top of page

CORPUS CHRISTI: UMA FESTA MEDIEVAL

Atualizado: 7 de jun. de 2023



A Festa de Corpus Christi, também conhecida como a Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, é uma solenidade litúrgica cristã celebrada desde o século XIII que tem por significado aos Católicos a Presença Real do Corpo e Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo nos elementos da Eucaristia; junto a isso (mas não foi o motivo para criação da festa) está ligado um milagre, conhecido como "Milagre de Bolsena".


O "Milagre de Bolsena" é considerado pela Igreja Católica Romana como uma revelação privada, o que significa que os católicos não têm obrigação de acreditar nele, embora possam fazê-lo livremente.


No auge da Idade Média no ocidente, a adoração do Senhor Eucarístico – não a recepção da Comunhão – era o clímax da liturgia para o leigo comum. Os fiéis, chamados a atenção pelo toque dos sinos do Sanctus, se acotovelavam para vislumbrar a Hóstia levantada pelo padre sobre sua cabeça nas elevações. Conforme contado por Eamon Duffy em The Stripping of the Altars : Traditional Religion in England, 1400-1580, paroquianos zelosos não podem sair até que tenham contemplado satisfatoriamente o Senhor, gritando por toda a nave:


"Levante-o mais alto, senhor padre! mais alto!"

Ninguém fez mais para fomentar a devoção à presença real de Cristo nestes séculos cruciais do que São Norberto de Xanten: fundador da Ordem Praemonstratense. Quatrocentos anos antes da Reforma Protestante, um pregador errante conhecido como Tanchelm fez com que muitas pessoas na cidade de Antuérpia de certa forma negassem a salvação através da Eucaristia e a autoridade do bispo. São Norberto foi convidado pelo bispo Burchard de Cambrai para levar alguns discípulos de confiança com ele para a cidade e trazê-lo de volta à fé ortodoxa: uma façanha que ele realizou com gentileza de coração e zelo na pregação. Ele disse ao povo:


“Irmãos, não se surpreendam e não tenham medo. Inadvertidamente, você perseguiu a falsidade pensando que ela é a verdade. Se você tivesse sido ensinado a verdade primeiro, você teria sido encontrado sem esforço tendendo à salvação, assim como agora você se inclina sem esforço para a perdição.”

Concentrando-se no discurso de Cristo sobre o "pão da vida" em João 6, Norberto reconciliou a cidade com a Igreja e passou a ser conhecido como o Apóstolo de Antuérpia. Por ensinar tanto o clero quanto os leigos a cuidarem com reverência das toalhas do altar e do manejo das Sagradas Espécies por onde passassem, chegando até mesmo a levar o Santíssimo Sacramento da igreja para o campo de batalha, fazendo de Cristo o instrumento de paz entre clãs em guerra, Norberto ficou conhecido como o Apóstolo da Eucaristia.


Uma jovem logo retomou de onde Norberto parou para levar a devoção eucarística da Igreja medieval ao seu ápice. Santa Juliana de Liège, uma cónego norbertina, relatou ter uma visão de uma lua cheia, brilhando intensamente, mas marcada por uma linha escura em sua superfície. Ela entendia que a lua representava a Igreja na terra, refletindo a luz da glória de Cristo. A linha escura era um vazio na miríade de celebrações da Igreja: a falta de um dia dedicado à presença real do Senhor na Eucaristia. Até então, a Quinta-feira Santa era o único dia para comemorar a instituição da Eucaristia (na Última Ceia), mas era inevitavelmente ensombrada pela escuridão da Sexta-feira Santa. Santa Juliana pediu a seu bispo que declarasse uma festa do Corpo e Sangue de Cristo dentro da diocese - o que ele fez, embora tenha morrido antes que pudesse agir sobre isso.


Santa Juliana morreu em 1258, antes que a festa de Corpus Christi pudesse criar raízes fora de sua cidade. Pouco depois, porém, o ex-arcediácono de Liège foi eleito Papa Urbano IV. O amigo sobrevivente de Juliana pediu ao Papa que instituísse uma festa de acordo com o plano de Juliana. Isso ele fez, muito além do que Santa Juliana poderia ter sonhado: em 11 de agosto de 1264, Urbano IV publicou a bula Transiturus, proclamando uma festa em honra do Corpo e Sangue de Cristo em toda a Igreja latina, que é conhecida como Corpus Christi:


"Embora este Sacramento memorial seja frequentado nas solenidades diárias da Missa, julgamos conveniente e digno que, pelo menos uma vez por ano - especialmente para confundir a falta de fé e a infâmia dos hereges - uma memória mais solene e honrosa deste Sacramento, porque na Quinta-feira Santa, dia em que o próprio Senhor instituiu este Sacramento, a Igreja universal, ocupada com a reconciliação dos penitentes, abençoando o crisma, cumprindo os Mandamentos sobre o lava-pés e muitos outros tais coisas, não é suficientemente livre para celebrar tão grande Sacramento”.

A festa seria marcada com procissões eucarísticas (ainda novidade na época) por todas as cidades da cristandade na quinta-feira depois da Trindade: quinta-feira para vincular a celebração com a instituição da Eucaristia na Última Ceia. O próprio Doutor Angélico, São Tomás de Aquino, foi contratado para escrever um ofício e vários hinos agora famosos para a festa. A visão do Senhor entronizado em ostensório, desfilado pela praça central com todos os magistrados da cidade presentes, naturalmente cativou o fervor da população.


Milagre Eucarístico de Bolsena


O Milagre Eucarístico em Bolsena, ocorreu na Itália, em 1263, quando uma hóstia consagrada supostamente começou a sangrar em um corporal, o pequeno pano sobre o qual repousam a hóstia e o cálice durante o Cânone da Missa. O aparecimento do sangue foi visto como um milagre para afirmar a doutrina católica romana da transubstanciação, que afirma que o pão e o vinho se tornam o Corpo e Sangue de Cristo no momento da consagração durante a missa.


