top of page

O QUE A GUERRA MEDIEVAL PODE NOS ENSINAR SOBRE A INVASÃO NA UCRÂNIA?


Pskov Veche , por Apollinary Vasnetsov, 1908 / Galeria Tretryakov, Wikimedia Commons
Pskov Veche , por Apollinary Vasnetsov, 1908 / Galeria Tretryakov, Wikimedia Commons

Campanhas militares que ocorreram na Ucrânia e na Rússia durante a Idade Média oferecem insights sobre como os fatores ambientais podem desempenhar um papel decisivo na atual guerra pela Ucrânia.


Não menos autoridade que Vizzini, brilhantemente interpretado por Wallace Shawn em A Princesa Prometida , nos lembrou que o erro clássico mais famoso foi entrar em uma guerra terrestre na Ásia, mas parafraseando sua conclusão, apenas um pouco menos famoso é nunca ir à guerra na primavera na Europa Oriental. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, parece ter esquecido esse fato e seu exército agora está pagando o preço.


A primavera, uma época de folhas aparecendo nas árvores e o início de um novo crescimento, também é uma época de lama. O solo congelado do inverno está derretendo, a chuva é comum, ou a neve está derretendo em chuva, os rios estão correndo mais alto. Vemos os efeitos disso na vasta coluna de veículos russos apoiados ao norte de Kiev. Autoridades do Departamento de Defesa americano apontaram que o comboio russo está confinado às estradas sinuosas porque, se as deixarem, ficarão atoladas na lama.


A história medieval da Rus pode nos contar sobre o precedente de viajar e fazer guerra em outras épocas do ano. A Europa Oriental é conhecida por seus sistemas fluviais que a conectam ao mundo em geral. A história inicial do reino de Rus começa com comerciantes escandinavos, conhecidos na Europa Oriental como varangianos, viajando por esses sistemas fluviais em busca de escravos, peles, âmbar e prata. A prata, em particular, era crucial e também era transmitida pelos sistemas fluviais. Sua origem foi no califado abássida e viajou para o norte até os khazares perto da foz do rio Volga e rio acima até os búlgaros do Volga que os abássidas ajudaram a converter ao islamismo e sobre os quais aprendemos muito com a história de Ibn Fadlan. Esses rios forneciam a capacidade de barcos e, portanto, pessoas e mercadorias, se deslocarem amplamente pela região, através de sua largura e dos muitos portos, pontos de transporte, entre os rios.


O que é menos conhecido é que no inverno os rios eram igualmente úteis. Uma vez que eles foram congelados, e muitos dos rios congelaram no inverno, eles se tornaram rotas de transporte novamente, permitindo que as viagens no gelo prosseguissem da mesma maneira, embora a cavalo, a pé ou trenó, em vez de barco, como faziam. durante os meses mais quentes do ano.


Em termos de exemplos práticos dos problemas de fazer guerra na Europa Oriental em momentos específicos, talvez possamos começar com o mal documentado início do século XI, quando Volodimir Sviatoslavich, o cristianizador da Rus, se preparou para marchar de Kiev (Kyiv) a Novgorod para atacar seu próprio filho, Iaroslav por reter tributo. O Povest' vremennykh let, nossa principal fonte russa para este período, registra que Volodimer "exclamou: 'Reparar estradas e construir pontes'". Ele sabia que antes que qualquer campanha pudesse ser concluída, a infraestrutura tinha que ser segura. Escondido da vista da maioria está também uma batalha de 1016 que ocorreu em um lago congelado, registrada em uma variante do vremennykh de Povest., mas não outros. O lago, obviamente inacessível a pé no verão, forneceria uma área aberta para exércitos de tamanho medieval (várias centenas cada) se encontrarem e lutarem.


