top of page

7 MAIORES E MAIS DIFÍCEIS CAVALEIROS MEDIEVAIS



Quando evocamos a Idade Média, imediatamente vêm à mente imagens de castelos fortificados, reis poderosos e grandes cavaleiros de armadura. No imaginário coletivo, os cavaleiros, reais ou fictícios, representam super-heróis da Idade Média. Eles lutaram em suas armaduras brilhantes, usando um símbolo do amor de sua donzela. Reis, senhores e papas concederam o título de cavaleiro a homens nomeados para servir como guerreiros montados. A princípio, uma função simples, a cavalaria tornou-se um título de baixa nobreza durante a Alta Idade Média. Junto com o desenvolvimento da cavalaria na literatura, os cavaleiros medievais tornaram-se mais do que simples guerreiros. O ideal de cavalaria implicava seguir um código de conduta, servir ao senhor e ao rei, mostrar bravura, ser piedoso e, às vezes, resgatar a donzela em perigo.

Legado dos Cavaleiros Medievais


Os cavaleiros ainda fascinam hoje. Inúmeros contos, romances e filmes exaltam esses destemidos guerreiros com uma moral impecável. Não evocaremos cavaleiros lendários como o famoso Rei Arthur e Seus Cavaleiros da Távola Redonda. Em vez disso, continue lendo para descobrir mais sobre os grandes cavaleiros medievais que realmente existiram. Às vezes a história se mistura com a lenda. As impressionantes conquistas do cavaleiro foram contadas e escritas durante séculos, com enfeites adicionais. No entanto, isso não diminui os seus feitos notáveis.

I - Rodrigo Díaz De Vivar: O El Cid Campeador


Talvez você não conheça este famoso cavaleiro pelo nome de nascimento, Rodrigo Díaz de Vivar, mas pelo apelido, El Cid ou El Campeador. Díaz destacou-se durante a Reconquista: A reconquista cristã de terras governadas por populações árabe-berberes na Península Ibérica.

Rodrigo nasceu por volta de 1043. Cresceu na aldeia de Vivar, perto de Burgos, no Reino de Castela, hoje Espanha. Rodrigo fazia parte da baixa nobreza e era cavaleiro ao serviço de Sancho II, rei de Castela. Lutador corajoso e habilidoso, o cavaleiro tornou-se um dos capitães do rei. Rodrigo ganhou o apelido de El Campeador que significa, em espanhol antigo, “Mestre do campo de batalha”. Durante vários anos, Rodrigo serviu a Sancho II e, mais tarde, ao irmão e ex-rival do rei, Alfonso VI.


A vida de Rodrigo tomou um rumo inesperado em 1081, quando ele irritou Alfonso, que o baniu do reino. O cavaleiro colocou a sua espada, chamada Tizona, ao serviço de al-Mu'taman Billah, governante da Taifa de Saragoça (territórios do Nordeste espanhol), juntando-se aos inimigos de Alfonso. Durante esse período com os mouros, Rodrigo ganhou outro apelido, El Cid. É uma adaptação da palavra سيد, que significa “o Senhor” em árabe. El Cid reintegrado o exército de Alfonso VI alguns anos depois, mas o rei o baniu novamente em 1088.


El Cid é conhecido por suas conquistas militares, mas também por sua lendária e trágica história de amor com Jimena Díaz. Jimena Díaz existiu; ela era sobrinha do rei Alfonso VI. Ela se casou com El Cid por volta de 1074-76. A lenda do cavaleiro inspirou muitos autores, incluindo o padre medieval espanhol Tomás Antonio Sánchez ou o trágico francês Pierre Corneille. Este último desempenhou um papel significativo na fama de El Cid. Em 1637, Corneille criou a famosa peça Le Cid. A lenda de El Cid inspirou Corneille a imaginar a trágica história de amor de uma nobre e do cavaleiro que matou seu pai.

A partir da sua morte em 1099, a lenda de El Cid cresceu, e o cavaleiro medieval logo se tornou um dos heróis da nação espanhola.


