top of page

SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA

Atualizado: 3 de jun. de 2023



Santo Antônio de Pádua é um dos santos mais populares da Igreja Católica. Padroeiro dos artigos perdidos e roubados (ou santo casamenteiro aqui no Brasil), foi um pregador e professor franciscano. Ele é tipicamente retratado segurando o menino Jesus - ou um lírio - ou um livro - ou os três - em seus braços. É o santo com o processo de canonização mais rápido da história, Santo Antônio foi canonizado com apenas 11 meses após sua morte.


Muitas pessoas conhecem por ser casamenteiro, o famoso santinho no bolo, e pelo Pão de Santo Antônio, que é distribuído pelos populares em agradecimento a Deus pelas bênçãos recebidas por meio das orações de Santo Antônio. Nesse artigo, irei tratar primeiramente da vida de Santo Antônio, e na próxima postagem irei falar dos seus milagres e tradições.


A vida de Santo Antônio de Pádua é vista como um modelo a ser seguido, (independente da crença), foi uma vida de coragem constante para enfrentar os altos e baixos da vida, o chamado para amar e perdoar, para se preocupar com as necessidades dos outros, para lidar com crises grandes e pequenas, e para ter nossos pés solidamente no terreno do amor e confiança total.


Nascimento


Existem muitas lendas sobre Antônio. Mas vamos voltar aos fatos conhecidos sobre ele. Antônio nasceu em 1195 (13 anos depois de São Francisco) em Lisboa, Portugal e recebeu o nome de Fernando no Batismo. Seus pais, Vicente Martins e Teresa Pais Taveira, aparentemente pertenciam a uma das famílias proeminentes da cidade. Aos 15 anos ingressou na ordem religiosa de Santo Agostinho. A vida no mosteiro dificilmente era pacífica para o jovem Fernando, nem propícia à oração e ao estudo, já que seus velhos amigos vinham visitá-lo com frequência e engajados em veementes discussões de assuntos diversos. Passados ​​dois anos foi enviado para Coimbra. Ali iniciou nove anos de intenso estudo, aprendendo a teologia agostiniana que mais tarde combinaria com a visão franciscana. Fernando provavelmente foi ordenado sacerdote nessa época.


A vida do jovem sacerdote sofreu uma reviravolta crucial quando os corpos dos primeiros cinco mártires franciscanos foram devolvidos de Marrocos. Eles haviam pregado na mesquita de Sevilha, quase sendo martirizados no início, mas o sultão permitiu que passassem para o Marrocos, onde, após continuarem a pregar a Cristo apesar das repetidas advertências, foram torturados e decapitados. Agora, na presença da rainha e de uma grande multidão, seus restos mortais eram levados em procissão solene até o mosteiro de Fernando.


Ele ficou muito feliz e inspirado para uma decisão importante. Foi ao convento de Coimbra e disse:


“Irmão, de bom grado colocaria o hábito da sua Ordem se me prometesse enviar-me o mais depressa possível para a terra dos sarracenos, para que ganhe a coroa dos santos mártires.”

Depois de algumas contestações do prior dos agostinianos, foi autorizado a deixar o convento e receber o hábito franciscano, passando a se chamar Antônio.


Fiel à promessa, os franciscanos permitiram que Antônio fosse ao Marrocos para ser uma testemunha de Cristo e também um mártir. Mas, como sempre acontece, o presente que ele queria dar não era o que deveria ser pedido a ele. Ele ficou gravemente doente e, depois de vários meses, percebeu que precisava voltar para casa.


Ele nunca chegou. Sua embarcação enfrentou tempestades e ventos fortes e foi levado para leste através do Mediterrâneo. Meses depois, ele chegou à costa leste da Sicília. Os frades da vizinha Messina, embora não o conhecessem, deram-lhe as boas-vindas e começaram a cuidar dele para que recuperasse a saúde. Ainda doente, ele queria assistir ao grande Capítulo das Esteiras de Pentecostes (assim chamado porque os 3.000 frades não podiam ser alojados e dormir em esteiras). Francisco estava lá, também doente. A história não revela nenhum encontro entre Francisco e Antônio.


Como o jovem era “de fora da cidade”, não recebeu nenhuma designação no encontro, então pediu para ir com um superior provincial do norte da Itália. “Instrui-me na vida franciscana”, pediu, sem mencionar sua formação teológica anterior. Agora, como Francisco, ele teve sua primeira escolha - uma vida de reclusão e contemplação em um eremitério perto de Montepaolo.


Talvez nunca teríamos ouvido falar de Antônio se ele não tivesse ido a uma ordenação de dominicanos e franciscanos em 1222. Quando eles se reuniram para uma refeição depois, o provincial sugeriu que um dos frades fizesse um breve sermão. Normalmente, todo mundo se abaixou. Então, Antônio foi convidado a dar “apenas algo simples”, já que ele provavelmente não teve educação.


Antônio também hesitou, mas finalmente começou a falar de uma maneira simples e natural. Seu conhecimento era inconfundível, mas sua postura, oralidade, e simplicidade de fala foi o que realmente impressionou a todos ali.


Agora ele estava exposto. Sua vida tranquila de oração e penitência no eremitério foi trocada pela de um pregador público. Francisco ouviu falar dos dons anteriormente ocultos de Antônio, e Antônio foi designado para pregar no norte da Itália. O problema com muitos pregadores na época de Antônio era que seu estilo de vida contrastava fortemente com o das pessoas pobres a quem pregavam. Em nossa experiência, isso poderia ser comparado a um evangelista chegando a uma comunidade carente dirigindo uma Ferrari, fazendo uma homilia de seu carro e saindo em alta velocidade para um resort de férias. Antônio viu que as palavras obviamente não eram suficientes. Ele teve que mostrar a pobreza do evangelho. As pessoas queriam mais do que padres autodisciplinados, até mesmo padres penitentes. Eles queriam genuinidade na vida do evangelho. E em Antônio eles encontraram. Eles foram movidos por quem ele era, mais do que o que ele disse.


