top of page

QUARTA CRUZADA: OBJETIVO, RETOMAR JERUSALÉM! MAS O ALVO FOI CONSTANTINOPLA?


Os cruzados conquistando a cidade de Zara em 1202 (óleo sobre tela), de Vicentino, Andrea (Michieli)
Os cruzados conquistando a cidade de Zara em 1202 (óleo sobre tela), de Vicentino, Andrea (Michieli)

A IV Cruzada teve como objetivo retomar Jerusalém. Foi bem financiado e teve o apoio papal. Então, como acabou saqueando uma cidade cristã, a capital do Império Bizantino, Constantinopla?


Em 9 de outubro de 1192, o rei da Inglaterra Ricardo I partiu da terra santa, efetivamente encerrando a III Cruzada e frustrando qualquer esperança de uma conquista cristã de Jerusalém. Foram necessários seis anos e a eleição de um novo papa em 1198 para que uma IV Cruzada fosse encomendada, desta vez com destino ao Egito. Esperava-se que o Egito pudesse então ser resgatado pelo retorno de Jerusalém. Mas a cruzada nunca conseguiu nada disso; em vez disso, terminando no saque voraz da capital do Império Bizantino, Constantinopla, em abril de 1204.


As Formas da IV Cruzada


Ao assumir o cargo, o Papa Inocêncio III imediatamente teve ambições de recapturar Jerusalém e restaurar as fortunas cristãs no Levante. Este deveria ser um movimento pan-europeu; velhas pontuações entre nobres e cavaleiros deveriam ser deixadas de lado. Ele ordenou:


“Que todos, coletiva e individualmente, se preparem.”


A III Cruzada de Ricardo havia assegurado o controle cristão sobre as cidades costeiras da Terra Santa, mas sua posição, cercada por forças muçulmanas, era precária. Inocêncio deu a costumeira bênção papal, bem como um decreto permitindo a remissão de pecados para qualquer um que tomasse a cruz.


O cavaleiro medieval era um homem violento. E os homens violentos, dizia-se, achariam muito difícil entrar pelos portões do céu. Os cruzados de mentalidade religiosa ansiavam pela remissão dos pecados. Mas os práticos entre eles sabiam que a peregrinação armada ao Oriente Próximo era uma oportunidade para adquirir novas terras e saquear – tudo santificado pela vontade do único representante terreno de Deus.


Com a notícia do telefonema de Inocente, uma enorme onda de otimismo encheu a Europa. Um cavaleiro resumiu o sentimento da época:


“queremos apenas vingar a honra de Jesus Cristo e, pela graça de Deus, reconquistar Jerusalém”.


Thibaut, Conde de Champagne, foi eleito para liderar o exército, apesar de ter apenas 22 anos. No entanto, ele já era um cavaleiro de sucesso; um cronista declarou: “nenhum outro homem naquela época tinha tantos seguidores dedicados”. Talvez seja um testemunho da popularidade de Thibaut que homens mais velhos (como Luís de Blois e Balduíno de Flandres) estivessem dispostos a lutar e potencialmente morrer sob seu comando.


Então, por que a IV Cruzada falhou tão espetacularmente? Como um bando de soldados experientes, bem financiado e bem liderado, acabou a 1.000 quilômetros de seu objetivo, saqueando uma cidade cristã?


A Primeira Diversão: Lidar com o Diabo


A maioria das cruzadas anteriores envolveu a marcha lenta de massas de soldados por terras hostis para chegar à Palestina. A IV Cruzada seria diferente. Seu objetivo era o Egito e exigiria o uso de uma grande frota de navios para alcançá-lo.


Apenas duas nações marítimas no sul da Europa foram capazes de reunir tal flotilha, Gênova e Veneza. Gênova não estava interessada no esquema, mas os venezianos concordaram em fornecer uma força naval capaz de transportar, segundo o cavaleiro francês Villehardouin, “quatro mil e quinhentos cavalos e nove mil escudeiros… quatro mil e quinhentos cavaleiros e vinte mil soldados de infantaria ”.


Isso totalizou 33.500 homens. Uma força tão gigantesca precisaria pagar por seu transporte, pois os venezianos não poderiam pagar a conta sozinhos. Para que tal frota fosse construída, os venezianos teriam que suspender seus outros interesses comerciais lucrativos na região.


Esta não foi uma decisão tomada de ânimo leve; como observou um doge veneziano, “um pedido dessa magnitude requer consideração cuidadosa”.


Esse Doge era Enrico Dandolo. Ele tinha cerca de noventa anos e era um operador político astuto. Dandolo tinha visto tudo e feito tudo: soldado, estadista, almirante, comerciante. Durante anos, ele expandiu os interesses de Veneza através do conflito com o Império Bizantino. A cruzada ofereceu a ele e seu povo uma oportunidade de ganhar muito dinheiro, além de entrar nos bons livros do Papa.


