top of page

O DIABO NA IDADE MÉDIA

Atualizado: 7 de mar.


Códex Jena - O diabo vendendo indulgências
Códex Jena - O diabo vendendo indulgências

O Diabo uma entidade nas religiões abraâmicas que seduz os humanos ao pecado ou à falsidade é visto no judaísmo como um agente subserviente a Deus, normalmente considerado uma metáfora para o yetzer hara, ou "inclinação ao mal".


No cristianismo e no islamismo, ele geralmente é visto como um anjo caído ou gênio (mágico) que se rebelou contra Deus, que, no entanto, lhe permite o poder temporário sobre o mundo caído e uma série de demônios. No Alcorão, Shaitan, também conhecido como Iblis, é uma entidade feita de fogo que foi expulsa do céu porque se recusou a se curvar diante do recém-criado Adão e incita os humanos ao pecado infectando suas mentes com waswās ("sugestões malignas").


Mas como o Diabo era visto na Idade Média? Ele desempenhou algum papel na teologia cristã? E foi realmente usado como figura de alívio cômico em peças?


Bom, vamos lá, na Idade Média, judeus, muçulmanos e cristãos reconheciam a existência do Diabo de alguma forma. O Diabo era comumente descrito como uma figura bestial representando o pecado, a tentação e a personificação do mal. Nos manuscritos medievais da Europa Ocidental, o Diabo era frequentemente atribuído a características de serpente, como chifres ou orelhas pontiagudas e uma cauda longa e fina. Essas características provavelmente têm suas raízes na história da queda do homem no livro de Gênesis e na tentação de Eva por uma serpente.


Quando o Diabo aparece no Novo Testamento, também é disfarçado de tentação. Após seu batismo, Cristo jejuou no deserto da Judéia por 40 dias e 40 noites, durante os quais foi tentado pelo diabo. Cristo conseguiu recusar cada tentação e o Diabo foi frustrado. Esta cena é frequentemente retratada em Saltérios ilustrados, como este manuscrito do século XIII. A cabeça com chifres do diabo, a cauda pontiaguda e os pés fendidos têm uma forte semelhança com as características que associamos aos demônios hoje.


Nos manuscritos medievais, o Diabo era frequentemente acompanhado por uma comitiva de demônios que compartilhavam uma aparência semelhante à de seu mestre. É possível ver demônios menores seguindo o Diabo na imagem abaixo, que está sendo afugentado por um monge. O Diabo e seus demônios representam o pecado e a tentação que os monges procuravam evitar. Esperemos que este método agressivo de resistência tenha sido um sucesso para o monge!


Página: dos Decretos de Smithfield, sul da França (Toulouse), c. 1300–1340, Real 10 E IV , f. 247r
Página: dos Decretos de Smithfield, sul da França (Toulouse), c. 1300–1340, Real 10 E IV , f. 247r

Detalhe de uma cena de baixo de página: dos Decretos de Smithfield, sul da França (Toulouse), c. 1300–1340, Real 10 E IV , f. 247r
Detalhe de uma cena de baixo de página: dos Decretos de Smithfield, sul da França (Toulouse), c. 1300–1340, Real 10 E IV , f. 247r

Embora esses demônios compartilhem a aparência de chifres e pés fendidos do Diabo na ilustração da tentação de Cristo, eles também têm diferenças marcantes. Esses demônios são claramente marrons em vez de vermelhos, e eles não têm as temíveis asas e cauda do diabo vermelho. A imagem abaixo mostra outro exemplo desse diabo levemente atrevido e alegre, que está dando ordens aos seus asseclas.


miniatura da Primeira Tentação de Cristo: de um Saltério, Inglaterra (Oxford), c. 1200–1225, Arundel MS 157 , f. 5v
miniatura da Primeira Tentação de Cristo: de um Saltério, Inglaterra (Oxford), c. 1200–1225, Arundel MS 157 , f. 5v

Na primeira parte da Divina Comédia de Dante, Dante e Vergílio chegam aos Portões do Inferno e são recebidos pelo Diabo. Nos manuscritos ilustrados do texto, esse Diabo é retratado de maneira mais séria do que os exemplos anteriores. As asas pontiagudas, chifres, cauda e cajado deram ao Diabo uma aparência extremamente maligna e profetizaram os horrores que aguardavam Dante e Virgílio enquanto eles desciam ainda mais no Inferno.



