top of page

ANDRÉ DE LONGJUMEAU - O MISSIONÁRIO DOMINICANO E SUAS DUAS EMBAIXADAS MONGÓIS


André de Longjumeau presenteia o santo com a coroa de espinhos de Cristo -  Igreja paroquial católica de Saint-Martin em Longjumeau
André de Longjumeau presenteia o santo com a coroa de espinhos de Cristo - Igreja paroquial católica de Saint-Martin em Longjumeau

André de Longjumeau - (1200 -1271) foi um missionário e diplomata dominicano do século XIII. Ele liderou duas embaixadas aos Mongóis: Na primeira viagem levou as cartas do Papa Inocêncio IV e na segunda os presentes e cartas de Luís IX a Güyük Khan. Bem familiarizado com o Oriente Médio, ele falava árabe e "caldeu" (supostamente Siríaco ou Persa)


Coroa de Espinhos


A primeira missão de André no Oriente foi confiada a ele pelo rei Luís IX. Ele o instrui a ir, na companhia de um irmão dominicano chamado Jacques, buscar em Constantinopla a Coroa de espinhos, que lhe havia sido vendida pelo imperador latino Balduíno II em 1238, que ansiava por obter apoio para sua Império. A Coroa de Espinhos é agora mantida em um relicário do século XIX em Notre Dame de Paris.


(Após o incêndio de Notre Dame, hoje a coroa se encontra armazenada no Museu do Louvre.)



Coroa de Espinhos
Coroa de Espinhos - REUTERS/Philippe Wojazer/File Photo

Missão Papal aos Mongóis (1245–1247)


André de Longjumeau liderou uma das quatro missões enviadas aos mongóis pelo Papa Inocêncio IV. Ele deixou Lyon na primavera de 1245 para o Levante. Ele visita os principados muçulmanos na Síria e os representantes das igrejas nestoriana e jacobita na Pérsia, finalmente entrega a correspondência do papa a um general mongol em Tauris, perto de Tabriz. Em Tauris, André de Longjumeau conhece um monge nestoriano, chamado Siméon Rabban Ata, encarregado pelo Khan de proteger os cristãos do Oriente Médio.


Segunda Missão aos Mongóis (1249-1251)


No acampamento mongol perto de Tauris, André conheceu um certo David, um cristão nestoriano, que encontrou, em dezembro de 1248 na corte do rei Luís IX em Chipre. André traduz a mensagem do general mongol Eljigidei trazida por David ao rei, uma oferta real ou pretensa da aliança do general e uma proposta de ataque conjunto às potências islâmicas da Síria. Em resposta, Luís IX despachou André como embaixador em Güyük Khan, ele foi acompanhado por seu irmão (também dominicano) Guillaume e vários outros.


O embarque sai em 27 de janeiro de 1249, com cartas do rei Luís IX e do legado papal, Odon de Châteauroux (um cardeal Francês), e ricos presentes. De Chipre ela vai para o porto de Antioquia na Síria, e daí viaja por um ano para a corte do Grande Khan, na velocidade de dez léguas (55 km ) por dia. A rota a leva através da Pérsia, ao longo das margens sul e leste do Mar Cáspio, e através de Talas, a nordeste de Tashkent.


Quando a missão chega à Suprema Corte dos mongóis – seja no rio Imyl (perto do lago Alakol) ou mais provavelmente em Karakorum, a sudoeste do lago Baikal – Güyük Khan já havia morrido em abril de 1248. A esposa do falecido Khan, Oghul Qaïmich, que estava no comando da regência, recebeu André, não se sabe quantos dias eles permaneceram, mas André voltou com presentes e uma carta para Luís IX.


O relato feito por André ao seu governante, a quem se juntou em 1251 em Cesareia na Palestina, parece ter sido uma mistura de história e fábula, sobre as lutas de Genghis Khan e do Preste João (O Reino do Preste João foi um estado cristão nestoriano localizado no Oriente).


Por outro lado, a descrição dos costumes mongóis é bastante precisa, e suas declarações sobre o cristianismo mongol e sua prosperidade, talvez exageradas, são baseadas em fatos.


Montes de ossos marcaram seu caminho, testemunhando a devastação registrada por outros historiadores em detalhes. Ele encontrou prisioneiros cristãos (da atual Alemanha) no coração da "Tartária" (em Talas). Ele foi forçado a observar a cerimônia de passagem entre duas fogueiras, como portador de presentes para um Khan morto, presentes que eram naturalmente considerados pelos mongóis como prova de submissão. Esse comportamento ofensivo, e os termos da carta de resposta relatada por André, fizeram com que a missão fosse considerada um fracasso.


André estava hospedado na Palestina, onde por volta de 1253 conheceu Guilherme de Rubrouck, o missionário franciscano que, em seu trabalho sobre os costumes asiáticos, afirma que tudo o que ouviu de André sobre o assunto foi plenamente confirmado por suas próprias observações. André vai então para Tunes. Ele morreu depois de 1270.

 

Fonte - Beazley, Charles Raymond. " André de Longjumeau"


Paul Pelliot, The Mongols and the Papacy

27 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page