top of page

VIOLÊNCIA NA IDADE MÉDIA



Em nossas redes sociais assim como em nossos canais de contato, frequentemente recebemos pedidos dos seguidores de temas para serem abordados aqui no site, e entre os pedidos, o mais recorrente é "A Idade Média foi um período Violento?". Bom, é sobre esse tema que iremos responder hoje!


Quando falamos sobre violência na idade média, é quase que automático nosso imaginário trazer aspectos das guerras, brigas de tabernas, estupros e violências domésticas, assassinatos por roubo tanto individual como por gangues, posso até iniciar citando uma frase de uma palestra que ministrei meses atrás:


"A Violência assim como a Fome são aspectos que sempre acompanharam a História da Humanidade"

E claro, antes de tudo os "medievais" (por assim dizer), não achavam normal a violência e ficavam chocados com tais atos de brutalidade como nós hoje.


Em maio de 2020, fui convidado para participar de um evento na Inglaterra chamado Medieval Life and Death Festival (Festival de Vida e Morte Medieval) mas devido a pandemia o evento ocorreu de forma online, uma das palestrantes foi a Dra. Hannah Skoda com seu trabalho intitulado Medieval Crime and Violence (Crimes e Violência Medievais).


Dito isso, vamos então trazer alguns dados, fatos e curiosidades sobre a violência na idade média, certo, nos anos 1300, no norte da França, um personagem desagradável chamado Jacquemon subornou um carcereiro para deixar seu genro indesejado ter uma morte dolorosa na prisão. Jacquemon então, com a ajuda de seu filho, matou seu sobrinho, Colart Cordele. O empobrecido Cordele seguiu Jacquemon durante a colheita, tentando recolher o trigo atrás dele, mas irritou seu tio ao chegar muito perto. Jacquemon agarrou seu sobrinho pelo capuz, jogou-o brutalmente no chão e:


“...estimulou seu cavalo a cavalgar de novo e de novo, sobre o corpo amassado".

É um episódio que pode ter sido tirado de Game of Thrones – não é de admirar que a era tenha se tornado sinônimo de brutalidade. De fato, durante uma cena brutal do filme Pulp Fiction: Tempo de Violência, um dos personagens faz a seguinte ameaça:


“I’m gonna get medieval on your ass”.
"Vou ficar medieval na sua bunda"

Não há necessidade de explicar o que isso pode envolver porque o estereótipo da Idade Média violenta e sádica é bem conhecido por todos nós.


Mas quão preciso é esse estereótipo? Como mostra o episódio de Jacquemon, há muita coisa chocante e perturbadora nos registros sobreviventes do final da Idade Média. Mas ainda mais impressionante é que os contemporâneos medievais também ficaram horrorizados com esses eventos. Claro, só sabemos deste caso porque provocou uma reação legal: não foi visto como aceitável ou mesmo normal.


Medidas de violência


Os níveis de violência interpessoal certamente eram mais altos na Idade Média do que hoje, mas é muito difícil quantificar isso com precisão – ainda mais se adicionarmos a guerra e os horrores do genocídio à equação. Em parte, isso ocorre porque a natureza mutável dos processos legais significa que não estamos comparando iguais com semelhantes. As definições de violência criminal também mudaram; por exemplo, estupro e violência doméstica foram definidos de forma muito restrita na Idade Média.


O historiador Laurence Stone calculou que os níveis de homicídio na Inglaterra medieval eram pelo menos 10 vezes maiores do que são hoje. Certamente, não podemos duvidar de que era uma época perigosa para se viver. Um caso excepcional, mesmo para os padrões medievais, é fornecido pela Oxford do século XIV. Os níveis de violência ali eram considerados inaceitavelmente altos pelos contemporâneos: na década de 1340, a taxa de homicídios era de cerca de 110 por 100.000. (No Reino Unido dados de 2011, indicam que eram 2 ou 3 por 100.000.).


Por que os níveis de violência interpessoal eram tão altos na Idade Média? Os historiadores ofereceram várias explicações. Steven Pinker apresentou uma teoria psicológica, afirmando que a humanidade só recentemente aprendeu a domar seus impulsos mais selvagens, mas isso não explica a complexidade das reações à violência no período medieval, como veremos.