Estava claro que este acordo era a única opção viável para os cruzados. Também os deixou com uma conta enorme devida aos venezianos.


A Segunda Diversão: Uma Morte Prematura


Então veio o primeiro grande desastre da Cruzada.


O conde Thibaut, a grande esperança da Europa católica, morreu repentina e inesperadamente de uma febre. A cruzada ficou sem líder.


Quando a hoste cristã se reuniu em torno de Veneza no verão de 1202, ficou claro que “apenas um quarto dos cavaleiros e metade da infantaria” se materializaram, deixando uma força de talvez 12.000. A falta de tropas é explicada pela morte do Thibaut.


O conde Bonifácio de Montferrat acabou sendo eleito para liderar o exército, mas era italiano. Embora ele tivesse um bom pedigree de cruzada, os soldados que compõem a 4ª Cruzada eram principalmente da França e teriam preferido que Thibaut tivesse sobrevivido para liderá-los. Muitos simplesmente não apareceram.


Os cruzados reunidos em Veneza ficaram agora com sérias dívidas, pois havia sido acordado anteriormente que cada homem pagaria sua própria parte pela passagem. Pode haver pouca dúvida de que Dandolo usou a situação dos cruzados para sua própria vantagem, mas, dadas as circunstâncias, ele não podia fazer mais nada. O tamanho do compromisso veneziano com a 4ª Cruzada foi imenso, sem paralelo na história das repúblicas marítimas italianas. Reunir essa frota havia esgotado o tesouro veneziano e, quando ficou claro que o exército não poderia pagar integralmente, Dandolo ficou com pouca opção a não ser recuperar suas perdas de alguma forma.


A Terceira Diversão: Zara


O exército cruzado de 1202 compreendia um grande corpo endurecido pela batalha de soldados europeus principalmente profissionais. Para Dandolo, a necessidade de usá-lo para promover os interesses venezianos provou ser grande demais, e foi acordado que a dívida dos cruzados seria suspensa se eles ajudassem a tomar o porto dálmata de Zara, uma cidade cristã no Império Bizantino. O espólio ganho com a conquista seria então usado para pagar os venezianos, e a frota então navegaria para o Egito sem demora.


Relutantemente, a maioria dos cruzados concordou. A época do ano também conspirou para forçar a cruzada a seguir esse caminho, pois o Egito, o objetivo, estava fora de alcance até a primavera. A dívida com os venezianos não podia ser simplesmente ignorada, pois sua frota ainda era uma parte crucial do empreendimento. Dandolo também não podia se dar ao luxo de seguir qualquer outro curso de ação – para ele, tempo era dinheiro. Ele tinha o exército com ele agora e não podia esperar até a próxima temporada de campanha no Egito por medo de que a cruzada pudesse acabar. Ele e seu povo teriam despejado seu dinheiro no esquema para nada. Villehardouin nos dá uma descrição da captura:


“Do lado do mar, eles içaram escadas de escalada dos navios de guerra. (Máquinas de cerco) começaram a apedrejar as muralhas e torres. A batalha durou cinco dias, quando os sapadores foram ordenados a desmantelar as paredes. Os habitantes finalmente cederam…”

Ao tomar o porto da Dalmácia em dezembro de 1202, verificou-se que a pilhagem recolhida era insuficiente. Os venezianos ainda deviam dinheiro; portanto, os 4º cruzados ainda eram obrigados a cumprir obrigações para com seus aliados.



O Quarto Desvio: O Pretendente ao Império Bizantino


Poucos dias após a tomada de Zara, Bonifácio de Montferrat chegou ao acampamento dos cruzados com uma proposta surpreendente. Ele havia trazido um homem chamado Aleixo Ângelo, um pretendente rival ao trono bizantino, atualmente ocupado por Isaac II.


Em troca de depor o atual imperador em favor de si mesmo, Angelos concordou em pagar a dívida dos cruzados com os venezianos e financiar um ataque à terra santa depois que ele foi colocado no poder. Mais surpreendente de tudo, ele também concordou em oferecer aos cruzados a união da Igreja Ortodoxa Grega com Roma.


Se o plano tivesse sucesso, todos se beneficiariam. Os venezianos finalmente seriam pagos, deixando a honra dos cruzados intacta, o papa ficaria em êxtase que o cisma do cristianismo oriental e ocidental pudesse ser unificado sob seu controle , e os próprios cruzados seriam capazes de cumprir seus votos sagrados montando um ataque gigantesco. sobre o mundo islâmico.


