top of page

O PAPEL DO BOBO DA CORTE NA IDADE MÉDIA



Os bobos da corte, (ou tolos) evocam imagens de festas medievais, onde o bobo, bem vestido e cheio de sinos, divertia os convidados de seus Lordes com zombarias, mímicas e gracejos. Mas se engana quem acredita que esse papel surgiu na idade média, o bobo, entretanto, é anterior ao período medieval. Os faraós egípcios gostavam de ser entretidos por seus bobos, tanto quanto seus colegas posteriores na Europa. Até os romanos amavam um bobo, especialmente os "bufões" que, de acordo com Santo Agostinho, podiam:


"produzir à vontade tais sons musicais de suas costas (sem qualquer fedor) que pareciam estar cantando daquela região".

Se a tradição do bobo era antiga, também era muito mais variada do que imaginamos. Pois o papel do bobo era muito mais do que contar piadas e entreter a aristocracia.


Embora muitos tolos fossem fisicamente deficientes, outros eram indivíduos altamente treinados e habilidosos que atuavam como artistas populares em carnavais e feiras.


Depois, havia os tolos sábios com um papel mais amplo, os conselheiros e consoladores cujos conselhos até mesmo os reis acatariam. Esses tolos muitas vezes agiam como intermediários políticos - até mesmo indo para a batalha.


Pequenos Servos


Até o século XI e XII, os bobos medievais caíram na categoria geral de menestrel ou de pequenos servos. O termo abrangia uma ampla gama de artistas além de bufões, incluindo acrobatas, músicos e cantores.


No entanto, “servo pequeno” era um termo apropriado para os tolos da casa. Pois os bobos da corte deviam desempenhar um papel muito mais amplo na casa do que manter as pessoas entretidas.


Os nobres não entretinham todas as noites pois não queriam a repetição de ouvir o mesmo animador, e as mesmas piadas. Então, quando não estavam atuando, os bobos encontravam outros trabalhos domésticos.


Eles podem ser encarregados de cuidar dos cães de caça ou trabalhar nas cozinhas. Eles também podem ser enviados ao mercado para comprar produtos para o lar.


Os Jograis medievais altamente treinados podem ter achado que essas tarefas estavam abaixo deles. No entanto, outros bobos ficariam mais do que gratos se tivessem alguma utilidade.


Alguns tolos, entretanto, desempenhavam funções muito mais sombrias do que algumas tarefas domésticas. Thomas Skelton foi o último bobo profissional no Castelo Muncaster, perto de Ravenglass, em Cumbria. Skelton estava a serviço da família Pennington, que possuía o castelo por 800 anos e se acreditava ter sido o modelo para o bobo da corte real do Rei Lear de Shakespeare.


No entanto, a lenda diz que Skelton também era um assassino. Para Helwise, a filha solteira de Sir Alan Pennington tinha tomado Dick, filho de um carpinteiro e um dos servos do castelo como amante. Quando um dos outros pretendentes de Helwise, um cavaleiro local, descobriu o caso, ele convocou Skelton para se vingar.


O cavaleiro pediu a Skelton que decapitasse Dick com seu próprio machado enquanto ele dormia - e o bobo da corte ficou mais do que feliz em obedecer, pois acreditava que o jovem havia roubado dinheiro dele. Na sequência, ele se gabou de seu crime.


Conselheiros, Confidentes e Consoladores


Já diz o ditado:


"Brincando se pode contar até a verdade!"

Isso inclui os bobos da corte, até porque eles eram os únicos na corte que podiam zombar abertamente do monarca - e manter suas cabeças.


Como exemplo temos Will Somer's, o Bobo da corte do rei Henrique VIII, bom, em 1535, Will ousou zombar da então esposa do rei, Ana Bolena, chamando-a de "obscena" ou uma mulher sexualmente imoral - e a filha do rei, Elizabeth, de bastarda.