Outros apontaram para a prevalência de álcool e o fato de que muitas pessoas estavam andando por aí armadas com punhais e outras facas diariamente. Não existiam forças policiais permanentes, como existem agora, e em muitos casos a captura de um perpetrador dependia da cooperação da comunidade. Além disso, em uma era de cuidados médicos rudimentares, muitos morreram de feridas que hoje podem ser tratadas com sucesso.


Existem explicações mais complexas também. Eram culturas em que a honra era primordial e a violência era reconhecida como meio de comunicar certas mensagens. Se você cortasse o nariz de uma mulher, por exemplo, a maioria das pessoas reconheceria isso como um significante de adultério. Eram também culturas profundamente desiguais, caracterizadas – sobretudo a partir do século XIV – por altos níveis de agitação social. Sociólogos e historiadores conseguiram demonstrar uma correlação entre níveis de desigualdade e níveis de violência, o que é particularmente convincente para a Europa medieval tardia.


Os homicídios variaram de ataques premeditados a brigas de taverna que terminaram em desastre. Muitas vezes, esses eram episódios exuberantes que deram terrivelmente errado. Em 1304, por exemplo, um certo Gerlach de Wetslaria, reitor de uma igreja na diocese de Salzburgo, pediu perdão por matar um colega muitos anos antes, quando uma divertida luta de espadas terminou em tragédia.


A prática de atos de violência parece ter sido tanto para provar a si mesmo na frente de seus pares e pertencer a um grupo, quanto sobre a vítima – o que provavelmente explica por que homens de gangues foram responsáveis por grande parte do caos. Esse sentimento de fraternidade caracteriza um grupo de homens liderados por Robert Stafford. Stafford era capelão; talvez por causa de seu status clerical, ele espirituosamente nomeou-se 'Frere Tuk' após a figura das lendas de Robin Hood. As ações de sua gangue tomaram principalmente a forma de caça furtiva e ofensas à propriedade, embora houvesse tons mais brutais – aparentemente:


“eles ameaçavam os guardas-caça com morte ou mutilação”.

Vítimas do sexo feminino


É muito mais raro encontrar mulheres cometendo crimes violentos; mais frequentemente eram as vítimas. É muito difícil avaliar os níveis de estupro, porque o crime estava sujeito a mudanças de definições, a maioria das quais pareceria muito restrita aos nossos olhos modernos. As mulheres tinham que ser capazes de demonstrar fisicamente sua falta de consentimento e arriscavam suas reputações e punições ao fazê-lo. As probabilidades estavam contra eles.


Os casos que foram eventualmente relatados tendiam a ser particularmente brutais. Em 1438, um Thomas Elam atacou Margaret Perman. Ele invadiu a casa dela, tentou estuprá-la e:


“...mordeu Margarida de forma criminosa com os dentes, de modo que ele arrancou o nariz da dita Margaret com aquela mordida e quebrou três de suas costelas lá”.

O caso chegou ao tribunal porque ela morreu de seus ferimentos. Elam foi condenado a ser enforcado.


As definições de violência doméstica também eram radicalmente diferentes no final da Idade Média. A maioria dos atos de agressão que consideraríamos criminosos eram então considerados simplesmente como disciplina aceitável. Se uma esposa desobedecesse ao marido, achava-se certo e apropriado que ela fosse punida. A violência doméstica, porém, às vezes aparece nos registros de tribunais eclesiásticos quando uma esposa pede o divórcio, ou em registros criminais quando a violência resultou em mutilação permanente, aborto espontâneo ou morte.


Como distinguir entre níveis de disciplina doméstica 'aceitável' e violência doméstica inaceitável era um problema contínuo. Uma solução famosa frequentemente citada era a 'regra de ouro', segundo a qual – afirma-se – era aceitável bater em sua esposa, desde que o bastão que você usasse fosse mais fino que seu polegar. No entanto, na realidade, as discussões eram mais sofisticadas e menos conclusivas do que isso.


Em 1326, em Paris, um certo Colin le Barbier atingiu sua esposa com uma espécie de taco com tanta força que ela morreu. Ele foi julgado em um tribunal criminal e considerado culpado de assassinato. No entanto, ele apelou e alegou que sua esposa merecia seu sofrimento porque ela o importunava tão implacavelmente em público. Ele disse que não pretendia matá-la:


“Ele pretendia apenas assustá-la, para que ela ficasse quieta; no entanto, a vara acidentalmente penetrou em sua coxa um pouco acima do joelho.”

