top of page

Imperatriz Teodora


Mosaico de Teodora - Basílica de San Vitale
Mosaico de Teodora - Basílica de San Vitale

Imperatriz Teodora do Império Bizantino é uma figura política relativamente pouco conhecida que merece fazer parte do conhecimento comum. O forte compromisso de Teodora com suas crenças e princípios, diplomacia e habilidades políticas fizeram dela uma das imperatrizes mais influentes do Império Bizantino. O seu marido e imperador, Justiniano I, tratou-a como uma parceira igual, o que é quase incomparável na história, especialmente no primeiro século, quando o papel e o estatuto das mulheres eram altamente marginalizados.

A sua parceria floresceu e expandiu o Império Bizantino e lançou as bases para o desenvolvimento dos direitos humanos, especialmente os direitos das mulheres. Nascida na classe camponesa, a Imperatriz Teodora certificou-se de que o seu poder fosse redireccionado para a melhoria das políticas sociais e do sistema jurídico dos pobres e fracos. As suas reformas jurídicas e as novas leis introduziram mais transparência e moralidade no império e forneceram um quadro para a proteção dos membros mais vulneráveis ​​da sociedade.


O Início da Vida de Teodora


Relativamente pouco se sabe sobre a infância de Teodora. A informação vem principalmente da História Secreta do historiador Procópio, escrita em 558. A obra representa as afirmações de Procópio sobre as ações públicas e a vida privada do imperador Justiniano I e da imperatriz Teodora.

Teodora nasceu em 500 d.C. e tinha origem grega. Em História Secreta, Procópio revela que seu pai, Acácio, era um tratador de ursos no Hipódromo de Constantinopla. O nome da mãe de Teodora não está registrado, mas o que se sabe é que ela era dançarina e atriz. Teodora tinha duas irmãs, Anastasia e Comito. Após a morte de Acácio, sua mãe se casou novamente e ensinou as filhas a atuar no palco. Aos 15 anos, Teodora tornou-se atriz. No entanto, atuar naquela época estava amplamente associado ao entretenimento adulto e à prostituição.


Aos 18 anos, Teodora conheceu Hecebolus, um alto funcionário do governo romano, tornou-se sua concubina e viajou para o Norte da África depois que Hecebolus assumiu o controle da Pentápolis da Líbia. No entanto, o relacionamento deles parecia durar pouco. Hecebolus maltratou e abusou de Teodora e acabou abandonando-a.

Teodora estabeleceu-se em Alexandria, Egito. Acredita-se que durante sua estada em Alexandria ela conheceu o Patriarca Miafisita Timóteo III, juntou-se à comunidade ascética próxima à cidade e conheceu de perto o Monofisismo. Monofisismo é um termo cristológico segundo o qual Cristo tem apenas uma natureza: a divina. No Império Bizantino Ortodoxo, os monofisitas eram frequentemente perseguidos.


Forte em suas crenças religiosas, Teodora retornou a Constantinopla em 522 e ganhava a vida como fiandeira de lã. Durante este tempo, ela conheceu Justiniano, o herdeiro do trono do Império Bizantino e seu futuro marido.

Casamento Imperial: Tornando-se a Imperatriz Bizantina


Embora não se saiba como Justiniano conheceu Teodora, fontes históricas revelam que ele ficou impressionado com a beleza de Teodora, e ela se tornou sua amante. No entanto, uma lei romana do reinado de Constantino proibia os nobres de se casarem com atrizes. O governante do Império Bizantino naquela época era Justino, tio e antecessor de Justiniano.

Influenciado pelo herdeiro do trono, Justiniano, o imperador Justino aprovou uma nova legislação, decretando que as atrizes reabilitadas poderiam posteriormente casar-se legitimamente fora de seu status, se permitido pelo imperador. Pelo mesmo regulamento, as filhas dessas atrizes também foram autorizadas a se casar com homens de qualquer status, permitindo que a filha ilegítima de Teodora (cujo nome já foi esquecido) se casasse com um membro da família real. Segundo Procópio, Teodora deu à luz uma filha quando morava no Norte da África com Hecebolus. Ao mesmo tempo, o status de Teodora foi elevado a patrício, já que os patrícios só podiam se casar com patrícios. Em 524, Justiniano casou-se com Teodora logo depois que a lei de Justino foi aprovada.

