top of page

JOANA D'ARC


Joana D'Arc arte por Thomas Christian Wolfe
Joana D'Arc arte por Thomas Christian Wolfe


Joana d'Arc (em Frances Jeanne D'Arc, 1412-1431) foi uma camponesa medieval que, alegando receber visões de Deus, virou a maré da Guerra dos Cem Anos em favor de uma vitória francesa. Ela ficou famosa como mártir por defender sua reivindicação de inspiração divina e mais tarde canonizada como santa.


Ela nasceu em Domremy, França, filha de um agricultor, mas, aos 13 anos, recebeu uma revelação enquanto estava no jardim de seu pai de que deveria levar os franceses à vitória sobre os ingleses e garantir que Carlos, o delfim (Carlos VII de França, r. 1422-1461), foi coroada no local tradicional de Reims.


Joana conseguiu levantar o cerco de Orleans em 1429 e Carlos foi coroado em Reims em julho do mesmo ano após a Campanha do Loire. Joana foi capturada pelos aliados borgonheses dos ingleses em 1430 e vendida a eles. Os ingleses não podiam processar uma mulher que alegasse estar servindo a Deus, mas não podiam permitir nem mesmo a sugestão de que ela estava dizendo a verdade, porque isso significaria que Deus estava do lado francês do conflito. Eles finalmente a condenaram por ser uma herege reincidente e a queimaram na fogueira em maio de 1431.


O julgamento de Joana d'Arc foi revisto já em 1452, considerado inválido, e Joana foi exonerada e proclamada mártir em 1456. Mais tarde, ela foi canonizada e é uma das santas padroeiras da França nos dias modernos.


As Visões de uma Camponesa



O local de nascimento de Joan em Domrémy é agora um museu.
O local de nascimento de Joan em Domrémy é agora um museu.

Joana tinha dois irmãos mais velhos – Jacques (às vezes dado como Jacquemin) e Jean – e um irmão e uma irmã mais novos – Pierre e Catherine. Jacques d'Arc era agricultor, e as crianças teriam sido criadas aprendendo esse ofício.


Em seu julgamento posterior, cujos registros são a principal fonte de informação sobre a vida de Joana, ela afirmou que recebeu uma visão de Deus um dia em 1425, quando tinha 13 anos. Santa Catarina, São Miguel e Santa Margarida apareceram para ela no jardim de seu pai e a instruíram a expulsar os ingleses da França e fazer com que o delfim fosse coroado rei em Reims.


Joana parece nunca ter duvidado de que sua visão era uma mensagem genuína de Deus e, no entanto, levaria três anos antes que ela pudesse começar sua missão. É possível que sua família a tenha detido ou talvez ela não soubesse como deveria proceder, mas isso é especulação, pois não existem registros sobre a vida de Joana c. 1425-1428.


Em 1428, ela apareceu no escritório de Roberto de Baudricourt (c. 1400-1454), capitão da guarnição de Vaucouleurs, uma cidade próxima, pedindo para ser levada ao delfim. De Baudricourt riu dela pelo menos duas vezes antes que ela o convencesse da seriedade de sua missão.


De acordo com uma versão dos eventos, Joana retornou ao que seria hoje um escritório do capitão no início de 1429 e foi capaz de lhe contar sobre uma derrota francesa relacionada ao cerco de Orleans antes que alguém pudesse saber sobre isso; demonstrando assim seus poderes divinos. A outra versão afirma que Joana o envergonhou ao se dirigir a ele em público em uma arenga sobre sua falta de fé e recusa em acreditar que Deus a enviou para libertar a França. O que quer que seja verdade, Roberto de Baudricourt e alguns de seus homens escoltaram Joana até Chinon para conhecer o delfim.


Delfim e Orleans


Carlos VII foi informado da visita de Joana e decidiu testá-la vestindo-se como um de seus cortesãos e fazendo com que um deles se vestisse de delfim; se Joana fosse realmente enviada por Deus, então ela conheceria o verdadeiro delfim. Quando Joana entrou na assembleia, ela foi diretamente a Carlos e se dirigiu a ele como o delfim, e quando ele protestou e tentou enganá-la ainda mais, ela se manteve firme. Mais tarde, em particular, ela o convenceu de sua legitimidade, contando-lhe coisas que ele só havia dito a Deus em oração.


Ainda assim, o delfim teve que se certificar de que Joana não era uma bruxa tentando colocá-lo sob seu feitiço e, por isso, a examinou quanto à ortodoxia e pureza por uma assembleia de clérigos em Poitiers. Ela foi declarada uma cristã ortodoxa em boa posição e apresentou-se novamente ao delfim como a resposta para seus problemas em Orleans.