 Dante e Virgílio entrando nos Portões do Inferno (esquerda); o morno, picado por insetos, segurando uma bandeira e Dante e Virgílio (centro) endereçados por Caronte, retratado como um Diabo alado (acima à direita); almas subindo uma prancha e Dante deitado desmaiado, (à direita) do Canto 3 do Inferno:  Adicionar MS 19587 , f. 4r
Dante e Virgílio entrando nos Portões do Inferno (esquerda); o morno, picado por insetos, segurando uma bandeira e Dante e Virgílio (centro) endereçados por Caronte, retratado como um Diabo alado (acima à direita); almas subindo uma prancha e Dante deitado desmaiado, (à direita) do Canto 3 do Inferno: Adicionar MS 19587 , f. 4r

Então podemos nos questionar e chegar a uma conclusão, o diabo que conhecemos hoje, foi "desenhado e moldado" na idade média? Podemos dizer que sim! Um exemplo disso, e até para deixar mais claro, vem da representação do poeta Inglês John Milton, com sua obra de 1667 chamada Paraíso Perdido.


O poema épico conta duas histórias: uma da queda do homem e a outra da queda de um anjo. Outrora o mais belo de todos os anjos, Lúcifer se rebela contra Deus e se torna Satanás, o adversário, que é:


Hurld impetuoso flamejante do Céu Etéreo
Com ruína hedionda e combustão para baixo
Para a perdição sem fundo, lá para habitar
Em Correntes Adamantinas e Fogo penal...

Para desenvolver seu personagem, Milton baseou-se em uma ideia do diabo que vinha evoluindo ao longo da Idade Média e do início do Renascimento: o inimigo de Deus e do homem, o mestre das bruxas e o tentador dos pecadores. Esse personagem foi em grande parte fixado na consciência coletiva da cristandade, mas um ponto é importante ressaltar aqui, as origens do diabo são um quanto complexas, vindo de muitos lugares, NÃO APENAS DA BÍBLIA!.


A Bíblia cristã dedica apenas algumas passagens ao diabo e não descreve sua aparência. Em Gênesis, a serpente que tenta Eva está fortemente associada a Satanás, mas muitos teólogos pensam que a composição de Gênesis é anterior ao conceito do diabo. Passagens alusivas à queda de Lúcifer podem ser encontradas nos livros de Isaías e Ezequiel. O Satanás do Antigo Testamento não é o oponente de Deus, mas sim um adversário, conforme exemplificado por seu papel no Livro de Jó.


No Novo Testamento, Satanás se tornou uma força do mal. Ele tenta Jesus a abandonar sua missão: “Tudo isso te darei, se você se prostrar e me adorar” (Mateus 4:9). Ele é descrito como um caçador de almas: A Primeira Epístola de Pedro adverte: “Disciplinem-se, mantenham-se alertas. Como leão que ruge, o diabo, vosso adversário, anda em derredor, procurando alguém para devorar” (1 Pedro 5:8). Pelo livro do Apocalipse, Satanás se tornou uma besta apocalíptica, determinada a derrubar Deus e o céu.


Os dois diabos do Antigo e do Novo Testamento estão conectados pela primeira vez na Vulgata, uma tradução do século IV dC da Bíblia hebraica para o latim. Isaías 14 refere-se a um rei terreno como Lúcifer, que significa “portador da luz”, que cai do céu. Ecoando a imagem de Isaías, Jesus diz em Lucas 10:18: “Vi Satanás cair do céu como um relâmpago.” No alvorecer da Idade Média no século V, os autores começaram a aplicar o termo da Vulgata para o Lúcifer de Isaías ao líder anjo rebelde no Livro do Apocalipse, lançado no poço junto com seus servos malignos.


Deuses, os Antigos e os Novos


Como falamos inicialmente, na Idade Média, a aparência do diabo mudou drasticamente, pois cada monge tinha uma forma de representação. Um mosaico do século VI da Basílica de Sant'Apollinare Nuovo em Ravenna, Itália, mostra o Juízo Final, e a figura satânica aparece como um anjo azul etéreo. Essas imagens angelicais acabarão sendo descartadas em favor de uma aparência mais demoníaca.



O mosaico do século VI mostra Jesus Cristo, vestido de púrpura real, sentado no Juízo Final. Ele está separando as almas dos salvos (simbolizados pelas ovelhas) das almas dos condenados (os bodes). Atrás da ovelha está um anjo vermelho, e atrás dos condenados está um anjo azul.
O mosaico do século VI mostra Jesus Cristo, vestido de púrpura real, sentado no Juízo Final. Ele está separando as almas dos salvos (simbolizados pelas ovelhas) das almas dos condenados (os bodes). Atrás da ovelha está um anjo vermelho, e atrás dos condenados está um anjo azul.

Muitos dos traços animalescos do diabo podem ser rastreados até influências de religiões anteriores. Um dos primeiros foi encontrado em antigos textos babilônicos – demônios perversos chamados Lilitu. Esses demônios femininos alados voavam pela noite, seduzindo homens e atacando mulheres grávidas e bebês. Na tradição judaica, essa demônio evoluiu para Lilith, a primeira esposa de Adão. Lilith veio a encarnar luxúria, rebelião e impiedade, traços mais tarde ligados ao diabo cristão. Outra divindade antiga que se associou a Satanás foi Belzebu, que se traduz aproximadamente como “Senhor das Moscas”. Belzebu era uma divindade cananéia, nomeada no Antigo Testamento como um falso ídolo que os hebreus devem evitar.


