top of page

O MASSACRE DO DIA DE SÃO BRICE


Gunhilde (irmã do rei Sweyn da Dinamarca) e seu filho são brutalmente assassinados pelos saxões
Gunhilde (irmã do rei Sweyn da Dinamarca) e seu filho são brutalmente assassinados pelos saxões - Artista desconhecido (agefotostock.com)

A série Vikings: Valhalla, recém lançada no Brasil no dia 25/02/2022 na plataforma de streaming Netflix, se inicia com o massacre do dia de São Brice, dentre tantos eventos ocorridos na idade média, esse é mais um de muitos, (podemos dizer assim), pouco conhecido. O massacre do dia de São Brice foi o assassinato de dinamarqueses em 13 de novembro de 1002, ordenado pelo rei Æthelred, o despreparado da Inglaterra, em resposta aos frequentes ataques dinamarqueses.


Antecedentes


O momento de coroação de um reinado que rendeu ao rei Aethelred o apelido de Aethelred, o Despreparado (ou mal aconselhado), ocorreu em 13 de novembro de 1002 e resultou em violência generalizada, revolta e invasão. Embora possa ser debatido até que ponto merece o título de 'massacre', é indubitável que o impacto do massacre do Dia de São Brice foi significativo.


O Massacre


Repetidos ataques vikings devastaram as terras da Inglaterra desde o primeiro ataque em 792. O ataque ao mosteiro de Lindisfarne, um dos lugares mais sagrados da Inglaterra, marcou os vikings como guerreiros que não temiam ninguém, nem mesmo a ira de Deus. Para a Inglaterra cristã, eles pareciam temíveis e alguns acreditavam que foram enviados como um castigo de Deus. Suas intenções mais terrenas logo se tornaram aparentes quando eles despojaram cidades do norte de ouro e objetos preciosos, e começou a tomar terras e se estabelecer. Quando o Grande Exército Pagão conquistou o norte e o leste da Inglaterra na década de 870, muitos na Inglaterra desprezavam seus conquistadores e temiam seu poder, não mais impressionados com as origens divinas percebidas.


O Danelaw foi estabelecido no norte e leste da Inglaterra quando os vikings assumiram o controle e destruíram a heptarquia anglo-saxônica estabelecida. Northumbria, Ânglia Oriental, Essex e grandes áreas da Mércia caíram para o ataque viking, deixando Wessexe suas dependências sendo o último bastião da Inglaterra anglo-saxônica. O Danelaw era habitado principalmente por colonos dinamarqueses e escandinavos. Era governado por suas leis e tradições, embora não impusessem nenhuma mudança de religião aos cristãos ingleses.


O estabelecimento do Danelaw e a morte de Erico I, ou Erico, Machado Sangrento, rei viking da Nortúmbria, em 954, sinalizaram a retirada das forças vikings e a cessação da violência por 25 anos. No entanto, em 980, os invasores retornaram e começaram um novo ataque às cidades portuárias.


O Danegeld – o dinheiro necessário para subornar os invasores vikings – estava se tornando cada vez mais oneroso para o rei Aethelred. Os invasores vikings eram difíceis de lidar. À medida que a influência viking se espalhou pela Europa, eles também se estabeleceram na Europa continental. A Normandia no norte da França foi estabelecida em 918 e o povo viking de lá ficou conhecido como normando. Eles deram apoio a seus companheiros nórdicos e permitiram que os invasores vikings reabastecessem seus navios e descansassem entre os ataques ingleses.


Aethelred tentou lidar politicamente com a crescente crise e arranjou um casamento comEma da Normandia, uma jovem nobre normanda. Ela ajudou a unir dinamarqueses e anglo-saxões e teve um impacto duradouro na história inglesa, mas o casamento deles não teve o impacto imediato que Aethelred esperava. Em sua pressa por uma solução para o problema, ele decidiu usar um próximo dia santo para afirmar sua autoridade.


O dia de São Brice foi marcado como a data para um massacre de todos os dinamarqueses que vivem em território inglês. A evidência histórica é incompleta em torno do número exato de mortos. O Danelaw não estaria envolvido, no entanto, as evidências sugerem que assentamentos fronteiriços em cidades como Oxford foram locais de massacres.


Em 2008, no St John's College, em Oxford, um local de sepultamento foi descoberto com os corpos de mais de 35 guerreiros vikings. Os esqueletos mostraram evidências de morte violenta; muitos dos ataques pareciam ter vindo de trás, demonstrando uma ligação com a ideia de um massacre.


A ordem que veio de Aethelred foi em resposta a uma ameaça direta à sua pessoa. Foi-lhe dito que os dinamarqueses na Inglaterra "tomaria sua vida sem fé, e depois todos os seus conselheiros e então possuiriam seu reino". Seu chamado às armas não teria caído em ouvidos surdos. Anos de ataques vikings e as dificuldades econômicas resultantes em algumas áreas da Inglaterra anglo-saxônica deixaram muitos com contas a acertar.


Embora não possamos ter certeza de quantos dinamarqueses morreram no massacre dia de São Brice, é claro que Gunhilde, a irmã do rei dinamarquêsSweyn Forkbeardpereceu no ataque. Ela era casada com um dinamarquês, Pallig Tokesen, que havia sido criado Conde de Devon por Aethelred.


A morte de Gunhilde marcou uma mudança no ataque viking. Em vez de invasores relâmpagos que apareciam e desapareciam, Sweyn agora montava ataques contínuos que duravam mais de uma década. Em 1013 Aethelred, Emma da Normandia e os filhos de Aethelred foram forçados ao exílio.


Embora não significativo nos livros de história, o massacre do dia de São Brice foi uma consequência de repetidos ataques à Inglaterra e uma tentativa anglo-saxônica de afirmar sua autoridade dentro de seu próprio país. No entanto, o impacto foi longe do que se pretendia, com a perda da coroa anglo-saxã para primeiro Sweyn Forkbeard e depois Cnut. No entanto, maquinações políticas levaram ao casamento de Cnut, filho de Sweyn, com a viúva de Aethelred. Desta forma, os anglo-saxões foram pacificados e seriam liderados por um dos seus novamente com o reinado de Eduardo, o Confessor, filho de Aethelred e Emma da Normandia, em 1043.

 

Fonte - Ferguson, Robert (2009). "16". The Vikings, a History


Cavendish, Richard (November 2002). "The St Brice's Day Massacre"



637 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page