II - Godofredo de Bulhão: O Primeiro Cruzado


Godofredo de Bulhão representa o cavaleiro medieval ideal que defende os interesses do Cristianismo. Ele é a representação perfeita do destemido e piedoso cavaleiro. Embora seja um personagem histórico, a história contada sobre Godofredo de Bulhão realçou as nobres qualidades do cavaleiro, tornando-o o arquétipo dos cruzados. Os cruzados tinham que ser movidos apenas pela fé, ser destemidos e confiar no mérito da sua missão.

Godofredo de Bulhão provavelmente nasceu por volta de 1058 em uma família nobre. Seu pai, Eustáquio II, conde de Bolonha, tinha ligações poderosas e lutou ao lado de Guilherme, o Conquistador, o primeiro rei normando da Inglaterra. Como segundo filho, Godofredo de Bulhão não estava destinado a herdar o título e as terras de seu pai. Seu tio, Godofredo VI, também conhecido como Corcunda, supervisionou sua educação militar. Como era duque da Baixa Lorena e não tinha herdeiros, Godofredo VI legou ao jovem Godofredo suas terras e títulos. Ele se tornou governante de um vasto ducado, feito de terras ricas e espalhado por grande parte do que hoje é a Bélgica. Godofredo recebeu o nome de uma de suas propriedades, o castelo Bulhão (sul da Bélgica).


Em 1095, o Papa Urbano II exortou governantes e nobres a lutar pela Terra Santa, ameaçada pelo Império Islâmico Seljúcida. O apelo do papa levou à Primeira Cruzada. Poucos nobres decidiram lutar por Jerusalém, a Cidade Santa. Godofredo de Bulhão foi um deles. Ele desistiu de suas terras e castelo para liderar a Primeira Cruzada.

Depois de uma viagem de três anos cheia de perigos, Godofredo e seus homens chegaram a Jerusalém em junho de 1099. Graças às máquinas de guerra e aos cavaleiros ousados, a Cidade Santa não resistiu por muito tempo. Godofredo de Bulhão foi o primeiro a escalar as muralhas e entrar na cidade de Jerusalém. Testemunhas da época, como Tancredo, Príncipe da Galiléia, relataram seu feito notável. A conduta correta do cavaleiro e suas habilidades de combate impressionaram; ele até cortou um inimigo em dois. Como figura principal da primeira cruzada, Godofredo foi escolhido para ser o primeiro Rei de Jerusalém. Apresentando sua fé, Godofredo recusou a coroa e preferiu se tornar Protetor do Santo Sepulcro, o túmulo de Jesus. Ele considerava a Terra Santa como parte da Igreja e só poderia ser seu governador.

Godofredo de Bulhão morreu apenas um ano após a conquista de Jerusalém. A causa da morte não é clara; alguns acham que ele comeu uma maçã envenenada ou teve febre. Após a sua morte, Godofredo de Bulhão juntou-se imediatamente à lenda e foi lembrado como um dos maiores cavaleiros medievais.


III - William Marshal: O maior Cavaleiro Medieval da Inglaterra


William Marshal é conhecido como o maior cavaleiro da Inglaterra. Nascido em uma família da baixa nobreza, William tornou-se um grande e leal guerreiro que serviu a cinco reis da Inglaterra. William Marshal é um dos maiores heróis da Idade Média e da história britânica.

Nascido por volta de 1146, William Marshal começou seu treinamento como cavaleiro aos doze anos. Ele continuou sua carreira como cavaleiro andante, conforme descrito na literatura de cavalaria. Ele viajou de um lugar para outro em busca de aventuras ou torneios. O marechal logo se tornou um cavaleiro famoso, e os cronistas relataram suas inúmeras vitórias, divulgando a história do cavaleiro medieval cavalheiresco.


Depois de vários anos como cavaleiro andante, William serviu Henrique II e os quatro reis seguintes da Inglaterra. Em agradecimento pelo seu devotado serviço ao reino, o rei organizou o casamento do cavaleiro com Isabel de Clare, uma das herdeiras mais ricas, concedendo-lhe terras e uma grande fortuna. Em 1215, o marechal ajudou o rei João a fazer a paz com os barões rebeldes, levando ao estabelecimento da Carta Magna. O cavaleiro chegou a endossar o papel de protetor do jovem rei Henrique III e regente da nação. William Marshal morreu aos 72 anos, incrivelmente velho para a Idade Média.