As profecias estavam em circulação na França há anos de que uma donzela em armadura surgiria da região de Lorraine para salvar o país, e Joana agora cumpria essa profecia viajando com o exército para Orleans com equipamento de batalha completo. Embora até agora ela não tivesse nada a ver com a guerra e nunca tivesse se envolvido em um único combate militar, a profecia se prendeu a ela com tanta firmeza que ela foi recebida na cidade como uma heroína. O cerco foi conduzido pelos ingleses de tal forma que se abriam brechas para a cidade em vários intervalos que podiam ser rapidamente fechadas quando necessário. Joana e suas forças conseguiram entrar na cidade por um deles no rio Loire, a poucos quilômetros a leste de Orleans.


O cerco de Orleans estava em andamento neste ponto por cinco meses, e os franceses não encontraram maneira de levantá-lo. Os estudiosos continuam a debater a importância de Joana d'Arc em levantar o cerco citando como novas táticas foram usadas em maio de 1429 que não haviam sido tentadas antes e como os defensores estavam abertos a novas possibilidades e, portanto, por esse raciocínio, a presença de Joana em Orleans pode não tiveram tanto impacto quanto as lendas afirmam.


Esse raciocínio é ilusório, no entanto, na medida em que pode e tem sido argumentado que a chegada de Joana a Orleans, aparentemente o cumprimento da profecia, inspirou a mudança de tática e a súbita crença na possibilidade de vitória. Orleans era uma cidade central e de imensa importância tática e simbólica para ambos os lados do conflito. Se a cidade caísse, os franceses provavelmente perderiam a guerra.


Joana imediatamente abraçou seu papel de heroína cumprimentando pessoalmente os cidadãos de Orleans e indo entre eles diariamente para encorajar, inspirar e entregar comida e suprimentos. Os homens encarregados da defesa da cidade tentavam rotineiramente afastá-la dos conselhos de guerra, mas ela não era dissuadida e, se não pudesse participar, poderia pelo menos ouvir.


Repetidamente, Joana pediu ação direta contra pontos-chave na linha inglesa e foi ignorada, mas continuou pacientemente a sugerir cursos de ação e a ir entre as pessoas encorajando-as e elevando seus espíritos. Ela reuniu as tropas e as liderou em um ataque à posição inglesa de St. Loup, que foi bem-sucedido e, no dia seguinte, apoiado por uma milícia de cidadãos que responderam à sua inspiração, participou de outro combate que rompeu ainda mais o cerco. Joana foi ferida no peito nesses combates, mas ainda perseverou e carregou seu estandarte, inspirando outros a lutar. O cerco de Orleans foi levantado nove dias após sua chegada.


Compromissos e Captura


Joana instantaneamente começou a trabalhar em uma campanha que prepararia o caminho para que Carlos VII fosse coroado em Reims, mas foi recebido por oposição e objeções contínuas. Reims estava nas mãos dos aliados borgonheses dos ingleses, bem no coração do território controlado pelos ingleses, e o plano de Joana de simplesmente marchar, protegido pela graça e força de Deus, e tomar a terra parecia uma proposta ingênua e impossível para o comandantes das forças francesas. A sabedoria predominante da época deixava claro que as mulheres tinham certas tarefas que haviam sido dadas por Deus e os homens tinham outras responsabilidades muito mais importantes, e assim os conselhos das mulheres sobre os negócios dos homens eram simplesmente ignorados. Joana não era apenas uma mulher, mas uma adolescente sem qualquer experiência militar ou treinamento profissional em liderança.


Mesmo assim, ela conseguiu convencer o comando a concordar com sua sugestão, pois sua vitória em Orleans trouxe recrutas de todo o país para participar da Campanha do Loire de 1429. Essa iniciativa resultou em vitórias francesas de Jargeau a Meung, Beaugency, e culminou em na vitória de junho em Patay, todos inspirados por Joana, mesmo que ela não estivesse em posição de comando em cada um deles. A Campanha do Loire limpou constantemente a região em uma marcha em direção a Reims. Os franceses tiveram tanto sucesso que os borgonheses de Reims renderam a cidade e abriram seus portões sem oposição e Carlos VII foi coroado rei da França na catedral de Reims, mantendo a tradição e com Joana d'Arc ao seu lado, em julho de 1429.


A grande escritora medieval Cristina de Pisano, escreveu seu Conto de Joana d'Arc para celebrar a libertação de Orleans (a primeira obra literária escrita em homenagem a Joana e a única em sua vida) e deve ficaram muito felizes com a coroação do rei. Registros da época sugerem alto astral entre os franceses em todos os lugares, pois parecia que a mesa finalmente virou e havia, finalmente, uma chance de que a França pudesse vencer a guerra interminável que já estava em andamento há quase um século. As esperanças francesas foram esmaecidas, no entanto, quando Joana foi capturada pelos borgonheses em 1430 e vendida a seus inimigos ingleses.



