top of page

A BASTILHA

Atualizado: 13 de jul. de 2023


Vista da Bastilha, 1647 - Jacques Callot (1623-1652) - Originalmente produzido em 1647, original realizado em BnF, GR FOL SUPPL 25, também em Dutray-Lecoin e "La Bastille" de Muzerelle
Vista da Bastilha, 1647 - Jacques Callot (1623-1652) - Originalmente produzido em 1647, original realizado em BnF, GR FOL SUPPL 25, também em Dutray-Lecoin e "La Bastille" de Muzerelle

14 de Julho de 1789, uma multidão invade a Bastilha, na Revolução Francesa, tornando-se um símbolo para o movimento republicano francês. Mais tarde foi demolido e substituído pela Praça da Bastilha.


Mas qual a história da Bastilha?


Pois bem, a Bastilha foi construída em resposta a uma ameaça a Paris durante a Guerra dos Cem Anos entre a Inglaterra e a França. Antes da Bastilha, o principal castelo real de Paris era o Louvre, no oeste da capital, mas a cidade havia se expandido em meados do século XIV e o lado leste estava agora exposto a um ataque inglês. A situação piorou após a prisão de João II na Inglaterra após a derrota francesa na batalha de Poitiers, e na sua ausência o reitor de Paris, Étienne Marcel, tomou medidas para melhorar as defesas da capital. Em 1357, Marcel expandiu as muralhas da cidade e protegeu a Porte Saint-Antoine com duas altas torres de pedra e um fosso de 24m de largura. Um portão fortificado desse tipo foi chamado de "bastilha", e foi um dos dois criados em Paris, o outro sendo construído fora da Porte Saint-Denis. Marcel foi posteriormente removido de seu posto e executado em 1358.


Em 1369, Carlos V ficou preocupado com a fraqueza do lado leste da cidade aos ataques ingleses e invasões de mercenários. Carlos instruiu Hugh Aubriot, o novo reitor, a construir uma fortificação muito maior no mesmo local da bastilha de Marcel. O trabalho começou em 1370 com outro par de torres sendo construído atrás da primeira bastilha, seguido por duas torres ao norte e, finalmente, duas torres ao sul. A fortaleza provavelmente não estava terminada quando Carlos morreu em 1380, e foi concluída por seu filho, Carlos VI.


A estrutura resultante ficou conhecida simplesmente como a Bastilha, com as oito torres construídas irregularmente e paredes de cortina de ligação formando uma estrutura de 223 pés (68 m) de largura e 121 pés (37 m) de profundidade, as paredes e torres de 78 pés (24 m) de altura e 10 pés (3,0 m) de espessura em suas bases. Construídos à mesma altura, os telhados das torres e os topos das muralhas formavam um largo passadiço ameado a toda a volta da fortaleza. Cada uma das seis torres mais novas tinha "cachots" subterrâneos, ou masmorras, em sua base, e "calottes" curvas, literalmente "conchas", quartos em seus telhados.


Guarnecida por um capitão, um cavaleiro, oito escudeiros e dez besteiros, a Bastilha era cercada de valas alimentadas pelo rio Sena e revestida de pedra. A fortaleza tinha quatro conjuntos de pontes levadiças, o que permitia que a Rue Saint-Antoine passasse para leste através dos portões da Bastilha, ao mesmo tempo que dava acesso fácil às muralhas da cidade nos lados norte e sul. A Bastilha dava para o portão de Saint-Antoine, que em 1380 era um edifício forte e quadrado com torres e protegido por duas pontes levadiças próprias. Carlos V escolheu morar perto da Bastilha para sua própria segurança e criou um complexo real ao sul da fortaleza chamado Hôtel St. Paul, que se estende desde a Porte Saint-Paul até a Rue Saint-Antoine.


O historiador Sidney Toy descreveu a Bastilha como "uma das fortificações mais poderosas" do período e a fortificação mais importante da Paris medieval tardia. O projeto da Bastilha foi altamente inovador: rejeitou tanto a tradição do século XIII de castelos quadrangulares mais fracamente fortificados, quanto a moda contemporânea definida em Vincennes, onde torres altas foram posicionadas em torno de uma parede mais baixa, dominada por uma torre de menagem ainda mais alta em o Centro.


Em particular, a construção das torres e das muralhas da Bastilha à mesma altura permitiu o rápido movimento das forças em torno do castelo, além de dar mais espaço para movimentar e posicionar canhões nas passarelas mais largas. O projeto da Bastilha foi copiado em Pierrefonds e Tarascon, na França, enquanto sua influência arquitetônica se estendia até o Castelo de Nunney, no sudoeste da Inglaterra.

 

Fonte - Lüsebrink, Hans-Jürgen and Rolf Reichardt (1997). The Bastille: a History of a Symbol of Despotism and Freedom

33 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Commenti


bottom of page