IV - William Wallace: O Famoso Cavaleiro Escocês


Você certamente já ouviu o nome deste grande cavaleiro escocês: William Wallace. Suas conquistas militares e sua rebelião contra os ingleses inspiraram muitas obras literárias e um famoso filme dos anos 90.

Nascido na Escócia por volta de 1270, não sabemos muito sobre a infância de William. Ao contrário de outros cavaleiros, ele foi até um fora-da-lei por ter matado William Heselrig, o xerife inglês de Lanark. Wallace agiu para vingar o assassinato de Marion Braidfute, que era a suposta esposa de Wallace. O ataque em Lanark, em maio de 1297, marcou o início do envolvimento de William Wallace na Primeira Guerra da Independência da Escócia.

Vários Lordes, incluindo Roberto de Bruce, o futuro Rei da Escócia, juntaram-se à rebelião de Wallace. Apenas três meses depois, em agosto de 1297, William Wallace e seus aliados sitiaram a cidade de Dundee, no leste da Escócia.


Em Stirling, o durão cavaleiro demonstrou suas habilidades militares. William Wallace e o escudeiro Andrew Moray venceram a Batalha de Stirling Bridge em 11 de setembro de 1297. Embora em grande desvantagem numérica, Wallace e seu exército derrotaram as tropas inglesas. Sua tática consistia em deixar os soldados ingleses cruzarem a ponte estreita de Stirling, dando aos escoceses tempo para combatê-los em grupos menores. Hoje, Sterling abriga vários monumentos para celebrar a glória de Wallace.

Após esta grande vitória, Wallace endossou o papel de “Guardião do Reino da Escócia”. Contudo, ocupou esta função apenas por alguns anos. Em 1305, John de Menteith, outro cavaleiro escocês, traiu Wallace entregando-o aos ingleses. William Wallace foi julgado e torturado, elevando o grande cavaleiro ao martírio. O cavaleiro representa um herói da nação escocesa.


V - Roberto de Bruce: O Cavaleiro que se Tornou Rei da Escócia


Outro grande cavaleiro escocês, camarada de armas de William Wallace, foi Roberto de Bruce. A princípio aliado de Eduardo I, rei da Inglaterra, Roberto mudou de lado e lutou contra os ingleses. No final das contas, Roberto de Bruce tornou-se rei da Escócia.

 

Bruce era neto do 5º Senhor de Annandale. O avô de Roberto foi um dos pretendentes à coroa da Escócia na década de 1290. Eduardo I, rei da Inglaterra, foi convidado a arbitrar a concessão da Escócia a um dos requerentes. No entanto, Eduardo aproveitou a oportunidade para obter o controle sobre a Escócia, declarando a soberania sobre a Escócia.


Em 1297, Roberto de Bruce juntou-se à rebelião de William Wallace contra o rei Eduardo e assumiu o papel de “Guardião do Reino da Escócia” após a renúncia de Wallace. Ele ocupou o cargo ao lado de John Comyn; um rival que Roberto assassinou alguns anos depois. Após a morte de seu pai, Roberto reivindicou seus direitos ao trono. Roberto de Bruce foi coroado rei da Escócia em 25 de março de 1306. Ele governou a Escócia até morrer em 1329.

Apesar de ter sofrido diversas derrotas no campo de batalha contra as tropas inglesas, nunca desistiu. Segundo a lenda, enquanto se escondia em uma caverna após o assassinato de John Comyn, Roberto notou uma aranha tecendo uma teia. Repetidas vezes, o inseto tentou ancorar a teia nas paredes da caverna e falhou. A aranha finalmente conseguiu, e Roberto de Bruce viu isso como um presságio e decidiu nunca desistir da luta. Ao lado de William Wallace, Roberto de Bruce é outro herói da nação escocesa.


VI - Ricardo Coração de Leão: Rei Guerreiro da Idade Média


Ricardo Coração de Leão é famoso por seu papel na lenda de Robin Hood. Embora esta história seja fictícia, Ricardo Coração de Leão é uma figura histórica da Idade Média que viveu na segunda metade do século XII.