A razão pela qual ela morreu, acrescentou, foi:


“porque ela não cuidou (do ferimento) adequadamente”

E não porque ele a maltratou. Sua absolvição posterior nos diz muito sobre as atitudes nesse período.


Homicídios, estupros e violência doméstica podem ser encontrados em todo o espectro social. No entanto, alguns tipos de violência eram mais comuns em certos meios. O roubo violento era mais frequentemente perpetrado por pessoas nas margens econômicas da sociedade, que roubavam por desespero. Atingiu o pico durante períodos de privação particular, como a terrível fome da década de 1310, na qual morreram 25% da população.


A Inglaterra nos séculos XIV e XV também era notória pela prevalência de gangues assustadoras, muitas vezes compostas por nobres ou menos nobres. Estes saquearam o campo, saqueando e deixando um rastro de sangue. Em 1332, por exemplo, a gangue Folville foi acusada de sequestrar um oficial real; já haviam matado um barão do erário. Eram jovens que literalmente pensavam estar fora da lei, muitas vezes envolvidos em rixas e vinganças, e para quem a honra era um conceito-chave.


Uma Questão de Honra


A violência motivada pela honra também prevalecia no topo da árvore social. Durante os períodos de reinado fraco, a violência dos nobres poderia atingir níveis aterrorizantes. Na França do início do século XV, com um rei (Carlos VI, 'o Louco') intermitentemente sofrendo de esquizofrenia paranóica e acreditando ser feito de vidro, poderosos nobres guerreiros foram capazes de assumir o controle. O resultado foi uma espiral de violência que culminou no assassinato do duque de Orléans em 1407 e, finalmente, na entrada inglesa na França.


As coisas não eram muito melhores para os ingleses. Na segunda metade do século XV, a fraqueza do monarca reinante, Henrique VI, e a acumulação de enormes comitivas por aristocratas hostis foram, pelo menos em grande parte, responsáveis pelas Guerras das Rosas. As linhas entre violência interpessoal, guerra civil e guerra total eram indistintas.


No outro extremo do espectro social, no final da Idade Média, as crescentes desigualdades estruturais criadas pela rápida comercialização e urbanização, bem como por formas concorrentes de governo, geraram uma série de motins e revoltas. Traçados em um mapa, eles estão concentrados ao longo do principal cinturão comercial da Europa, de Londres a Paris e Holanda, passando pelos mercados de Champagne até o coração comercial do norte da Itália. Os exemplos mais famosos – a Revolta dos Camponeses de 1381 na Inglaterra, a revolta de Ciompi de 1378 em Florença, e a rebelião de Paris e a revolta de Jacquerie no norte da França em 1358 – todos envolveram complexas alianças de rebeldes de vários grupos sociais exigindo maior representação, contra a corrupção e protestando contra a sua marginalização económica.


Revoltas ao longo de linhas sociais às vezes se sobrepunham à violência impulsionada pela religião. Notoriamente, a Europa medieval foi marcada por ondas de perseguição religiosa popular, com o antissemitismo erguendo sua cabeça feia com frequência deprimente.


No entanto, talvez a dimensão mais violenta da vida medieval fosse a da lei, que realizava seus próprios rituais horríveis. O castigo pretendia ser espetacular. Os crimes mais graves eram punidos com enforcamento, mas eram empregadas formas muito mais imaginativas de eliminar os criminosos.


Em muitas áreas da Europa, os culpados de falsificação de dinheiro foram fervidos vivos. Essa obsessão em oferecer um espetáculo de violência – para enfatizar a culpa do acusado e para dissuadir e assombrar os observadores – levou a alguns episódios quase ridículos. Um velho interrogado na década de 1290 lembrou como, quando jovem, viu um homem enforcado por assassinato. O corpo foi retirado da forca por uma jurisdição concorrente e rependurado – apenas para a jurisdição original construir uma efígie de palha que eles enforcaram.


Reações à violência

Resta-nos, então, a imagem de uma sociedade extraordinariamente violenta. Embora seja muito difícil chegar a números precisos, está claro que esta não é uma sociedade que se deseja visitar por muito tempo.


Há, porém, um outro lado de tudo isso. As evidências sugerem que, embora a violência fosse comum, as pessoas não estavam simplesmente acostumadas a ela. Pelo contrário – eles realmente se importavam com isso. Isso não quer dizer que a violência fosse simplesmente considerada errada: ao contrário, era um problema sobre o qual as pessoas se preocupavam e falavam.


