top of page

O QUE FOI A REVOLTA DE NICA?



A Revolta de Nica, foi um evento crucial que ocorreu na cidade de Constantinopla em 532 d.C, durante o reinado do imperador romano Justiniano I. Os motins começaram devido às crescentes tensões políticas e sociais na capital entre as duas principais facções circenses – os Azuis e os Verdes. No entanto, o manuseio incorreto e a minimização do problema por Justiniano levaram a uma rebelião total. Por cinco dias, Constantinopla mergulhou no caos, enquanto o grande incêndio devastava a cidade. Somente após a intervenção da imperatriz Teodora, Justiniano decidiu agir, enviando o exército ao Hipódromo. O resultado foi um massacre sem precedentes na história romana. Enquanto as baixas civis foram enormes, Justiniano explorou os motins de Nica para eliminar seus rivais, solidificar seu governo e esmagar o poder das facções do circo de uma vez por todas.


A Revolta de Nica começou no Hipódromo de Constantinopla


A Revolta de Nica começou no Hipódromo de Constantinopla, capital do Império Romano (também conhecido como Império Bizantino ). Após a execução malsucedida de dois membros da facção circense, presos por assassinato, tanto os Azuis quanto os Verdes apelaram ao imperador Justiniano por misericórdia. Justiniano comutou a sentença em prisão, mas não perdoou o acusado. O imperador tinha assuntos mais urgentes, negociando termos de paz com o inimigo de Roma - a Pérsia Sassânida. Ele também estava se preparando para o grande evento – as corridas de bigas no Hipódromo. No dia seguinte – 13 de janeiro de 532 d.C – o povo se reuniu no Hipódromo e apelou ao imperador mais uma vez, sem sucesso.


Um Cântico infame iniciou a Revolta


A recusa de Justiniano em concordar com as exigências da facção circense levou a um momento sem precedentes na história do Império Romano. As duas facções – os Azuis e os Verdes – que se confrontavam constantemente fizeram uma aliança, e o povo começou a entoar em uníssono “Nica” (“vitória” ou “conquista” em grego). O canto, tantas vezes ouvido no Hipódromo em apoio aos cocheiros, agora era dirigido contra o imperador. Diante de uma multidão enfurecida, Justiniano e sua comitiva retiraram-se do kathisma (a caixa imperial) atrás das paredes do Grande Palácio. A fuga do imperador encorajou a turba, que logo tomou as ruas de Constantinopla.


O Motim de Nica devastou a Capital Imperial


A multidão enfurecida primeiro atacou o pretório - onde ficava a prisão - libertando os prisioneiros e queimando o prédio até o chão. No dia seguinte, 14 de janeiro, Justiniano voltou ao Hipódromo em uma última tentativa de fazer as pazes com os manifestantes. O imperador até aceitou as novas demandas e demitiu os impopulares altos funcionários - o prefeito João da Capadócia e o questor Triboniano. Mas, aparentemente, isso não foi suficiente, pois a Revolta de Nica continuou. Sitiado no Grande Palácio, o Imperador Justiniano foi impotente para impedir a revolta enquanto a multidão enlouquecia, causando destruição generalizada. O grande incêndio devastou a capital, destruindo alguns de seus edifícios mais majestosos, incluindo o Senado e a igreja de Hagia Sophia, construída pelo imperador Teodósio.


A Revolta se Transformou em Rebelião


Apesar de ser imperador, Justiniano enfrentou forte oposição da nobreza, inclusive do Senado de Constantinopla. Seu tio Justino não foi a primeira escolha de um imperador para a elite aristocrática, que preferiu uma escolha não militar. Tanto Justin quanto seu herdeiro Justiniano eram homens de origem inferior que alcançaram altas patentes nas forças armadas. Não ajudou Justiniano a mudar a lei para se casar com a atriz de origem humilde Teodora, que logo se tornou uma das pessoas mais poderosas do Império, perdendo apenas para o marido. Além disso, para financiar sua campanha militar, Justiniano mirou nos ricos com sua nova política tributária.

Assim, uma vez que os motins de Nica eclodiram, os membros da aristocracia exploraram o caos para depor o arrivista imperador e sua esposa. A escolha deles foi Hypatius, sobrinho do ex-imperador Anastácio. Hypatius estava relutante em receber o diadema, mas finalmente aceitou a honra. Sem surpresa, uma vez que a Revolta de Nica terminou, ele pagou por isso com a cabeça.


A Imperatriz Teodora salvou o Trono de Justiniano


Incapaz de impedir a Revolta de Nica, que já havia se tornado uma rebelião de pleno direito, Justiniano planejou fugir da capital. Segundo o historiador Procópio, naquele momento, a imperatriz Teodora salvou a situação, castigando o marido e proferindo palavras memoráveis ​​de que “a púrpura real é uma bela mortalha funerária”. No entanto, o “plano de fuga” também pode ser a tentativa do imperador de se distanciar da carnificina que se aproxima. A essa altura, a guarnição da Trácia havia chegado a Constantinopla e esperava o comando para atacar.


O Motim de Nica terminou em Massacre


A fala de Teodora animou o imperador, que decidiu ficar na capital. Em 18 de janeiro, Justiniano colocou o general Belisário e Mundus no comando das tropas e os despachou para o Hipódromo para lidar com os desordeiros. A grande pista de corridas de bigas, onde a Revolta de Nica começou, também foi onde a rebelião chegou ao seu fim violento. Depois que os soldados selaram todas as saídas, prendendo a multidão, ocorreu uma matança indiscriminada. No final do dia, cerca de 30.000 pessoas jaziam mortas. Justiniano então lidou com os líderes, incluindo seu desafiante Hypatius, que foi morto à espada.


Após o fracasso da Revolta de Nica, o poder das facções circenses foi esmagado para sempre. Os Verdes e Azuis mantiveram apenas a função cerimonial. Com a posição assegurada, Justiniano dirigia agora as suas atenções para a reconstrução da capital e para a realização do seu sonho – a Reconquista do Ocidente Romano.

 

Fonte - James Grout: The Nika Riot


Samuel Vancea: Justinian and the Nike Riots


JB Bury, The Nika Revolt

279 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page