top of page

TOLKIEN E A MITOLOGIA NÓRDICA: A INFLUÊNCIA DOS MITOS NÓRDICOS NAS OBRAS DE J.R.R.TOLKIEN

Atualizado: 7 de set. de 2022




TOLKIEN AND THE NORSE MYTHOLOGY: THE INFLUENCE OF NORDIC MYTHS ON THE WORKS OF J.R.R.TOLKIEN


“Dedico este artigo a meus avós Carlos e Haydée que me agraciaram com suas incríveis histórias desde a mais tenra idade".

Márcia Gutierrez


Como fã das obras de J.R.R. Tolkien, me perguntava de onde vinha sua inspiração para suas criações, claro que o mesmo também se inspirou em eventos em sua própria vida, mas havia algo mais em seu universo fantástico que não provinha somente desses eventos, mas de sua paixão pela filologia, e em compreender histórias tão antigas quanto as suas, tiveram um impacto sem precedentes na vida do professor Tolkien, e é neste trabalho que desvendo o lado mítico nórdico como influência em seus trabalhos.


As a fan of JRR Tolkien's works, I wondered where his inspiration for his creations came from, of course he was also inspired by events in his own life, but there was something more in his fantastic universe that came not only from these events, but from his passion for philology, and for understanding stories as old as his own, had an unprecedented impact on Professor Tolkien's life, and it is in this work that he unveils the mythical Norse side as an influence on his work.


"Não se adquire um bom vocabulário com a leitura de livros escritos conforme uma ideia do que seja o vocabulário da faixa etária do leitor. Ele vem da leitura de livros acima da sua capacidade".
J.R.R.Tolkien

Tolkien: Lorde da terra média, Obra do chinês Jian Guo, reconhecido por este estilo de arte aparentando um vitral, 2014


A terra média

(A Trilogia O Senhor dos anéis, o Hobbit, o Silmarillion...)















A esquerda Capa e contra-capa da primeira edição britânica de 1937 feita a partir de um desenho de Tolkien, a direita, Runas e os equivalentes das letras em inglês que são atribuídas por Tolkien, utilizado em várias de suas ilustrações originais e designs para O Hobbit, abaixo Inscrição da tumba de Balin, em Khuzdul



Tolkien teve uma fascinação ao longo da vida com a mitologia e contos de fadas vindos dos países Escandinavos.Durante sua infância, ficou fascinado com os diversos tipos de contos de fadas que lhia.


O termo Conto de Fada (Faerie) contém muitos elementos que vão além de figuras como: elfos,fadas, anões, bruxas, trolls, gigantes e dragões,ele também se refere aos mares, o sol, a lua, o céu,a terra e todas as coisas que nela existem, como árvore, aves, água, pedra, vinho, pão, etc. E até mesmo sobre nós, nos fornecendo importantes lições a serem aprendidas e compartilhadas, bem como nos revela a natureza do homem seja ela para fazer o bem quanto para o mal (ÁVILA, 2018).


Exemplos de elementos encontrados na literatura de Tolkien:



Anéis Mágicos


Vários, são os contos de fadas nórdicos que possuem anéis mágicos, e um dos mais especiais é "O Anel", conto de Helena Nyblom, de 1914. Ele conta a história de um anel perdido e um príncipe que busca seu portador através do reino (ÁVILA, 2018).


Trolls e Ogros


Trolls são as criaturas escandinavas mais conhecidas dos contos de fadas e da mitologia nórdica. No conto "O Gato de Dovrefjell", de Asbjørnsen e Moe (1842), um gato assusta um troll carnívoro de três cabeças em uma montanha da Dinamarca (ÁVILA, 2018).


Dragões


Monstros milenares, presentes nas mais diversas culturas, também aparecem no conto de fadas chamado "O Rei Dragão", de Svend Grundtvig, de 1854, no qual um príncipe é transformado em um dragão e comete atos terríveis (ÁVILA, 2018).


Elfos


Elegantes e mágicos, os elfos desejam conseguir um marido para as filhas do Rei em "O Monte Élfico", de Hans Christian Andersen, publicado em 1835 (ÁVILA, 2018).


Anões


Sem dúvida uma das criaturas de que mais gosto nos livros de Tolkien, os anões, foram inspirados dos mitos nórdicos e do folclore germânico, da qual seus anões levam sua afinidade com características como as de mineradores, metalúrgicos, artesãos e de avarentos.


Ÿ Dwalin, Balin, Kili, Fili, Dori, Nori, Ori, Oin, Gloin, Bifur, Bofur, Bombur e Thorin Escudo de Carvalho.Dos treze anões citados, onze têm a origem de seu nome no poema "Voluspá", "A profecia da sibila". Apenas Oin e Balin não constam nele, e estes dois foram, claramente, criados por Tolkien para rimar com Gloin e Dwalin (NATALLIE, 2014).