As influências clássicas também desempenharam um papel no desenvolvimento do diabo cristão. À medida que o cristianismo se enraizou no mundo romano, os primeiros adoradores rejeitaram os deuses pagãos e acreditavam que eram espíritos malignos. Pan, meio bode e meio homem, era um deus luxurioso da natureza cujos apetites carnais o tornavam fácil de associar com o proibido. Seus chifres de bode e cascos fendidos tornaram-se sinônimo de pecado e mais tarde seriam adotados por artistas em suas horríveis imagens do diabo.

Reproduzida em imagens, desde os grandes artistas até o humilde artesão da aldeia, uma figura reptiliana e alada da condenação tornou-se a figura icônica do diabo. Artistas como Giotto e Fra Angelico frequentemente retratavam o diabo em pinturas do Juízo Final. Neles, um Satanás voraz está sentado no centro do inferno enquanto ele mastiga alegremente as almas dos pecadores.


A imagem do diabo foi refletida em uma das obras literárias mais influentes do mundo: O Inferno de Dante, publicado no início do século XIV como parte da Divina Comédia. Dante descreve as regiões mais profundas do inferno onde Satanás domina.


O diabo tem três faces e em cada boca ele estava mastigando com os dentes/Um pecador . . . / De modo que três deles atormentaram assim.” Satanás tem asas poderosas . . . / Não tinham penas, mas como de um morcego.”


Inferno, Canto 34: Lúcifer, rei do inferno, congelado no gelo, ilustração da "Divina Comédia" de Dante Alighieri, 1885
Inferno, Canto 34: Lúcifer, rei do inferno, congelado no gelo, ilustração da "Divina Comédia" de Dante Alighieri, 1885 - Gustave Doré

Diabo, um Mal que não Descansa


Teologicamente, a ideia do diabo mudou durante esse período também. Seu papel no início da Idade Média era muito parecido com seu papel no Antigo Testamento: ele era um adversário, mas não um inimigo ativo. Ao longo da Idade Média, Satanás evoluiu para uma força agressiva e maligna determinada a atormentar o maior número possível de almas humanas.


O daimon grego - um espírito ou divindade menor que se relacionava com humanos - informou um aspecto-chave desse novo demônio. A partir do século III d.C., uma filosofia mística conhecida como neoplatonismo incorporou a teurgia, invocando daimons para pedir favores. O neoplatonismo não era totalmente incompatível com o cristianismo, mas a comunicação com os espíritos era. Os rituais não podiam influenciar o Deus cristão a conceder desejos humanos; orações eram apenas evidência de piedade. Se os daimons estavam de fato cumprindo as ordens de uma pessoa, eles tinham que estar em aliança com Satanás, que “ajudou” os mortais a enganá-los e causar sua queda.


À medida que obras mais antigas foram traduzidas para o latim ao longo da Idade Média, um novo movimento, a Escolástica, tentou reconciliar os ensinamentos da igreja primitiva com os escritos pagãos sobre ciência, filosofia e até necromancia, a arte de conjurar espíritos e demônios. Necromantes estavam cortejando a condenação através da exposição a demônios. Em 1326, o Papa João XXII emitiu uma bula, Super illius specula, que afirmava que qualquer pessoa considerada culpada de se envolver em necromancia poderia ser condenada por heresia e queimada na fogueira.


Durante o século XIV, a Europa enfrentou um período sombrio marcado pela Peste Negra, fome e guerra. O medo do diabo e sua influência aumentaram, como evidenciado por uma explosão de caça às bruxas. Ao contrário dos necromantes, a igreja acreditava que o diabo procurava mulheres como parceiras; as bruxas assinariam pactos e se envolveriam no mal em seu nome. As pessoas não eram mais vistas como meramente enganadas por Satanás, mas em conluio ativo com ele contra Deus. A essa altura da história europeia, o diabo não estava mais sentado passivamente. Assumindo um papel ativo, Satanás está presente no mundo, roubando almas e recrutando pessoas para cumprir suas ordens.

 

Fonte - Alain Boureau, Satã Herético: o Nascimento da Demonologia na Europa Medieval (1280 - 1330)



Bamberger, Bernard, Jacob (2006). Fallen Angels: Soldiers of Satan's Realm


Jeffrey Burton Russell, The Devil: Perceptions of Evil from Antiquity to Primitive Christianity


Russell, Jeffrey Burton, The Prince of Darkness: Radical Evil and the Power of Good in History

371 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page