top of page

QUAL FOI O PAPEL DO PAPA NAS CRUZADAS?

Atualizado: 26 de jan.




As Cruzadas foram um conjunto de campanhas militares de inspiração religiosa iniciadas pela Igreja Católica, que na maioria das vezes tentava recuperar ou proteger a cidade sagrada de Jerusalém. No entanto, noutras alturas, as cruzadas foram usadas para expurgar áreas da Europa dos chamados hereges. Dependendo da sua opinião, houve oito ou nove grandes cruzadas no mundo medieval. Destes, o Papa Inocêncio III esteve diretamente envolvido em pelo menos três deles, e as suas ações como papa durante estas campanhas teriam um grande impacto no curso de futuras cruzadas.


Vida Pregressa


Lotario dei Conti di Segni nasceu em 1160 ou 1161 em Gavignano, um estado papal onde hoje é a Itália moderna. Ele era filho do conde de Segni e de uma nobre, o que significa que recebeu uma educação de qualidade desde o nascimento. Educado principalmente em Roma e Paris, Lotário estudou teologia e mais tarde direito. Em vez de seguir carreira na advocacia, porém, Lotário tornou-se clérigo. Ele viajou, escrevendo tratados conhecidos e proferindo sermões populares. Ele trabalhou com o Papa Gregório VIII e o Papa Clemente III como subdiácono do primeiro e cardeal do segundo. Ele continuou seu trabalho para o papado até a morte do Papa Celestino III, quando foi oficialmente eleito para o papado. Assim que foi coroado em fevereiro de 1198, assumiu o nome de Inocêncio III.


Aos 37 anos, Inocêncio era bastante jovem e inexperiente em comparação com os papas anteriores, tornando a sua rápida eleição bastante incomum. Para referência, o seu antecessor, o Papa Clemente III (1130-1191), tinha 57 anos na altura da sua eleição. No entanto, os colegas de Inocêncio devem ter tido fé nas suas capacidades para liderar a igreja, e Inocêncio certamente estava à altura do desafio. A sua ideologia de que o papa está acima do homem, mas abaixo de Deus, levaria Inocêncio a envolver-se diretamente em assuntos seculares em toda a Europa, diferenciando-o dos papas anteriores. Além disso, Inocêncio estava envergonhado pelo fracasso da Terceira Cruzada em recapturar Jerusalém da dinastia Aiúbida no Egito, por isso começou imediatamente os preparativos para a Quarta Cruzada (1202-1204) nos primeiros meses do seu papado.


A Quarta Cruzada


O Papa Inocêncio III emitiu uma bula papal em 15 de agosto de 1198, apenas meio ano após a sua eleição, apelando a todos os cristãos em toda a Europa à ação. As cruzadas anteriores também foram compostas por voluntários de reinos leais à Igreja Católica, e as tropas foram lideradas por nobres e membros da realeza (por exemplo, Ricardo I da Inglaterra e Filipe II da França participaram da Terceira Cruzada). No entanto, devido a uma guerra iminente entre a Inglaterra e a França, Inocêncio se viu sem participantes para sua próxima cruzada.


Para incentivar as pessoas a aderirem à campanha, Inocêncio III foi o primeiro papa a codificar os benefícios (ou indulgências) que os cruzados receberiam, embora os papas anteriores também os tivessem feito uso. Esses benefícios incluíam perdão de pecados, perdão de dívidas, proteção de propriedade e possivelmente salvação eterna (para atos particularmente valorosos). O medo da condenação era generalizado no mundo cristão medieval, e a Igreja Católica tinha controlo sobre a vida após a morte dos seus seguidores (pelo menos nas suas mentes). Ao prometer esses benefícios materiais e religiosos, Inocêncio certamente teria atraído muitos para sua causa.

Após quatro anos de planejamento, que incluiu a escolha de uma cidade-estado para fornecer os navios para a campanha, a localização dos líderes e a decisão da rota, a Quarta Cruzada começou em 1202. Veneza forneceu a frota sob o comando do Doge Dandolo, tornando-os um ator importante na campanha. Além disso, a frota foi construída antes que os membros individuais da cruzada pagassem pela sua passagem, resultando em mais navios do que homens e numa grande dívida em nome dos cruzados não venezianos. Grande parte da cruzada foi ditada por esta dívida, e as ações tomadas pelos cruzados foram muitas vezes contra a vontade de Inocêncio.


Em vez de irem para o Egipto, derrotarem as forças do sultão e recapturarem Jerusalém (plano criado pelos líderes da cruzada), os cruzados primeiro capturaram a cidade cristã de Zara e colocaram-na novamente sob controlo veneziano em Novembro de 1202, auxiliados numa golpe em Constantinopla em julho de 1203 e, eventualmente, capturou a cidade em abril de 1204.

Qual foi o papel de Inocêncio III nesta cruzada? Tal como as três cruzadas anteriores, a Quarta Cruzada foi convocada por um papa, mas ao contrário das três cruzadas anteriores, Inocêncio assumiu um papel mais importante no planeamento da campanha. Isto pode ser devido à falta de um líder definido no início da Quarta Cruzada.

Eventualmente, Bonifácio de Montferrat foi recrutado para liderar os soldados, mas não houve reis ou eremitas para liderar a causa. Inocêncio realmente moldou o que significava ser um cruzado no mundo medieval, fornecendo benefícios papais oficiais aos soldados sagrados, e assumiu uma postura mais ativa na Quarta Cruzada devido à sua ideologia única como Papa.