O ethos da cavalaria representa uma maneira pela qual foram feitas tentativas de canalizar a violência. O costume cavalheiresco sugeria que se lutasse apenas com certos tipos de armas; que se deve buscar apenas oponentes dignos; e que se deve exercer misericórdia e generosidade. A realidade é que o cavalheirismo esteve na base de alguns dos episódios mais brutais e sangrentos da nossa história (nomeadamente a Guerra dos Cem Anos ), mas a questão é que se tratava de um conjunto de costumes surgido da preocupação e da sensação de que a violência pode ser um problema.


A pista mais importante de que as pessoas se preocupam com a violência é o fato de terem escrito sobre isso. A literatura medieval está repleta de descrições de tortura, mas uma leitura atenta desses textos mostra que os torturadores eram demonizados. Tal estratégia só funcionaria se as pessoas sentissem que a tortura é profundamente problemática – e certamente achavam que era um problema. Na França do século XIV, os tribunais criminais geralmente submetiam as provas obtidas com a tortura a um escrutínio extra porque eram consideradas não confiáveis.


Fontes de crônicas, as histórias oficiais escritas na Idade Média, tendem a fornecer registros extremamente exagerados dos níveis de violência, particularmente em revoltas. Mais uma vez, porém, o efeito literário e político desejado só funcionou porque as pessoas acharam essa violência perturbadora. A maioria de nossas evidências está na forma de documentos legais. Os sistemas legais florescentes neste período só se preocuparam em produzir tal documentação porque altos níveis de violência eram considerados inaceitáveis.


Nas representações literárias da violência, como as divertidas histórias de Renard, a Raposa, populares em toda a Europa, a violência e a crueldade eram onipresentes precisamente porque eram chocantes. A horrível história da raposa estuprando a esposa de seu amigo, o lobo, e depois urinando em seus filhos, muitas vezes provocava risadas perturbadas de seu público medieval.


Na poesia da época também podemos encontrar comentários sobre a natureza perturbadora da violência. Na visão de Inferno de Dante no século XIV, o inferno é caracterizado por intermináveis ciclos de violência. E em Le Ballade des Pendus, do poeta francês François Villon, os corpos em decomposição balançando na forca falam diretamente:


Irmãos humanos que vêm depois de nós,

não endureçam seus corações contra nós...


A chuva lavou nossa sujeira,
O sol secou e nos enegreceu. Pegas e corvos arranharam nossos olhos
E rasgaram nossas barbas e sobrancelhas.
Nós nunca estamos parados, mas balançamos de um lado para o outro no vento. Os pássaros nos bicam mais do que agulhas em um dedal...
Irmãos, não há nada de engraçado nisso. Que Deus absolva a todos nós.

É uma imagem impressionante – uma representação muito visual da prevalência da violência na Idade Média, mas que também mostra que era, mesmo então, profundamente perturbadora.


Mas em um aspecto geral, nada se compara com o século XX, pois diferente das guerras que sempre tivemos na história, aspectos de violências locais por gangues ou indivíduos, no século XX teremos a tentativa de eliminar todo um grupo da face da terra, para citar alguns temos:


  • Genocídio da Namíbia na África (1904-1907);

  • Genocídio Armênio (1915-1923) durante a 1º Guerra no Império Turco Otomano;

  • O Holodomor, na Ucrânia Soviética de (1932 - 933);

  • Shoá - Holocausto - (1933-1945) na 2º Guerra mundial;

  • Genocídio em Ruanda contra Tutsi, Twa e Hutus (Abril-Julho de 1994).


Além disso temos mortes massivas pela fome agravadas por políticos como o caso de


  • Biafra na Nigéria, (1966)

  • Darfur no Sudão (2003) e muitos outros.


Nada na idade média matou tanto quanto essa violência FRIA, DETERMINADA e INDUSTRIAL como no século XX, ou eu diria ainda, nada por enquanto...

 

Matthew S. Gordon, Richard W. Kaeuper,Harriet Zurndorfer, (2020). The Cambridge World History of Violence


Anderton, Charles H.; Brauer, Jurgen, (2016). Economic Aspects of Genocides, Other Mass Atrocities, and Their Prevention


Rubinstein, W. D. (2004). Genocide: A History

964 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page