top of page

COMO ANSELMO DE CANTERBURY TENTOU PROVAR QUE DEUS EXISTE?



De acordo com Anselmo de Canterbury, podemos saber que Deus existe realizando um ato de pensamento correto no limite das capacidades humanas.


O argumento ontológico formulado por Anselmo de Canterbury é uma joia da teologia medieval. É a única explicação da existência de Deus a priori. Em outras palavras, é uma prova que não depende da experiência, mas se baseia apenas em nossa capacidade de raciocínio.


Infelizmente, esse argumento é frequentemente simplificado e despersonalizado, alterado e distorcido. Sua magnificência e força só podem ser vistas quando formuladas com cuidado.


Anselmo de Canterbury desenvolveu a primeira versão do argumento ontológico em seu trabalho inicial Monologion. No entanto, ele logo se desiludiu com isso, e uma versão nova e melhorada da prova foi incluída no Proslogion. Apesar de algumas diferenças, ambas as obras respondem às seguintes perguntas: Deus existe e pode ser provado ou verificado? Se Deus existe, como isso pode ser confirmado? Nossa razão pode perceber a existência de Deus como uma realidade?


Quem foi Anselmo de Canterbury?


Anselmo de Canterbury (ca. 1033 – 1109) foi um famoso filósofo e teólogo da Igreja Católica. A partir de 1093 serviu como Arcebispo de Canterbury (Inglaterra). Após sua morte, ele foi canonizado como santo.


Anselmo nasceu em uma família nobre em torno de Aosta, na Alta Borgonha (atual Itália). O pai de Anselmo tinha um caráter severo e cruel, enquanto sua mãe era uma mulher paciente e piedosa.


Aos quinze anos, Anselmo quis partir para servir em um mosteiro, mas o abade local recusou esse desejo, pois o pai de Anselmo não deu seu consentimento. Como resultado, o jovem sofreu grande estresse, o que o levou a adoecer. Pouco depois de sua recuperação, ele desistiu de seu desejo de servir a Deus e viveu uma vida despreocupada por um tempo.


Após a morte de sua mãe, o pai de Anselmo se arrependeu de seu antigo modo de vida injusto. Tornou-se um crente tão apaixonado que viver com ele tornou-se insuportável para o jovem Anselmo. Anselmo deixou a casa de seu pai aos 23 anos.


Anselmo então passou muito tempo em busca de si mesmo. Depois de vagar de mosteiro em mosteiro e estudar em várias escolas da igreja na França em 1060, o jovem mudou-se para a Normandia para a abadia de Bec, onde logo se tornou prior e, em 1078, foi eleito abade.


Principais obras de Anselmo


Anselmo de Canterbury é frequentemente chamado de “o intelecto mais luminoso e penetrante entre Santo Agostinho e São Tomás de Aquino” e “o pai da escolástica”.


Os escritos de Anselmo são filosóficos e teológicos, pois o autor busca apresentar os princípios cristãos da fé, tradicionalmente percebidos como uma verdade indiscutível, na forma de um sistema racional.


Anselmo também analisa o fenômeno da linguagem, examinando cuidadosamente o significado dos termos religiosos. Ele e os pensadores que o seguiram, como Pierre Abelard e Guillaume de Conches, foram verdadeiros inovadores na filosofia ocidental em lógica, semântica, ética, metafísica e outras áreas da teologia filosófica.


Estilisticamente, as obras de Anselmo de Canterbury são apresentadas em duas formas principais – diálogos e meditações. Em sua metodologia e filosofia, ele seguiu a tradição platônica e não a aristotélica.


O principal problema abordado em sua obra é a relação entre fé e razão. Anselmo de Canterbury resolveu esse problema do ponto de vista do agostinianismo – “eu creio para poder entender”, isto é, a fé precede a razão. Segundo Anselmo de Canterbury, a razão pode esclarecer a verdade contida nas disposições da fé com a ajuda da dialética. Ele acreditava que todas as verdades da revelação poderiam ser provadas racionalmente.


Como Anselmo de Canterbury Provou a Existência de Deus e a Realidade do Dogma Cristão?