Apesar de seus esforços, nem todos ouviram. Diz a lenda que um dia, confrontado com ouvidos surdos; Antônio foi ao rio e pregou aos peixes. Isso, diz o conto tradicional, chamou a atenção de todos.


Antônio viajou incansavelmente pelo norte da Itália e pelo sul da França - talvez 400 viagens - escolhendo entrar nas cidades onde o catolicismo era de certo modo fraco. Ainda assim, os sermões que ele deixou para trás raramente mostram que ele discorda diretamente das outras crenças. Como interpreta o historiador Clasen:


Antônio preferia apresentar a grandeza do Cristianismo de maneiras positivas. Não adiantava provar que as pessoas estavam erradas: Antônio queria conquistá-las para o certo, a salubridade da verdadeira tristeza e conversão, a maravilha da reconciliação com um Pai amoroso.

Pregador Público, Professor Franciscano


O superior de Antônio, São Francisco, era cauteloso com a educação que seu protegido possuía. Ele tinha visto muitos teólogos se orgulhando de seus conhecimentos sofisticados. Ainda assim, se os frades tivessem que pegar as estradas e pregar para todo tipo de pessoa, eles precisariam de um alicerce firme nas Escrituras e na teologia. Assim, quando ouviu o relato entusiasmado da estreia de Antônio nas ordenações, Francisco escreveu em 1224:


“Agrada-me que você ensine teologia sagrada aos frades, desde que em tais estudos eles não destruam o espírito de santa oração e devoção, conforme contido na Regra.”

Antônio lecionou pela primeira vez em um convento em Bolonha, que se tornou uma escola famosa. O livro de teologia da época era a Bíblia. Em um sermão do santo ainda existente, há pelo menos 183 passagens das Escrituras. Embora nenhuma de suas conferências e discussões teológicas tenha sido escrita, temos dois volumes de seus sermões: Sermões de domingo e Sermões de festa. Seu método incluía o uso de alegoria e explicação simbólica das Escrituras.


Antônio continuou a pregar enquanto ensinava os frades e assumia mais responsabilidades dentro da Ordem. Em 1226 foi nomeado superior provincial do norte da Itália, mas ainda encontrou tempo para a oração contemplativa em um pequeno eremitério. Por volta da Páscoa de 1228 (ele com 33 anos), enquanto em Roma, conheceu o Papa Gregório IX, que havia sido um amigo fiel e conselheiro de São Francisco. Naturalmente, o famoso pregador foi convidado a falar. Ele o fez com humildade, como sempre. A resposta foi tão grande que as pessoas disseram mais tarde que parecia que o milagre do Pentecostes se repetia.


Pádua entra em Cena


Pádua, na Itália, fica a uma curta distância a oeste de Veneza. Na época de Antônio, era uma das cidades mais importantes do país, com uma importante universidade para o estudo do direito civil e canônico. Às vezes, Antônio deixava Pádua em busca de maior solidão. Ele foi para um lugar amado por Francisco - LaVerna, onde Francisco recebeu os estigmas. Ele também encontrou uma gruta perto do convento onde poderia orar sozinho.


Com a saúde debilitada, e ainda superior provincial do norte da Itália, foi ao Capítulo Geral em Roma e pediu para ser dispensado de suas funções. Mas ele foi mais tarde chamado como parte de uma comissão especial para discutir certos assuntos da Regra Franciscana com o papa.


De volta a Pádua, ele pregou seu último e mais famoso sermão quaresmal. As multidões eram tão grandes - às vezes 30.000 - que as igrejas não podiam contê-las, então ele foi para as praças ou campos abertos. As pessoas esperaram a noite toda para ouvi-lo. Ele precisava de um guarda-costas para protegê-lo das pessoas armadas com uma tesoura que queriam cortar um pedaço de seu hábito como uma relíquia. Depois da missa matinal e do sermão, ele ouvia confissões. Isso às vezes durava o dia todo. A grande energia que ele gastou durante a Quaresma de 1231 o deixou exausto. Ele foi para uma pequena cidade perto de Pádua, mas vendo a morte se aproximando, ele queria voltar para a cidade que ele amava. A viagem em uma carroça o enfraqueceu mais, ele teve que parar em Arcella. Ele teve que abençoar Pádua à distância, como Francisco abençoou Assis.


Em Arcella recebeu os últimos sacramentos, rezou com os frades presentes. Quando um deles perguntou a Antonio o que ele estava olhando tão atentamente, ele respondeu:


"Vejo meu Senhor!"

Ele morreu logo após isso. Ele tinha apenas 36 anos e era franciscano há apenas 10 anos.


No ano seguinte, seu amigo, o papa Gregório IX, comovido com os muitos milagres ocorridos no túmulo de Antônio, declarou-o santo. O jovem que seus irmãos achavam que não tinha educação tornou-se um dos grandes pregadores e teólogos de sua época. Ele foi um homem de grande penitência e zelo apostólico. Mas ele era principalmente um santo do povo.

 

Fonte - Santo Antônio de Pádua: A história de sua vida e devoções populares, publicado pela St. Anthony Messenger Press pelo franciscano Padre Leonard Foley (1913-1994)


Anthony of Padua, Sermones for the Easter Cycle, Franciscan Institute Publications, 1994, ISBN 978-1-57659-041-6


St. Anthony, Doctor of the Church, Franciscan Institute Publications, 1973, ISBN 978-0-8199-0458-4

83 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

LUIS IX

bottom of page