Ÿ Os empréstimos ou homenagens dos anões do autor encontram-se também em "O Senhor dos Anéis". O nome Gimli é, também, retirado do Nórdico Antigo. Na mitologia nórdica (NATALLIE, 2014).


O enredo de O Senhor dos Anéis teve como uma de suas inspirações o poema alemão A canção dos Nimbelungos, que provem da mesma origem literária que a da Saga dos Volsungos. Tolkien também transformou para a língua inglesa, o termo Elvenhome, que provém do nome nórdico arcaico, Alfheim. Em seus contos, Elvenhome é imaginado como uma região litorânea das Terras Eternas, no oeste distante. O Grande Rei dos elfos do oeste era Ingwë, derivado do nome Yngvi, encontrado frequentemente como um sinônimo para Frey, que habitava Alfheim de acordo com o Grímnismál (CIAPINA, 2010).


Um dos vários manuscritos que influenciou Tolkien foi o poema Völuspá, de onde ele retirou os nomes dos anões de o Hobbit e o próprio Gandalf (STARK, 2017).


Beowulf

"Tolkien se interessou muito mais pelos mitos nórdicos, as sagas da islândia, os ciclos finlandeses e a mitologia galesa, do que pelos mitos clássicos gregos e romanos. O primeiro contato que ele teve com este material foi ainda na escola King Edward’s entre 1910 e 1914, e ele sempre acreditou que as histórias eram importantes por si mesmas e não apenas como uma curiosidade acadêmica ou como fonte de significados obscuros"(CIAPINA, 2010).

Nesse trabalho Tolkien repreende os críticos do antigo poema épico Beowulf por terem perdido completamente a noção literária ao reduzir os “elementos fantásticos” apenas a um relato histórico que retratava a sociedade Anglo-saxã, ignorando elementos importantes da narrativa. Para ele esses “elementos fantásticos” eram intrínsecos à história e que portanto não poderiam ser esquecidos, pois eram remanescentes de um passado, como pedaços de crenças de uma cultura que era essencial para a história( CIAPINA, 2010).


Situado na Escandinávia, Beowulf narra as aventuras de seu herói titular. O salão de hidromel do rei dinamarquês Hrothgar está sob ataque de um monstro chamado Grendel. Beowulf gentilmente mata a besta, causando a ira da mãe igualmente monstruosa de Grendel. Ele a mata também, e eventualmente se torna o rei de seu povo, os Geats. Cerca de 50 anos depois dessas aventuras, Beowulf mata um dragão, embora ele seja morto no processo. Os estudiosos acreditam que muitos dos personagens são baseados em figuras históricas da Escandinávia do século VI (OULLETTE, 2019).


Tolkien era um grande admirador de Beowulf, que influenciou muito a construção do mundo de O Hobbit e sua trilogia O Senhor dos Anéis. No artigo de Tolkien, ele defendeu uma data de composição anterior do século VIII, com base em evidências textuais de uma forte influência do paganismo anglo-saxão (OULLETTE, 2019).


"cada personagem do poema é pagão, embora "seja totalmente revestido de uma perspectiva cristã e impregnado de uma linguagem cristã". Tolkien também defendeu o ponto de vista de um único autor no ensaio (KRIEGER, 2019)


Em O Hobbit, Tolkien se baseia em Beowulf em seu uso de nomes e em suas estruturas de enredo. Tolkien é influenciado pelas convenções de nomenclatura encontradas em Beowulf. Tolkien nomeia espadas, o que também é comum na mitologia de Beowulf e nórdica. Por exemplo, a espada de Beowulf se chama Hrunting, e a espada de Bilbo Bolseiro se chama Sting. Tolkien também usa nomes que são empréstimos quase diretos de nomes em histórias nórdicas mais antigas. Por exemplo, o rei Thror de Moria e o deus nórdico Thor são bastante semelhantes. Além disso, os nomes de lugares de Tolkien são frequentemente compostos de palavras curtas que foram combinadas para formar um novo significado. Um exemplo é o lugar Valfenda, cujo nome é uma combinação de "riven" e "dell". Semelhante a isso, em Beowulf existem frases descritivas chamadas kennings que são compostas de várias palavras separadas, como em "cortador de ondas" para descrever um navio (WYATT, 2020).

















Na esquerda uma cópia do manuscrito seminal de J.R.R.Tolkien, "Beowulf: The Monsters and the Critics", reimpresso litograficamente na University Press, Oxford a partir das folhas da primeira edição, 1958, 1960, e a direita A primeira página do poema épico heroico Beowulf, escrito provavelmente no século VIII e principalmente no dialeto saxão ocidental do inglês antigo. Integra o manuscrito Cotton MS Vitellius A.XV, atualmente localizado na Biblioteca Britânica. https://arstechnica.com/science/2019/04/tolkien-was-right-scholars-conclude-beowulf-likely-the-work-of-single-author/, https://pt.wikipedia.org/wiki/Beowulf#/media/Ficheiro:Beowulf_Cotton_MS_Vitellius_A_XV_f._132r.jpg.



