top of page

A VENERAÇÃO DA VIRGEM NA IDADE MÉDIA

Atualizado: 21 de fev.



Na Idade Média, Maria, a Mãe de Jesus, era muito respeitada e seu culto considerado em toda a Europa. Para a mente medieval, Maria era a mulher perfeita. Ela incorporou muitos ideais de amor cortês praticado durante a Idade Média; ela era pura, livre de pecado e a mãe perfeita.


Embora Maria fosse venerada nos primórdios da Igreja Romana, foi durante a Idade Média que um culto se desenvolveu. Tanto homens como mulheres rezavam à Virgem Maria e esta devoção era muito expressiva.


A veneração de Maria, mãe de Jesus, na Igreja Católica engloba várias devoções que incluem oração, atos piedosos, artes visuais, poesia e música dedicada a ela. Os papas o encorajaram, ao mesmo tempo em que tomaram medidas para reformar algumas manifestações dele. A Santa Sé insistiu na importância de distinguir


"a verdadeira da falsa devoção, e a doutrina autêntica de suas deformações por excesso ou defeito".

Há significativamente mais títulos, festas e práticas marianas venerativas entre os católicos romanos do que em outras tradições cristãs ocidentais.


Claro que existe uma diferenciação e uso de termo, tanto para Maria, como para os Santos e Deus, por exemplo, o termo hyperdulia indica a veneração especial devida a Maria, maior do que a dulia comum para outros santos, mas totalmente diferente da latria devida apenas a Deus.


A crença na encarnação de Deus Filho por meio de Maria é a base para chamá-la de Mãe de Deus, o que foi declarado dogma no Concílio de Éfeso em 431. No Concílio Vaticano II e na encíclica Redemptoris mater do Papa João Paulo II, ela é mencionada também como Mãe da Igreja.


O crescimento da veneração católica romana de Maria e da mariologia muitas vezes não veio de declarações oficiais, mas de escritos marianos dos santos, devoção popular e, às vezes, aparições marianas relatadas.


De Cristo a Maria


Nos ensinamentos católicos romanos, a veneração de Maria é uma consequência natural da cristologia : Jesus e Maria são filho e mãe, redentores e redimidos. Este sentimento foi expresso pelo Papa João Paulo II na sua encíclica Redemptoris mater:


"No centro deste mistério, no meio desta maravilha de fé, está Maria. Como a amorosa Mãe do Redentor, ela foi a primeira para experimentá-lo: 'Para a maravilha da natureza você deu à luz o seu Criador'!"

Na tradição católica romana, a mariologia é vista como cristologia desenvolvida em todo o seu potencial. Maria é vista como contribuindo para uma compreensão mais completa da vida de Jesus. Nessa visão, uma cristologia sem Maria não se baseia na revelação total da Bíblia. Traços dessa interpretação paralela remontam aos primórdios do cristianismo e, desde então, numerosos santos se concentraram nela.


O desenvolvimento desta abordagem continuou no século XX. Em sua publicação de 1946 Compendium Mariologiae, o mariólogo Gabriel Roschini explicou que Maria não apenas participou do nascimento do Jesus físico, mas, com a concepção, ela entrou com ele em uma união espiritual. O plano divino de salvação, não sendo apenas material, inclui uma unidade espiritual permanente com Cristo. O Cardeal Joseph Ratzinger (mais tarde Papa Bento XVI) escreveu:


"É necessário voltar a Maria se quisermos retornar àquela 'verdade sobre Jesus Cristo', 'verdade sobre a Igreja' e 'verdade sobre o homem' que João Paulo II proposto como programa a todo o cristianismo".

A fim de assegurar uma aproximação autêntica à cristologia através de um retorno a "toda a verdade sobre Maria".


Veneração à Teologia


É possível que a prática de invocar a ajuda da Mãe de Cristo tenha se tornado mais familiar aos fiéis algum tempo antes de qualquer expressão nos escritos dos Padres da Igreja Primitiva. O amor dos cristãos por Maria intuiu, muitas vezes por antecipação, certos aspectos do mistério da Santíssima Virgem, chamando a atenção de teólogos e pastores para eles. As práticas venerativas e devocionais muitas vezes precederam as declarações teológicas formais do Magistério.


A veneração da Santíssima Virgem ocorre de várias maneiras. As orações e hinos marianos geralmente começam com a veneração (honra) dela, seguida de petições. O número de títulos marianos continuou a crescer a partir do século III, e muitos títulos já existiam no século V, crescendo especialmente durante a Idade Média.