Henrique não gostou e ameaçou matar Will. No entanto, sabe-se que Henrique o perdoou.


Os bobos tinham essa licença porque se tornavam úteis, eles eram tudo menos "bobos", eram indivíduos astutos e inteligentes que agiam como conselheiros e confidentes não oficiais.


Somers era conhecido pela integridade e discrição. Ele usava sua inteligência para chamar a atenção de Henrique para questões que, de outra forma, o rei não teria percebido.


Thomas Cromwell, o ministro-chefe de Henrique, o usou dessa forma para influenciar o rei em vários assuntos.


Outro exemplo foi George Buchanan, o bobo da corte do rei James VI da Escócia. James tinha o hábito de assinar documentos oficiais sem lê-los, e isso estava causando sérios problemas. Então George decidiu lhe dar uma lição. Um dia, ele levou alguns documentos para James assinar, descobriu-se depois que, ao assinar, ele abdicou do governo da Escócia - e fez seu tolo Rei em seu lugar.


O Bobo leal discretamente apontou o erro e, a partir de então, James lia os documentos antes de assinar. Os Bobos Reais eram amigos e consoladores. Nos anos de declínio de Henrique VIII, Will Somers era a única pessoa que conseguia fazê-lo sorrir quando sentia dores.


Ele também era uma das poucas pessoas em quem o rei realmente confiava e confidenciava. Will serviu Henrique lealmente até sua morte. Outros tolos reais fizeram fortuna. O tolo Robert le Pettour recebeu 30 Acres de terra em sua aposentadoria de Henrique II.


Bobos no Campo de Batalha


O papel pouco abordado dos bobos, era seu uso ocasional na guerra. Era comum ver os dois exércitos se preparando para a batalha e ver os bufões dos líderes adversários saltitando a pé ou cavalgando à frente das tropas.


Esses bravos tolos contariam piadas e zombariam do inimigo para elevar o ânimo de seu próprio exército - ou provocar o inimigo a um ataque prematuro. Os bobos tinha um papel psicológico na guerra. Na noite anterior a uma batalha, eles até atuaram como os primeiros artistas do tempo de guerra, distraindo as mentes dos soldados com canções e histórias.


No entanto, os Bobos não eram apenas "bobos do campo de batalha". Com bastante frequência, os líderes dos exércitos usavam seus Bobos para transmitir mensagens ao lado oposto. Os Bobos foram usados ​​para carregar os termos de rendição - ou para entregar as condições para a libertação dos reféns. Um papel perigoso. Embora tradicionalmente os mensageiros fossem sagrados e, portanto, não deviam ser prejudicados.


E claro, eles não brincavam apenas, alguns deles se juntaram à luta. Um exemplo era o bobo da corte de Guilherme, o Conquistador, um anão chamado Taillefer que desempenhou um papel crucial na Batalha de Hastings.


No meio da batalha, os normandos estavam enfraquecendo e correndo o risco de serem derrotados. De repente, Taillefer cavalgou na frente deles e “ atirou a espada para o alto; ele se divertiu com isso”. Esse ato de malabarismo no campo de batalha tirou um dos soldados da parede de escudos defensivos dos ingleses.


Taillefer parou imediatamente de dar cambalhotas, voltou-se para o soldado e decapitou-o. Então, ele virou seu cavalo em direção às linhas inglesas e os atacou.


Taillefer foi morto em batalha. No entanto, sua brincadeira corajosa agiu como o estímulo de que seu lado precisava. Aproveitando seu exemplo, os normandos se reagruparam, vencendo a batalha e Guilherme sua coroa.


Naquele dia de 1066, uma palhaçada do Tolo mudou o curso da história, provando que os bufões medievais não eram tão brincalhões, afinal.

 

Fonte - 10 facts about the Battle of Hastings (britain-magazine.com)


Medieval Jester - More Than Just a Fool (medievalfactsexaminer.weebly.com)

332 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page