A lenda de Sigurd e Gudrún


A Lenda de Sigurd e Gudrún é um livro que contém dois poemas narrativos e textos relacionados compostos por J. R. R. Tolkien.Os dois poemas que compõem a maior parte do livro foram provavelmente escritos durante a década de 1930 e foram inspirados na lenda de Sigurd e a queda dos Niflungs na mitologia nórdica. Ambos os poemas estão em uma forma de verso aliterativo inspirado no verso tradicional da Edda Poético, um compilado do século XIII escrito pelo historiador Snorri Sturluson. Seu filho Christopher Tolkien, adicionou notas abundantes e diversos comentários sobre o trabalho de seu pai (LE LIVROS, 2017).


A lenda conta a história de Sigurd, um grande matador de dragões, que matou o dragão Fáfnir e se apossou de seu tesouro. Por seu feito, se tornou em herói celebrado,e acaba despertando a atenção da valquíria Brunhildh, se tornando o seu prometido. Sigurd se une aos príncipes dos Niflungs através de um pacto de sangue e acaba também conquistando o amor da princesa Gudrún. Momentos intensos, dramáticos, e românticos, são os acontecimentos que, acabam por selar o destino de Sigurd.E pelas mãos dos que lhe juraram amizade,sua morte foi inevitável. Após tais eventos, Gudrún se une a Atli (o rei histórico dos hunos, Átila) com o único objetivo de vingar Sigurd (NATALLIE, 2012).


Nesta obra Tolkien mergulha diretamente na Saga dos Volsungos.Em um texto introdutório, "Introdução da antiga Edda", baseado em partes, em uma de suas palestras, Tolkien traça uma distinção nítida entre poemas épicos e os poemas Skáldico e Eddaico dos países nórdicos.Ele também faz uma distinção, embora não com a mesma nitidez, entre os versos skáldicos elaborados posteriormente e as formas mais simples usadas nos poemas do Ancião Edda. Os poemas em A lenda de Sigurd e Gudrún usam essas formas mais simples, que, diz o livro, surgiram antes, mas persistiram ao lado das formas skáldicas ( LE LIVROS, 2017).











A esquerda capa da primeira edição de A Lenda de Sigurd e Gudrún, de J.R.R.Tolkien, 2009, a direita a escultura Ramsund é uma de uma série de representações da lenda de Sigurd, o matador de dragões, incluindo pedras rúnicas da Escandinávia e cruzes de pedra das Ilhas Britânicas. O mais antigo datando do século XI, Sigurd faz parte da tradição nórdica e germânica continental, incluindo o Nibelungenlied, a saga Völsunga e a Edda de Snorri.

https://jonaslaumarkussen.com/illustration/the-ramsund-carving-so-101/


 

Fonte - ÁVILA, Marina. Tolkien se inspirou nos contos de fadas nórdicos?, 2018, Disponível em: http://www.livrosemretalhos.com.br/2018/08/tolkien-se-inspirou-nos-contos-de-fadas.html.


CIAPINA, Alessandro. A Mitologia Nórdica: Fonte de inspiração para Tolkien, 2010, Disponível em: https://aleciapina.wordpress.com/2010/08/18/a-mitologia-nordica-fonte-de-inspiracao-para-tolkien/.


LIVROS, LE. A lenda de Sigurd e Gudrún,2017, Disponível em: https://www.google.com/url?sa=t&source=web&rct=j&url=http://cabana-on.com/Ler/wp-content/uploads/2017/08/J.R.R.-Tolkien-A-Lenda-De-Sigurd-Gudr%25C3%25BAn.pdf&ved=2ahUKEwjO_ParxZ_xAhXMppUCHcHmCRI4ChAWMAR6BAgFEAI&usg=AOvVaw2n6mU1-.


NATALLIE. Os anões de Tolkien, 2014, Disponível em: http://nordicoantigo.blogspot.com/2014/01/os-anoes-de-tolkien.html.


OULLETTE, Jennifer e KRIEGER, Madison. Tolkien was right: Scholars conclude Beowulf likely the work of single author, 2019, Disponível em: https://arstechnica.com/science/2019/04/tolkien-was-right-scholars-conclude-beowulf-likely-the-work-of-single-author/.


STARK, Eduardo. Tradução comentada do Völuspá – do Islandês Antigo para o Português,2017, Disponível em: https://tolkienbrasil.wordpress.com/2017/09/14/traducao-comentada-do-voluspa-do-islandes-antigo-para-o-portugues/.


WYATT, Gary. In The Hobbit, what are two specific elements that Tolkien borrows from Beowulf or other Norse (Viking) works? How does Tolkien synthesize these two elements to create a specific effect in The Hobbit? 2020, Disponível em: https://www.enotes.com/homework-help/in-the-hobbit-what-are-two-specific-elements-that-2273219.


559 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

留言


bottom of page