Joana capturada pelos borgonheses em Compiègne. Mural no Panteão, Paris
Joana capturada pelos borgonheses em Compiègne. Mural no Panteão, Paris


Julgamento e Execução



A torre de menagem do castelo de Rouen , remanescente da fortaleza onde Joana foi presa durante seu julgamento. Desde então, tornou-se conhecida como a "Torre Joana d'Arc".
A torre de menagem do castelo de Rouen, remanescente da fortaleza onde Joana foi presa durante seu julgamento. Desde então, tornou-se conhecida como a "Torre Joana d'Arc". - ( Catálogo da Coleção de Impressos Photochrom)


Joana foi mantida na cidade de Rouen, controlada pelos ingleses, onde ocorreu seu julgamento por heresia. Ela deveria ter sido mantida em uma prisão eclesiástica onde ela teria sido cuidada e guardada por mulheres, mas em vez disso foi mantida em uma prisão secular, constantemente assediada e ameaçada por guardas do sexo masculino. O julgamento, desde o início, foi uma farsa da qual vários clérigos inicialmente se recusaram a participar até que suas vidas fossem ameaçadas pelas autoridades inglesas. Aqueles que finalmente concordaram em participar, no entanto, não ficaram nada felizes com isso.



Joana d'Arc interrogada em sua cela de prisão pelo Cardeal de Winchester , por Hippolyte Delaroche , 1824, Musée des Beaux-Arts , Rouen, França
Joana d'Arc interrogada em sua cela de prisão pelo Cardeal de Winchester, por Hippolyte Delaroche, 1824, Musée des Beaux-Arts, Rouen, França


Se Joana estava dizendo a verdade, então os ingleses estavam errados aos olhos de Deus por continuar a guerra e o clero inglês estava errado ao apoiá-la. Joana teve que ser considerada culpada, mas a evidência de que Deus havia dirigido suas vitórias era irrefutável. Sem experiência em liderança ou assuntos militares, Joana provou ser uma estrategista excepcional, vencendo todos os compromissos em que participou. Os juízes sabiam que ela havia sido examinada quanto à ortodoxia e pureza e foi considerada uma boa cristã e virgem. Para condená-la, o tribunal teria que enganá-la para que confessasse que havia mentido sobre suas visões e que era culpada de heresia.


Joana foi mantida em uma prisão militar, algemada até mesmo em sua cela e abusada por seus guardas, e foi levada para ser questionada pelas mentes jurídicas mais sofisticadas de sua época. De acordo com as transcrições de seu julgamento, ela se defendeu habilmente, principalmente no momento em que os juízes tentaram enganá-la perguntando se ela acreditava estar em estado de graça. Como a igreja afirmava que não se podia saber se alguém estava em estado de graça, se Joana respondesse sim, ela seria uma herege e se respondesse não, estaria se confessando culpada por não estar na graça de Deus e, portanto, suas visões seria invalidado. Joana escapou da armadilha respondendo simplesmente:


“Se eu não estiver, que Deus me coloque lá e, se estiver, que Deus me mantenha lá”.

Ameaçada de morte pelo fogo, ela desmentiu sua afirmação de ter sido dirigida por Deus para libertar a França, mas suas visões retornaram a ela e a denunciaram por tentar salvar sua vida às custas da verdade. Joana retirou sua retratação e foi condenada à morte sob a lei eclesiástica como herege. Ela foi queimada na fogueira em Rouen, invocando o nome de Jesus durante toda a sua execução, em 30 de maio de 1431. Para garantir que ela estava morta, o tribunal ordenou que seu cadáver fosse queimado mais duas vezes e suas cinzas lançadas no rio Sena.



A morte de Joana d'Arc na fogueira , de Hermann Stilke (1843)
A morte de Joana d'Arc na fogueira , de Hermann Stilke (1843)

 

Fonte - Cantor, N. F. The Civilization of the Middle Ages. Harper Perennial, 1994.


Gies, F. & J. Women in the Middle Ages. Harper Perennial, 2016.


Harrison, K. Joan of Arc: A Life Transfigured. Doubleday, 2014.


Loyn, H. R. The Middle Ages: A Concise Encyclopedia. Thames & Hudson, 1991.


Pernoud, R. Joan of Arc: By Herself and Her Witnesses. Scarborough House, 1990.


Seward, D. The Hundred Years War. Penguin Books, 1999.


The Trial of Joan of Arc Transcript translated by W.P. Barrett


Joshua J. Mark, Joan of Arc (worldhistory.org/Joan_of_Arc/)

358 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page