top of page

AS SETE REGRAS DOS CONTOS DE FADAS


Conhecemos contos de fadas como Cinderela, Branca de Neve, Barba Azul e vários outros, muitos dos quais datam dos séculos XVII e XVIII. No entanto, também havia histórias muito mais antigas que se encaixavam na definição de um conto de fadas. Eram histórias em que o maravilhoso pode e acontece – senhoras de outro mundo podem fazer propostas de amor a jovens cavaleiros, rainhas podem ser roubadas por fadas e velhas sem atrativos podem se transformar em belas donzelas. Embora "conto de fadas" não seja um gênero que a maioria do público medieval reconheceria, eles reconheceriam o tipo de história que os contos de fadas contam. Eles descreveriam essas histórias como sendo romances.


E se seu herói quisesse sobreviver nessas histórias de romance, eles teriam que seguir sete regras.


Nós tendemos a pensar no romance como um gênero amplamente comercializado para mulheres envolvendo histórias sobre mulheres encontrando amor. Romances medievais são um pouco diferentes. Em primeiro lugar, em termos de audiência, são histórias que foram apreciadas tanto por homens como por mulheres. Além disso, ao contrário dos romances modernos, essas são tipicamente histórias que apresentam um protagonista masculino (geralmente um cavaleiro) tentando provar a si mesmo através de uma aventura (ou série de aventuras) que muitas vezes pode colocá-lo em contato com o desconhecido (e também pode envolver sua queda apaixonado). Assim, as expectativas de romance de um público medieval são menos Harlequin ou Mills and Boon, mais Harry Potter.


Embora essas sejam histórias em que o inesperado pode acontecer e muitas vezes acontece, existem diretrizes que podem ser seguidas para ajudar a garantir um final feliz.


Regra I: Conheça os sinais


A fronteira entre o mundo sobrenatural e o nosso pode ser extremamente permeável. Às vezes é fácil dizer quando o sobrenatural se intrometeu em uma vida mais normal, como quando o Cavaleiro Verde invade uma festa de feriado (não é que o Cavaleiro Verde use roupas verdes, mas que sua pele e cabelo e até mesmo seu cavalo são completamente verdes ). Às vezes, porém, os sinais são mais sutis, como um cervo que leva um cavaleiro para longe de seus amigos e para o desconhecido ou um barco que navega na ausência de marinheiros. No caso de Sir Lanval, pode ser uma mulher misteriosa em uma tenda opulenta.


Regra II: Tenha cuidado onde você adormece


Os personagens dessas histórias são vulneráveis ​​quando adormecem, especialmente quando adormecem em lugares novos ou incomuns. Em Sir Orfeo, a Rainha Heurodis caminha com suas damas na 'unden-tide' (manhã) no mês de maio. Ela tira uma soneca sob uma árvore 'ympe', ou enxertada, e tem um sonho terrível. Ao acordar, ela revela que, em seu sonho, outro rei apareceu para ela e ameaçou levá-la para seu reino. Mas isso é mais do que um sonho: ela é levada no dia seguinte, embora Orfeo tente protegê-la com seus soldados.


Regra III: Não se envolva em uma briga Física.

(Você não vai ganhar.)


A maioria dos protagonistas dessas histórias são cavaleiros, o que implica que são lutadores habilidosos. Além disso, eles tendem a ter amigos e aliados (ou no caso do Rei Orfeo, um exército) que também não carecem de proezas militares. No entanto, quando o sobrenatural está envolvido, muitas vezes não ajuda. O exército de Orfeo é incapaz de proteger a rainha do sequestro de fadas. Ela simplesmente desaparece do meio deles sem lutar. Da mesma forma, o golpe de Gawain com o machado corta a cabeça do Cavaleiro Verde de seus ombros, mas seu oponente simplesmente tira a cabeça do chão.


Regra IV: Não Desconsidere Velhinhas Repugnantes


Em A esposa do conto de Bath e Sir Gawain e o Cavaleiro Verde, ambos os protagonistas encontram mulheres idosas que não levam a sério. Em seu caminho para encontrar o Cavaleiro Verde, Gawain fica no castelo de um homem chamado Bertilak. Lá ele conhece uma jovem e bela mulher, a esposa de Bertilak, que é acompanhada por uma mulher muito mais velha (e muito menos atraente). Talvez compreensivelmente, Gawain concentre sua atenção na jovem, mas na conclusão da narrativa, a mulher mais velha acaba sendo Morgan, irmã do rei Arthur e tia de Gawain. Além disso, Gawain descobre que a visita do Cavaleiro Verde a Camelot fazia parte do esquema de Morgan para matar Guinevere. A mulher que ele ignorou sem pensar estava puxando as cordas o tempo todo.


O Cavaleiro em A esposa do conto de Bath só vê a velha como uma solução para um problema.

Não lhe ocorre que ela pode querer mais dele do que ele está preparado para dar. Quando ela anuncia sua intenção de se casar com ele, ele primeiro fica horrorizado e depois, na noite de núpcias, é rude e desdenhoso, chamando-a de velha, feia e pobre. Ela, no entanto, não é uma mulher mortal normal, tendo o poder de se transformar.


Regra V: Não se distraia com mulheres bonitas


Romances medievais são povoados por belas mulheres, mas muitas vezes suas motivações são misteriosas. No conto da Esposa de Bath, a nova esposa do cavaleiro não é simplesmente uma bela jovem; ela nunca explica o que ela é (em outras versões da história, ela explica que estava sob uma maldição, então agora está revelando sua verdadeira forma, mas esse não é o caso na versão de Chaucer).