Hoje o Corporal de Bolsena é preservado em um rico relicário em Orvieto na catedral. As manchas avermelhadas no pano, observadas de perto, mostram o perfil de um rosto semelhante aos que tradicionalmente representam Jesus Cristo. Diz-se que o sangramento milagroso da hóstia ocorreu nas mãos de um sacerdote oficiante que tinha dúvidas sobre a transubstanciação. O "Milagre de Bolsena" é considerado pela Igreja Católica Romana como uma revelação privada, o que significa que os católicos não têm obrigação de acreditar nele, embora possam fazê-lo livremente.


O Papa Urbano IV não faz menção a isso na bula pela qual estabeleceu a festa de Corpus Christi, embora a lenda do milagre seja estabelecida em sua vida e seja reivindicada por seus partidários como tendo determinado seu propósito de estabelecer a festa. Silenciam-se os biógrafos contemporâneos de Urbano: Muratori, Rerum Italicarum scriptores, (vol. III, pt. l, 400ss) e Thierricus Vallicoloris, que, em sua vida do papa em versos latinos, descreve em detalhes todos os acontecimentos da vida do pontífice permanecer em Orvieto, referindo-se alhures também à devoção de Urbano na celebração da Missa, e à instituição da festa de Corpus Christi, sem em nenhum momento fazer alusão a um milagre em Bolsena.


O milagre de Bolsena é relatado na inscrição numa laje de mármore vermelho da igreja de Santa Cristina, e é posterior à canonização de São Tomás de Aquino (1328). O registro mais antigo do milagre está nas representações de esmalte que adornam a frente do relicário feito pelo ourives de Siena Ugolino di Vieri em 1337-1338.


Em 1344 Clemente VI, referindo-se a este assunto, usa apenas as palavras propter miraculum aliquod ("por causa de algum milagre") (Pennazzi, 367); Gregório XI, em um outro relato de 25 de junho de 1337, faz um breve relato do milagre; e abundante referência a ele é encontrada mais tarde (1435), nos sermões do pregador dominicano Leonardo Mattei de Udine ("In festo Corp. Christi", xiv, ed. Veneza, 1652, 59) e por Antonino de Florença ( Chronica, III, 19, xiii, 1), este último, porém, não diz (como afirma a lenda local) que o padre duvidou da Presença Realde Cristo na Sagrada Eucaristia, mas apenas que algumas gotas do cálice caíram sobre o corporal. De resto, lendas semelhantes do "corpo manchado de sangue" são bastante frequentes nas coleções de lendas de data ainda anterior ao século XIV, e coincidem com as grandes polêmicas eucarísticas dos séculos IX ao XII.


A festa de Corpus Christi é um dos principais feriados da cidade de Orvieto, durante o qual o Cabo de Bolsena desfila pela cidade com muita fanfarra.


afresco na Sala Apostólica do Palácio do Vaticano, intitulado A Missa em Bolsena, pintado pelo pintor renascentista Rafael.
afresco na Sala Apostólica do Palácio do Vaticano, intitulado A Missa em Bolsena, pintado pelo pintor renascentista Rafael.

E para encerrar, seguimos com o hino escrito por São Tomás de Aquino - Pange lingua gloriosi


​Pange, lingua, gloriosi Corporis mysterium Sanguinisque pretiosi Quem in mundi pretium Fructus ventris generosi Rex effudit gentium Nobis datus, nobis natus Ex intacta virgine Et in mundo conversatus Sparso verbi semine Sui moras incolatus Miro clausit ordine In supremae nocte coenae Recumbens cum fratribus Observata lege plene Cibis in legalibus Cibum turbae duodenae Se dat suis manibus Verbum caro, panem verum Verbo carnem efficit Fitque sanguis christi merum Et si sensus deficit Ad firmandum cor sincerum Sola fides sufficit Tantum ergo sacramentum Veneremur cernui Et antiquum documentum Novo cedat ritui Praestet fides supplementum Sensuum defectui Genitori, genitoque Laus et jubilatio Salus, honor, virtus quoque Sit et benedictio Procedenti ab utroque Compar sit laudatio Amen

​Canta, minha língua Este mistério do corpo glorioso, E do sangue precioso, Que, do fruto de um ventre generoso O rei das nações derramou Como preço da redenção do mundo.

Dado a nós, por nós nascido De uma intacta virgem, E no mundo vivendo, Espalhando a semente da palavra, O tempo certo da sua permanência Encerrou no rito admirável.

Na ceia da última noite Reclinando-se com seus irmãos Tendo observado plenamente A lei da festa prescrita, Deu a si mesmo com as suas mãos Somo alimento ao grupo de doze

O verbo encarnado, o pão real Com sua palavra muda em carne: O vinho torna-se o sangue de cristo, E como os sentidos falham, Para firmar um coração sincero Apenas a fé é eficaz.

O sacramento tão grande Veneremos curvados: E a antiga lei Dê lugar ao novo rito: A fé venha suprir A fraqueza dos sentidos.

Ao pai e ao filho Saudemos com brados de alegria, Louvando-os, honrando-os, dando-lhes Graças e bendizendo-os: Ao espírito que procede de ambos Demos os mesmos louvores.

Amém.

 

Fonte - Barbara R. Walters, The Feast of Corpus Christi


E.L. Mascall, Corpus Christi: Essays on the Church and the Eucharist


Eamon Duffy, The Stripping of the Altars: Traditional Religion in England, 1400-1580

286 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page