top of page

GUERRA DOS CEM ANOS: ARCO LONGO INGLÊS



O arco inglês foi uma das armas mais famosas do período medieval. Embora exigisse treinamento extensivo, o arco longo poderia ser devastador no campo de batalha e arqueiros equipados com arco longo forneceram a espinha dorsal das forças inglesas durante a Guerra dos Cem Anos (1337-1453). Durante esse conflito, a arma se mostrou decisiva em vitórias como Crécy (1346), Poitiers (1356) e Agincourt (1415). Embora tenha permanecido em uso no século XVII, o arco longo foi eclipsado pela chegada de armas de fogo que exigiam menos treinamento e permitiam que os líderes levantassem exércitos mais rapidamente para a batalha.


Características da Arma


O Arco Longo inglês tem um alcance efetivo de 75-80 jardas (73 metros aprox.), com menos precisão até 180-270 jardas (246 metros aprox.), um arqueiro profissional poderia alcançar uma taxa de disparo de 20 flechas por minuto.


Origens


Embora os arcos tenham sido usados ​​para caça e guerra por milhares de anos, poucos alcançaram a fama do Arco Longo inglês. A arma ganhou destaque quando foi implantada pelos galeses durante as invasões inglesas normandas do País de Gales. Impressionados com seu alcance e precisão, os ingleses o adotaram e começaram a recrutar arqueiros galeses para o serviço militar. O arco longo variou em comprimento de quatro pés a mais de seis. Fontes britânicas geralmente exigem que a arma tenha mais de um metro e meio para se qualificar.


Construção


Os arcos longos tradicionais eram construídos a partir de madeira de teixo que era seca por um a dois anos, sendo lentamente moldada ao longo desse tempo. Em alguns casos, o processo pode levar até quatro anos. Durante o período de uso do arco longo, foram encontrados atalhos, como molhar a madeira, para agilizar o processo.


A aduela de proa era formada a partir da metade de um galho, com o cerne por dentro e o alburno por fora. Essa abordagem foi necessária, pois o cerne foi capaz de resistir melhor à compressão, enquanto o alburno apresentou melhor desempenho em tração. A corda do arco era tipicamente de linho ou cânhamo.


Precisão


Para a época, o arco longo possuía longo alcance e precisão, embora raramente ambos ao mesmo tempo. Estudiosos estimam o alcance do arco entre 180 a 270 jardas. É improvável, no entanto, que a precisão possa ser garantida além de 75-80 jardas. Em distâncias mais longas, a tática preferida era lançar rajadas de flechas em massas de tropas inimigas. Durante os séculos XIV e XV, esperava-se que os arqueiros ingleses disparassem dez tiros "direcionados" por minuto durante a batalha. Um arqueiro habilidoso seria capaz de cerca de vinte tiros. Como o arqueiro típico era fornecido com 60-72 flechas, isso permitia de três a seis minutos de fogo contínuo.


Táticas


Embora mortais à distância, os arqueiros eram vulneráveis, principalmente à cavalaria, a curta distância, pois não tinham armaduras e armas da infantaria. Como tal, os arqueiros equipados com arco longo eram frequentemente posicionados atrás de fortificações de campo ou barreiras físicas, como pântanos, que podiam oferecer proteção contra ataques. No campo de batalha, os arqueiros eram frequentemente encontrados em uma formação enfileirada nos flancos dos exércitos ingleses.


Ao reunir seus arqueiros, os ingleses lançariam uma "nuvem de flechas" sobre o inimigo à medida que avançassem, o que derrubaria soldados e cavaleiros blindados desmontados. Para tornar a arma mais eficaz, várias flechas especializadas foram desenvolvidas. Estes incluíam flechas com cabeças pesadas de bodkin (formato de cinzel) que foram projetadas para penetrar cota de malha e outras armaduras leves.


Embora menos eficazes contra armaduras de placas, eles geralmente eram capazes de perfurar a armadura mais leve na montaria do cavaleiro, desmontando-o e forçando-o a lutar a pé. Para acelerar sua taxa de tiro na batalha, os arqueiros removiam suas flechas de sua aljava e as enfiavam no chão a seus pés. Isso permitiu um movimento mais suave para recarregar após cada flecha.


Treinamento


Apesar de ser uma arma eficaz, o arco longo exigia treinamento extensivo para ser usado com eficácia. Para garantir que um grupo profundo de arqueiros sempre existisse na Inglaterra, a população, tanto rica quanto pobre, foi incentivada a aprimorar suas habilidades. Isso foi promovido pelo governo através de decretos como a proibição do rei Eduardo I de esportes no domingo, que foi projetado para garantir que seu povo praticasse tiro com arco. Como a força de atração no arco longo era de 160-180 lbf, os arqueiros em treinamento trabalharam até a arma. O nível de treinamento necessário para ser um arqueiro eficaz desencorajou outras nações a adotar a arma.


Uso


Ganhando destaque durante o reinado do rei Eduardo I (r. 1272–1307), o arco longo tornou-se uma característica definidora dos exércitos ingleses nos três séculos seguintes. Nesse período, a arma auxiliou na conquista de vitórias no continente e na Escócia, como Falkirk (1298). Foi durante a Guerra dos Cem Anos (1337-1453) que o arco longo se tornou lenda depois de ter desempenhado um papel fundamental na garantia das grandes vitórias inglesas em Crécy (1346), Poitiers (1356) e Agincourt (1415). Foi, no entanto, a fraqueza dos arqueiros, que custou aos ingleses quando foram derrotados em Patay em (1429).


A partir da década de 1350, a Inglaterra começou a sofrer com a escassez de teixo para fazer varas de arco. Após a expansão da colheita, foi aprovado em 1470 o Estatuto de Westminster, que exigia que cada navio que negociasse nos portos ingleses pagasse quatro aduelas de proa por cada tonelada de mercadorias importadas. Isso foi posteriormente expandido para dez aduelas de proa por tonelada. Durante o século XVI, os arcos começaram a ser substituídos por armas de fogo. Embora sua taxa de tiro fosse mais lenta, as armas de fogo exigiam muito menos treinamento e permitiam que os líderes criassem rapidamente exércitos eficazes.


Embora o arco longo estivesse sendo eliminado, permaneceu em serviço até a década de 1640 e foi usado pelos exércitos realistas durante a Guerra Civil Inglesa . Acredita-se que seu último uso em batalha tenha sido em Bridgnorth em outubro de 1642. Enquanto a Inglaterra era a única nação a empregar a arma em grande número, empresas mercenárias equipadas com arco longo foram usadas em toda a Europa e tiveram amplo serviço na Itália.


 

Fonte - Loades, Mike (2013) The Longbow



Robert Hardy, Longbow: A Social and Military History

391 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page