Dois anos após o casamento, em 527, Justiniano ascendeu ao trono e Teodora foi elevada à posição de imperatriz do Império Romano do Oriente. Ela participou ativamente dos conselhos estaduais e compartilhou suas visões, preferências e estratégias políticas com o marido e o imperador.


No romance 8.1, uma lei contra a corrupção, Justiniano referiu-se a ela como sua “parceira em minhas deliberações” e fez com que os funcionários provinciais prestassem juramento à imperatriz e também ao imperador. Apesar de nunca ter sido nomeada co-regente, Teodora manteve maior autoridade devido ao seu brilhantismo e senso político impecável. Ela era uma mulher determinada e com grande capacidade de liderança. Seu aconselhamento para uma resposta enérgica (e militante) durante os motins de Nika em 532 resultou na supressão do motim e provavelmente salvou o império.

Os Motins de Nika


Em janeiro de 535, os Azuis e os Verdes, dois grupos políticos opostos no império, provocaram um motim enquanto uma corrida de bigas acontecia no Hipódromo de Constantinopla. Os competidores de diversos eventos esportivos, principalmente corridas de bigas, eram divididos em facções diferenciadas pela cor do uniforme com que competiam. No reinado de Justiniano, as únicas facções com influência significativa eram os Azuis e os Verdes. As duas facções financiaram as corridas e conquistaram importante poder político, pois cooperavam com as forças imperiais para manter a ordem durante os jogos. Ao mesmo tempo, eram apoiados pelas famílias reais, incluindo aquelas que reivindicavam o trono bizantino.


A corrida começou em 13 de janeiro de 535. Ao final das corridas, o canto mudou de “Azul” ou “Verde” para um Nίκα unificado. (“Nika”, que significa “Conquistar!”) e a multidão começou a assaltar o palácio real. Nos cinco dias seguintes, grande parte da cidade esteve sob fogo.


O motivo da revolta foi o aumento dos impostos, já que Justiniano tinha planos ambiciosos de ampliar os territórios bizantinos e implementar extensos projetos arquitetônicos. Incapazes de conter a situação, a maioria das autoridades políticas aconselhou Justiniano e Teodora a fugirem da cidade. Os manifestantes libertaram prisioneiros e incendiaram edifícios e instalações importantes. A Hagia Sophia e vários outros monumentos importantes foram rapidamente engolidos pelo fogo, juntamente com uma área considerável da cidade.

Em 18 de janeiro, Teodora participou da reunião do Conselho Imperial para discutir o motim de Nika. Ela se dirigiu ao conselho com as seguintes palavras:


“ Se uma mulher deve ou não dar um exemplo de coragem aos homens não está aqui nem ali… Acho que a fuga, mesmo que nos leve para um lugar seguro, não é do nosso interesse. Todo homem que nasceu para ver a luz do dia deve morrer. Mas aquele que foi imperador deveria se tornar um exilado, não posso suportar.”

O conselho de Teodora para ficar e tentar salvar a cidade usando extensos recursos militares provavelmente salvou o Império Bizantino do caos político. Justiniano e Teodora reconstruíram Constantinopla após a revolta de Nika e construíram aquedutos, pontes e mais de vinte e cinco igrejas, a mais conhecida das quais é Hagia Sophia.

Reformas Sociais e as Origens Medievais dos Direitos das Mulheres


As origens dos direitos das mulheres podem ser atribuídas à Imperatriz Teodora. Provavelmente a sua experiência como jovem marginalizada pelo sistema institucional da época a levou a trabalhar na melhoria dos direitos das mulheres no Império. Ela elaborou o Corpus Juris Civilis, uma série de reformas jurídicas incluídas no direito romano, e lançou as bases para uma estrutura para a herança jurídica ocidental para os direitos das mulheres, incluindo o Common Law inglês, a Constituição americana e até mesmo o direito público internacional contemporâneo.