A amante de Lanval também é mais do que uma bela dama em uma tenda requintada. Ela tem o poder de aparecer para Lanval quando ele deseja vê-la, e também coloca recursos financeiros ilimitados à sua disposição. Quando Lanval quebra sua promessa, ela desaparece completamente; se ela não tivesse pena dele, ele teria sofrido a morte ou o banimento.


Em Sir Gawain e o Cavaleiro Verde , Gawain conhece a bela esposa de Bertilak. Enquanto Gawain fica em seu castelo, ela entra sorrateiramente no quarto dele (consulte a Regra II) enquanto seu marido está caçando. Gawain se encontra em uma situação difícil: ele não quer ofendê-la rejeitando-a, mas também não quer trair seu marido. Ele geralmente administra esses encontros de forma eficaz, recebendo nada mais do que alguns beijos, até que ela lhe oferece um cinto verde, que ela diz que o protegerá de danos. Isso ele não pode resistir, e então ele aceita o presente dela. No confronto final com o Cavaleiro Verde, porém, ele descobre que tudo isso fazia parte da trama. Não apenas Bertilak é realmente o Cavaleiro Verde, mas sua esposa foi enviada para tentar Gawain sob seu comando (ou de Morgan le Fay).


Com todas essas mulheres bonitas, não sabemos quem são ou o que realmente querem. São desejáveis, mas permanecem cifras que a narrativa nunca explica completamente.


Regra VI: Não Tente Superar seres Sobrenaturais


Romances medievais cheios de superlativos (a mais bela dama, o mais nobre cavaleiro e assim por diante), mas os personagens sobrenaturais são ainda mais. Dizem-nos que a amada de Lanval tem uma tenda de tal opulência que o imperador Augusto não podia pagar nem metade dela. Tudo nela é descrito em termos extravagantes. Sua colcha custa tanto quanto um castelo. Sua menos empregada é mais bonita que a rainha Guinevere. Quando Orfeo resgata Heurodis, ele chega a um castelo que é tão impressionante que temos a certeza de que não pode ser descrito ou compreendido – quem o olhasse pensaria que estava no Paraíso.


Regra VII: Uma Promessa (Não Importa Quão Precipitada) Deve ser Mantida.


Todas essas histórias são sobre cumprir promessas. Sir Gawain deve cumprir sua promessa de aparecer e deixar sua cabeça ser cortada. Depois de quebrar seu juramento de tratar bem as mulheres, o Cavaleiro em A esposa do conto de Bath deve cumprir sua promessa de dar à senhora odiosa o que ela quiser, mesmo quando ele estiver horrorizado com suas exigências. Tudo dá errado para Lanval quando ele quebra sua promessa à sua dama.


Orfeo ganha sua rainha tocando música. O Rei fica tão emocionado com sua atuação que oferece a Orfeo tudo o que ele quer. Quando Orfeo pede Heurodis, o rei protesta que este não é um presente adequado (ela é muito bonita, e Orfeo parece bastante sujo depois de seu tempo na floresta). Orfeo responde que seria ainda pior para o rei não cumprir sua promessa, e o rei não tem escolha a não ser deixar Orfeo levar Heurodis de volta para casa.


Felizes para Sempre?


Todas essas histórias, em algum nível, têm um final feliz. Lanval é provado inocente e recupera o amor de sua dama (esperamos). Orfeo recupera sua rainha e seu reino, Sir Gawain volta para casa com a cabeça ainda presa, e o cavaleiro no conto da esposa de Bath (espero) aprendeu sua lição e ganhou uma bela esposa.


Nenhum desses finais felizes, no entanto, resiste a muito escrutínio. Lanval foi efetivamente sequestrado por sua amante; não sabemos o que acontece com ele depois que ele desaparece. Sir Orfeo e Heurodis retornam ao seu reino, mas o mordomo se torna rei após a morte de Orfeo, o que significa que eles não têm filhos, possivelmente um efeito colateral de seu tempo fora. O cavaleiro de A esposa do conto de Bath consegue uma linda esposa, mas sua vítima de estupro simplesmente desaparece da narrativa.


Sir Gawain sobrevive ao 'jogo de Natal' do Cavaleiro Verde, mas está zangado por ter sido enganado e sente que falhou. Ele retorna à corte de Arthur determinado a usar o cinto verde como um sinal de vergonha, mas toda a corte de Arthur decide usá-lo também em sua homenagem. Então Gawain deve passar o resto de sua vida assombrado por esse sinal do que ele percebe como seu fracasso.


Por Que Intervenções Sobrenaturais?


A presença do sobrenatural não só aumenta o apelo da narrativa, mas também pode servir de catalisador para os eventos. Além disso, alerta o público para ajustar suas expectativas, que as regras usuais da realidade podem não se aplicar. Essas intervenções sobrenaturais também criam níveis adicionais de desafio para os protagonistas. Estas não são histórias sobre ser bons lutadores; os protagonistas são testados por outras qualidades, como a capacidade de manter suas promessas e permanecer leais. Enfim, são narrativas que permitem múltiplos níveis de interpretação, mas talvez isso esteja na mente do público (medieval ou moderno) tanto quanto na intenção do narrador.


Se há uma moral, é que essas são mais do que apenas histórias inocentes para crianças – algo que também é verdade para os contos de fadas mais familiares. São histórias que têm muito a nos oferecer, não importa quantas vezes as revisitemos.


 

Fonte - Jan M. Ziolkowski, Fairy Tales from Before Fairy Tales: The Medieval Latin Past of Wonderful Lies

165 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page