As opiniões de Anselmo desenvolveram-se sob a grande influência dos ensinamentos de Aurélio Agostinho. Seguindo esta famosa patrística, ele também acreditava que a fé deve preceder o conhecimento e que exclui toda dúvida – como dissemos: “Eu creio para que eu possa entender”.


No entanto, sendo um homem do século XI, não pôde deixar de prestar atenção ao conhecimento racional e foi influenciado pela lógica de Aristóteles. Assim, Anselmo reconheceu que a compreensão da verdade é impossível sem a razão, baseada apenas na fé. Portanto, ainda antes de Tomás de Aquino, ele empreendeu a tentativa de provar racionalmente a existência de Deus.


O Monologion e o Proslogion de Anselmo of Canterbury são duas das obras mais importantes da filosofia da religião. Nesses textos, Anselmo fornece uma prova da existência de Deus, que veio a ser conhecida como argumento ontológico.


No Monologion, Anselmo adota uma abordagem mais dedutiva, começando com a ideia de que Deus é perfeito e depois trabalhando de trás para frente para provar Sua existência.


Em contraste, o Proslogion começa com o argumento de que temos um conceito de Deus em nossas mentes e então afirma que isso deve significar que Ele existe. Ambas as obras são altamente influentes, mas o Proslogion é geralmente considerado superior.


Existem algumas razões principais pelas quais o Monologion é considerado inferior quando comparado ao Proslogion:


A abordagem dedutiva de Anselmo não é tão forte quanto sua abordagem indutiva no Proslogion.


O Monologion depende fortemente de analogias e metáforas, enquanto o Proslogion é mais direto e lógico.


O Monologion se concentra principalmente em argumentos ontológicos para a existência de Deus, enquanto o Proslogion também inclui argumentos teleológicos e cosmológicos.

No geral, o Proslogion é um trabalho mais bem-sucedido do que o Monologion devido à sua argumentação mais forte e maior amplitude de evidências. No entanto, ambas as obras são contribuições importantes para a filosofia da religião, e qualquer pessoa interessada na existência de Deus deve ler ambas.


O Argumento Ontológico


O argumento ontológico para provar a existência de Deus formulado por Anselmo de Canterbury é o seguinte:


  1. Deus é, por definição, um ser do qual nada maior pode ser concebido.

  2. Deus existe como uma ideia na mente.

  3. Um ser que existe como uma ideia tanto na mente quanto na realidade é maior do que um ser que existe apenas como uma ideia na mente.

  4. Assim, se Deus existe apenas como uma ideia na mente, então podemos imaginar algo que seja maior que Deus (o maior ser possível que também existe).

  5. Não podemos imaginar algo que seja maior que Deus.

  6. Portanto, Deus existe.

Os filósofos debateram esse argumento por séculos, com muitas interpretações diferentes dele. No entanto, a versão de Anselmo é geralmente considerada a mais persuasiva.


Existem alguns pontos-chave para entender o argumento de Anselmo. Primeiramente, é importante notar que quando Anselmo fala sobre Deus, ele não está se referindo ao Deus cristão ou a qualquer outra divindade específica. Em vez disso, ele está falando sobre um ser que possui todas as perfeições possíveis. Em outras palavras, Deus é o ser mais elevado possível que poderia ser concebido.


Em segundo lugar, é importante entender o que Anselmo quer dizer com existência. Para ele, a existência não é simplesmente uma questão de estar fisicamente presente no mundo. Pelo contrário, é uma propriedade dos seres que os torna maiores do que aqueles que não a possuem. Então, por exemplo, um unicórnio não existe porque não tem a propriedade de existir. No entanto, um ser humano existe porque temos a propriedade da existência.


Terceiro, é importante notar que o argumento de Anselmo não é prova da existência do Deus cristão ou de qualquer outra divindade específica. Pelo contrário, é a prova da existência de um ser do qual nada maior pode ser concebido. Assim, mesmo que você não acredite no Deus cristão, você ainda deve admitir que o argumento de Anselmo é sólido.


