top of page

PRISÕES NA IDADE MÉDIA



Nesse texto não vamos detalhar aspectos ou características judiciais que levavam o indivíduo ao cárcere na idade média, mas sim como organizado as prisões na área urbana, especificamente na Inglaterra. Bom antes de tudo, as prisões eram características onipresentes da paisagem urbana no período medieval. No final da vida de Shakespeare, Londres tinha 18 prisões em uma área de cerca de um 1km², das quais apenas 3 haviam sido estabelecidas desde a ascensão de Henrique VII em 1485 - o evento que geralmente é considerado o fim da período medieval na Inglaterra.


Prisões na Inglaterra


Caminhando por toda a extensão de Londres, da mais antiga e proeminente das prisões, a Torre, via Eastcheap até Fleet Street e Strand, era possível passar por todas as prisões em menos de meia hora.



Eastcheap até Fleet Street e Strand
Eastcheap até Fleet Street e Strand

Ou alguém poderia entrar em um barco com o contemporâneo mais jovem de Shakespeare, um membro da classe trabalhadora da guilda dos barqueiros, John Taylor, que se autodenominava "O Poeta da Água". Taylor remava ao longo do Tâmisa e os apontava, assim como faz em seu poema 'O elogio e a virtude de um Jayle and Jaylers'.


Das três prisões estabelecidas desde o final do período medieval na Inglaterra, a Wood Street Compter, que Taylor data de 1555, leva o nome, compter ou counter, de um local de 'conta' onde os malfeitores são detidos por pequenas infrações, como dívida ou embriaguez. Outra é tão nova que não tinha nome quando Taylor publicou seu poema por volta de 1630, e mais tarde passou a ser chamada apenas de Nova Prisão. A terceira, Bridewell, a prisão que deu nome a um novo tipo de prisão para vagabundos e pequenos criminosos, teria sido construída pelo rei Henrique VIII como uma residência real e que seu filho, Eduardo VI, “entregou para ser um Hoſpitall... mas ainda para Vagabundos e Runnagates, Para Prostitutas, e knaues ociosos, e semelhantes companheiros."


Prisões Famosas


As 15 prisões restantes listadas e precisamente historicizadas por Taylor variam em idade desde tempos imemoriais - a Torre, Ludgate e o Clink - até aquelas associadas aos reinados de reis medievais específicos e usadas para propósitos específicos.


A Marshalsea, uma notória prisão para devedores, era um lugar onde bandidos bem curados ou criminosos de colarinho branco fixavam residência como se fosse um hotel, em vez de suportar os desconfortos do exílio.


Outra famigerada prisão medieval, a Frota, organizava-se de forma semelhante: de um lado era para criminosos comuns e devedores enquanto, do outro, “para alojamento e para o bowling, há grande espaço”, porque os homens ali pagavam rendas para melhores alojamentos e até tiveram "a liberdade da Frota", o que significa que podiam passear pelo bairro até o toque de recolher estabelecido. Eles podiam até entreter convidados e organizar visitas conjugais.


Conto de Giovanni da Nono


Esta instituição pública é de fato central para o gênero de representações textuais e pictóricas conhecidas como laudes civitatum, 'elogios da cidade'.


Em seus escritos, o notário paduano do século XIV, Giovanni da Nono, imagina um anjo levando o lendário fundador da cidade em um passeio pela futura paisagem urbana - ou seja, a Pádua de seu próprio tempo, com suas paredes fortes, belos edifícios e mercados movimentados. O anjo indica também “um lugar terrível e fétido, chamado Basta, onde serão colocados os homens que devem dinheiro a outros, e quase todos os criminosos”. Em contraste com esta prisão mais antiga, cujo apelido, basta, sugere que seus internos já tiveram o suficiente de sua hospitalidade, o anjo gesticula em direção a um complexo prisional reformado que seria mais judicioso e racional no tratamento dos malfeitores: “Será chamado de Nova Prisão, e será muito forte.”


Da Nono writes:


Este palácio será dividido em três partes. O primeiro conterá homens que devem dinheiro a terceiros ou à comuna de Pádua por multas ou impostos. E esta parte pode ser comparada ao Limbo. No segundo estarão aqueles que cometeram crimes, e isso pode ser equiparado ao Purgatório. No terceiro serão colocados os homicidas, ladrões, saqueadores e outros criminosos, depois que seus delitos forem levados ao conhecimento do Podestà [magistrado da cidade]. E esta terceira parte escura, onde nenhuma luz jamais penetrará, você pode realmente comparar com o Inferno.

Prisões Antigas x Novas


Embora isso dificilmente pareça ser um tipo de instituição mais humana, de nossa perspectiva, uma das principais características das prisões medievais é o fato de serem componentes centrais da paisagem urbana; como tal, eles estavam abertos ao escrutínio público e não criavam a impressão de que os presos haviam deixado de fazer parte da comunidade. Para o bem e para o mal, eles permaneceram como propagandas ou condenações da governança da cidade.


Este é talvez o aspecto mais surpreendente das prisões medievais – a sua integração íntima na vida das comunidades que as dotaram. É também o aspecto que mais obviamente distancia a prisão medieval de sua descendência moderna. Não há como negar que o encarceramento costuma ser um castigo terrível, piorado para aqueles que são vítimas de outras desigualdades estruturais em qualquer sociedade.

 
155 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Yorumlar


bottom of page