A massa do exército já estava aquartelada em Zara, um ponto de partida perfeito para uma marcha por terra pelos Bálcãs para capturar a capital bizantina de Constantinopla. Durante o inverno, também chegaram ao acampamento cruzado a notícia de que outro governante havia deposto Isaac II, que se chamava Aleixo III. Havia claramente problemas internos dentro do Império Bizantino – algo que os cruzados e seus aliados venezianos estavam dispostos a explorar.


No início de julho, o anfitrião cruzado estabeleceu um acampamento fora da cidade. Quando Alexius Angelos desfilou em frente aos muros, nenhum dos cidadãos que observavam parecia saber quem ele era. Os cruzados foram confrontados pelo fato de que precisariam usar a força para colocar seu homem no trono.


No dia 17, eles montaram uma série de ataques violentos, que deixaram o local em chamas. Aleixo III, um comandante militar pouco adequado, fugiu da cidade. Em 1º de agosto, Alexius Angelos foi coroado Alexius IV, governando como co-imperador com Isaac II (que havia sido preso e cegado por Alexius III). Esta monarquia dual foi criada para preservar o mito da integridade imperial bizantina.


O primeiro ato de Aleixo IV foi emitir um decreto para pagar aos venezianos 100.000 marcos (o saldo da dívida dos cruzados). No entanto, o novo imperador não pôde satisfazer as demandas do cruzado sem alienar totalmente seu próprio povo.


A opinião pública logo se voltou contra ele quando as acusações de homossexualidade foram levantadas. De acordo com Coniates, um cronista grego da época, as pessoas afirmavam: “que ele andava na companhia de homens depravados”. Eventualmente, Alexius foi derrubado por seu genro, que sem surpresa se recusou a honrar o tratado com os cristãos. Além disso, a situação de abastecimento no campo dos cruzados estava ficando desesperadora, pois sua posição garantia que eles não controlassem províncias férteis para forragem fácil.


Insatisfeitos com o desvio bizantino, parte do exército partiu para a terra santa por iniciativa própria. Como Villehardouin afirmou, qualquer curso de ação parecia preferível a ver o exército “dividido e destruído”.


Meses se passaram sem ação. A política interfacional do Império Bizantino tornou-se interminável para os cruzados. A situação ficou cada vez mais desconfortável, então os líderes da cruzada tomaram a decisão pragmática e desesperada de saquear Constantinopla.


O Saque de Constantinopla e as consequências da IV Cruzada


Em 9 de abril de 1204, os ataques dos cruzados começaram ao longo da costa norte da cidade, os navios venezianos foram convertidos em torres de cerco flutuantes.


Os ataques iniciais foram repelidos, mas três dias depois, dois cavaleiros conseguiram escalar as paredes. O primeiro foi cortado em pedaços pela Guarda Varangiana . O segundo, André de Orboise, confrontou os defensores que, segundo Villehardouin:


“avançou contra ele com machados e espadas e choveu golpes sobre ele, mas, pela graça de Deus, ele estava usando armadura e não o feriram. Ele foi protegido por Deus, e não era Sua vontade que o governo (dos bizantinos) durasse.”

Antes do anoitecer, uma parte da cidade estava sob o poder dos cruzados. Temendo um contra-ataque dos bizantinos, os cruzados incendiaram várias casas, as chamas engolindo grande parte de Constantinopla. Naquela noite, o comandante bizantino fugiu junto com a maioria de suas tropas sobreviventes.


Seguiram-se três dias de violência e saques sistemáticos, os líderes das cruzadas ordenando que seus séquitos pessoais “tomassem posse de todas as melhores e mais ricas casas da cidade”.


O exército saqueador roubou aproximadamente 500.000 marcos, o suficiente para financiar um grande estado europeu por dez anos. Também foram levados barcos carregados de relíquias sagradas, bem como a famosa estátua dos Cavalos de São Marcos, que ainda hoje é mantida em Veneza.


Na sequência, um novo Estado Cruzado foi estabelecido, o Império Latino de curta duração. Na realidade, a única coisa que a IV Cruzada conseguiu foi acelerar o colapso final do Império Bizantino.


Inocêncio ficou chocado quando soube do derramamento de sangue, condenando todo o empreendimento:


“Pois aqueles que deveriam servir a Cristo e não a si mesmos, que deveriam ter usado suas espadas contra os infiéis, banharam essas espadas no sangue dos cristãos”.
 

Fonte - Phillips, Jonathan (2004). The Fourth Crusade and the Sack of Constantinople


Nicolle, David (2011). The Fourth Crusade 1202–04


Benjamin Z. Kedar (2005), "The Fourth Crusade's Second Front"


Gregory, Timothy (2010). A History of Byzantium.

118 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page