Filho de Henrique II, Ricardo I foi rei da Inglaterra entre 1189 e 1199. Ganhou o apelido de "O Coração de Leão" (Richard Cœur de Lion, como é conhecido pelos normandos) por causa de suas habilidades militares e reputação como um grande cavaleiro. Aos dezesseis anos já liderava seu próprio exército e alcançava sucessos militares. Ricardo Coração de Leão foi um dos líderes da Terceira Cruzada, opondo-se aos governantes cristãos, e Saladino, fundador da dinastia aiúbida.


Apesar de ser o rei da Inglaterra, Ricardo passou a maior parte de sua vida no exterior. Viveu vários anos no Ducado da Aquitânia, França, onde provavelmente aprendeu a falar francês. Depois de se tornar rei, ele dedicou seu tempo a lutar pela glória da Inglaterra e do Cristianismo. Ricardo Coração de Leão morreu em um campo de batalha na França, atingido por uma besta no ombro.


Os restos mortais do cavaleiro foram enterrados na França: seu corpo próximo ao túmulo de seu pai, na Abadia de Fontevraud, Anjou, suas entranhas no castelo de Châlus-Chabrol, enquanto seu coração repousa na catedral de Rouen, na Normandia. O costume da “dilaceratio corporis”, a divisão do coração, intestinos e ossos em diferentes locais de sepultamento, era prática comum para o sepultamento de cavaleiros ou cruzados, que morreram longe de sua terra natal.


As conquistas militares e a bravura de Ricardo Coração de Leão inspiraram muitos contadores de histórias e trovadores. Enquanto ele ainda estava vivo, os cronistas cantaram louvores ao destemido cavaleiro medieval. Richardo incentivou trovadores e artistas e supostamente era um poeta.


VII - Bertrand Du Guesclin: a águia da Bretanha


Bertrand du Guesclin é certamente um dos maiores cavaleiros da França. Du Guesclin desempenhou um papel significativo durante a Guerra dos Cem Anos, opondo-se às famílias governantes da Inglaterra e da França por mais de um século. Este período representa o auge da cavalaria na Idade Média e o início de sua queda.


Nascido por volta de 1320, Bertrand du Guesclin foi o primeiro filho de um nobre bretão, Roberto II du Guesclin. Longe da imagem romântica do belo cavaleiro, Bertrand tinha um físico pouco atraente. Johannes Cuvelier, um trovador da segunda metade do século XIV, descreveu de Guesclin como “a criança mais feia” da região. O jovem Bertrand, mal amado, provou seu valor aos pais quando uma cartomante previu um futuro glorioso para a criança briguenta.


A figura forte e áspera de Bertrand provou ser uma vantagem em combate. Ele rapidamente mostrou boas habilidades de luta. Quando outro cavaleiro, Alacres de Marès, conferiu o título de cavaleiro a Bertrand, este escolheu o lema: “a coragem concede o que a beleza nega”. Depois de muitas vitórias em torneios, du Guesclin participou da Guerra dos Cem Anos servindo a Carlos de Blois, aliado da coroa francesa. Carlos de Blois lutava contra Jean de Montfort, leal ao rei da Inglaterra.

De Guesclin lutou durante vários anos na Floresta de Paimpont. Esta grande floresta localizada na Bretanha também é conhecida como Brocéliande, a floresta encantada mencionada na lenda do Rei Arthur. Os ingleses temiam de Guesclin e o apelidaram de “O Cão Negro de Brocéliande”. Em 1370, Carlos V, Rei da França, nomeou o cavaleiro “Condestável da França”. Ele ocupou o prestigioso cargo de Comandante-em-Chefe do Exército do Rei. Bertrand du Guesclin liderou o exército do rei até morrer em 1380.

 

Fonte - França, John (1983). “A Eleição e Título de Godfrey de Bouillon”


Duby, Georges (1985). William Marshal, the Flower of Chivalry.


Vernier, Richard (2007). The Flower of Chivalry: Bertrand Du Guesclin and the Hundred Years War


Steven Thomas. 711–1492: Al-Andalus and the Reconquista


Brown, Chris (2005), William Wallace. The True Story of Braveheart


Macnamee, Colm (2006), Robert Bruce: Nosso Mais Valente Príncipe, Rei e Senhor


Jones, Dan (2014). Os Plantagenetas: os reis e rainhas guerreiros que fizeram a Inglaterra

211 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page