada em documentos escritos formais.


Outra interpretação da diferença é que seppuku se refere ao ritual completo, enquanto hara-kiri é o ato simplificado.


Harakiri e Seppuku: O Ritual


A prática do hara-kiri tem muitos detalhes diferentes, mas alguns elementos são comuns a todas as versões do ritual. O samurai que pretendia tirar a própria vida teria uma data e hora marcadas para o ato para que os preparativos pudessem ser feitos. Um quadrado de seda seria colocado no chão, sobre o qual o samurai se ajoelharia em seiza com um tanto colocado diante dele. O tanto era um punhal curto usado junto com a katana e o wakizashi.


O samurai compunha um poema de morte para ser registrado para a posteridade. Ele então abria as lapelas de seu quimono para expor seu estômago, agarrava o tanto pela lâmina e o enfiava em seu abdômen com a borda para cima.


Como o hara-kiri procedeu neste ponto dependia da coragem do samurai em questão. Ele deveria suportar a agonia pelo maior tempo possível sem quebrar a compostura. Quando a agonia se tornava intolerável, o kaishakunin, ou segundo, fazia um corte no pescoço para quase decapitar o samurai que deveria morrer. A parte “quase” demonstrou o controle do corte e impediu que a cabeça decepada derramasse sangue no chão. Na crença xintoísta, qualquer parte do solo tocada por sangue ou por um cadáver era considerada impura.


Se a decapitação não ocorresse após o primeiro golpe, o samurai puxaria o tanto pelo abdômen e faria um segundo corte vertical até o coração. Ser requisitado como kaishakunin era considerado uma séria responsabilidade. A falha em realizá-lo corretamente era uma marca de vergonha e poderia, em alguns casos, levar o próprio kaishakunin a ser ordenado a cometer seppuku.


Razões por trás da lei


A razão mais conhecida (na ficção, pelo menos) para o hara-kiri era uma expiação por um ato vergonhoso percebido. Isso não quer dizer que um samurai se mataria por qualquer transgressão menor. Teria que ser para algo que não poderia ser retificado de outra forma. Ele também teria que ter permissão explícita de uma autoridade superior, como um daimyo ou o shogun. Cometer seppuku sem permissão era visto como desonroso e poderia, de acordo com a crença budista, levar a reencarnação a um status inferior. A exceção era se o samurai estivesse no campo de batalha enfrentando a captura inimiga.


A outra razão mais conhecida pela qual um samurai poderia realizar esse ato era como uma forma de pena capital. Um guerreiro que cometeu um erro grave, perdeu uma batalha ou falhou em seu daimyo, pode ser ordenado a cometer hara-kiri como expiação.


É uma medida extrema por qualquer padrão, mas uma coisa a lembrar é que os japoneses eram principalmente budistas. Os conceitos de vida e morte eram e são vistos de forma diferente do que em muitos sistemas de moralidade ocidentais. A crença na reencarnação também contribuiu para a aceitação da morte súbita como apenas mais uma parte da vida.


Por fim, o seppuku foi usado como forma de execução. O condenado seria mantido sob estreita vigilância por seus captores e, no momento do ritual, ele receberia um leque de papel em vez de um punhal. Quando ele tocava o leque, o kaishakunin atacava.


Mulheres e Crianças


As mulheres também eram conhecidas por cometer seppuku, mas não o faziam da mesma maneira que os homens. O ato foi incorretamente chamado de jigai (lit. suicídio) através de traduções erradas do autor Lafcadio Hearn. A mulher se ajoelhava, amarrava as pernas por modéstia e cortava a própria garganta.


Até mesmo adolescentes e crianças podiam ser ordenados a realizar hara-kiri. Eles, especialmente no caso de crianças, eram frequentemente informados de que era apenas um ensaio para o ato, mas eles seriam cortados do mesmo jeito. A cultura japonesa feudal operava de acordo com uma mentalidade de “pecados do pai”. Uma violação de conduta flagrante o suficiente poderia resultar na execução de uma família inteira.


Por que foi feito assim?


Examinamos as razões para alguém cometer hara-kiri, mas que simbolismo está por trás do ato? Por que um método tão horrível? Uma das virtudes mais valorizadas na sociedade japonesa, e por extensão no bushido, era o estoicismo diante da adversidade e da dor. Ao demonstrar resiliência e compostura, o samurai poderia recuperar a honra perdida em seus últimos momentos.


O abdômen era o alvo porque se acreditava que a alma residia no hara, ou estômago. Perfurar o estômago era considerado a maneira mais rápida de liberar a alma para que pudesse reencarnar em um novo corpo. Além disso, o corte do abdome não foi em si o golpe mortal. Embora certamente fatal por causa da sepse interna e perda de sangue, não seria uma morte rápida condizente com um samurai.


