top of page

POR QUE OS CAVALEIROS MEDIEVAIS ESTAVAM SEMPRE LUTANDO CONTRA CARACÓIS?


Cavaleiro lutando com um caracol gigante (Ilustração: Saltério Gorleston, 1310-1324, Adicionar MS 49622, f. 193v
Cavaleiro lutando com um caracol gigante (Ilustração: Saltério Gorleston, 1310-1324, Adicionar MS 49622, f. 193v

Manuscritos estão entre as mais belas fontes que chegaram até nós desde a Idade Média - principalmente por causa das iluminuras coloridas. Elementos decorativos lúdicos são frequentemente entrelaçados ao redor do texto, e os espaços livres nas bordas das páginas individuais geralmente são preenchidos com ilustrações. É precisamente aqui, nas ilustrações e elementos decorativos, que muitas vezes se escondem curiosos pormenores, que o leitor só reconhece à segunda vista.


Um dos motivos mais loucos dos manuscritos medievais é certamente a representação de um cavaleiro lutando contra um caracol gigante. No final do século XIII, há uma representação dessa luta entre um cavaleiro e um caracol em muitos manuscritos do norte da França, Flandres e Inglaterra. Mas o que isso significa? E o que essas imagens querem dizer?


Ninguém sabe exatamente por que caracóis gigantes aparecem com tanta frequência em manuscritos medievais por volta de 1300. Mas existem diferentes teorias sobre o que significa a luta entre o cavaleiro e o caracol. Dando uma vasculhada nos posts do blog (incluindo os da British Library e My Albion ) e da literatura acadêmica, podemos chegar em 5 interpretações possíveis:


I - Humor, Sátira e Zombaria


Por volta de 1300, a arte medieval era dominada pela brincadeira , uma representação muito grosseira e grotesca de pessoas, animais e criaturas míticas. Essas caricaturas na iluminação de livros devem ser acima de tudo engraçadas e divertidas. Eles também são frequentemente encontrados em áreas sagradas e religiosas - por exemplo, como gárgulas em igrejas góticas.


As ilustrações de cavaleiros lutando contra caracóis enormes é uma representação grotesca do "monde renversé", ou seja, o mundo de cabeça para baixo. Este é um mundo que deu errado, onde os papéis se invertem e onde, por exemplo, as tartarugas podem voar ou os coelhos podem carregar um caçador amarrado. Boa parte das críticas e zombarias sociais costumavam ser transportadas dessa forma.


Mas como os cavaleiros são ridicularizados lutando contra os caracóis gigantes?


A principal atividade dos cavaleiros é, obviamente, lutar contra outros cavaleiros. Quando dois cavaleiros desconhecidos se encontram na literatura da corte dos séculos XII e XIII, o encontro quase sempre termina em uma briga - geralmente sem muitas palavras terem sido trocadas antes. No romance arturiano "Iwein", de Hartmann von Aue, o protagonista constantemente se joga em duelos com cavaleiros desconhecidos para provar sua posição. No início do romance, o cavaleiro Kalogrenant explica a um homem selvagem na floresta o que é a vida de um cavaleiro:


Olha que armadura estou usando. Eles me chamam de cavaleiro, e pretendo sair em busca de um homem que lute comigo e carregue armas como eu. Se ele me bater, isso lhe trará glória, mas se eu derrotar, serei visto como um herói e minha dignidade aumentará.

(Hartmann von Aue, Iwein. Texto e tradução. 4ª edição revisada, Berlim/Nova York 2001, v. 529-537.)


Mas por que agora caracóis? Talvez seja essa a explicação: na verdade, os caracóis não são tão diferentes dos cavaleiros blindados, com suas fortes conchas protegendo-os de ataques.

Assim, a zombaria pode estar no fato de que o cavaleiro ataca cegamente qualquer criatura blindada - porque ele vê um cavaleiro adversário no gigantesco caracol. A luta contra o enorme caracol poderia, assim, zombar do desejo irrefletido de batalha dos cavaleiros.


II - Um Símbolo da Covardia Lombarda


Lilian Randall analisou as imagens dos caracóis já em 1962 e chegou à seguinte tese: Para ela, as imagens devem ser entendidas como uma zombaria dos italianos, que eram bastante impopulares no norte da França e na Flandres por volta de 1300 e que eram considerados particularmente covarde.