Além disso, sob a Imperatriz Teodora, o estupro tornou-se punível com a morte. Independentemente da sua posição ou estatuto, todos os presentes durante a violação foram afetados por esta regra e os bens do violador foram entregues à vítima.

A Imperatriz Teodora garantiu que as mulheres tivessem voz durante os acordos de divórcio, proibiu a prostituição forçada e permitiu que as mulheres herdassem e possuíssem propriedades. No lado asiático do império, Dardanelos, a Imperatriz Teodora estabeleceu santuários para vítimas de prostituição e estupro e forneceu abrigo e comida para aqueles que não tinham casa.


A Imperatriz Teodora permaneceu uma firme defensora dos cristãos não-ortodoxos do Império e tentou mitigar os maus-tratos aos monofisitas. Embora seu marido parecesse ser um cristão ortodoxo devoto, a influência e o poder da Imperatriz Teodora sobre Justiniano tornaram possível o processo de reconciliação. A Imperatriz Teodora protegeu os monofisitas e os ajudou a encontrar lugares mais seguros para orar e realizar rituais religiosos. Ela estabeleceu um mosteiro miafisita na antiga cidade de Sykae e influenciou a nomeação de um líder miafisita, Anthimus, como Patriarca de Constantinopla.

No entanto, a História Secreta de Procópio lança uma sombra sobre esses méritos de Teodora. A obra descreve as duras condições nos abrigos que obrigaram algumas mulheres a fugir saltando os muros. Não obstante, outras perspectivas, notadamente do cronista John Malalas, afirmam que Teodora "libertou as meninas do jugo de sua miserável escravidão". Obras posteriores do bispo copta egípcio João de Nikiu observam que a Imperatriz “pôs fim à prostituição das mulheres, e deu ordens para a sua expulsão de todos os lugares”.


Ao mesmo tempo, muitos acreditavam que ela era brutal na eliminação dos seus rivais políticos, incluindo qualquer pessoa que a ameaçasse, ao seu marido ou à sua autoridade. Um exemplo bem conhecido é a vingança dela contra Belisário, um valente general, por causa de seu potencial como sucessor de Justiniano no caso de sua morte.

No entanto, é vital ter em mente que estas suposições não têm provas de apoio além dos relatos da História Secreta de Procópio. É amplamente conhecido que Procópio sentia ressentimento pela Imperatriz Teodora, rotulando ela e seu marido como os piores funcionários do Império Bizantino de todos os tempos.

Talvez seja crucial estar ciente do fato de que todas as informações que temos sobre Teodora foram escritas por homens e que na cultura bizantina, qualquer mulher que desempenhasse um papel diferente do de uma mulher obediente tradicional teria sido desaprovada ou mesmo abertamente demonizado.


O Legado Duradouro da Imperatriz Teodora


Em 548, a Imperatriz Teodora morreu, provavelmente devido a câncer ou gangrena. Justiniano ficou arrasado com a perda dela e nunca mais se casou. A Imperatriz Teodora e Justiniano não tiveram filhos. No entanto, sua filha ilegítima e seus netos receberam cargos de liderança na administração de Justiniano.

Apesar de suas preferências religiosas pessoais, Justiniano continuou a defender os monofisitas como teria feito a imperatriz Teodora. Embora ele tenha continuado a ser um líder capaz depois que ela morreu, era óbvio que o imperador nunca foi tão poderoso como era quando Teodora estava ao seu lado e eles reinavam juntos o império. Isto é ilustrado pelo facto de, após a morte de Teodora, Justiniano quase não ter aprovado quaisquer novas leis importantes, mas continuou a ser um defensor dos direitos das mulheres.

Uma das magníficas igrejas que o imperador e a imperatriz construíram em Constantinopla, a Igreja dos Santos Apóstolos, serviu como local de descanso final da Imperatriz Teodora. Belos mosaicos de Teodora e Justiniano ainda existem hoje na Basílica de San Vitale em Ravenna, norte da Itália, que foi concluída um ano antes de ela falecer.

296 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page