Voltando ao século XIII mais bem documentado, vemos múltiplas invasões da Rus onde os invasores também entenderam que era melhor viajar nas estações em que o solo era duro, seja no inverno quando estava congelado, ou no verão quando estava seco. Para este último, um bom exemplo é a Batalha no Neva entre os cruzados suecos que atacaram a Rus como cismáticos e o governante novgorodiano Alexander Iaroslavich defendendo. A batalha ocorreu em julho de 1240, e foi a que fez o nome de Alexandre – Nevsky. Donald Ostrowski também questionou se a batalha mais famosa de Alexander Nevsky, dois anos depois; a “Batalha no Gelo” contra os Irmãos Espadas da Livônia realmente ocorreu no gelo.


A guerra de inverno é muito mais comumente discutida neste momento, e os mongóis estavam bem cientes de suas vantagens na Europa Oriental. Um dos ataques iniciais ao território russo veio em Riazan, uma batalha que ocorreu em dezembro de 1237. Os mongóis sitiaram a cidade e conseguiram eventualmente invadir e matar todos, pelo menos de acordo com o Conto da Destruição de Riazan . O outro exemplo-chave em relação aos mongóis é a conquista de Kiev, que ocorreu em 6 de dezembro de 1240. A data é importante, pois é o dia de São Nicolau, um dos santos padroeiros da Rus.


Em ambos os casos, os mongóis preferiram se mudar no inverno. Os rios congelados agiam como estradas para eles moverem suas forças de cavalaria pelo território russo com facilidade. A tática clássica mongol, adaptada de centenas de anos de guerra nas estepes, era atacar rapidamente e recuar rapidamente, em particular eles gostavam de fintar um ataque e atrair os defensores para uma linha de perseguição que poderia então ser atacada à vontade ao longo do agora a frente estendida. Essas táticas seriam quase impossíveis com lama espessa, tornando mais difícil mover-se rapidamente, galopar, atacar ou recuar. Assim, suas atividades no inverno e no alto verão.


A preferência por batalhas de inverno não é apenas um fenômeno medieval. O autor sueco do século XVI, Olaus Magnus, incluiu inúmeras referências a suecos e moscovitas lutando no gelo, como “[o] gelo é firme o suficiente para suportar esquadrões de cavalaria ou infantaria, dispostos em ordem aberta ou fechada” e “extremamente disputas amargas têm sido travadas muitas vezes entre os rutenos (também conhecidos como russos ou moscovitas) e os suecos ou finlandeses... Com certeza, Olaus Magnus também nos diz que, “como a estação se aproxima do início de abril, ninguém confia na espessura, muito menos na força, do gelo, a menos que caminhe sobre ele ao amanhecer; o gelo torna-se tão quebradiço durante o dia sob o olho do sol que, onde pouco tempo antes suportava cavaleiros blindados, agora mal pode suportar um homem desarmado.”


Olaus Magnus estava escrevendo durante a Pequena Idade do Gelo, quando o mundo esfriou significativamente. Esse período terminou em meados do século XIX e o mundo só ficou mais quente desde então, especialmente nos séculos XX e XXI. Assim, embora março não seja abril, pode ser bem comparável dado o diferencial de temperatura entre o tempo dele e o nosso.


Dado que Vladimir Putin usou a história para tentar definir e justificar sua guerra na Ucrânia, ele ainda conseguiu ser vítima de mais um dos erros clássicos, aqueles que não aprendem história estão condenados a repeti-la. Parece que ele tem.

 

Fonte - Olaus Magnus, Historia de gentibus septentrionalibus: Romae 1555 = Description of the Northern Peoples: Rome 1555, 3 vols., translated by Peter Fisher and Humphrey Higgens, edited by Peter Foote (London: Hakluyt Society, 1996–1998), 3 volumes.


Donald Ostrowski, “Alexsander Nevskii’s “Battle on the Ice:” The Creation of a Legend,” in Festschrift in Honor of Norman W. Ingham in Russian History/Histoire Russe 33:2–4 (2006).


Christian Raffensperger, What medieval warfare can teach us about the invasion of Ukraine




126 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page