Houve até um exemplo histórico da covardia dos italianos: em 772, Carlos Magno e seu exército marcharam para a Itália contra os lombardos. No entanto, assim que os lombardos viram o rei franco, dizem que fugiram em grande pânico em vez de lutar.


No século XII, as pessoas na França ainda se lembram vividamente da fuga covarde dos lombardos. O conhecimento da covardia dos italianos foi capturado em uma imagem linguística muito vívida nessa época: Os italianos, diz-se, são tão covardes que têm até medo de caracóis! No caso do historiador Jacques de Vitry, a covardia torna-se uma característica típica de todos os italianos. (Os ingleses não se saem muito melhor, Jacques de Vitry os considera bebedores pesados) Em geral, o caracol era considerado um símbolo de covardia na Idade Média, afinal o caracol rasteja em seu estômago e imediatamente se esconde nele no menor perigo sua casa dura, que ela sempre tem com ela em todos os lugares.


Para Lilian Randall, há uma razão clara pela qual os lombardos do norte da França em 1300 foram particularmente alvo de ridicularização e crítica. Porque os italianos se estabeleceram como cambistas e credores em todo o norte da Europa naquela época. E aqueles que trabalham nesses setores naturalmente atraem a ira de seus semelhantes muito rapidamente. Provavelmente não foi diferente para os banqueiros italianos. Então a velha história sobre a covardia dos italianos veio a calhar.


Então, talvez os cambistas e banqueiros italianos fossem ridicularizados como covardes ao retratar cavaleiros lutando contra caracóis.


III - Escalada Social: Superior versus Inferior


Na Idade Média, o caracol não era apenas o epítome da covardia, mas também um símbolo para o lodo (no sentido mais verdadeiro da palavra), que subiu de sua concha de caracol para postos mais altos em sua trilha de lodo. No entanto, uma interpretação oposta também parece possível: o caracol em sua concha segura também pode ser entendido como uma sátira aos poderosos nobres da Idade Média que se esconderam em suas fortalezas e exploraram e zombaram das pessoas comuns.


IV - O Caracol como Símbolo de Ressurreição e Morte


No século XIX, o historiador francês de nome eufônico Jean-François-Auguste, conde de Bastard d'Estang sugeriu que o caracol deveria ser entendido como um símbolo da ressurreição dos mortos. Ele tem dois argumentos para isso: primeiro, o caracol enfiando a cabeça para fora da concha é suposto ser uma alegoria para a ressurreição, e segundo, a ilustração de um caracol é encontrada em um manuscrito bem ao lado da passagem que trata da ressurreição. ressurreição de Lázaro. Mas o conde de Bastard não pode explicar por que cavaleiros com lanças e espadas atacam o símbolo da ressurreição. Em outro artigo do blog, Lisa Spangenberga luta entre caracol e cavaleiro, por outro lado, foi interpretada como símbolo da inevitabilidade da morte. Ela se baseia em uma citação do Salmo 58:


Serão como um caracol que derrete e derrete, como o aborto de uma mulher que nunca viu o sol! Como o caracol, o cavaleiro um dia "passará e derreterá"

V. O Caracol como Símbolo da Sexualidade Feminina


Não quero negar-lhe uma última interpretação possível: existe a opinião de que a luta do cavaleiro contra o caracol é um símbolo do sexo. Lance, caracol molhado - é tudo o que há para dizer.


Caracóis até onde a vista Alcança, e Nenhuma Resposta Definitiva


O grande número de interpretações possíveis para essa representação tão incomum mostra que ninguém sabe realmente do que se tratam os caracóis gigantescos. Além disso, os caracóis aparecem em manuscritos medievais em outros contextos. Por exemplo, também há ilustrações de macacos lutando contra caracóis. Muitas vezes, os oponentes dos caracóis não são cavaleiros, mas agricultores ou alfaiates. Resta saber se pesquisas futuras serão capazes de explicar de forma inequívoca o significado da luta entre cavaleiro e caracol.

 

Fonte - British Library, Knight v Snail


403 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page