Uma grande coleção de cartas de Inocêncio foi preservada detalhando suas comunicações com os cruzados entre 1202 e 1205. Elas destacam suas tentativas de controlar uma campanha que estava em grande parte fora de seu controle. Embora a conquista de Constantinopla tenha agradado a Inocêncio no final, o cerco a Zara (1202) e o golpe inicial em Constantinopla (1203) irritaram o papa e azedaram a sua relação com os cruzados. Depois de Zara, os venezianos foram culpados e excomungados (essencialmente, a sua bênção papal foi removida e eles já não podiam participar nos serviços religiosos), e esta excomunhão continuou até depois da conquista de Constantinopla (1204).


Com base no objetivo original de Inocêncio de recuperar Jerusalém, a Quarta Cruzada foi tecnicamente um fracasso. No entanto, a conquista de Constantinopla e a sua separação da Igreja Ortodoxa Grega foi vista como uma vitória na sua mente.


A Cruzada Albigense


A Cruzada Albigense (1209-1229) foi a primeira cruzada medieval que permaneceu na Europa e teve como alvo os povos dessas regiões. Inocêncio III, além de desejar recuperar Jerusalém, estava preocupado com a propagação da “heresia” nas terras leais à Igreja Católica. Talvez ele tenha sido apoiado pela recente conquista de Constantinopla ou encorajado pelo rei francês. De qualquer forma, Inocêncio declarou uma cruzada contra os cátaros, uma minoria religiosa no que hoje é o sul da França.

Ao contrário das cruzadas anteriores, os cruzados podiam obter os mesmos benefícios religiosos e monetários sem viajar para longe de casa ou servir por muito tempo. Além disso, a tensão entre o rei francês, os nobres do (hoje é) norte da França e os cátaros levou a um grande número de participantes franceses.


O papel de Inocêncio nesta cruzada foi talvez ainda maior do que na Quarta Cruzada. Afinal de contas, os papas anteriores convocaram campanhas para Jerusalém, mas nenhum outro papa usou uma cruzada como meio de erradicar os hereges dentro da Europa. A Cruzada Albigense é onde as ideologias de Inocêncio como papa realmente começam a brilhar. Ele trabalhou para acabar com o cisma entre a Igreja Ortodoxa Grega e a Igreja Católica Romana na Quarta Cruzada, e recuperar Jerusalém ainda era uma prioridade, mas acima de tudo, ele queria erradicar totalmente a heresia. Este movimento sem precedentes na história do papado inspiraria grandemente as ações dos futuros papas e confundiria a definição do que é uma cruzada.

A Cruzada Albigense em si foi muito mais longa do que as cruzadas anteriores, em parte porque não envolvia combates consistentes, e os Cruzados muitas vezes eram livres para partir após servirem por um curto período de tempo. Esta cruzada não terminou oficialmente até 1229, mais de dez anos após a morte de Inocêncio em 1216. Embora o catarismo não tenha sido totalmente eliminado por esta cruzada, o número de cátaros no sul da França diminuiu muito, levando-os a desaparecer quase totalmente no século XIV. Muitos estudiosos agora veem a Cruzada Albigense como um exemplo de genocídio no mundo medieval.

Preparativos para a Quinta Cruzada


Poucos anos depois de iniciar a Cruzada Albigense, Inocêncio iniciou seus preparativos para a Quinta Cruzada entre 1213 e 1215. Apesar do estabelecimento de um Império Latino em Constantinopla e da unificação das Igrejas Ortodoxa Grega e Católica Romana, a Quarta Cruzada ainda falhou em seu objetivo principal de recapturar Jerusalém. Para corrigir esse fracasso, Inocêncio planejou outra campanha para Jerusalém, mas desta vez estava determinado a manter o controle.

Para fazer isso, ele aumentou o envolvimento da Igreja Católica no recrutamento de soldados e na divulgação da futura Quinta Cruzada em toda a Europa, incentivando as pessoas a participar na próxima campanha ou a ajudar no esforço de guerra através de doações e orações. O próprio Inocêncio não deixou a sede do papado para fazer isso, mas enviou pregadores e legados qualificados para falar por ele. Embora os preparativos tenham começado em 1213, a Quinta Cruzada só começou oficialmente em 1217, um ano após a morte de Inocêncio. Inocêncio supervisionou a maior parte da preparação, mas seu sucessor, Honório III, continuou de onde parou. A Quinta Cruzada durou até 1221 e mais uma vez resultou no fracasso na recuperação de Jerusalém devido a disputas de liderança e má tomada de decisões.

Legado


O Papa Inocêncio III esteve na sede papal por dezoito anos e participou de três importantes cruzadas medievais durante esse período. Ele se envolveu ativamente nas campanhas por Jerusalém, codificando as indulgências que as pessoas recebiam ao ingressar em uma cruzada e usando pregadores e legados para controlar o recrutamento e o progresso das campanhas. Além disso, Inocêncio convocou a primeira cruzada contra os povos da Europa, travando uma guerra contra a heresia que continuaria após a sua morte.

O envolvimento de Inocêncio em três cruzadas medievais não só influenciou os acontecimentos em si, mas moldaria as ações dos futuros papas após a sua morte. Inocêncio forneceu-lhes uma estrutura sobre como se envolver em assuntos religiosos e seculares na Europa e criou um modelo de autoridade papal que daria ao papa mais poder do que qualquer outra figura na Europa medieval.

 

Fonte - Tillman, Helen, Papa Inocêncio III


Bolton, Brenda, Inocêncio III. Estudos sobre autoridade papal e cuidado pastoral


Smith, Damian J. Inocêncio III e a Coroa de Aragão: Os Limites da Autoridade Papal

53 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page