Quarto e finalmente, é importante entender o que Anselmo quer dizer com 'maior'. Nesse contexto, maior não significa simplesmente 'maior' ou 'mais poderoso'. Em vez disso, refere-se a qualquer coisa que torne um ser perfeito ou mais completo. Assim, por exemplo, um ser mais inteligente ou mais justo é maior do que um ser menos inteligente ou menos justo.


Oposição a Anselmo e sua Prova


Embora a prova ontológica de Anselmo seja uma grande contribuição para o pensamento teológico e filosófico, ela atraiu muitas críticas e serviu de base para muitas disputas. É o mais controverso de todos os argumentos lógicos tradicionais da teologia sistemática para a existência de Deus. De acordo com Paul Enns, este argumento é o menos significativo de todos os argumentos lógicos para a existência de Deus, que ele considerou em seu livro sobre teologia sistemática.


Entre os oponentes e críticos do argumento ontológico estavam não apenas pensadores posteriores, mas também contemporâneos de Anselmo, particularmente o monge Gaunilo, que expôs suas objeções em um livro polêmico com o título irônico de Liber pro insipiente (“Em defesa do tolo”). Quanto aos críticos posteriores, os seguintes pensadores são os mais conhecidos opositores a essa prova: Tomás de Aquino, David Hume e Immanuel Kant.


Por muitos séculos, os principais teólogos e filósofos estiveram quase igualmente divididos entre aqueles que rejeitavam o argumento ontológico da existência de Deus e aqueles que o defendiam.


No entanto, nenhuma das partes em guerra conseguiu uma vitória definitiva. Isso só pode ser explicado por uma coisa: cada grupo rejeitou algo completamente diferente do que o outro defendia. Não foi um conflito sobre o mesmo problema que os separou. Eles brigaram por coisas diferentes que expressaram nos mesmos termos. Aqueles que rejeitaram argumentos para a existência de Deus criticaram sua forma argumentativa, enquanto aqueles que os defenderam aceitaram seu significado implícito.


A maioria das críticas à prova de Anselmo foi e é baseada no fato de que ele (como mencionado acima) fez, na opinião de seus oponentes, uma transição irracional da ideia de Deus para Sua existência, perdendo a conexão entre esses dois conceitos. No entanto, tais afirmações ignoram que talvez Anselmo não tenha procurado dar provas apologéticas estritamente científicas, mas queria mostrar a harmonia natural entre fé e razão na reflexão orante.


O Argumento ontológico de Anselmo de Canterbury é relevante hoje?


Filósofos e teólogos debateram durante séculos a prova ontológica de Anselmo de Canterbury sobre a existência de Deus. Alguns o viram como um argumento válido para a existência de Deus, enquanto outros o criticaram como baseado em um raciocínio falho. No entanto, independentemente da opinião de alguém sobre o assunto, não há como negar que a prova ontológica de Anselmo é um argumento fascinante que ainda é relevante hoje.


Nos últimos anos, houve um interesse renovado na prova ontológica de Anselmo, em grande parte devido ao trabalho de filósofos como Alvin Plantinga e William Lane Craig. Esses pensadores argumentaram que a prova de Anselmo pode ser usada para mostrar que a existência de Deus é mais do que apenas uma questão de crença pessoal; ao contrário, eles afirmam que pode ser demonstrado racionalmente que Deus existe.


Quer alguém concorde ou não com esta interpretação da prova de Anselmo, não há dúvida de que é um argumento significativo que continua a ser relevante no debate filosófico e teológico sobre a existência de Deus.


Embora alguns estudiosos rejeitem esse argumento ou o considerem inútil, outros o veem como uma contribuição atemporal para a filosofia. Uma coisa é certa: Anselmo, ao inventar sua prova, impactou profundamente o curso da teologia medieval.

 

Fonte - Fröhlich, Walter , "Introduction", The Letters of Saint Anselm of Canterbury


Butler, Alban, "St Anselm, Archbishop of Canterbury


Chisholm, Hugh, "Anselm" . Encyclopædia Britannica.


Crawley, John J, Lives of the Saints

89 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

LUIS IX

コメント


bottom of page