A veneração a Maria baseia-se na referência no Evangelho de Lucas a Maria como a serva escolhida do Senhor que é saudada e louvada tanto por Isabel como pelo anjo Gabriel. A obra de Deus é ainda mais iluminada nos dogmas marianos da Igreja Católica Romana, como a Imaculada Conceição e a Assunção, e são, na visão católica romana, parte da tradição apostólica e da revelação divina. Os católicos distinguem a veneração da adoração.


Os Primeiros Resquícios de Veneração


Maria, como mãe de Jesus, está documentada nas catacumbas romanas: pinturas da primeira metade do século II mostram-na segurando o Menino Jesus. Escavações na cripta da Basílica de São Pedro descobriram um afresco muito antigo de Maria junto com São Pedro. As catacumbas romanas de Priscila retratam as mais antigas pinturas marianas de meados do século II: Maria é mostrada com Jesus no colo; eles estão ao lado de um homem de túnica, com a mão esquerda segurando um livro e a mão direita apontando para uma estrela sobre a cabeça, sendo esta última um símbolo do Antigo Testamento dos messias e/ou do Messias. Estas catacumbas também têm uma representação da Anunciação. O Edito de Milão (313 d.C.) permitiu que os cristãos adorassem abertamente. Essa nova liberdade também permitiu o desenvolvimento literário da veneração de Maria, sendo Hipólito de Roma um dos primeiros exemplos. Ambrósio, que viveu em Roma antes de ir para Milão como seu bispo, venerava Maria como um exemplo de vida cristã e é creditado por iniciar um culto mariano da virgindade no século IV.


A veneração mariana foi teologicamente sancionada com a adoção do título Theotokos no Concílio de Éfeso em 431. As primeiras igrejas conhecidas dedicadas a Maria foram construídas logo após essa data, entre elas a Igreja da Sede de Maria (Kathisma) perto do Mosteiro Mar Elias, entre Jerusalém e Belém. As primeiras igrejas marianas em Roma datam dos séculos V e VI: Santa Maria in Trastevere, Santa Maria Antiqua e Santa Maria Maggiore. No entanto, a primeira igreja dedicada à Virgem Maria ainda data do final do século IV na Síria, onde uma inscrição dedicando-o à Theotokos (Mãe de Deus) foi encontrada entre as ruínas.


Crescimento Mariano


No início da Idade Média, a veneração de Maria foi particularmente expressa nos mosteiros, especialmente os dos beneditinos. Cantos como Ave Maris Stella e Salve Regina surgiram e tornaram-se grampos da canção monástica. No século VIII, O Pequeno Ofício da Bem-Aventurada Virgem Maria desenvolveu-se a partir da prática dos monges de rezar as horas canônicas. Os carolíngios encorajavam a piedade mariana com a celebração das festas marianas e a dedicação de igrejas em sua homenagem. As práticas devocionais cresceram em número.


O período românico viu a construção de grandes igrejas marianas, como a Catedral de Speyer (também conhecida como Mariendom) em Speyer, na Alemanha, e a Catedral de Nossa Senhora da Flandres em Tournai, na Bélgica. A partir do ano 1000, mais e mais igrejas, incluindo muitas das maiores catedrais da Europa, foram dedicadas a Maria. Catedrais góticas, como Notre Dame de Paris e Nossa Senhora de Chartres, perto de Paris, foram grandes obras-primas da época. Construção da Catedral de Santa Maria Assunta em Siena, Itália e Catedral de Notre-Dame, Luxemburgo aumentou o número de igrejas dedicadas à Virgem Maria.


Os séculos XII e XIII viram um crescimento extraordinário do culto da Virgem na Europa Ocidental, inspirado em parte pelos escritos de teólogos como Bernardo de Claraval. O movimento encontrou sua maior expressão nas catedrais francesas, muitas vezes dedicadas a “Nossa Senhora”, como Notre-Dame de Paris e Notre-Dame de Bayeux, entre outras. Walsingham e outros lugares de peregrinação mariana desenvolveram grandes seguidores populares. No auge do movimento de peregrinação nos séculos XI e XII, centenas de pessoas viajavam quase constantemente de um santuário mariano para outro.


Por volta do século XIV, Maria tornou-se muito popular como uma intercessora compassiva e protetora da humanidade, e durante as grandes pragas (como a Peste Negra ) sua ajuda foi solicitada contra o justo julgamento de Deus. A Renascença testemunhou um crescimento dramático na arte mariana venerada.