História do Hara-kiri


O costume de hara-kiri originou -se durante o período Heian. A primeira instância conhecida foi após a Batalha de Uji em 1180, quando Minamoto Yorimasa terminou sua vida para escapar da tortura nas mãos de seus inimigos. A maioria dos samurais que foram derrotados, se não tivessem sido mortos imediatamente, seguiriam esse caminho. Seppuku foi neste caso considerado uma misericórdia no contexto do campo de batalha, uma chance para o samurai morrer em seus próprios termos se uma batalha não fosse a seu favor.


Mais tarde, a casta samurai tornou-se maior e mais envolvida no governo. Esperava-se que os samurais agissem de acordo com o bushido fora do campo de batalha, e o seppuku era então usado mais como um meio de redimir a honra, caso o samurai falhasse em seu dever em tempos de paz.


Enquanto os japoneses viam o hara-kiri como um teste de honra e compostura, bem como uma maneira de se redimir poeticamente, o Ocidente tinha uma opinião totalmente diferente. As interações do Japão com o Ocidente eram rigidamente controladas pelo xogunato Tokugawa; do desejo de manter o status quo.


Instâncias modernas de Hara-kiri


Em 12 de março de 1868, um navio de marinheiros franceses desembarcou em Sakai, um porto perto de Osaka, na província de Tosa. Enquanto os marinheiros estavam de licença em terra, eles eram abusivos com os habitantes da cidade. Um marinheiro pegou uma bandeira de um samurai Tosa. Uma briga eclodiu entre um pequeno grupo de marinheiros e samurais locais, levando a um incidente diplomático.


Os japoneses foram ordenados a cometer seppuku e o capitão francês sob o qual os marinheiros serviam foi convidado a assistir ao ritual para confirmar que foi feito satisfatoriamente. Dezesseis dos guerreiros, junto com o comandante da guarnição, deveriam acabar com suas vidas. O capitão francês viu o seppuku e, em seu horror, pediu que ele fosse parado e os samurais restantes poupados.


Este incidente, juntamente com a modernização geral da sociedade japonesa, levou à proibição do hara-kiri como meio de punição. Havia alguns oficiais no Japão Imperial durante a Segunda Guerra Mundial que se mataram à maneira tradicional de samurai, por exemplo, Takijiro Onishi, o almirante que concebeu a tática kamikaze. Em vez de um poema de morte tradicional, ele escreveu uma carta de remorso pelos 4.000 pilotos que morreram ao colidir deliberadamente com suas naves em navios inimigos. Onishi também não nomeou um kaishakunin e, posteriormente, levou 15 horas para morrer.


O outro exemplo notável de seppuku nos tempos modernos foi o de Yukio Mishima, um nacionalista linha-dura que sentiu que os militares e a sociedade japonesa se tornaram fracos desde o final da Segunda Guerra Mundial. Em 1970, ele invadiu o quartel-general da Autodefesa Japonesa e cometeu hara-kiri após uma tentativa fracassada de persuadi-los a um golpe para restaurar o poder político do imperador.


Hara-kiri e suicídio no Japão moderno


Infelizmente, o Japão tem uma das maiores taxas de suicídio do mundo. Embora as pessoas muitas vezes não cometam seppuku de acordo com o ritual samurai, ainda existe uma cultura arraigada de vergonha visando aqueles que não atendem às expectativas da família ou da comunidade. Não conseguir entrar em uma boa universidade ou encontrar um emprego capaz de sustentar uma família são duas grandes fontes de vergonha na cultura japonesa. Sabe-se que os idosos no Japão que não se sentem mais capazes de contribuir para a sociedade acabam com suas vidas em vez de se tornarem um fardo para seus entes queridos.


A sociedade japonesa tem em grande parte uma abordagem “sorri e aguente” para questões de saúde mental como depressão ou estresse extremo. Ver um terapeuta ou até mesmo mencionar doenças mentais é considerado tabu no Japão, embora essa atitude esteja desaparecendo com as gerações mais jovens. O governo do Japão também vem tomando medidas para conter a prevalência de suicídio. Por exemplo, Aokigahara, a chamada “Floresta do Suicídio”, tem placas afixadas em cada trilha. Esses sinais contêm mensagens desencorajando possíveis suicídios, listando informações de contato para linhas diretas de saúde mental e pedindo-lhes que considerem o efeito que suas mortes teriam na família e nos amigos.

 

Fonte - Rankin, Andrew (2011). Seppuku: A History of Samurai Suicide


Seward, Jack (1968). Hara-Kiri: Japanese Ritual Suicide.


"Hara-kiri". Encyclopædia Britannica (acessado em 15/10/2022)

1.852 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

SAMURAI

Comentários


bottom of page