No século XVI, a Reforma Protestante introduziu uma onda contra as venerações marianas na Europa. No entanto, ao mesmo tempo, novas devoções marianas estavam começando na América Latina com base na visão de 1531 relatada por Juan Diego de Nossa Senhora de Guadalupe. As peregrinações marianas que se seguiram continuaram até hoje e a Basílica Mariana no Monte Tepeyac continua sendo o santuário católico mais visitado do mundo. Nos séculos XVII e XVIII, os escritos dos santos, juntamente com os incentivos papais, aumentaram o crescimento das devoções marianas e deram origem à definição e declaração de novas doutrinas marianas.


A cultura mariana continua a se desenvolver dentro da Igreja Católica. Em 1974, após 4 anos de preparação, o Papa Paulo VI emitiu a Carta Apostólica Marialis Cultus. Neste documento, (que tinha como subtítulo Para o correto ordenamento e desenvolvimento da devoção à Bem-Aventurada Virgem Maria), Paulo VI não apenas discutiu a história das devoções marianas, mas também revisou sua lógica e forneceu sugestões para sua direção futura, seu valor teológico e pastoral. Ele pediu:


"impedir qualquer tendência (como aconteceu às vezes em certas formas de piedade popular) para separar a devoção à Santíssima Virgem de seu ponto de referência necessário - Cristo" (MC, 4).

Isso seguiu a virada dos acontecimentos no Concílio Vaticano II, que se seguiu a um século de crescente ênfase na devoção a Maria. O documento conciliar Sacrosanctum Concilium, procurou dar orientação sobre o lugar das devoções na piedade cristã: Decretava que:


"As devoções devem ser redigidas de modo a se harmonizarem com os tempos litúrgicos, de acordo com a sagrada liturgia, de algum modo derivam dela, e a ela conduzem o povo, pois, de fato, a liturgia por sua própria natureza supera em muito qualquer uma delas” (SC, 13).

Santos Católicos e a Veneração


As devoções católicas romanas se basearam nos escritos de numerosos santos ao longo da história que atestaram o papel central de Maria no plano de salvação de Deus.


Os primeiros santos incluíram Irineu de Lyon no século II, que talvez tenha sido o primeiro dos Padres da Igreja a escrever sistematicamente sobre a Virgem Maria, e apresentou um relato direto de seu papel na economia da salvação. Ambrósio de Milão (339–397) baseou a veneração de Maria não apenas em sua virgindade, mas também em sua extraordinária coragem.


Na Idade Média, Bernardo de Claraval destacou sua virgindade e humildade como base de sua veneração. Uma contribuição particularmente significativa para a Mariologia veio de John Duns Scotus que no século XIII defendeu a doutrina da Imaculada Conceição. Scotus identificou os principais fundamentos teológicos que levaram à declaração do dogma da Imaculada Conceição séculos depois.


No século XVI, Inácio de Loyola instruiu os jesuítas a preservar Madonna della Strada, que mais tarde foi consagrada na Igreja do Gesu em Roma. Filippo Neri, um contemporâneo de Inácio, é creditado com a inovação das devoções marianas diárias durante o mês de maio.


Em seu livro clássico As Glórias de Maria, Afonso Liguori explicou como Deus deu Maria à humanidade como a "Porta do Céu", citando Boaventura, "Ninguém pode entrar no céu a não ser por Maria, como se fosse por uma porta". O livro de Luís de Montfort, Tratado da Verdadeira Devoção à Virgem Santíssima, sintetiza muitos dos escritos de santos anteriores. A sua abordagem de "total consagração a Jesus Cristo por Maria" teve um forte impacto na devoção mariana tanto na piedade popular como na espiritualidade dos institutos religiosos.


Títulos


Um grande número de títulos para honrar Maria ou pedir sua intercessão são usados pelos católicos romanos. Enquanto Mater Dei (ou seja, "Mãe de Deus" como confirmado pelo Primeiro Concílio de Éfeso, 431) é comum em latim, um grande número de outros títulos têm sido usados pelos católicos romanos - muito mais do que quaisquer outros cristãos.


Os títulos usados para se referir à Virgem Maria ao longo da história, às vezes refletem as mudanças de atitudes em relação a ela. Domina (dama), Regina (rainha) e Stella Maris (estrela do mar) são alguns dos primeiros títulos de Maria, dos quais Regina é a mais antiga. Domina e Sella Maris são encontradas em Jerônimo que talvez tenha originado a etimologia de Maria como Stella Maris no século V. Enquanto a ênfase inicial em Stella Maris estava em Maria como a Estrela que carregava Cristo, no século IX, a atenção se concentrou na própria Maria, como indicado no hino Ave Maris Stella. No século XI, a própria Maria emergiu como a estrela que agia como uma luz guia. No século XIII, com o crescimento da Mariologia, António de Pádua compôs Maria Nossa Rainha. Os títulos continuam a ser interpretados, por exemplo, Rainha do Céu foi elaborado em 1954 na encíclica papal Ad Caeli Reginam pelo papa Pio XII.


Entre os títulos marianos católicos romanos mais proeminentes estão:


  • Maria, Mãe de Deus

  • Maria, a Imaculada Conceição

  • Maria, Rainha do Céu

  • Rainha dos anjos

  • Rainha da paz

  • Estrela do Mar (Stella Maris)

  • Mãe de todas as dores


A Oração da Salve Rainha


Existem muitas histórias sobre a origem da “Salve Rainha”, existe até quem sustente que seria um hino dos combatentes da Primeira Cruzada. Mas analisando fontes e documentos chegamos até um monge alemão beneditino, ele tinha fenda palatina, paralisia cerebral e espinha bífida, seu nome era Herman Contrat, nascido em 18 de julho de 1013.


Conta-se que ao nascer, sua mãe, Miltreed, o consagrou à Virgem Maria. Ele portador de uma doença chamada raquitismo, que o deixaria progressivamente paralítico; tinha o palato fendido; era vítima de paralisia cerebral e esclerose amiotrófica ou atrofia muscular espinal. Resumindo: tinha enorme dificuldade para se movimentar e quase não era capaz de falar. Seus pais não suportaram o peso de criar uma criança com estes problemas e o confiaram, aos sete anos, aos monges beneditinos, que o acolheram no mosteiro para os estudos em regime de internato.


Foi no mosteiro que Contrat teve contato com a ciência e artes, aprendeu árabe, grego e latim. Tornou-se astrônomo, matemático, teólogo, poeta e músico. É preciso situar o tom dramático de seus poemas e melodias na Europa do século XI que passava por guerras e conflitos. A Salve rainha é uma destas preces que reconhece as dificuldades do período, em um dos trechos da oração podemos ler: “gememos e choramos neste vale de lágrimas”. Conhecendo um pouco a história deste autor é possível entender o significado da prece.


Aos vinte anos, Herman Contrat se tornou monge beneditino e passou toda a sua vida na Abadia de Reichenau, que fica numa ilha no Lago Constança, no sul da Alemanha. Acabou se tornando o Mestre dos Noviços. Ao final da vida, como se não bastasse mais nada, ficou cego e foi justamente nesta fase que ele compôs a obra prima “Salve Rainha”. Faleceu no mosteiro de Reichenau no dia 24 de setembro de 1054. Foi beatificado pela Igreja Católica em 1863.


Contrat não compôs toda a Salve Rainha como a conhecemos hoje.


A oração originalmente terminava na frase:


“Mostrai-nos Jesus, bendito fruto do vosso ventre. Amém”.

É curioso que o poema orante não pronunciava em nenhum momento o nome de “Maria”.


Passaram-se cerca de cem anos. A prece se tornou rapidamente muito popular. Era cantada rezada com frequência em muitos lugares.


Numa dessas ocasiões, foi a oração escolhida para uma importante celebração na Catedral de Espira. Estavam presentes personalidades importantes, como o Imperador Conrado.


No meio do povo, estava um jovem desconhecido que mais tarde o mundo conhecera como São Bernardo, o “cantor da Virgem Maria”. Bernardo naquele dia se uniu ao coro que entoava a Salve Rainha na catedral.


Mas quando todos terminaram e fez-se aquele silêncio reverente, a voz do jovem continuou com a inspirada frase em latim que ele criou naquele momento:


“ó clemens, ó pia, ó dulcis Virgo Maria”.

A partir daquele dia, o verso improvisado passou a integrar a oração da Salve Rainha e é assim que a terminamos até hoje:


“ó clemente, ó piedosa, ó doce sempre, Virgem Maria”.

 

Fonte - Schmaus, Michael. Mariologie


Haffner, Paul. The mystery of Mary


Department of Medieval Art and The Cloisters. "The Cult of the Virgin Mary in the Middle Ages"


Herbermann, Charles, The Blessed Virgin Mary


Herbermann, Charles, Immaculate Conception


Alexander Schmemann, The Celebration of Faith: The Virgin Mary


Delany, Joseph. Virtue of Religion. The Catholic Encyclopedia.


Miller, John D. Beads and Prayers: The Rosary in History and Devotion.


McCarthy, T. J. H. Music, scholasticism and reform: Salian Germany, 1024–1125


Leonard Ellinwood, The Musica of Hermannus Contractus.

345 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page